Procure no JP

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2006

Paulista Série A2: Palmeiras B 6-5 Taubaté

Fala povo!

Bom, agora sim vamos com o post da sessão vespertina do JOGOS PERDIDOS. Não ia ver jogo nenhum, até porque fui encontrar a Van no metrô Barra Funda. Mas aproveitando a deixa e por estar lá perto, ela acabou me encorajando a ir no Parque Antárctica ver o jogo entre Palmeiras B e Taubaté. Lá já estavam o Jurandyr, o David e o Seu Natal. O que nós, nem ninguém que estava lá esperava, é que esse seria um dos jogos mais fantásticos dos últimos tempos. Como há muito não se via, presenciamos uma genial alternância de gols e de domínio da partida, um belo jogo das duas equipes e emoção de sobra.

Devidamente instalados nas numeradas descobertas do Palestra Itália, vimos o Palmeiras B começar o jogo a 200 km por hora, com seu ataque afiado e muita velocidade. Não demorou para o time chegar a uma bela vantagem de 3 a 0, fácil, fácil. O primeiro gol surgiu aos 16 minutos, numa cabeçada quase sem ângulo do Júlio César. Aos 21, o jogador Beto fez o segundo e aos 28 o time verde chegou ao terceiro, com Tiago Gomes, também de cabeça.


Detalhe do primeiro gol palmeirense, aos 16 minutos. Começava a festa no Parque! Foto: Fernando Martinez.


Lance do terceiro gol do Palmeiras B. Parecia que o jogo seria um massacre! Parecia... Foto: Fernando Martinez.

Logo quando o jogo parecia que seria uma festa para o alviverde, o Taubaté resolveu acordar e partir pra cima do Palmeiras B. Aos poucos a equipe do interior foi chegando na área verde e dominando as ações, mas não conseguia chegar ao gol de fato. Mas quando o jogo ia para o intervalo, o Taubaté fez o seu primeiro gol. Aliás, UMA PINTURA de gol, numa bicicleta PERFEITA do jogador Jordan. Esse gol foi um dos 10 mais bonitos que vi em estádio (isso que vi mais de 3000 gols). O jogo foi para o intervalo em 3 a 1 e prometia muito para a segunda etapa.


No intervalo, o David aproveitou para mostrar sua coleção histórica de fotos, ingressos, canhotos de cinema, etc, etc, etc... Tudo dentro de sua poderosa carteira! Ao lado, o Jurandyr fica surpreso ao ver um ingresso do jogo entre América e São Cristóvão em 1976. Fotos: Fernando Martinez.

Bom, falar do segundo tempo é algo um tanto quanto indescritível. Todos os presentes ficaram meio fora de órbita com o que viram. Mais do que emocionante, foi algo digno de registro histórico e ainda bem que estivemos por lá para poder falar disso. O Taubaté veio com tudo, e aos 9 minutos assustou o time verde marcando seu segundo gol, de cabeça, com o jogador Renato. Quando o time azul era mais efetivo no ataque, o Palmeiras B arrancou o seu quarto gol, de novo com Júlio César, aos 20 minutos, e de novo de cabeça.

Mas nem tempo de comemorar ele conseguiu, pois aos 22, o Taubaté chegou ao seu terceiro, num gol do zagueiro alvi-verde Ânderson, contra suas próprias redes. Detalhe que foi mais um gol de cabeça. Não percam as contas: Palmeiras B 4 a 3.


Detalhe do terceiro gol do Taubaté feito num lance do jogador Ânderson do Palmeiras B contra suas redes. Foto: Fernando Martinez.

De novo, não deu nem tempo de comemorar. Numa jogada rápida, o Palmeiras B chegou ao seu quinto gol, numa boa jogada do seu ataque, finalizada de novo pelo Júlio César. Só uma diferença: dessa vez não foi de cabeça. Nesse momento o povo por lá já não acreditava muito no que via, e posso garantir que vi torcedores palmeirenses curtindo o jogo, mesmo quando o Taubaté marcava seus gols.

Depois do quinto gol verde, o Taubaté não se abateu e continuou no ataque, perdendo boas chances. Tanta pressão acabou resultando no quarto gol do time azul, numa boa jogada individual do jogador Dé, aos 32 minutos. Num toma-lá-dá-cá fenomenal o Palmeiras B ainda chegou ao seu sexto gol, numa bela jogada e belo chute à queima-roupa de Beto aos 37 minutos.


Lance do excepcional jogo entre Palmeiras B e Taubaté no Parque Antárctica. Foto: Fernando Martinez.

Mesmo assim, o time do Vale não se abateu e foi ao ataque novamente. Aí aconteceu um dos maiores pecados que já vi num campo de futebol. Numa bola lançada em profundidade, um dos jogadores (desculpem, mas não lembro o nome dele) do Taubaté, dentro da área verde, matou a bola no peito com categoria e mandou uma bicicleta incrível. Foi um daqueles gols que você só vê em filmes, comerciais ou em montagens publicitárias. Mas por um pecado, a auxiliar número 2 deu impedimento no lance. Estávamos na linha e podemos garantir que não estava impedido. Até alguns torcedores do verde ficaram bravos com a anulação de tamanha pintura.

Mas provavelmente inspirado pela pintura do gol anulado, o jogador Daniel ainda fez o quinto gol do Taubaté, num tiro fantástico de quase do meio de campo que entrou no ângulo. Foi a chave de ouro para terminar tão fantástica, emocionante e excepcional partida.


Placar fantástico do jogo Palmeiras B 6-5 Taubaté. Acredito que nunca mais verei algo assim. Foto: Fernando Martinez.

Final de jogo: Palmeiras B 6-5 Taubaté. Foi um daqueles momentos em que nos orgulhamos por estar em um estádio de futebol. Só quem estava lá pôde sentir o que vimos na partida, e o tamanho da satisfação que ficamos de ter estado lá. Posso estar enganado, mas esse jogo é um dos Top 20, ou até mesmo um dos Top 10 da minha vida.

Depois, mais calmos, foi só voltarmos pra casa tranqüilos e curtir o final de domingo, com a grata sensação de dever cumprido. Ah, e desculpem se errei a narração de algum gol, foram tantos que nem lembro direito mais.

Foi isso, no final de semana que vem tem mais!

Fernando

Nenhum comentário:

Postar um comentário