Procure no JP

segunda-feira, 24 de outubro de 2005

Copa FPF: EC Osasco 0-2 Rio Claro

Opa...

Como já disse no post anterior, quase que a chuva da sexta me atrapalhou para o sábado de manhã. Mas graças ao grande Seu Natal, com sua providencial carona e também pela participação da nossa musa Aline Lambert no jogo em questão, acabei adquirindo forças para ir até Osasco. O jogo foi entre EC Osasco e Rio Claro, valendo pela Copa FPF, no Estádio Prof. José Liberatti.

Graças a um trânsito insuportável (como sempre) na Marginal Tietê, não conseguimos chegar a tempo de (tentar) entrar em campo para tirar as fotos dos times. Mais do que as fotos dos times, dessa vez queria tirar uma foto do trio de arbitragem, já que a Aline Lambert foi a auxiliar número 2. Então, para compensar, me postei no alambrado logo atrás da linha aonde ela ficaria. Consegui falar com ela e mostrar que o JOGOS PERDIDOS estava lá. Bastante simpática ela ainda conseguiu me cumprimentar. Fica aqui o registro da simpatia dessa moça.


Detalhe da auxiliar Aline Lambert: musa do JOGOS PERDIDOS e extremamente simpática. Pena que graças aos lordes presentes no Rochdale não conseguimos mais fotos da musa. Foto: Fernando Martinez.

Bom, agora falando do jogo, o ECO não foi nem sombra daquele time que ganhou de goleada do Mirassol no fim-de-semana anterior. Apático em campo, errando muitos passes e sem saber o que fazer com a bola, o time da casa deixou muito a desejar. O Rio Claro, que tem um belo time, se aproveitou e tomou conta da partida.

Não que o ECO não tenha criado algumas chances, criou sim, mas quase nenhuma com perigo ao gol rioclarense. Com o time osasquense deixando buracos inexplicáveis na defesa, o Rio Claro acabou chegando ao seu primeiro gol, num contra-ataque rápido e numa falha coletiva da defesa.


Escanteio para o ECO no primeiro tempo do jogo. Foto: Fernando Martinez.

Sem muita efetividade no ataque, o jogo foi mesmo no 1 a 0 para para o intervalo. Nesse intervalo, ainda consegui uma foto, mesmo que meia-boca, do trio de arbitragem, liderados pela árbitra Sílvia Regina (trio que foi apupado por torcedores durante todo o primeiro tempo e saiu para o vestiário sob palavras não tão bonitas assim). Também conversei com o grande Basílio, ídolo do Jurandyr e de toda a torcida corintiana, por motivos óbvios. O mesmo hoje trabalha como gerente de futebol do time de Osasco.


Trio de arbitragem (junto com o 4º árbitro e visitante do JP Fabiano Pereira), à direita a bela Aline Lambert. E o grande herói de 1977 Basílio. Fotos: Fernando Martinez.

A segunda etapa não foi diferente da primeira, com o ECO muito nervoso e o Rio Claro só cozinhando o galo para levar a vantagem absoluta para o interior. Uma coisa me chamou bastante a atenção nesse tempo: parte da comissão do ECO, que estava atrás de mim no alambrado, e 99% da torcida osasquense, passaram a culpar única e exclusivamente a arbitragem pelo resultado do jogo (em especial a Sílvia e a Aline). Falando palavras que eu não falaria nem para um cara, quanto mais para uma mulher, eles ficaram durante toda a segunda etapa xingando as duas.

Sinceramente não entendi, perguntei a alguns torcedores com espírito mais elevado lá no Rochdale e eles não viram nada que pudesse manchar a atuação das duas. Faltas duvidosas e cartões amarelos aplicados, são questão de interpretação, e não achei nada de absurdo mesmo. Talvez esse pessoal tivesse que xingar os próprios jogadores do ECO, devido a má partida que eles fizeram.


Do alambrado, uma visão do jogo entre ECO e Rio Claro. Foto: Fernando Martinez.

O jogo vinha sendo dominado territorialmente pelo ECO, mas chance boa de gol nada. Então, de novo o Rio Claro marcou: mais uma vez num contra-ataque, e em belíssima jogada, chegou aos dois a zero, trazendo a classificação bem perto das mãos. Quase no final do jogo, encontrei o grande Luís Pires, que também não entendeu o porquê de tanta revolta com a arbitragem.


Ataque do ECO, totalmente desesperado, no final da partida. Foto: Fernando Martinez.

Mas no final ficou assim mesmo: ECO 0-2 Rio Claro, e a vantagem absoluta com o time do interior. Acho difícil (infelizmente para o JP) o time do ECO se classificar. Ainda no fim do jogo, o trio foi novamente pressionado por muita gente na saída do gramado. A coisa ficou quente.

Depois disso, foi só sair correndo e ir para o Canindé, graças ao seu Natal, para comprar o ingresso para o jogo da tarde. Um massacre estava por vir.

Até lá

Fernando

Nenhum comentário:

Postar um comentário