Procure no JP

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Mandi goleia Touro do Vale pela Segundona

Olá,

Encerrando a cobertura do último sábado pelo JOGOS PERDIDOS da rodada inaugural da terceira fase do Campeonato Paulista da Segunda Divisão, ainda em companhia do Luciano Claudino, deixei a cidade de Campinas e segui rumo a Mogi Guaçu para conferir, no Estádio Alexandre Augusto Camacho, a partida entre o C.A. Guaçuano contra o Barretos E.C. válida pelo Grupo 11 da competição. Essa partida estava marcada para ser iniciada às 19:00 horas, sendo que com esse horário, foi possível eu estar presente no terceiro jogo do dia, numa jornada que teve início pela manhã na cidade de Américo Brasiliense.

Como normalmente acontece quando vou ao interior, fui muito bem recebido pelos diretores do Guaçuano que fizeram questão de ressaltar que acompanham o trabalho do JP e disseram que ficaram particularmente felizes com o sorteio da camisa do Guaçuano que foi realizado num dos nossos programas na ClicTV. Agradeceram muito a divulgação dada ao Mandi.

Bem, antes de começar relatar a partida, vamos com as fotos oficiais da partida que estão abaixo:


C.A. Guaçuano - Mogi Guaçu/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Barretos E.C. - Barretos/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Quarteto de arbitragem formado por Philippe Lombard, seus assistentes Maria Eliza Correia Barbosa e Manoel de Andrade Filho, além do quarto árbitro Maurício Antônio Fioretti, acompanhado pelos capitães das equipes. Foto: Orlando Lacanna.


Tudo pronto para o início da partida. Foto: Orlando Lacanna.

A expectativa inicial que envolvia essa partida, era de que haveria muita luta e o equilíbrio iria prevalecer. Isso de fato aconteceu até os primeiros dez minutos, quando as equipes se revezaram em pequenos períodos de domínio e criação de jogadas mais agudas.

A história da partida começou a mudar aos 15 minutos, quando o Guaçuano abriu o marcador por intermédio de Kesley, escorando um cruzamento rasteiro que veio da esquerda. Esse gol aumentou a confiança e o entusiasmo dos donos da casa que continuaram em cima e não demorou muito para o segundo gol acontecer, tanto que, aos 24 minutos, o avante Everton realizou excelente jogada pela direita, girando em cima do zagueiro e mandando um arremate certeiro que entrou entre o goleiro e o poste esquerdo. Foi um golaço.


Jogador do Barretos procurando armar jogada ofensiva. Foto: Orlando Lacanna.

O Barretos perdendo por dois gols, procurou de todas as formas sair para tentar diminuir a diferença, porém esbarrava num adversário super inspirado que dificultava toda e qualquer tentativa mais ousada do ataque barretense e isso foi enervando os visitantes que passaram a jogar com mais afobação e, dessa maneira, aumentaram as dificuldades.

A partida continuava de um jeito que parecida que dava tudo certo para o Guaçuano, enquanto o Barretos se debatia para conseguir acertar as jogadas. Nessa toada, os anfitriões chegaram ao seu terceiro gol, na marca dos 43 minutos, anotado novamente por Kesley, sendo que dessa vez, aproveitando, de cabeça, um cruzamento vindo da esquerda em cobrança de escanteio, numa bobeada geral do setor defensivo do Barretos que permitiu a um atacante de baixa estatura, subir sozinho e golpear a bola para o fundo do gol.


Disputa de bola junto à intermediária. Foto: Orlando Lacanna.

Após a marcação do seu terceiro gol, o Guaçuano tocou a bola nos minutos derradeiros, apenas esperando o encerramento da primeira etapa, levando para o intervalo uma vantagem expressiva de três gols. Com o retorno das equipes para o segundo tempo, notei que o Barretos havia voltado com duas alterações e, logo nos primeiros minutos, deu para perceber que os visitantes iriam para o famoso "tudo ou nada", até porque com a desvantagem de três gols, não restava outro caminho.

Mesmo com todo esforço dos barretenses, as dificuldades continuaram, devido a excelente partida do Guaçuano e também pelos erros de conclusão dos visitantes que ficou evidenciado aos 16 minutos, quando o atacante Cristiano perdeu gol certo dentro da pequena área, chutando por cima do travessão. Apesar do "se" não jogar, ficou a dúvida: será que "se" o Barretos tivesse aproveitado essa oportunidade, poderia conseguir mudar a história da partida?


Mesmo com o Barretos em cima, o Guaçuano deu suas estocadas na etapa final. Foto: Orlando Lacanna.

Para piorar as coisas para os visitantes, um dos atletas que entrou no intervalo, o Cléber, foi expulso aos 18 minutos, por entrada violenta, recebendo o cartão vermelho direto. Desse jeito, o que já estava difícil ficou ainda mais complicado. Aos 20 minutos, ficou provado que a noite não era mesmo do Barretos, pois o jogador Gilmar entrou livre pela meia direita, ficando cara a cara com o goleiro Jociel, mas acabou errando o alvo e desperdiçou a chance. O Touro do Vale chegou novamente perto de diminuir a diferença, aos 24 minutos, numa cobrança de falta que foi espetacularmente defendida por Jociel, com a bola ainda tocando no travessão.

O Guaçuano que continuava tranqüilo na partida ficou ainda mais ao marcar o seu quarto gol, aos 30 minutos, através de Anderson que aproveitou rebote do goleiro Renan que não conseguiu segurar um chute de meia distância deferido por Kesley.


Bola voltando do fundo da meta no quarto gol do Guaçuano. Foto: Orlando Lacanna.

Depois do quarto gol, o Barretos deu sinais que tinha jogado a toalha e foi administrando o jogo, visando evitar o risco de tomar mais gols, para não piorar ainda mais o seu saldo de gol, mas mesmo assim, quase tomou o quinto gol aos 41 minutos, numa outra boa jogada de Kesley que foi o nome do jogo.

Para alegria do público presente, o árbitro encerrou a partida com o marcador indicando Guaçuano 4 - 0 Barretos que premiou a equipe que fez uma excelente partida, com ótimo índice de aproveitamento, num jogo que não deu nada certo para o time de Barretos. Como restam cinco jogos para cada equipe, muita coisa ainda vai acontecer até a definição das duas equipes do grupo que ascenderão à Série A3 em 2.009.

Partida encerrada e pé na estrada novamente, agora com destino a Campinas, para de lá voltar para São Paulo, concluindo uma viagem de 730 km que valeu muito ter sido feita, por conta das três belas partidas que acompanhei e, principalmente pela ótima receptividade que tive nas três cidades visitadas. Valeu.

Abraços,

Orlando

Nenhum comentário:

Postar um comentário