Procure no JP

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Volta ao Passado, volume 35: Palmeiras FC (Franca/SP)

PALMEIRAS FC (Franca)


Escudo alternativo do Palmeiras Futebol Clube de Franca que fica nas tribunas do estádio do time. Foto: Fernando Martinez.

Fala pessoal!

Finalmente os posts da cultuada série VOLTA AO PASSADO voltam às páginas do JOGOS PERDIDOS, e hoje com um pouco mais da história do tradicionalíssimo Palmeiras Futebol Clube da cidade de Franca, clube que visitei em meados de 2009 e é situado na Rua Santos Pereira. E pela primeira vez voltamos a falar de um time já citado - o Palmeiras foi visitado pelo Orlando em 2005, no primeiro volume da série - pois a situação atual da equipe é bem diferente do que ele viu há cinco anos atrás.


Fachada do time em março de 2009, completamentre restaurada. Foto: Fernando Martinez.


E a mesma fachada em 2005, quando da visita do Orlando, numa época em que o Palmeiras estava quase sumindo do mapa. Foto: Orlando Lacanna.

A viagem que fiz aconteceu pouco após o carnaval de 2009, num final-de-semana aonde visitei pela primeira vez a região. Na oportunidade vi a partida entre Francana e Nacional, vencida pela Feiticeira por 4x1 válida pela Série A3 do ano passado. E como fiquei na cidade para voltar à capital no dia seguinte, uma visita ao Palmeiras era mais do que obrigatória. Para a minha grata surpresa, encontrei o clube numa situação bem melhor do que o Orlando viu. Mas antes de falar da situação do clube, vale contar um pouco da história do time do Palmeiras através dos anos e das suas disputas em campeonatos paulistas.


Aqui o nome do clube na entrada de associados, também restaurada. Foto: Fernando Martinez.

A equipe foi fundada em 25/12/1917 pela colônia italiana que vivia na cidade em razão do cultivo do café. Exatamente 30 anos depois começava a história palmeirense no profissionalismo. O time foi um dos participantes do primeiro campeonato oficial de Segunda Divisão em São Paulo. Mas ao final daquele torneio, a equipe ficou na 14ª e última colocação. Nos dois anos seguintes a equipe continuou sem mostrar um bom futebol, e isso fez com que a equipe desistisse da Segundona em 1950 e só voltasse a disputar em 1953. Mas foi uma volta efêmera, pois o time não voltou para a disputa em 1954.


Time do Palmeiras em 12/08/1981, época em que o clube disputava o Campeonato Amador do estado visando voltar ao profissionalismo. Na época, a equipe podia jogar no futebol profissional depois de três disputas amadoras. Reprodução: Fernando Martinez.

Somente em 1983 a equipe reapareceu nos gramados paulistas numa sequência maior de campeonatos disputados. Mas tirando o ano de 1984, quando a equipe foi 6ª colocada numa Terceira Divisão com 42 participantes, o restante da década não foi muito proveitoso, num tempo em que a dificuldade e o "amadorismo" de quase todas as equipes era evidente. Era o final de uma época romântica do futebol, e isso custou a vida de muitas equipes desde então.


Time do Palmeiras FC posado no dia 26/06/84, quando venceu a Santa Ritense por 2x1 jogando em Franca. Reprodução: Fernando Martinez.

Em 1990 porém o Palmeiras chegou a sua melhor participação em algum Campeonato Paulista em todos os tempos. Jogando a Terceira Divisão (equivalente ao quarto nível da época), o time foi vice-campeão, só perdendo o título para o Corinthians de Presidente Wenceslau em virtude desse ter melhor campanha, pois não houve final após a última fase do campeonato. Em 1991 o time voltou a jogar a Segunda Divisão (equivalente à Terceira) e fez campanha razoável. Mas após isso, duas campanhas completamente desastrosas deixaram o time em situação ruim. Em 40 jogos disputados em 1992/1993, a equipe perdeu 28, um total de 70%, e venceu apenas 4 deles. O time ficou com a 49ª colocação em 1992 (entre 50 participantes) e na 42ª posição, o último lugar, no ano seguinte.


O Palmeiras FC posando para mais uma foto, agora em time do final dos anos 80. Reprodução: Fernando Martinez.

Nesse período, o time ficou 23 jogos sem nenhuma vitória, num período total de quase dois anos. As maiores goleadas sofridas pelo Palmeiras também aconteceram nesse meio-tempo. No campeonato de 1993, a equipe tomou duas buchas de 8x0 do José Bonifácio, uma delas dentro do seu próprio estádio. E a maior goleada sofrida pelo clube em toda sua história profissional aconteceu em 25/07/93, quando tomou um 11x0 do Monte Azul.

Para completar a tristeza dos torcedores do time, o campeonato de 1994 foi o pior de todos os tempos e o Palmeiras nem terminou a disputa. A equipe foi eliminada após 12 jogos disputados em virtude de dívidas com a FPF. O último desses jogos, e consequentemente último jogo do time no profissionalismo, aconteceu no dia 26 de junho, quando perdeu para o Guapira por 2x1 no Estádio Aníbal de Freitas. Foi a primeira vez que o time jogou na capital paulista em disputas profissionais e a velha guarda do JP, que estava presente no estádio nesse dia, com certeza nem imaginava que estava vendo um momento histórico.

Desde então a equipe perambulou pelos campeonatos amadores regionais por algum tempo até parar até com o amadorismo. Na época do primeiro post sobre o clube na série VOLTA AO PASSADO, o time estava completamente largado, com seu histórico estádio em ruínas e praticamente sem nenhum futuro. Não havia nenhuma movimentação de associados, nenhuma equipe adulta de futebol, e o campo de jogo era utilizado apenas por uma escolinha de garotos.

Ainda com essa imagem de abandono e destruição que tinha da visita de 2005, cheguei na Rua Santos Pereira e me impressionei com o estado atual do estádio. Tudo muito bem conservado e devidamente pintado com as cores verde e branca. Logo me identifiquei para o porteiro do local, e não demorou muito para que um dos atuais membros da diretoria do clube viesse me recepcionar. Muito simpático, foi me mostrar as dependências do reformado estádio palmeirense.


Detalhe das sociais do estádio palmeirense devidamente restauradas. Foto: Fernando Martinez.


Vista da parte coberta do estádio, bem diferente do que vimos lá cinco anos atrás. Foto: Fernando Martinez.


Placar do estádio do Palmeiras FC de Franca. Foto: Fernando Martinez.

Não existem mais os sarrafos de madeira escorando a parte coberta, não existe mais a pintura mal-feita e o lugar com cara de completo abandono. Todo o estádio foi reformado e pintado, exatamente como era no começo da história do Palmeiras. A tribuna que fica na parte coberta é o ponto alto do local, e o aspecto histórico do começo do século XX foi deixado intacto. Telhas novas na parte coberta também foram colocadas, deixando o local mais bem arrumado do que muito campo que vemos por aí.


Tribuna, a parte mais sotisficada aonde os figurões assistiam os jogos do time, completamente revitalizada do estádio alvi-verde. Foto: Fernando Martinez.


Mais uma visão do largo corredor das numeradas cobertas do estádio, com o ginásio do clube ao fundo. Foto: Fernando Martinez.

Mas o que chama mesmo a atenção fica dentro das quatro linhas, pois o gramado do estádio do Palmeiras é muito, mas muito bom mesmo. Em tantos gramados horrorosos que vemos na Segundona paulista, ver algo tão bem cuidado como vi lá é animador. Depois da visita, fui conhecer o restante das dependências do clube, que ainda possui uma cancha de bocha, ginásio e um espaço para confraternização dos associados.


Visão da parte esquerda do belo gramado da "cancha" palmeirense em Franca. Ah, os tufos que são vistos no campo estão aí pois estavam mexendo no gramado no dia da minha visita. Foto: Fernando Martinez.


Agora o lado direito do gramado palmeirense. Foto: Fernando Martinez.

Após essa avalanche de nostalgia fui conversar com dois diretores do clube, que disseram que a meta do time é voltar o mais rápido possível ao profissionalismo. Toda a restauração e revitalização da sede/estádio do time é em razão disso. Mas em primeiro lugar nos planos dos diretores palmeirenses está a criação do time amador para que se forme uma base suficientemente importante para que a equipe possa aguentar os desafios da Segundona paulista.


Sala de troféus do clube e os simpáticos diretores (se alguém souber o nome dos dois nos avise... o papel em que tinha anotado derreteu numa chuva de verão no ano passado) que conversaram bastante comigo, me agradecendo muito pela visita ao tradicional clube paulista. Foto: Fernando Martinez.

Muita conversa depois me despedi dos simpáticos membros da diretoria alvi-verde e peguei novamente meu rumo para a capital do estado, mas torcendo que o Palmeiras Futebol Clube de Franca possa voltar logo ao profossionalismo. Torcida aqui do JOGOS PERDIDOS com certeza é o que não falta.

Até a próxima!

Abraços,

Fernando

3 comentários:

  1. Quero Saber do ex jogador Antonio Augusto morador da Rua Augusta,jogou +- 1977 a 1980 amigo que gostaria de revelo!!

    ResponderExcluir
  2. Muuuito legal saber que tem pessoas que valorizam

    ResponderExcluir
  3. Sentado é o Élcio, em pe Matheus Garcia Fernandes ( Tio Dinho)

    ResponderExcluir