Procure no JP

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

"Dérbinho campineiro" pela Segundona termina empatado

Olá,

Seguindo com a cobertura pelos JOGOS PERDIDOS da rodada inaugural da terceira fase do Campeonato Paulista da Segunda Divisão, após ter presenciado a partida realizada na cidade de Américo Brasiliense no sábado pela manhã, rumei mais uma vez em companhia do amigo Luciano Claudino, com destino à cidade de Campinas para fazer a cobertura do segundo jogo válido pelo Grupo 12 da competição, realizado no Estádio Moisés Lucarelli e que reuniu as equipes do Red Bull F.E.L. contra o Campinas F.C.

Apesar do Red Bull Brasil oficialmente ter a sua sede em São Paulo e a sua base fixada na cidade de Vinhedo, essa partida tem sido denominada pelos campineiros como sendo o "Dérbinho" campineiro pelo fato do time do energético estar mandando suas partidas no campo da Ponte Preta. Como cheguei em cima da hora, fui direto para o gramado para tirar as fotos das equipes e do trio de arbitragem da pesada escalado pela FPF. As fotos estão abaixo:


Red Bull F.E.L. - São Paulo/SP (mandando seus jogos em Campinas/SP). Foto: Orlando Lacanna.


Campinas F.C. - Campinas/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Trio de arbitragem formado por Paulo César de Oliveira (FIFA) e seus assistentes Ana Paula da Silva Oliveira e Marinaldo Silvério, acompanhado pelos capitães das equipes. Foto: Orlando Lacanna.

Esse jogo era aguardado com grande expectativa, pois iria reunir dois dos três candidatos mais cotados do grupo para conseguirem o acesso para a Série A3 em 2.009 e as equipes não decepcionaram o público presente (284 pessoas), pois a partida começou num ritmo forte, com os dois times demonstrando muito apetite em busca do gol, além de muito espírito de luta, aliado a boas jogadas.


Intensa disputa pela bola junto ao meio de campo. Foto: Orlando Lacanna.

O Red Bull Brasil deu o primeiro susto no goleiro Fagner do Campinas, logo aos 3 minutos, num forte arremate da entrada da área desferido por Cezar que passou muito perto do travessão da meta da "Águia" campineira. Os visitantes deram o troco aos 13 minutos, através de uma cabeçada perigosa do zagueiro Bruno que obrigou o goleiro Luiz Fernando a praticar difícil defesa.


Lance perigoso do ataque do Red Bull. Foto: Orlando Lacanna.

A partida foi seguindo muito disputada, num rigoroso equilíbrio nas ações, com as equipes se alternando em jogadas mais perigosas, até que aos 29 minutos, o time amarelo chegou ao seu primeiro gol, em jogada que começou pela esquerda com Reinaldo rolando a bola para o meio da área, encontrando Diego pronto para o arremate que saiu forte, e contou com um desvio da zaga, dificultando ainda mais a vida do goleiro do Red Bull que nada pôde fazer no lance.


Bola indo para o fundo da meta do Red Bull no gol do Campinas. Foto: Orlando Lacanna.

Em desvantagem no placar, os donos da casa saíram com muito mais determinação para o campo de ataque, tendo criado ótima chance para chegar ao empate, aos 39 minutos, numa jogada em que o meia Alan chegou na cara do gol, mas aí brilhou a estrela do goleiro Fagner que acabou impedindo o gol ao realizar ótima defesa.


Defesa espetacular de Fagner evitando o empate do Red Bull. Foto: Orlando Lacanna.

O Red Bull continuou no ataque e aos 42 minutos foi a vez do atacante Maurílio desperdiçar outra boa chance para empatar, cabeceando por cima do travessão uma bola recebida pelo alto, bem próxima à pequena área. Apesar do primeiro tempo ter sido muito movimentado e com várias oportunidades criadas pelas duas equipes, o placar ficou no magro 1 a 0 para o Campinas até o fim da primeira etapa.

Após um intervalo no qual a pedida foi tomar muita água devido ao forte calor e por conta do lanche feito na estrada, vi uma segunda etapa começar a todo vapor, com o Campinas só não chegando ao seu segundo gol logo no primeiro minuto, graças a uma defesa milagrosa do goleiro Luiz Fernando que conseguiu desviar uma cabeçada desferida por Bruno próxima à linha da pequena área.


Luiz Fernando se preparando para praticar difícil defesa evitando o segundo gol do Campinas. Foto: Orlando Lacanna.

Depois desse lance mais agudo, o segundo tempo também assumiu um ritmo de equilíbrio, quase sempre com criação de jogadas mais perigosas pelos dois times que poderiam, a qualquer momento, movimentar o placar. Nessa toada, quem foi mais feliz foi o Red Bull que chegou ao seu gol, aos 20 minutos, em jogada rápida pela direita que acabou num chute cruzado rasante desferido por Cezar, decretando o empate no marcador.


Goleiro no chão e bola no fundo da meta do Campinas no empate do Red Bull. Foto: Orlando Lacanna.

Os donos da casa poderiam ter virado o placar aos 28 minutos, quando o zagueiro Luiz Cláudio perdeu ótima chance, na pequena área, chutando por cima uma bola recebida de cabeça do ex-corintiano Gilmar Fubá. Esse mesmo zagueiro acabou recebendo o cartão vermelho direto, aos 33 minutos, por ter interrompido de forma brusca uma jogada em que o atacante tinha clara chance de gol.


Chance incrível desperdiçada pelo Red Bull de virar o placar. Foto: Orlando Lacanna.

Mesmo com um atleta a menos, o Red Bull Brasil não se acovardou e, nos últimos quinze minutos continuou incomodando a defesa do Campinas com a criação de pelo menos mais duas jogadas perigosíssimas que não foram convertidas. Por outro lado, o Campinas não deixou barato e chegou próximo ao seu segundo gol por duas vezes, porém seus atacantes não foram objetivos nas conclusões.

Como acontece quando o jogo é bom, o tempo passa muito depressa e foi isso que ocorreu nessa partida, pois quando me toquei, o árbitro encerrou um dos melhores jogos da Segundona que presenciei esse ano, com o marcador apontando Red Bull Brasil 1 - 1 Campinas que serviu para confirmar que essas duas equipes, juntamente com o Pão de Açúcar, são candidatas sérias ao acesso. Gostei muito do que vi e lamentei muito que o tempo tenha passado tão rápido.

Tão logo o árbitro apitou pela última vez, o Luciano e eu voltamos para a estrada, agora com destino à cidade de Mogi Guaçu, aonde seria realizado o terceiro jogo com cobertura do JP, cuja história será contada mais tarde. Aguardem.

Abraços,

Orlando

Nenhum comentário:

Postar um comentário