Procure no JP

segunda-feira, 31 de julho de 2006

Paulista Segunda Divisão: Força 5-0 Sumaré

Olá,

No último domingo estive em Caieiras acompanhando a partida entre Força EC e Sumaré AC, válida pela última rodada da 1ª Fase do Campeonato Paulista da 2ª Divisão. Apesar do Força já estar classificado e do seu adversário eliminado, decidi comparecer nesta partida pois ainda não tinha visto o Sumaré e precisava de qualquer forma coloca-lo na minha lista. Cheguei bem cedo no Estádio Municipal Carlos Ferracini para tirar as tradicionais fotos dos times posados:


Força E.C. - São Paulo/SP (manda seus jogos em Caieiras/SP). Foto: Victor Minhoto.


Sumaré A.C. - Sumaré/SP. Foto: Victor Minhoto.


Capitães das equipes e trio de arbitragem liderado pelo Sr. Élcio Paschoal Borborema acompanhado dos auxiliares Jairo Martins de França e Newton dos Reis Barreira. Foto: Victor Minhoto.

Como já era de se esperar o Força partiu para cima do adversário desde o início da partida. Tanto que logo aos 7 minutos do primeiro tempo Thiaguinho abriu o marcador após uma grande bobeira da defesa visitante que permitiu sua entrada livre na cara do goleiro que nada pode fazer. Mesmo após o gol, o time mandante continuou pressionando o adversário que se mostrava muito nervoso, tanto que minutos depois teve um jogador expulso em razão de uma forte entrada sem bola no atacante adversário.


Goleiro do Sumaré faz difícil defesa em bela cobrança de falta do Força. Foto: Victor Minhoto.

Durante toda a primeira etapa o Força mostrou melhor organização e qualidade técnica, tanto que aos 30 minutos, após várias chances de gol defendidas pelo goleiro do Sumaré, Pelezinho anotou o segundo tento da equipe da casa. Imaginei que no segundo tempo o Força diminuiria o ritmo para poupar seus atleta, afinal na próxima semana já começa a segunda fase do campeonato. Mas o que se viu foi o contrário, o time mandante voltou com mais diposição ainda, tanto que aos 5 minutos, em um rápido contra-ataque, novamente Thiaguinho marcou o terceiro gol do Força.


Lateral do Força cruza para trás e atacante acerta o travessão da meta do Sumaré. Foto: Victor Minhoto.

Já o Sumaré, com um jogador a menos, se limitava trocar passes pouco eficientes no meio campo que não levavam nenhum perigo a meta adversária, até perder a bola e dar mais uma chance ao Força. O goleiro da equipe bem que se esforçou e fez boas defesa, mas como sua zaga não era lá essas coisas, não conseguiu evitar o quarto gol do Força. Este gol foi marcado por Tigrão aos 27 minutos da etapa final após um cruzamento e uma cabeçada certeira no canto direito do arqueiro.


Após cruzamento, em bela cabeçada no contra-pé do goleiro, Força faz o quarto gol da partida. Foto: Victor Minhoto.

Mesmo depois das substituições o Força manteve o ritmo e o Sumaré passou a demonstrar evidentes sinais de falta de preparo físico, tanto que o time da casa passou a entrar na área adversária tabelando e sem maior resistência da defesa do Sumaré. Após mais algumas boas defesas do goleiro, aos 40 minutos, Mineiro decretou o quinto e último gol do Força. Resultado final: Força 5x0 Sumaré.


Após não interceptar o chute de Mineiro, goleiro e zagueiro do Sumaré apenas observam a bola entrar, decretando o quinto e último gol do Força. Foto: Victor Minhoto.

Após o jogo ficou a sensação de que o Força pode fazer uma boa campanha no resto do campeonato. Já o Sumaré precisa se organizar melhor para a próxima temporada, isso se é que ele vai jogar no ano que vem.

Em seguida somente restou voltar para casa ouvindo jogadores, comissão técnica e público reclamando do suposto frio que estava no campo, o que não é verdade, pois é público e notório que a temperatura ideal para o ser humano é zero grau, ou seja, nem frio nem calor, como bem pode atestar o Jurandyr, nosso especialista em massas polares.

Até a próxima,

Victor

Paulista Segunda Divisão: Jabaquara 1-5 Votoraty

Buenas!

E chegou ao fim o martírio do grande Jabuca, e lá fui eu acompanhar a partida Jabaquara x Votoraty, pela última rodada da primeira fase da Segundona Paulista. O jogo foi disputado no Estádio Espanha, em Santos, e foi a despedida do Leão da Caneleira na competição. Vamos as fotos oficiais da partida:


Jabaquara A.C. - Santos / SP. Foto: Emerson Ortunho.


Votoraty F.C.L. - Votorantim / SP. Foto: Emerson Ortunho.


Trio de arbitragem formado pelo árbitro Anderson Conte e os assistentes Luiz Claudio Dias e Marcos Paulo dos Martires Silva. Foto: Emerson Ortunho.

Bom, após o WO contra o Taboão, meu maior temor era que o Jabuca não entrasse em campo novamente, mas felizmente isso não aconteceu. Mesmo com um time sem treinar a mais de 30 dias e totalmente improvisado no posicionamento em campo a equipe foi para a luta. Com esses fatores negativos estava esperando que o Jabuca sofreria uma goleada histórica do Votoraty, mas felizmente também, não foi isso que aconteceu.


Lance da patida Jabaquara x Votoraty na Caneleira. Foto: Emerson Ortunho.

Quanto ao jogo em si, era nítida a superioridade do Votoraty, que com mais entrosamento e preparo físico começou a dominar as ações do jogo. Assim, não demorou muito para equipe visitante abrir o placar e mostrar que o jogo não seria fácil para o Leão. Mas nesse primeiro tempo a equipe santista até que conseguiu jogar de forma equilibrada e sofrendo apenas mais um gol, levando o jogo para o intervalo em 2 a 0.


Debaixo de muita chuva o Votoraty parte para o ataque. Foto: Emerson Ortunho.

Na segunda etapa começou a chover forte e bateu a questão física, assim o Votoraty jogou tranquilo, marcado o terceiro, o quarto e quinto gols sem muito esforço. Mais pro final da partida, o Jabaquara ainda conseguiu marcar o seu gol de honra, para pelo menos espantar de vez a uruca para o próximo ano.


Com chuva, mais um lance da partida Jabaquara x Votoraty. Foto: Emerson Ortunho.

Final de jogo: Jabaquara 1 x 5 Votoraty. Resultado extramente justo devido as circustâncias que envolvia a partida. Agora a equipe do Votoraty parte para a segunda fase, onde vai enfrentar adversários de peso e será necessário jogar um ótimo futebol para continuar brigando pelo acesso. Já sobre o Jabaquara fica um agradecimento aos jogadores que participaram desta última partida, mesmo sem receber salários, eles entraram em campo para que o clube não passasse outro vexame.

E nota 0 para empresa que terceirizou o futebol do rubro-amarelo, pois foi a responsável por toda essa situação. Já vi o Jabaquara entrar em campo com o time vindo inteiro da várzea santista, mas nunca chegou a uma situação como essa. Foi disparado o pior ano para história do Jabaquara. Agora é batalhar para que no próximo ano as coisas mudem. E no fim das contas olhando a classificação geral do campeonato, o Jabuca não foi o último, vários times conseguiram ficar atrás do Leão. Para um pobre torcedor como eu, isso pelo menos serve de consolo.

Ah! E uma boa notícia: o Leão da Caneleira vai disputar o Campeonato Paulista de Juniores da 2ª divisão em parceria com o Litoral Futebol Clube. Virão todos os jogadores e comissão técnica. Pelo menos é certeza de organização.

Abraços!

Emerson

Copa FPF: Portuguesa 0-0 Juventus

Opa,

Eita! Apesar da correria no serviço, que me impede de atualizar mais fácil o JP, vamos continuar com a avalanche de jogos do final de semana. No sábado, depois da rodada dupla na Javari de manhã, à tarde tinha que acompanhar um jogo perto de casa, já que teria um casamento à noite. A pedida mais sensata então era o clássico entre Portuguesa e Juventus, no Canindé, pela Copa FPF. Juntos comigo, numa tarde extremamente fria, o Jurandyr, Mílton, David e o Seu Natal perdidos por lá.

Dessa vez estava disposto a tentar entrar no campo e conseguir as fotos (exclusivas) dos times posados. Com uma prestatividade interessante, os fiscais da FPF me liberaram para as fotinhos. É, de vez em quando as coisas acontecem como queremos. Seguem as fotos, e como disse antes EXCLUSIVAS, das equipes:


A Portuguesa de Desportos - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


CA Juventus - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.

Depois de sair do campo, fui buscar meu lugar na arquibancada para conferir o jogo. Olha, e a partida teve o frio como inspiração. De forma irritante o primeiro tempo foi bastante burocrático, sem muitas emoções assim.


Escanteio para o Juventus no primeiro tempo da partida. Foto: Fernando Martinez.

A Portuguesa não dizia ao que tinha vindo e o Juventus, mesmo com uma melhor equipe, pouco fez para abrir o placar. A chance mais aguda de gol veio dos pés do atacante Renan (ele mesmo!) e que ele conseguiu a proeza de perder um gol, cara a cara e com o goleiro da Lusa caído no chão. Mais perdido impossível. E o jogo foi para o intervalo sem a abertura de contagem.

O segundo tempo foi um pouco melhor, mas com o Juventus praticamente jogando sozinho. A Portuguesa não se encontrava na partida e acredito que tenha chegado umas duas vezes apenas ao gol grená, mas em ambas as situações sem perigo.


Cara-a-cara, o Juventus perde mais um gol no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez.

Nessa estapa, o Juventus abusou da paciência da torcida e perdeu quatro chances incríveis. Duas delas em que os atacantes perderam os gols na frente do goleiro, uma na trave e outra que a zaga da Lusa foi mais ágil. Ficava claro que só sairia um gol por milagre.


Visão geral do segundo tempo da partida entre Portuguesa e Juventus. Foto: Fernando Martinez.

E com essa irritante falta de habilidade dos Atomic Grapes, o jogo não poderia ter tido melhor sorte. Final de partida: Portuguesa 0-0 Juventus. Um jogo com nota baixíssima, com frio e garoa... mas mesmo assim não desanimamos. Detalhe que esse foi meu primeiro 0 a 0 desde o dia 2 de março, quando vi o jogo Paulista 0-0 Libertad. Quase cinco meses depois, mais um jogo sem gols. Pena que não seria o primeiro do fim de semana.


A galera do mal no Canindé: um Mílton animado, um Alfredo desbocado, um David comemorado, um Jurandyr sempre coitado e o seu Natal reavivado no JP depois de um mês ausente. Foto: Fernando Martinez.

Voltando pra casa fui curtir um bom casório, com comida, bebida e boa música. Mesmo chegando tardaço em casa, consegui forças para levantar cedíssimo, com 11 graus na moleira e fazer uma verdadeira viagem para mais um jogo. Isso fica para o próximo post.

Até

Fernando

Brasileiro Série C: Rio Branco/SP 1-1 Cabofriense

Olá,

Iniciando mais um sensacional final de semana futebolístico, desta feita com uma jornada tripla, no sábado à tarde segui em direção à cidade de Americana para acompanhar a mais um jogo do Campeonato Brasileiro Série C. A partida em questão foi Rio Branco x Cabofriense, realizada no Estádio Décio Vitta e correspondeu à primeira rodada do returno da primeira fase da competição. Partida cercada de muita expectativa, pois envolvia o líder e o vice-líder do Grupo 13, sendo que a vitória de um ou de outro time, representaria um passo importante em busca da classificação à segunda fase.


No primeiro tempo lance perigoso do ataque da Cabofriense. Foto: Orlando Lacanna.

A primeira etapa começou num ritmo lento e com muitos erros de passes, porém aos poucos o time carioca foi se acertando em campo e passou a dominar a partida, atacando com mais insistência, mas pecava na hora da finalização.


Dominando a partida, mais um lance de ataque do time do Rio, ainda no primeiro tempo. Foto: Orlando Lacanna.

O time da casa demonstrava ser uma equipe sem entrosamento e com quase nenhum poder de fogo, a não ser num chute isolado de fora da área que explodiu no poste esquerdo do goleiro dos visitantes. Com esse panorama, o resultado final dessa etapa só poderia ser a igualdade sem gol, frustrando a pequena torcida local que esperava muito mais do Tigre.


Única chance para o Rio Branco no primeiro tempo: e bola na trave. Foto: Orlando Lacanna.

Na etapa final, a toada foi a mesma, ou seja, o Rio Branco não mostrava força ofensiva e a Cabofriense dominava, mas não traduzia esse domínio em gol, até que finalmente, aos 28 minutos, o atacante do time carioca Dilmar, fez boa jogada individual pela esquerda cruzando forte para a área e o zagueiro Luis Carlos do Rio Branco acabou desviando a trajetória da bola contra sua própria meta, abrindo o placar a favor dos visitantes.


Bola no fundo das redes, Cabofriense 1 a 0. Foto: Orlando Lacanna.

A partir daí, o jogo virou um vale-tudo com o Rio Branco atacando de forma desordenada e a Cabofriense dando chutão para qualquer lado, abdicando de qualquer ação ofensiva. Tudo indicava que a vitória seria dos cariocas, quando aos 43 minutos, o árbitro mineiro Sr. Marcelo Rufino Santos, fez uma tremenda lambança, marcando um pênalti totalmente inexistente a favor do time de Americana, que foi cobrado e convertido por Anderson Paraíba.


De pênalti, o Rio Branco finalmente chega ao empate. Foto: Orlando Lacanna.

Final de jogo com o placar de Rio Branco 1 - 1 Cabofriense, que na minha visão não foi justo, uma vez que o árbitro influenciou diretamente no resultado com a marcação equivocada do pênalti que originou o empate. Esse empate deixou um gostinho amargo junto aos torcedores locais que ainda têm esperanças na classificação à segunda fase. Esperava mais do Tigre.

Bem, depois do jogo, foi uma correria danada para voltar a São Paulo, e logo em seguida iniciar outra viagem ao interiorzão para acompanhar mais dois jogos especiais, mas isso é papo para outros posts. Aguardem.

Abraços,

Orlando

Paulista sub-17: Pão de Açúcar 2-2 São Caetano

Fala povo!

A segunda partida do sábado foi também a segunda parte da rodada dupla na Rua Javari, agora pelo Campeonato Paulista sub-17. Mais uma vez entraram em campo os times do Pão de Açúcar EC e AD São Caetano. Dessa vez, devidamente instalado dentro do lendário gramado do Estádio Conde Rodolfo Crespi, consegui as fotos dos times posados. A foto do trio de arbitragem não foi possível, já que o Azulão demorou demais para entrar em campo (quase 15 minutos) e daí o trio já tinha saído da formação. Mas faz parte. E pela primeira vez aqui, temos o Pão de Açúcar:


Pão de Açúcar EC (sub-17) - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


AD São Caetano (sub-17) - São Caetano do Sul/SP. Foto: Fernando Martinez.

Esse jogo foi um dos melhores que vi no ano. Os times começaram com tudo, e desde o primeiro minuto mostraram um ótimo futebol. O Pão de Açúcar começou melhor e foi com tudo pra cima da defesa do São Caetano. O time não deu espaços ao Azulão, e parecia questão de tempo o primeiro gol. E realmente ele não demorou: depois de uma tiro de meta bem cobrado, em dois toques a bola foi parar nos pés do atacante do Pão de Açúcar, que só teve o trabalho de deslocar o goleiro e fazer 1 a 0.

Meio atordoado, o São Caetano sentiu o gol e tomou o segundo em seguida. Em boa jogada pela esquerda, a bola foi cruzada e dentro da área, outro jogador cabeceou e marcou o segundo.


Lance do segundo gol do Pão de Açúcar: o jogador que está no meio da área está se preparando para marcar o seu e fazer dois a zero. Foto: Fernando Martinez.

E parecia que o jogo seria um massacre, pois o time do ABC não dava muita mostra de reação. Mas o time acordou depois que o zagueirão do time amarelo colocou a mão na bola dentro da área, numa jogada de ataque perdida pelo Azulão. Sem perder tempo, o São Caetano na cobrança de penal chegou ao seu primeiro gol e entrou novamente no jogo.


De pênalti, o São Caetano marca o primeiro gol contra o Pão de Açúcar. Foto: Fernando Martinez.

Até o final do primeiro tempo mais chances boas foram perdidas, agora pelos dois times. mas o jogo foi para o intervalo em 2 a 1 mesmo. Nesse intervalo fui obrigado a sair das antigas cabines de imprensa graças à insuportáveis moleques (uns 6) que ficavam querendo quebrar as cadeiras que tinham no lugar e gritavam sem parar. Na boa, acabei indo ficar nas tribunas de honra do Juve, nas "sociais" da Javari.


À esquerda: essas são as antigas cabines de rádio da Javari, hoje em dia lugar aonde fica a diretoria do clube em dias de jogos do profissional. Fui expulso de lá por moleques bem malas. À direita, cadeiras nas tribunas sociais da Rua Javari. detalhe e registro positivo para o encosto de cadeira com pano grená e escudo do Juventus. Trabalho bem feito! Fotos: Fernando Martinez.

Nas tribunas pude ver um segundo tempo fantástico e que levou os torcedores dos dois times à loucura nas arquibancadas. O São Caetano voltou com tudo buscando o empate e criou chances fantásticas de gol. O Pão de Açúcar também não ficou atrás, e nos contra-ataques também perdeu gols incríveis. Era chance perdida de um lado, e segundos depois chance perdida do outro. Fantástico!

O jogo foi seguindo nesse ritmo e ninguém sabia o que ainda poderia vir. Mas o improvável aconteceu: numa saída de bola do goleiro Demison, do Pão de Açúcar, o zagueiro recebeu a bola, e sem ter como começar o jogo, voltou a bola para o goleiro. A bola foi beeeem devagar, mas por algo que não sabemos o que pode ter sido, a bola passou embaixo do pé dele, e foi parar dentro do seu próprio gol, beem calma.


Falta perigosíssima para o São Caetano no segundo tempo da partida. Foto: Fernando Martinez.

Esse foi um dos maiores frangos que já vi em estádio, e é daqueles lances que só vemos na TV, em jogos perdidos por aí. Por sorte (para mim, não para o Pão de Açúcar), sábado pude ver um desses. Mas isso acontece, e o goleiro Demison semana que vem pode se tornar hérói de um jogo, e isso faz parte do futebol. Até o final os dois times buscaram de forma incrível a vitória. Sem exagero, pelo menos mais duas ou três chances claras de gol foram criadas, mas sem a conclusão certeira. No final a partida ficou sem mais nenhum gol marcado.

Final de jogo: Pão de Açúcar 2-2 São Caetano. Poderia ter sido um 5 a 5 ou um 6 a 6, mas o placar foi justo e com certeza todos os que saíram da Javari, ficaram satisfeitos com a apresentação dos dois times. Fantástico, isso faz bem para a alma.

Depois voltei pra casa rapidinho, fiz o post do livro de escudos (genial, está logo abaixo) e fui ao Canindé para a terceira partida do dia, mas isso é assunto para depois!

Até

Fernando

Paulista sub-15: Pão de Açúcar 1-0 São Caetano

Opa,

Continuando coma avalanche de posts de jogos que o JOGOS PERDIDOS esteve presente desde a última sexta-feira, agora vamos aqui com a minha primeira (de um total de cinco) aventura entre sábado e domingo. Com o frio que se instaurou em São Paulo, caí da cama cedinho no sábado e fui bem perto de casa, no bairro da Móoca, mais precisamente na Rua Javari. Os jogos em questão eram a rodada dupla do Campeonato Paulista sub-15 / sub-17, com partidas entre o Pão de Açúcar EC e AD São Caetano.

É, para a nossa alegria o Pão de Açúcar (graças à parceria com os grenás) mandou o jogo na Javari, mesmo que a gente não saiba exatamente o porquê. Chegando lá não vi a presença de ninguém do JP, e só o David apareceu, no intervalo. Ah, e por um leve atraso no sistema municipal de ônibus, não consegui as fotos posadas dessa partida.


Times alinhados para o início da segunda etapa do jogo entre Pão de Açúcar e São Caetano pelo Paulista sub-15. Foto: Fernando Martinez.

O estádio recebeu um público razoável: cerca de 150 pessoas torcendo e gritando exaustivamente para as equipes. Talvez por isso o clima tenha ficado tão legal nos dois jogos. no primeiro tempo do jogo do sub-15 tivemos uma partida disputadíssima, mesmo com o frio que estava por lá. Com boas chances dos dois lados, o jogo foi equilibrado ao extremo, ficou sem a abertura do placar no intervalo.

No intervalo aproveitei a deixa e fui me instalar aonde ficavam as antigas cabines de rádio, do lado oposto da entrada da Rua Javari. Meu último jogo lá tinha sido em 1997 e foi legal poder relembrar a visão privilegiada do local. Visão nota 10 e conforto também. Pena que não temos essa visão sempre. (A visão pode ser conferida em todas as fotos desse post)


Bola disputada no meio de campo entre os jogadores do Pão de Açúcar e do São Caetano. Foto: Fernando Martinez.

No segundo tempo da partida tivemos mais uma vez a partida equilibrada e com chances para os dois times, mas insistentemente os ataques perdiam as chances criadas. Um momento que merece registro era a incessante gritaria para que o árbitro desse cartões para os jogadores em jogadas ríspidas. realmente houveram essas jogadas, mas impossível a distribuição de cartões, já que no sub-15 o árbitro não adverte os jogadores com cartões. Ninguém precisa saber disso, mas para quem acompanha sempre (como eram as pessoas que estavam reclamando) isso é meio que uma obrigação, certo?

Bom, e o jogo foi no 0 a 0 até os trinta minutos regulamentares, e quando já me preparava para o resultado, a zaga do São caetano bobeou numa bola lançada em profundidade pelo ataque do Pão de Açúcar, e o atacante só teve o trabalho de colocar calmamente no fundo das redes.


Ataque do Pão de Açúcar no finalzinho da partida. Foto: Fernando Martinez.

Final de jogo: Pão de Açúcar 1-0 São Caetano. Boa vitória dos mandantes, num jogo muito bem disputado. Mas o melhor ficou para o final: no sub-17 tivemos um dos meus melhores jogos do ano. Daqui a pouco no JP!

Fernando

Paulista sub-20 1ªdivisão: Juventus 7-0 Bragantino

Olá,

Vamos começar agora os posts do fim-de-semana. Iniciando ainda pela sexta-feira, onde o único jogo perdido do dia era Juventus x Bragantino pelo Sub-20 da Primeira Divisão. Bom, nem preciso dizer que esses jogos no meio de semana são fantásticos, né? Por lá, eu, o David e o JR (ex-Jandir) marcamos presença. Com facilidade pudemos fazer as fotos oficiais das equipes.


C.A. Juventus (sub-20) - São Paulo / SP. Foto: Emerson Ortunho.


C.A. Bragantino (sub-20) - Bragança Paulista / SP. Foto: Emerson Ortunho.


Trio de arbitragem formado pelo árbitro Diego Geronymo e os auxiliares Raphael Carlos Ferreira da Cruz e Leandro Matos Feitosa, junto com os capitães das equipes. Foto: Emerson Ortunho.

A partida começou e logo de cara já deu para ver que seria um jogo de uma equipe só. O Juventus dominava todas as ações do jogo, porém, apesar de exercer um grande domínio, a equipe grená não conseguia acertar as finalizações. De tanto insistir a equipe da Mooca marcou o seu primeiro gol em uma bela jogada individual e logo depois marcou mais um, levando o placar para o intervalo em 2 a 0.


Disputa de bola no meio de campo. Foto: Emerson Ortunho.


Jogada do Juventus pela linha de fundo. Foto: Emerson Ortunho.

Na segunda etapa, o domínio do Juventus foi absurdo, pois o preparo físico do visitante foi caindo por terra e o jogo ficou apenas de um lado do campo. Mas pra variar o Juventus fez o favor de perder gols de tudo quanto foi jeito, e perdeu a chance de fazer um dos maiores placares de sua história, tamanha a superioridade. Mesmo assim alguns golzinhos foram saindo, chegando ao fantástico placar de 7 a 0.


Um dos "duzentos" ataques do Juventus na segunda etapa. Foto: Emerson Ortunho.

Final de jogo: Juventus 7 x 0 Bragantino. Superioridade indiscutível da equipe juventina que abusou de perder gols, e isso contra um adversário grande pode fazer falta. O Bragantino, por sua vez, precisa melhorar muito a equipe, principalmente na parte da preparação física.

Abraços e esse é só o começo da rodada!

Emerson

sexta-feira, 28 de julho de 2006

Efemérides Futebolísticas: 28 de julho

Opa,

Hoje, mesmo um pouco atrasado, tem mais uma coluna fornecida pelo Denis Haddad das EFEMÉRIDES FUTEBOLÍSTICAS. Hoje temos os eventos futebolísticos de 28 de julho, com referencias a 27 e 29 de julho:

- 27 de julho de 1958 - domingo - Campeonato Paulista da Segunda Divisão de Profissionais - campo do Estrela da Saúde - Estrela da Saúde 1 x Vila Santista, de Mogi das Cruzes, 2.
- 27 de julho de 1960 - quarta-feira à noite - Campeonato Paulista - Vila Belmiro - Santos 8 x Jabaquara 3, com 15.037 pagantes.
- 29 de julho de 1973 - domingo - Campeonato Paulista - São Paulo 0 x Santos 0, no Morumbi, com 39.836 pagantes, Ponte Preta 0 x Guarani 0 com 14.359 pagantes, Botafogo 0 x Palmeiras 0 com 9.754 pagantes e Juventus 0 x América 0 com 3.019. Portanto, em quatro partidas, nenhum gol foi marcado.
- 29 de julho de 1994 - sexta-feira à noite - Copa Bandeirantes - Morumbi - São Paulo 4 x Araçatuba 0, com arrecadação de R$ 66,00 e 24 pagantes.
- 29 de julho de 2000 - Campeonato Paulista Sub-15 - Inter Roma 14 x Jabaquara 0.

E, agora, 28 de julho:

- 28 de julho de 1912 - domingo - Campeonato Paulista - Velódromo - Paulistano 2 x Ipiranga 1. Na mesma data, pelo Campeonato Carioca dos Segundos Quadros, nas Laranjeiras, Flamengo 1 x São Cristóvão 2.
- 28 de julho de 1918 - domingo - Copa Ministério da Educação do Uruguai - em Montevidéu - Uruguai 3 x Argentina 1.
- 28 de julho de 1929 - domingo - amistoso em Malmo - Suécia 10 x Letônia 0.
- 28 de julho de 1935 - domingo - Campeonato Carioca da Liga de Futebol do Rio de Janeiro - Rua Campos Sales - América 3 x Modesto 1. O Modesto Futebol Clube, que tinha campo no subúrbio de Quintino Bocaiúva, participou somente em 1935 de um campeonato principal, tendo jogado 15 vezes, com 3 vitórias, 1 empate e 11 derrotas, sendo que marcou 18 gols e sofreu 56. Na mesma data, pelo Campeonato Pernambucano, no campo da Avenida Malaquias, Torre 2 x Sport 8.
- 28 de julho de 1940 - domingo - Campeonato Paulista - Parque Antartica - Palestra Itália 1 x Hespanha 0.
- 28 de julho de 1945 - sábado - Campeonato Paulista - Pacaembu - Comercial, da Capital, 1 x Santos 2.
- 28 de julho de 1946 - domingo - Campeonato Pernambucano - Ilha do Retiro - Sport 3 x Great Western 1.
- 28 de julho de 1956 - sábado à tarde - Campeonato Paulista - Pacaembu - Portuguesa de Desportos 6 x Jabaquara 2. Ao final do primeiro tempo, o Jabaquara vencia por 2x1.
- 28 de jullho de 1957 - Campeonato Cearense - Calouros do Ar 1 x Gentilândia 0.
- 28 de julho de 1962 - sábado - Segunda Divisão do Campeonato Argentino - Nueva Chicago 3 x Sarmiento, de Junín, 1.
- 28 de julho de 1963 - domingo - Campeonato Paulista da Divisão Especial - Rua Javari - Juventus 1 x São Bento 2.
- 28 de julho de 1966 - quinta-feira - Decisão do Terceiro Lugar da Copa do Mundo - Estádio de Wembley - Portugal 2 x União Soviética 1.
- 28 de julho de 1976 - quarta-feira - Campeonato Paraense - Estádio Evandro Almeida - Paysandu 1 x Tuna Luso 1, com 7.673 pagantes.
- 28 de julho de 1984 - sábado - Campeonato Paulista - Rua Javari - Juventus 1 x XV de Jaú 1, com 739 pagantes.
- 28 de julho de 1985 - domingo - Campeonato Paulista da Segunda Divisão - Estádio Décio Vitta, em Americana - Rio Branco 3 x Velo Clube 0, com 3.913 pagantes.
- 28 de julho de 1991 - domingo - Campeonato Paulista - Pacaembu - Juventus 0 x São Paulo 4, com 3.499 pagantes.
- 28 de julho de 1999 - quarta-feira - Copa Mercosul - Pacaembu - Corinthians 1 x Independiente (ARG) 2.
- 28 de julho de 2001 - sábado - Campeonato Paulista da Série B-1 - Guapira 0 x Tupã 2. Na mesma data, pela Copa Mercosul, Palmeiras 2-2 River Plate, no Parque Antárctica.
- 28 de julho de 2002 - domingo - Campeonato Paulista da Série B-3 - Serra Negra 7 x Ginásio Pinhalense 0.
- 28 de julho de 2004 - quarta-feira - amistoso em Filadélfia, Estados Unidos - Chelsea 2 x Manchester United 1, com 55.421 espectadores.

E por hora é só. Nesse final de semana, muitos jogos aqui com o povo do JP. Segunda começam os posts!

Abraços

Fernando

quinta-feira, 27 de julho de 2006

Uma Volta ao Passado, volume 12: SER Usina São João (Araras/SP)

SER USINA SÃO JOÃO


Escudo da Sociedade Esportiva e Recreativa Usina São João de Araras. Reprodução: www.futebolararense.sites.uol.com.br

Entrando com bola e tudo na série "Uma Volta ao Passado", que já se tornou uma marca registrada no JOGOS PERDIDOS (e que teve um post meu, sobre o genial EC Mogiana ano passado) do Orlando, venho nesse post aproveitar a minha viagem (e do Emerson) à Araras que rolou no sábado passado e falar um pouco sobre o grandioso SER Usina São João, que mandava seus jogos justamente no próprio campo da Usina, o Engenho Grande.

O time da Usina foi fundado oficialmente em 8 de janeiro de 1953, mas já jogava como sendo a equipe da Fazenda São João. Nessa data, Hermínio Ometto e seu irmão Joãozinho fundaram o time para oficializar sua existência. Jogando campeonatos amadores (e sendo campeão ararense em 54/55) o time inaugura o fantástico Estádio Engenho Grande em 1959, num jogo contra o Palmeiras, sendo derrotado por 6 a 0.


Vista do Estádio Engenho Grande nos anos 60. Reprodução: http://futebolararense.sites.uol.com.br


Foto do Estádio com as arquibancadas de madeira por todo o campo. Foi desse jeito que o Mílton e o Orlando visitaram o campo em 1987, num jogo entre União São João e Marília, vencido pelo MAC por 1 a 0, gol do grande Ataliba. Foto: Persio Galembeck. Reprodução: http://futebolararense.sites.uol.com.br.


Time do Usina posado no Estádio do Pacaembu para a final do Campeonato Amador do Estado, no qual se sagraria campeão. Reprodução: Fernando Martinez.


Time posado do USJ no ano de 1961, em que disputou seu primeiro campeonato profissional, a Terceirona Paulista. Reprodução: http://futebolararense.sites.uol.com.br.

Em 1961, o Usina entra no futebol profissional, disputando pela primeira vez a Terceirona do Paulistão. Logo nesse primeiro ano o time é Vice-Campeão, perdendo a final para o Estrada de Ferro Sorocabana (no capítulo da série "Volta ao Passado" com o time sorocabano, essa conquista foi devidamente detalhada). Feito que repete em 1963, com uma campanha fantástica, mas que infelizmente não foi suficiente para que o time subisse à Segundona (só o campeão garantia o acesso). Em 1964 o time disputa pela última vez o paulista profissional.


Foto do Usina no último ano do seu futebol disputado profissionalmente o paulistão, em 1964. Reprodução: http://futebolararense.sites.uol.com.br.


Entrada do Estádio Engenho Velho na cidade de Araras. Foto: Emerson Ortunho.


Vista da Usina São João. Detalhe que a foto foi tirada do alambrado que fica no gol dos fundos do Estádio. Foto: Fernando Martinez.

Mas o que vale registrar desses quatro anos de disputadas foi a incrível força do time no estádio do Engenho Velho. O time passou as temporadas de 1961 e 1963 sem perder nenhum jogo em casa. Nos outros dois anos, de 1962 e 1964, o time só perdeu um jogo nos seus domínios (um para a Ferroviária e o outro para a Botucatuense).

No ano de 1963 então, eles conseguiram atingir a perfeição absoluta: 18 vitórias em 18 jogos, com 66 gols marcados e 18 sofridos. Nesses quatro anos, a campanha do Usina em casa foi a seguinte: 53 jogos, 47 vitórias, 4 empates e míseras 2 derrotas, com 175 gols marcados e 61 sofridos. Acho difícil algum outro time ter esses números em casa.

E mesmo contando com os jogos disputados longe de seu estádio, o retrospecto também é incrível: 104 jogos, 61 vitórias, 15 empates e 28 derrotas. O time marcou 249 gols e sofreu 168. Isso mostra a força do futebol do grande SER Usina São João.


Numeradas cobertas do estádio da Usina São João. Foto: Emerson Ortunho.


Detalhe de um dos lances de arquibancada do Estádio do Engenho Velho. Foto: Fernando Martinez.

Mas mesmo com a desativação do futebol profissional, a equipe continuou disputando o campeonato amador de Araras, e sendo sempre uma importante agremiação no cenário esportivo ararense. No final dos anos 70, a equipe disputou uma série de amistosos contra equipes conhecidas no cenário paulista, como XV de Piracicaba, Inter de Limeira e Rio Claro, entre outras.


Lance de arquibancada logo na entrada do estádio. As três portas que podem ser vistas à esquerda são os dois vestiários e o vestiário de arbitragem. Foto: Fernando Martinez.


Fachada do Cine Engenho Grande, que fica literalmente na porta do Estádio. Genial, nunca vi isso antes... Foto: Emerson Ortunho.


Vista da vila que fica na frente do estádio. Tudo muito bem arrumado e numa paisagem simpática demais. Foto: Fernando Martinez.

Mas em 1981, uma lei fez com que o time fosse extinto. Graças a uma determinação da ADC (Associação Desportiva Classista), nenhuma equipe vinculada a empresas poderia jogar campeonatos profissionais em SP (na mesma época a Pirelli abandonou a idéia de voltar ao futebol). Isso levou o time da SER Usina São Joáo a se transformar no União São João EC, que todos conhecem até hoje.

Mas o estádio do Engenho Grande continuou a ser palco do futebol profissional, agora com o União. Isso aconteceu até 1988, quando tivemos o jogo entre União São João e São Paulo (vencido pelos visitantes por 2 a 1) fechando a história de um dos mais geniais estádios do interior. O estádio ainda teve um pequeno espasmo futebolístico em dezembro daquele ano, quando que por problemas no gramado do Estádio Hermínio Ometto (o novo), o União São João jogou a última partida da Série C daquele ano contra o Esportivo de Passos. O resultado em 2 a 2 fez o União campeão, e esse foi o último momento de alegria no estádio.


A Usina São João em pleno funcionamento e o detalhe do campo de jogo. Um lugar que poderia ser muito melhor aproveitado! Foto: Fernando Martinez.

Desde então, as partidas do Rio Claro podem ter sido (podem porque não temos todas as informações) as primeiras partidas em campeonatos oficiais da FPF desde então. depois de um hiato de 18 anos, o Engenho Grande viveu novamente para o futebol paulista! A emoção de presenciar a partida entre Rio Claro e Comercial lá foi demais, e espero ansiosamente que um dia partidas possam ser disputadas frequentemente por lá! Fica a nossa torcida.


Logotipo atual da Usina São João, grande produtora de cana-de-açúcar na região. Reprodução: www.usj.com.br.

Em breve teremos mais um post da fantástica "Volta ao Passado", desenvolvido pelo Orlando. Espero que tenha conseguido registrar essa bela história do Usina São João e do Estádio Engenho Grande por aqui, em mais um post exclusivo do JOGOS PERDIDOS.

Até mais

Fernando

PS: Esse post foi desenvolvido com uma grande ajuda do ótimo site http://www.futebolararense.sites.uol.com.br/, mantido pelo Marcelo Valem. As fotos marcadas foram fornecidas pelo site, assim como informações da história da equipe. Vale a visita ao site, que tem informações incríveis sobre o futebol da cidade.