Procure no JP

terça-feira, 26 de julho de 2022

Finalmente! Os posts de abril estão no ar!

Fala, pessoal!


Sim, o Jogos Perdidos está em uma época mais descompromissada e com isso bem desatualizado. Compromissos profissionais e uma sequência insana de todos fazem isso com a gente. Mas hoje, 26 de julho, entraram no ar todos os posts do mês de abril. Como diria o outro, antes tarde do que nunca. Imagino que em breve os de maio também estarão por aqui. Aos poucos tudo vai se ajeitando.

Mas as coberturas continuam a todo vapor. Quem quiser, pode acompanhar o dia a dia no nosso perfil no Twitter (www.twitter.com/jogosperdidos), o local em que mais estamos ativos nos dias atuais.

Abraços a todos!

Fernando

domingo, 26 de junho de 2022

Jogos Perdidos no Esporte Espetacular (de novo)

Fala, pessoal!

Acabei de ver a matéria que passou hoje cedo no Esporte Espetacular. Genial demais! Transmitiu exatamente a ideia do que faço por aqui e fugiu do clichê "maluco que só vê jogo ruim" que tanto nos acompanhou desde que nascemos em 2004. Passamos por poucas e boas e hoje o grupo de oito fundadores se transformou no trabalho de um homem só, mas tudo bem. Da minha parte sigo acreditando no projeto e até quando tiver condições, estarei andando pelos estádios da vida. Também foi legal me ver na telinha da Globo exatamente 17 anos depois da primeira matéria, ainda na época que éramos um grupo.

Viva o Jogos Perdidos!

Fernando

PS: O JP tá meio fora do ar, falha minha. Mas as coberturas continuam no Twitter. Estamos reformulando algumas coisas e tudo logo logo volta ao normal por aqui. :)

segunda-feira, 2 de maio de 2022

Flamengo vence o Manthiqueira de virada em Guarulhos

Texto e fotos: Fernando Martinez


Depois da vitória colorada pelo Brasileiro Feminino no sábado cedo, tinha várias opções de sessão vespertina. Escolhi ir até o Estádio Antônio Soares de Oliveira para o duelo entre Flamengo e Manthiqueira. Jogo de times que eu não via in loco com seus elencos profissionais desde 2017.

Minha última vez com a equipe de Guaratinguetá tinha sido a primeira final da Segundona de 2017 contra o São Bernardo, empate por 1x1 no Baetão. Já o Corvo eu não assistia desde 5 de fevereiro do mesmo ano, em derrota por 2x1 contra o Noroeste, também em Guarulhos, pela Série A3. Ambos sempre estão perto de casa, mas quando a gente percebe fica um tempão sem ver.

Chegamos na cancha e os portões não estavam abertos. Eu entrei, porém os amigos ficaram do lado de fora por um bom tempo. Logo fui ao gramado e vi que o Manthiqueira iria usar a camisa que usou na Copinha, com um desenho que lembra a da seleção da Holanda na Euro de 1988. Na TV já era bonita, ao vivo é bem mais legal.



O Flamengo inteiro posado e os titulares do Manthiqueira com a belíssima camisa que homenageia a Holanda-88


Os capitães junto com o quarteto de arbitragem com Tarciano Jose de Lima, Marcos Regis Vasconcelos, Alexandre Nascimento da Silva e Leônidas Sanches Ferreira

Na estreia o Fla empatou com o União Mogi fora de casa e o clube laranja ganhou do Joseense em Guará. Na segunda apresentação, eu não sabia o que esperar e acabei vendo uma boa partida, com chances de ambos e bastante movimentação. Os visitantes começaram melhor, chegaram com perigo aos 15 e aos 28 abriram o marcador em cobrança de pênalti de Michel Yan.

Nem deu para o Manthiqueira comemorar, pois no minuto seguinte, em bom ataque pela esquerda, Pablo recebeu no bico da área e mandou por cobertura, acertando o ângulo do goleiro, o camisa 11 (!) Daniel. O 1x1 sossegou os dois e a peleja caiu de produção até o intervalo chegar.




O bonito colorido das camisas de Flamengo e Manthiqueira


Michel Yan abriu o placar a favor dos visitantes em perfeita cobrança de pênalti


Detalhe do gol de empate de Pablo, uma pintura sem chances de defesa para Daniel

Na etapa final fiquei na arquibancada atrás do gol da entrada do Ninho do Corvo. O escrete laranja retornou melhor e aos poucos o Fla foi equilibrando as ações. Com cerca de 15 minutos, os locais tomaram as rédeas e assustaram mais. O que se viu foi uma série de ataques perigosos e em um espaço de dois minutos, o rubro-negro decidiu o jogo a seu favor.

Primeiro foi Pablo que fez o segundo dele aos 32 em pênalti batido no canto esquerdo. Na saída de bola, o Fla retomou a posse e ganhou escanteio na esquerda. A pelota foi levantada e Thiago Gabriel, camisa 4, subiu livre, colocando no canto. Era o terceiro flamenguista, o gol que fechou a contagem.




Detalhes do tempo final em Guarulhos. Na última foto, destaque para o camisa 1 sendo jogador de linha. No Manthiqueira, o capitão é o dono da camisa 1 sempre


Pablo fez o segundo em outro pênalti marcado pela arbitragem


Thiago Gabriel fez o terceiro, de cabeça, e fechou a vitória guarulhense

O resultado ficou em Flamengo 3-1 Manthiqueira. Acredito que o Corvo vai disputar uma vaguinha na próxima fase sem problemas. O clube do Vale do Paraíba, apesar da derrota, foi bem na medida do possível e também deve lutar para estar entre os melhores da chave.

Saí do estádio e desta vez não voltei ao QG da Zona Oeste. Meu destino foi a Zona Norte paulistana, pois o 30 de abril marcou o aniversário de 18 anos de uma das minhas sobrinhas. Quando isso acontece, a gente se sente ainda mais velho do que já é. A comemoração era totalmente merecida.

Retornei à ativa domingo com, de novo, Brasileiro Feminino na pauta livre do JP, agora em Cotia.

Até lá!

_____________

Ficha Técnica: Flamengo 3x1 Manthiqueira

Em breve
_________________________

Inter quebra a invencibilidade palmeirense no Brasileiro Feminino

Texto e fotos: Fernando Martinez


Foi complicado sair de casa com tanta preguiça, mas de última hora emplaquei uma rodada dupla no último sábado. Abrindo os trabalhos, duelo entre Palmeiras e Internacional, primeiro e terceiro colocados do Campeonato Brasileiro Feminino, no Estádio Oswaldo Teixeira Duarte. Fiquei nas cabines, pois tomar chuva logo de manhã não estava nos planos.

Por ser um jogo que colocou frente a frente dois times com ótimas campanhas, eu esperava bem mais do que se viu nos 90 minutos. O frio Canindé viu uma apresentação bem abaixo da média de alviverdes e coloradas, e a (pouca) torcida que foi ao estádio não curtiu muito o que viu.





Todas as fotos oficiais de longe, já que eu não estava na pegada de tomar chuva. Fiquei confortavelmente instalado em uma cabine do Canindé

A presença de Bia Zaneratto, a melhor atacante do torneio, não fez com o que o setor ofensivo palmeirense funcionasse bem. Na etapa inicial, apenas uma chance digna de registro, em chute de Julia Bianchi e boa defesa de Gabi Barbieri. Aos 36, a melhor oportunidade do Inter com Milene e bola pela linha de fundo. No intervalo, um 0x0 bem sem graça.

Aos dois do tempo final Duda Santos quase abriu o placar a favor das locais. Três minutos depois, quem saiu na frente foi o escrete gaúcho. A goleira Jully saiu jogando com Samia e ela perdeu o domínio para Millene. A camisa 14 do Inter viu o gol aberto e mandou por cobertura, de longe. Uma pintura que salvou a manhã na casa rubro-verde.

O Palmeiras sentiu e o Inter teve dois momentos razoáveis na sequência. Aos 26, bela jogada individual de Bia Zaneratto. Ela driblou duas zagueiras e finalizou de esquerda. Gabi Barbieri voou bonito e impediu o tento alviverde. No minuto seguinte outra grande intervenção da arqueira do Inter em tiro de Byanca Brasil. A pelota ainda bateu na trave.




Momentos do primeiro tempo de Palmeiras x Inter


A comemoração pelo golaço das gurias coloradas



O jogo marcou a primeira derrota alviverde no Brasileiro Feminino

Os times trocaram passes até o fim e, quando o árbitro apitou pela última vez, a invencibilidade local tinha sido quebrada: Palmeiras 0-1 Internacional. Apesar da derrota, a equipe manteve a liderança por ter um gol a mais de saldo do que as coloradas. As duas tem 19 pontos, seguidas pelo Corinthians com 18 e São Paulo com 17. Faltam sete rodadas para o término da primeira fase.

Saí correndo do estádio e uma boquinha na lanchonete que fica debaixo da arquibancada do Canindé, na Marginal Tietê. Ali chegou o trio Caio, Bruno e Renato para seguirmos até a sessão da tarde. Teve Segundona na pauta livre do Jogos Perdidos.

Até lá!

_____________

Ficha Técnica: Palmeiras 0x1 Internacional

Em breve
_________________________

quinta-feira, 28 de abril de 2022

A visita do genial Sant German de Rondônia via Copa do Brasil sub-17

Texto e fotos: Fernando Martinez


Na quarta-feira rolou um Jogo Perdido com JP maiúsculo. Pela primeira vez fui ao CT palmeirense em Guarulhos, a Academia de Futebol 2, para colocar um novo time na Lista, o 745º. Pela primeira rodada da Copa do Brasil sub-17, o Palmeiras teve o genial Sant German de Ji-Paraná/RO como adversário. Não tinha como perder.

Chegar no CT alviverde é o próprio inferno na terra. O lugar fica no meio do nada, ao lado da Rodovia Ayrton Senna e não tem como chegar com facilidade. Uma alternativa é ir de trem até a Estação Engenheiro Goulart da CPTM e de lá pegar um Uber. Já adianto que o negócio é fora de mão MESMO. Felizmente nós fomos lá com uma caravana da coragem composta pelo Caio, o bravo motorista da rodada, e o trio Milton, Pucci e Nilton.

Outro grande problema do CT é a imensa falta de educação de nove entre dez seguranças. Tentei entrar pelo portão de imprensa e o ogro que estava ali, além de me ofender do nada, quase desceu o braço na minha pessoa. Isso apenas por tentar me credenciar. Como o pessoal da FPF não estava no local, o boçal simplesmente impediu que eu entrasse, dizendo que eu tinha "que me virar" para falar com o pessoal da FPF. Os amigos que estavam lá também passaram perrengue com outros seguranças em momentos distintos. Nunca vi uma equipe tão mal preparada para lidar com o público. Um horror. Consegui entrar no CT por outro portão e me credenciei sem problemas apesar de tudo.


Clubes aguardando a entrada no gramado


Todo o elenco do Palmeiras junto para a foto oficial


A rara imagem posada do Sant German no CT do Palmeiras em Guarulhos. Não encontrarão muitas assim na grande rede

O Palmeiras é um dos favoritos ao título e conquistou uma vaga na Copa do Brasil sub-17 com o vice-campeonato paulista em 2021. Já o Esporte Clube Sant German (escreve assim mesmo), foi o campeão rondoniense da categoria ao vencer o Porto Velho nos pênaltis no último mês de dezembro. Fundado em 2016, a agremiação disputa a sua primeira competição nacional.

Agora, como todos já imaginavam, quando a bola começou a rolar os donos da casa tomaram conta de tudo. A molecada alviverde dominou a peleja de ponta a ponta e enfileirou um sem-número de oportunidades agudas de gol. Com 10 minutos o Palmeiras já tinha criado pelo menos quatro momentos de bastante perigo. O marcador acabou sendo aberto aos 13 em cobrança de falta de Gilberto. Aos 16, Luís Guilherme fez o segundo.

A porteira abriu depois dos 2x0. O glorioso Mateus Patolino aos 22 e 34, Vitor André aos 36, Luís Guilherme aos 46 e Figueiredo aos 48 fecharam a etapa inicial com o triunfo parcial por 7x0. A chance de o clube paulistano igualar a maior goleada da história do torneio, o 14x0 do São Paulo contra o Grêmio Santo Antônio/MS em 2021, era enorme.






No primeiro tempo, como todos esperavam, o alviverde fez sete gols e encaminhou uma grande goleada em Guarulhos

Luighi fez 8x0 no primeiro lance do tempo final e o pessoal na arquibancada se animou pensando que veria nova leva de gols... mas não foi isso que aconteceu. O Sant German fez o gol de honra aos 4 minutos em cobrança de pênalti de Hiago e nada mais aconteceu. O alviverde ativou o "modo preguiça" e passou a jogar sem nenhuma objetividade. Deu sono.

Mesmo com uma má vontade enorme, o novo gol saiu aos 31 minutos dos pés de Cauê. Aos 48, Lucas Aguiar deu números finais ao duelo apesar da modorrenta atuação. No fim, nem temos como reclamar de um Palmeiras 10-1 Sant German, pois não é toda hora que assistimos um placar desse naipe. O ponto é que jogar sério deveria ser padrão nos 90 minutos.


Detalhe do oitavo gol, marcado logo no início do tempo final


O Sant German foi goleado, mas deixou a sua marca com esse gol de pênalti





Momentos do tempo final de Palmeiras x Sant German. Depois do 8x0, os locais sossegaram o facho e cozinharam demais o galo. Deu sono


Os dois times juntos após o apito final. Os atletas do Palmeiras presentearam os rondonienses com chuteiras e materiais do alviverde. Atitude bem legal

Do lado dos rondonienses, a alegria por terem enfrentado uma das forças da categoria no país e de atuarem em um dos principais centros do esporte. Certeza de que vão levar a experiência para sempre. Fomos conversar com os diretores do clube e inclusive consegui uma camisa para a coleção. Peça que não iria arrumar de outra forma. Já desencanei de ficar atrás de camisa de time, só que uma dessas vale muito a pena.

Saímos do CT com o acréscimo do empresário, influencer, dirigente, comentarista e colecionador Rodrigo Colucci, deixando o carro com um aperto maroto. Voltamos à capital e emendamos uma boquinha perto do Metrô Tietê antes de retornar ao lar, doce lar. Voltarei às coberturas, de novo com o verde da Zona Oeste, no sábado.

Até lá!

_____________

Ficha Técnica: Palmeiras 10x1 Sant German/RO

Em breve
_________________________

terça-feira, 26 de abril de 2022

Virada do Jabaquara na estreia da Segundona em Suzano

Texto e fotos: Fernando Martinez


Começou o Campeonato Paulista da Segunda Divisão no Jogos Perdidos! Na tarde do domingo fui até a cidade de Suzano ver um joguinho legal entre ECUS e Jabaquara. Depois do lamentável WO que vi no Estádio Francisco Marques Figueira no começo do mês pela Série A3, desta vez não pintou nenhum problema. Ufa!

A Segundona Paulista tem outra vez aquela anomalia de permitir apenas atletas sub-23. Uma invenção com cara e corpo da FPF que os clubes aceitaram (de novo) sem pestanejar, a meu ver um tiro no pé do próprio campeonato, nivelando por baixo todos os participantes. Como se não bastasse, o torneio está cada vez mais esvaziado. Atenção mesmo só tem na final, pois aí todos os aspones de plantão aparecem. Na hora de fazer uma competição realmente interessante, ninguém faz nada.

São 36 os participantes deste ano, divididos em seis grupos com seis times cada. Os dois melhores de cada chave e os quatro melhores terceiros estarão na segunda fase. Quem não se classificar fará estupendos DEZ (!) jogos na fase inicial, um assombro... pelo lado negativo, claro. Não tem como defender um formato tão curto. Pelo menos a próxima fase será disputada em grupos e não em mata-mata.

Jabuca e ECUS estão no Grupo 6 junto com Mauá FC, Colorado Caieiras, Ska Brasil e Grêmio Mauaense. A equipe santista está voltando ao profissionalismo após ter ficado de fora em 2021. O onze suzanense faz a sua segunda temporada seguida depois após a ausência dos torneios da FPF entre 2016 e 2020. Por ser começo de certame, não tinha como saber o que esperar.



ECUS e Jabaquara prontos para a estreia na Segundona 2022


Os capitães, o árbitro João Batista do Nascimento Avelino, os assistentes Wellington Bragantim Caetano e Bruno Henrique Mascarenhas Moura e o quarto árbitro Claudemir de Araujo Silva

Fui até a cidade da Grande São Paulo com a dupla Milton e Bruno, e no estádio encontramos o rei do futebol de botão, Nilton. Acabamos vendo um joguinho bem bom, acima do que esperávamos. Em meio a tantas partidas abaixo da crítica que tenho acompanhado, valeu bastante a pena.

Na etapa inicial, o equilíbrio foi a tônica. Os dois times tiveram bons momentos e o marcador poderia ter sido inaugurado já nos primeiros minutos. O ECUS teve um grande lance aos 12 com vacilo da zaga visitante e finalização de Felipe. Gabriel Gallo, goleiro jabaquarense, defendeu João Gabriel respondeu à altura aos 19 e por muito pouco não fez o tento santista em chute por cobertura.

As chances foram seguindo e aos 37 Guilherme foi derrubado dentro da área por Sergipe, zagueiro do Jabuca. Guilherme Nunes bateu firme e abriu o placar. Antes no intervalo quase Rodrigo ampliou. No intervalo fui ao encontro dos amiguinhos na arquibancada e de lá acompanhei o ECUS retornar ao gramado tentando manter o bom ritmo, mas não demorou para o Jabaquara passar a tomar conta do confronto.




Foi um jogo animado entre ECUS e Jabaquara nos primeiros minutos em Suzano



Detalhe do pênalti cometido por Sergipe em cima de Guilherme e a batida de Guilherme Nunes

Aos 19, o escrete do litoral deixou tudo igual com o gol de Kainan, aproveitando bola zanzando sem dono dentro da área. Na sequência aconteceu a virada, porém a arbitragem anulou por impedimento. O rubro-amarelo seguiu criando oportunidades boas aos 37, aos 43 e aos 45, mas o tento da virada não saiu. A insistência deu resultado aos 49, quando Gustavo recebeu na direita e chutou cruzado, vencendo o arqueiro local.





Momentos do bom segundo tempo e na última foto a comemoração jabaquarense com o gol nos acréscimos


Placar final da boa estreia do Jabuca na última divisão paulista. Será que dá para esperar um bom ano do Leão da Caneleira?

O ECUS 1-2 Jabaquara marcou uma ótima estreia do Leão, que pretende pelo menos estar na próxima fase. Ao clube suzanense, fica o recado que precisam errar menos caso queiram algo de mais concreto no torneio. Só que foi apenas a primeira rodada e muita coisa certamente irá acontecer.

Voltei para a capital já pensando na próxima cobertura. A Lista vai ganhar um integrante surreal pela Copa do Brasil sub-17.

Até lá!

_____________

Ficha Técnica: ECUS 1x2 Jabaquara

Em breve
_________________________