Procure no JP

sábado, 20 de janeiro de 2018

A heroica Portuguesa está na semi-final da Copa São Paulo

Texto e fotos: Fernando Martinez


Quando a 49ª Copa São Paulo de Futebol Júnior começou, muitos colocavam o Palmeiras como franco favorito para a conquista do título. Afinal, o atual campeão paulista da categoria vinha como "sensação" até então e mostrava que queria quebrar de uma vez o jejum de nunca ter vencido o certame. Faltava a confirmação de tamanho favoritismo dentro de campo.

O alviverde eliminou Botafogo/PB, Taubaté e Vasco da Gama nos mata-matas e nas quartas-de-final o adversário foi a Portuguesa. Ah, a Portuguesa... vindo de uma campanha invicta e classificações em cima de São Paulo do Amapá, América Mineiro e por último o Goiás, a Lusa queria muito mostrar seu valor e manter o time da Zona Oeste sem um caneco da Copinha no currículo.

O confronto inicialmente foi marcado pro Canindé, só que em dez minutos tudo mudou. A FPF remarcou o clássico paulistano pro Estádio Paulo Machado de Carvalho, o bom e velho Pacaembu, com ingressos de 30 a 50 reais (cobrar ingresso tudo bem, mas não com esses valores). Agora, vale dizer que acho que o estádio é sub-utilizado na Copinha. Seria muito legal e um atrativo a mais pra competição se alguns jogos da fase de grupos e do mata-mata fossem realizados ali.

Por conta do altíssimo valor, somente pouco mais de seis mil pessoas foram conferir de perto a decisão da vaga na semi-final. Os cerca de 500 torcedores lusitanos ficaram no tobogã e fizeram bonito durante toda a noite. Antes do apito inicial, um susto. Por muito pouco eu não fico sem minha máquina, pois ela travou momentos antes dos times entraram em campo. Por sorte ela voltou a funcionar nos primeiros minutos da partida.


Sociedade Esportiva Palmeiras (sub-20) - São Paulo/SP


Associação Portuguesa de Desportos (sub-20) - São Paulo/SP


Capitães e quarteto de arbitragem

Desde os primeiros movimentos o que se viu no gramado histórico da velha cancha da capital foi um enorme equilíbrio entre Palmeiras e Portuguesa. Os atletas alviverdes, donos de maior técnica, permaneceram com mais posse de bola, mas as finalizações eram em sua maioria longe da meta defendida por Matheus.

Aos 30 minutos caiu a luz no Pacaembu. Como ainda não tinha anoitecido, rolava alguma iluminação natural no gramado. Dava pra jogar bola ali de boa (tem estádios que mesmo com a luz ligada fica mais escuro), porém conforme o protocolo tivemos que aguardar os refletores serem religados. Isso atrasou a peleja em meia hora.

O jogo foi retomado e aos 38 minutos Maílton acertou um belo chute da direita, obrigando o goleiro Matheus a fazer uma grande intervenção. Quando o primeiro tempo estava prestes a acabar, o lance mais agudo aconteceu. A bola foi lançada pro camisa 10 Thawan, ele entrou na área e foi derrubado por Iago, zagueiro palmeirense. Ele mesmo se encarregou da cobrança e abriu o placar a favor da Portuguesa.


A Portuguesa atacando pela esquerda


Boa saída do arqueiro palmeirense Anderson


O camisa 3 Vítor Eduardo ganhando a disputa com Davi


Tahwan abriu o marcador a favor da Lusa no finalzinho do tempo inicial

Durante o intervalo a chuva resolveu dar as caras e todo o segundo tempo foi disputado debaixo d'água. A equipe do Canindé retornou (mais uma vez) recuada demais e essa postura colocou o Palmeiras inteiro dentro do campo de defesa lusitano. Foram momentos tensos para as duas torcidas.

O atual campeão paulista da categoria finalizou várias vezes, poucas delas com endereço certo. A zaga rubro-verde trabalhou como ainda não tinha trabalhado na Copinha e foi se segurando como podia. Isso até os 30 minutos, momento em que o Palmeiras deixou tudo igual num vacilo dos zagueiros e gol de cabeça de Yan.



No tempo final a Portuguesa recuou demais e não atacou muito. As principais chegadas foram em cruzamentos na área


Ataque rubro-verde pela direita

Nos minutos seguintes o Palmeiras quase virou o marcador em dois lances, o melhor deles aos 42 em finalização de Léo Passos que tirou tinta da meta defendida pelo arqueiro Matheus. No fim, o 1x1 estampado no placar do Pacaembu e mais uma decisão por pênaltis na vida da Portuguesa.

O Palmeiras fez o primeiro com José Aldo e o goleiro alviverde Anderson pegou com os pés a cobrança de Matheus França. Na sequência, Alanzinho chutou pra fora e Bahia fez, empatando a disputa. Léo Passos chutou o terceiro pênalti palmeirense quase nas arquibancadas e Caíque Félix fez 1x2. Johnny marcou e Marques converteu o terceiro rubro-verde. Yan foi para a quinta batida verde e o goleiro Matheus defendeu.


Léo Passos, um dos destaques do Palmeiras chutou seu pênalti quase na arquibancada do Pacaembu


Matheus defendeu a quinta cobrança de Yan e colocou a Portuguesa na semi da Copinha



A emoção e a festa rubro-verde com a heroica classificação para a semi-final da Copa São Paulo 2018. Fazia tempo que essa torcida não tinha motivos pra comemorar

O placar final de Palmeiras 1 (2) - 1 (4) Portuguesa recolocou o clube do Canindé entre os quatro melhores da Copa São Paulo após 16 anos. De lambuja fez com que o verde perdesse a chance de tirar essa enorme pedra no sapato e os manteve sem nenhum troféu da Copinha.

Foi genial ver a festa de atletas, comissão técnica, dirigentes e da torcida lusitana. As últimas temporadas foram terríveis com elencos fraquíssimos sendo montados e muitas bobagens de bastidores. Ver essa molecada honrar o escudo e a tradição rubro-verde faz com que todos sonhem com dias melhores o quanto antes.

Depois de tanta emoção, me dei o direito de ficar descansando no final de semana. O futebol volta ao cronograma na semi-final de segunda-feira entre a Lusa e o Flamengo, novamente no Canindé.

Até lá!

Um comentário:

  1. sr ferandno gostrariaq que voces mostrassem serie a 3 de 21208 os seguniotes ttimews portuguesa santista. rio branco de americana, taubate, agua santa penapolense, rio preto, sao carlos , barretos, marilia, internacionalç de limeira, juuventus, noroeste de bauru, xv de piracicaba, despo9rtivo b rasil., saoberanrdo, mogi mirim, matonense, monte azul, enfim todos os clubes da serie a2 2108 e seria 3 a de 2108. ficxo no aguarDO DE UMA RESPOSTGA. DIA 24 DE JANEIRO DE 2108.

    ResponderExcluir