Procure no JP

domingo, 13 de dezembro de 2020

Sub-20 corintiano está entre os quatro melhores do Paulista

Texto e fotos: Fernando Martinez


As quartas de final do Campeonato Paulista sub-20 pediram passagem na sexta-feira à tarde com o Corinthians recebendo o Taubaté no Estádio Alfredo Schurig. Jogo bastante legal de acompanhar e um reencontro de clubes que estavam na mesma chave na primeira fase. Um confronto inédito na minha lista com cheirinho daqueles estaduais dos anos 50.

O Burro da Central terminou a fase inicial como vice-líder do Grupo 5, atrás apenas do mosqueteiro. Os compromissos entre os dois tiveram empate sem gols no interior e triunfo alvinegro na capital por 4x2 (a única derrota alvi azul até então). Nas oitavas o Timão eliminou o Oeste com uma goleada na Fazendinha e os taubateanos derrotaram o Guarani fora de casa.



Só o Taubaté fez a foto oficial, assim como os capitães e o quarteto de árbitros. Nada de Corinthians desta vez

Claro que os comandados de Coelho eram favoritos, ainda mais levando em conta o retrospecto em 2020. O Taubaté sabia disso e chegou no Parque São Jorge com um único pensamento: se defender. É normal ver um pequeno esperar "a" oportunidade única de definir uma peleja quando enfrenta um grande, é da lei do esporte. Agora, não há como negar que é irritante ver os dez atletas de linha somente na defesa sem passarem do meio-campo.

O alvinegro teve quatro ótimos momentos durante a etapa inicial. Vitinho aos quatro minutos, Adson aos 15 e aos 24 chegaram bem perto de abrir a contagem. Aos 34 desperdiçaram a chance de ouro quando Vitinho cobrou pênalti e Giovanni fez grande defesa. O escrete do Vale nada fez e quando o intervalo chegou o injusto 0x0 era o resultado parcial.




O Taubaté foi ao jogo contra o Corinthians no esquema 10-0-0. Com todo mundo na defesa, ficou complicado para o alvinegro furar o bloqueio



Vitinho, camisa 10 mosqueteiro, teve bons momentos para abrir o marcador. Primeiro perdeu um pênalti, muito bem defendido por Giovanni, e depois uma ótima cobrança de falta

A infrutífera pressão de todo o primeiro tempo deu resultado logo aos dois minutos do segundo. Matheus Araújo tocou para Adson na entrada da área. Ele puxou com estilo e, sem demora, chutou colocado de pé esquerdo no ângulo de Giovanni. Um gol de alívio que poderia deixar a partida menos complicada. Poderia. Na saída de jogo, em lance que durou apenas onze segundos, Brenner recebeu na direita, avançou e cruzou na área. João Paulo Siqueira bateu sem querer e deixou tudo igual.

O tento sofrido foi lamentado pelos presentes na parte coberta da Fazendinha. Dentro de campo a molecada mandante nem sentiu e continuou pressionando. O implacável relógio andava com rapidez e o fantasma da "loteria dos pênaltis" aumentava a cada volta do ponteiro. O Taubaté se segurava como podia com todos os seus jogadores dentro da grande área.

Somente aos 41 minutos que o Corinthians desencantou. Já que estava difícil, nada melhor do que um gol bizarro para afastar a má sorte. A zaga do Burro afastou mal e Vitinho chutou como quem não quer nada da entrada da área. No caminho a pelota bateu no joelho de um defensor adversário, fez um efeito insano e encobriu o arqueiro. Um gol sofrido com a cara do mosqueteiro.

O Taubaté se mandou naquela blitz marota em busca do empate e deixou o setor defensivo todo desarrumado. Restou aos locais segurarem essa pequena pressão e tentarem algo no contra-ataque. Aos 49, em falta bastante questionada pela comissão técnica visitante, a bola foi esticada até Adson, que estava livre de marcação, na esquerda. Ele avançou, entrou na área e deu um toque de leve, encobrindo Giovanni e confirmando a classificação paulistana.






Na segunda etapa a partida ficou mais animada, porém ainda difícil para os locais. O time só respirou aliviado aos 49 minutos com o gol de Adson (última foto) encobrindo o goleiro taubateano após perfeito contra-ataque

O resultado de Corinthians 3-1 Taubaté teve sofrimento além do esperado, porém foi muito justo por tudo que aconteceu na Fazendinha. Como a Ferroviária, então a equipe com a melhor campanha, saiu do torneio derrotada pelo Santos, os mosqueteiros passam a ter mais pontos e se chegarem na final, decidirão em casa. O adversário na semifinal é justamente o Peixe, velho algoz no sub-20 no Século XXI. A outra semi será disputada entre Audax e Palmeiras.

No sábado retornei com as coberturas na semifinal da Copa Paulista. Direto do ABC começou a disputa entre São Bernardo FC e Portuguesa em busca de um lugar em competições nacionais em 2021.

Até lá!

_________________________

Ficha Técnica: Corinthians 3-1 Taubaté

Local: Estádio Alfredo Schurig (São Paulo); Árbitro: Flávio Nascimento Helena; Público e renda: Portões fechados; Cartões amarelos: Lucas Pires, Vitinho, João Salles, Jhomario, Vinícius, Ygor Eduardo; Gols: Adson 2, João Paulo Siqueira 3, Vitinho 41 e Adson 49 do 2º.
Corinthians: Yago; Alemão (Pedrinho), Reginaldo, Bryan (Walisson) e Lucas Pires; Luís Mandaca, Matheus Araújo, Du e Vitinho; Richard e Adson. Técnico: Dyego Coelho.
Taubaté: Giovanni; João Salles, Lucas, Jhomario (Vinícius) e Romero; Ygor Eduardo, Brenner, Lucas Xavier e Matheus Devellard (Vitor Porfirio); João Paulo Siqueira (Rodriguinho) e Adriano Luiz. Técnico: Douglas Leite.
_____________

terça-feira, 8 de dezembro de 2020

Palmeiras faz o básico e elimina o Jacuipense da Copa do Brasil sub-17

Texto e fotos: Fernando Martinez


No começo da semana tirei dois dias de descanso, algo justo pensando em aguentar a maratona que virá pela frente até o Natal. Na tarde de quarta-feira retornei à ativa com um confronto bem legal no Allianz Parque pela Copa do Brasil sub-17. Falo do encontro entre o Palmeiras e o genial Jacuipense da Bahia definindo uma vaga nas quartas de final.

Depois da eliminação no Brasileiro contra o Flamengo restou a disputa da Copa. Campeão em 2017 e 2019 - respectivamente contra o Corinthians e o São Paulo no Pacaembu, ambos com cobertura do JP - o alviverde está atrás do terceiro título. Vale lembrar que a FPF cancelou o estadual na atual temporada, logo, essa é a última oportunidade de título da categoria em 2020. Na estreia, aplicaram um sonoro 9x0 contra o Avaí Rondônia fora de casa.



Tudo bem, está bem de lado mas vale do mesmo jeito. A equipe do Jacuipense tirando aquela foto para se lembrar de quando jogaram no Allianz e abaixo capitães e quarteto de arbitragem

O time nordestino fez história em 2019 e conquistou pela primeira vez o Campeonato Baiano de Futebol Juvenil. O título veio com duas vitórias em cima do Vitória na decisão. Na estreia derrotaram o grande América de Natal por 3x1 e na ida contra o verde, derrota em casa pela contagem de 0x2. A missão na capital bandeirante seria complicada.

Foi esse ano que coloquei o Leão do Sisal na Lista durante a Copa São Paulo de Futebol Júnior contra a Itapirense. Mesmo com outras partidas sendo realizadas às três da tarde (inclusive um ótimo Portuguesa x Água Santa pela Copa Paulista), não tinha como perder a chance de vê-los em ação jogando num estádio grande do lado de casa. Resumindo: um daqueles jogos absolutamente imperdíveis.

Do meu lugar cativo na cancha palmeirense vi, como todo mundo esperava, os donos de casa dominaram amplamente o adversário. O Jacuipense sabia que a classificação só seria conquistada na base do milagre, mas não apelou e mostrou um futebol que, apesar de bastante limitado, foi bastante digno. O alviverde não quis nem saber e definiu sua sorte já na primeira etapa.

O marcador foi inaugurado aos seis minutos quando Michel cruzou rasteiro da esquerda e Ruan Ribeiro concluiu quase na pequena área. Aos 25 Giovani recebeu passe da direita e chutou duas vezes, colocando a bola no canto de Gustavo. Aos 40 saiu o terceiro tento em bela finalização de Daniel, novamente sem chances para o camisa 1 adversário.





Depois de fazer 2x0 no jogo de ida, o Palmeiras era franco favorito e sabia que somente uma catástrofe o eliminaria da Copa do Brasil sub-17

No tempo final o técnico Artur Itiro mudou todo mundo que tinha direito e colocou uma molecada em campo. A peleja caiu demais de produção e os 45 minutos se transformaram em 120, uma eternidade. Os paulistanos perderam ótimos momentos por preciosismo e certa preguiça. Como triunfo estava garantido, ninguém reclamou.






Os donos da casa fizeram um primeiro tempo bom e chegaram aos 3x0 sem problema. Pena que na etapa final tenham diminuído demais o ritmo, deixando o jogo bastante sonolento

O placar de Palmeiras 3-0 Jacuipense colocou o verde nas quartas de final da Copa do Brasil contra o Athletico/PR (o Ceará não vai tirar nunca o 6x1 sofrido em Curitiba) como adversário. Os duelos de ida e volta serão realizados apenas em 2021. O sonho do "tri" continua vivo. Os baianos ficaram sem a vaga, porém com a certeza de que a campanha foi memorável.

A quinta-feira foi novamente de descanso pois de sexta até a véspera do Natal tem previsão de rolar futebol todo santo dia. Por conta da pandemia e da bagunça que virou o calendário será o dezembro mais futebolístico da história.

Até lá!


_________________________

Ficha Técnica: Palmeiras 3-0 Jacuipense

Local: Allianz Parque (São Paulo); Árbitro: Flávio Roberto Ribeiro/SP; Público e renda: Portões fechados; Cartões amarelos: Lucas Reis, Vitor Sales, Jeferson; Gols: Ruan Ribeiro 5, Giovani 25 e Daniel Silva 40 do 1º.
Palmeiras: Kaique; Guilherme (Robert Dias), Ruan Santos (Serafim), Michel e Ian (Gabriel Vareta); Miguel (Breno) e Luiz Freitas; Giovani (Luis Guilherme), Daniel Silva, Ruan Ribeiro e Kevin (Kauan). Técnico: Artur Itiro.
Jacuipense: Gustavo Calacio; Lucas Ramos, Goiabeira, Jeferson e Emerson Rosa (Lucas Reis); Vitor Sales, Pedro (Ruan Henrique), Kleyton (Davi) e Zé Felipe (Jefferson Santos); Ricardo (Mateus Sá) e Rodrigo (João Luiz). Técnico: Thiago Neiva Ribeiro.
_____________

segunda-feira, 7 de dezembro de 2020

Napoli dá enorme passo em direção à elite do Brasileiro Feminino

Texto e fotos: Fernando Martinez


No domingo à tarde pintou na agenda um daqueles jogos que provavelmente vamos ter a chance de acompanhar in loco apenas uma vez na vida. Falo do incomum Juventus x Napoli, um duelo que poderia ser do certame italiano, mas que valeu pelas quartas de final do Campeonato Brasileiro da Série A2. Encontro de invictos no Estádio Conde Rodolfo Crespi num dia em que as duas equipes femininas da cidade de Caçador/SC atuaram na capital bandeirante (o Kindermann perdeu para o Corinthians e ficou com o vice da Série A1).

As paulistas chegaram a esse confronto com uma bela campanha de cinco vitórias e dois empates, a quarta melhor entre os oito clubes restantes na competição. Nas oitavas, eliminaram a ESMAC/PA com um triunfo fora de casa e um sofrido 2x2 na Rua Javari que teve cobertura do JP. Como fizeram uma péssima campanha no estadual, elas precisam conquistar o acesso pensando em manter um calendário nacional em 2021.




As duas equipes posadas no gramado da Rua Javari antes do primeiro duelo das quartas de final. Abaixo, a imagem oficial dos representantes da arbitragem e as capitãs

Do outro lado estava a Associação Atlética Napoli. Contando com a parceria do Avaí, ela vem fazendo bonito na A2: em sete partidas, seis vitórias, um empate e a segunda melhor campanha geral, atrás apenas do Bahia e seus 100% de aproveitamento. Fundada em 1996, a agremiação ainda não conseguiu furar o domínio avassalador do Kindermann e seus 11 títulos estaduais seguidos, porém já emplacou dois vices (2017 e 2019) e o futuro parece ser promissor.

Teve bastante gente conhecida na casa grená acompanhando os primeiros 90 minutos da decisão. O grande Edson de Lima, maior conhecedor do futebol feminino por essas bandas, o metaleiro Bruno e o amigo Lucas Gabriel, o maior fotógrafo de Brusque e região. Todo mundo com uma expectativa legal, acreditando que apesar do favoritismo catarinense, as grenás tinham tudo para fazer uma boa apresentação.

Foi exatamente isso que aconteceu na etapa inicial. Mostrando segurança e um futebol sólido, as locais foram melhores do que as meninas do sul e não tiveram dificuldades para chegar aos 2x0. Dani Ortolan aproveitou pelota mal rebatida pela zaga e abriu o marcador aos 20 minutos. Ela mesma quase fez o segundo aos 30 quando, em chegada cara-a-cara chutou em cima da goleira. Aos 37, em novo vacilo da zaga, Nai avançou pelo campo de defesa, driblou Dida e ampliou.




Assim como no jogo contra o Esmac, o primeiro tempo foi todo do Juventus. O Napoli não foi capaz de parar as avantes locais


Detalhe do segundo gol juventino, marcado por Nai. Parecia a consolidação de um bom triunfo... parecia

Os primeiros 45 minutos foram bem parecidos com o que contra a ESMAC na semana anterior. O desfecho no domingo acabou sendo diferente e muito para as paulistas. O Napoli tomou uma enorme injeção de ânimo nos vestiários e retornou ao gramado com uma postura 100% diferente. O escrete grená foi surrado e viu sua vantagem virar pó. A atuação napolitana foi tão intensa que em apenas quinze minutos já tinham virado o placar.

Aninha marcou aos três minutos aproveitando um lateral (!) pela esquerda. Soraya deixou tudo igual aos 11. Ambos os lances com falhas gigantescas de todo o setor defensivo, principalmente da goleira Dani Soares. Aos 16 Soraya, ela de novo, colocou o clube de Santa Catarina na frente em pênalti bem cobrado. Entregue, abatido e sem ânimo, o Juventus sofreu o quarto aos 36 com Larissa Vasconcelos. Ela cruzou da direita, Dani Soares mandou mal mais uma vez e a bola a encobriu.


Em apenas 16 minutos do tempo final o Napoli virou o marcador. O terceiro gol foi de Soraya cobrando pênalti




Por não ter voltado a campo na segunda etapa, o Juventus praticamente deu adeus à chance de acesso no Brasileiro Feminino. Agora, só na base do milagre

O placar final de Juventus 2-4 Napoli complicou profundamente a situação grená. O alvi-azul pode perder por um gol de diferença que ainda assim estará na elite feminina em 2021. Um momento dos sonhos para o futebol caçadorense. Ao que tudo indica ano que vem teremos o dérbi da cidade na A1 nacional. Já o onze da Mooca vai ter que vencer por dois gols de diferença ou por um e ganhar nos pênaltis. Caso isso não aconteça, disputarão apenas o estadual em 2021. Não será nada fácil.

Até a próxima!

_________________________

Ficha Técnica: Juventus 2-4 Napoli/SC

Local: Estádio Conde Rodolfo Crespi (São Paulo); Árbitro: José Guilherme Almeida e Souza; Público e renda: Portões fechados; Cartões amarelos: Loira, Sasá, Nai, Treyci, Mira, Luana; Cartão vermelho: Sasá 30 do 2º; Gols: Dani Ortolani 20 e Nai 36 do 1º, Aninha 3, Soraya 11 e (pênalti) 16 e Larissa Vasconcelos 36 do 2º.
Juventus: Dani Soares; Renata, Loira, Késsillyn e Deza; Sasá, Luana (Sabrina), Mafê (Alê Brito) e Lara (Thaís Gabrielle); Dani Ortolani (Karol Mineira) e Nai. Técnico: Welington Souza.
Napoli: Dida; Mira, Mariana, Thays e Sara; Júlia (Thabata), Soraya (Jaine), Treyci (Larissa Sanchez) e Luana; Maria e Aninha (Larissa Vasconcelos). Técnica: Carine Bosetti.
_____________

RB Bragantino é melhor mas perde do Corinthians nos Aspirantes

Texto e fotos: Fernando Martinez


Na fria (!) tarde de sábado passado retornei ao Estádio Alfredo Schurig para acompanhar o Corinthians, agora no Campeonato Brasileiro de Aspirantes. O questionado elenco sub-23 recebeu o Red Bull Bragantino, ex-Massa Bruta, pela segunda rodada do Grupo D da segunda fase do certame. Foi a primeira vez que vi o campeão paulista de 1990 depois da parceria com a empresa de energético. Eu sei que oficialmente é a mesma agremiação fundada em 1928, mas a alma sumiu quando o contrato foi assinado.

O Corinthians terminou a fase inicial do nacional na liderança do Grupo B. Não que isso tenha sido grande coisa, já que os 13 pontos fariam a equipe ser apenas a sexta colocada no Grupo A. Como os clubes não se enfrentaram dentro da chave, a aberração aconteceu. O Braga foi o quarto do Grupo B com dez pontos. Na fase atual, ambos estão junto com Fluminense e Juventude atrás de duas vagas na semifinal.

Antes de falar do que aconteceu nas quatro linhas vale mencionar a falta de noção dos chefes da segurança. Diferente dos outros dias, transferiram a entrada de imprensa do Parque para o fim do mundo, quase na Marginal Tietê. Tive que dar uma volta enorme pois não teve como acessar o campo pela parte social. Como se a meia dúzia de jornalistas presentes fosse atrapalhar a dinâmica da área social. Absurdo. Espero que o pessoal recupere o bom senso nas próximas partidas.



Os fotógrafos em campo tiveram a feliz ideia de captar a foto posada do Corinthians e do quarteto de arbitragem com os capitães e eu fui na carona. Pena que não fizeram o mesmo com o Red Bull Bragantino

Andei uns 20 minutos a mais por conta da mudança e quando cheguei na parte coberta encontrei o amigo metaleiro Bruno Filandra com seu incrível combo "pacote de 50 máscaras + desinfetante poderoso" deixando o espaço completamente esterilizado. Um homem prevenido vale por dois. Acompanhamos um jogo que deu sono. Ganhou com muita força de vontade uma nota 4, se muito. Nos tempos de escola seria recuperação certa.

A coisa foi abaixo do esperado principalmente pela fraquíssima atuação do Corinthians. Os comandados de Édson Leivinha não se acertaram na etapa inicial. O Bragabull foi superior, encurralou o adversário e criou uma série de ataques perigosos, transformando o goleiro Guilherme no maior nome da tarde. Moreira foi responsável por dois ótimos lances. O primeiro saiu por cima e o segundo parou no goleiro local, o maior nome da peleja.

O único vacilo do RBB custou caro. Um dos seus defensores perdeu a bola dentro da área para Antony. O camisa 9 aproveitou a deixa, driblou o goleiro e abriu o marcador aos 26 minutos. Estar em desvantagem não intimidou os avantes do Leão (se bem que até a mascote mudou). Eliton Junior jogou fora o empate na sequência. Wagner, Cristiano com uma finalização na trave aos 37, Brown e novamente Wagner também desperdiçaram. Se o futebol fosse justo, o intervalo teria chegado com um 4x1 a favor dos visitantes.

No tempo final o Braga se manteve com o domínio das ações, porém as chances de gol em profusão deixaram de existir. O mosqueteiro melhorou um pouquinho... só um pouquinho. As oportunidades criadas foram tímidas e não levaram praticamente nenhum perigo ao gol defendido por Victor Hugo. Marcos Vinicius, camisa 5 visitante, foi expulso aos 20 minutos e pouco se viu depois disso. Se não fosse o velho bate-papo de sempre eu teria dormido nas cadeiras.






O jogo foi todo do Bragantino (ou o que restou do clube de Bragança). Só que as inúmeras chances não viraram gol...


... algo que o Corinthians, mesmo sendo dominado completamente, fez aos 26 do primeiro tempo com Antony

O resultado de Corinthians 1-0 Red Bull Bragantino não foi nada justo, só que premiou quem estufou as redes. Os três pontos conquistados puseram o alvinegro na liderança do Grupo D após duas rodadas realizadas junto com o Juventude (que venceu o Flu pela contagem mínima). O próximo confronto é contra os cariocas na capital bandeirante. Mas é fato que o campeão dos centenários precisa melhorar, e muito, o seu futebol pensando em classificação. Jogando igual sábado, ficarão pelo caminho.

No domingo teve nova cobertura do JP no desastre juventino pelo Brasileiro Feminino da Série A2. As grenás pecaram pela primeira vez na competição no pior momento possível.

Até lá!

_________________________

Ficha Técnica: Corinthians 1-0 Red Bull Bragantino

Local: Estádio Alfredo Schurig (São Paulo); Árbitro: Humberto José Junior; Público e renda: Portões fechados; Cartões amarelos: Adriel, Wagner; Cartão vermelho: Marcos Vinicius 20 do 2º; Gol: Antony 26 do 1º.
Corinthians: Guilherme Castellani; Igor Formiga, Igor Morais, Felipe Torres e Luan Vitor; John Lessa, Adriel, Gabriel Silva (Gildomar) e Daniel Penha; Antony e Jorge Colman (Emerson Sousa). Técnico: Édson Leivinha.
Red Bull Bragantino: Victor Hugo; Emanuel, Venicio, Christian e Moreira (Everton); Marcos Vinicius, Cristiano (Théo), Eliton Junior (Leonardo Ribeiro) e Wagner (Araújo); Brown (Patrick Valverde) e Bruno. Técnico: Vinícius Munhoz.
_____________

Corinthians elimina o Oeste e está nas quartas do Paulista sub-20

Texto e fotos: Fernando Martinez


O Campeonato Paulista sub-20 pediu passagem na sexta-feira com o início das oitavas de final. O Corinthians, dono da terceira melhor campanha da fase inicial, recebeu o Oeste, somente o 14º lugar entre os 16 classificados, no Estádio Alfredo Schurig. Por motivos óbvios o confronto, jogo único em virtude do calendário espremido, tinha o alvinegro como franco favorito.

Disputando o Brasileiro da categoria simultaneamente, o mosqueteiro está vivendo uma pequena maratona. Para terem uma ideia, os comandados de Coelho – o técnico preferido do meu amigo Jamil, o rei do Tinder - jogaram na quinta-feira à noite com o São Paulo em Cotia (derrota pela contagem mínima com o time reserva), receberam o Oeste sexta e domingo já tinham novo compromisso pelo nacional. Mesmo sendo atletas jovens, não é fácil encarar um esquema assim.



Corinthians, Oeste, os respectivos capitães e o quarteto de arbitragem

Foi uma tarde agradável na Fazendinha, como sempre. O rubro-negro de Barueri chegou a assustar no primeiro bom momento da peleja aos 12 minutos... e só. A partir desse lance só deu Corinthians e a classificação foi conquistada sem maiores dificuldades. O domínio foi total, porém o gol saiu apenas aos 33 do tempo inicial quando Bryan aproveitou cruzamento na área e cabeceou firme, vencendo o goleiro Patrick. Antes do intervalo Thiago mandou bola na trave.





O primeiro tempo foi todo corintiano, mas apenas Bryan, aos 33 minutos, foi capaz de furar o bloqueio defensivo do Oeste

Na etapa final o escrete visitante não conseguiu passar do meio-campo e o alvinegro da Zona Leste enfileirou várias chegadas perigosas. A zaga do Oeste não teve sucesso em parar as investidas dos donos da casa. Matheus Araújo ampliou depois de passe de calcanhar de Cauê aos 8. Vitinho fez o terceiro aos 29 em jogada que passou por todo o setor ofensivo e Maílton, aos 43, fechou a goleada após belo passe de Thaigo.





Na etapa final o ataque do Mosqueteiro engrenou e marcou mais três vezes, fechando uma fácil vitória e se garantindo nas quartas do Paulista sub-20

A partida terminou em Corinthians 4-0 Oeste. O triunfo e a eliminação do XV de Piracicaba colocou o Timão com a segunda melhor colocação geral do sub-20 até aqui, atrás apenas da Ferroviária. Nas quartas o clube da capital receberá o Taubaté de novo na Fazendinha. Lembrando sempre que o mata-mata desse ano é realizado apenas em duelos de ida.

Voltei ao Parque São Jorge na tarde de sábado, agora com o Brasileiro de Aspirantes na agenda. A primeira vez que vi o Bragantino na atual gestão que praticamente aniquilou a alma do ex-Massa Bruta.

Até lá!

_________________________

Ficha Técnica: Corinthians 4-0 Oeste

Local: Estádio Alfredo Schurig (São Paulo); Árbitro: Murilo Tarrega Victor; Público e renda: Portões fechados; Cartões amarelos: Lucas Pires; Gols: Bryan 33 do 1º, Matheus Araújo 8, Vitinho 29 e Mailson 43 do 2º.
Corinthians: Yago; Thiago, Léo Paraíso, Bryan e Reginaldo; Alemão (Gabriel Dias), Lucas Pires (Vitinho), Du (Luís Mandaca) e Matheus Araújo; Cauê (Mailson) e Richard (Pedrinho). Técnico: Dyego Coelho.
Oeste: Patrick; Índio, Favorito, Lopes e Douglão (Kayque Guedes); Bruno Duarte, Brunão (Dudu), Diogo Freitas (Thiago de Paulo) e Kauã (Jeferson); Werik (Welliton) e Ramon. Técnico: Mathaus Sodré (AT).
_____________