Procure no JP

segunda-feira, 4 de abril de 2022

Palmeiras quebra a invencibilidade do Fla no Brasileiro Feminino

Texto e fotos: Fernando Martinez


Com a chegada de uma bem-vinda frente fria, a primeira do outono, a sexta-feira teve frio, chuva e céu nublado, aquele tempo perfeito de ficar em casa. Só que eu não fiquei. Bem na hora do rush, peguei o caminho do oeste para acompanhar de perto o meu segundo jogo no Campeonato Brasileiro Feminino em 2022. Direto da Arena Barueri, duelo de invictos entre Palmeiras e Flamengo.

Foi por um triz que eu não desisti da jornada. Quando desci na estação Jardim Belval, a garoa tinha se transformado em chuva e quase peguei o caminho de volta. No fim, o velho senso de responsabilidade falou mais alto, coloquei o capuz, ajeitei o espírito e fui na raça. Os 20 minutos do caminho foram bem molhados.

Cheguei ensopado na Arena e, como estava cedo, deu tempo de secar antes tudo antes da saúde ficar comprometida. Dei uma passada nas cabines e conversei com o amigo Edson de Lima, do ótimo "A Vitrine do Futebol Feminino" e depois fui ao gramado. Não tinha nenhuma influenciadora ou blogueira por ali, afinal, ver jogo longe com chuva e em horário "ruim" é demais. Fomentar a categoria só vale a pena quando é perto de casa e sem problemas com eventos da natureza.

Além das influenciadoras, quem também não compareceu na rena foi a torcida. Apenas 227 marcaram presença, dois terços do lado flamenguista. Um duelo desse tamanho mesmo na Arena merecia a arquibancada mais recheada. Dá aquela certeza de que o caminho da popularização total ainda é longo e difícil.

Outra coisa difícil é a apatia dos fotógrafos de plantão em fazer as fotos oficiais. Fiquei ali na beirada do gramado esperando os figurões da CBF e dos times chamando as equipes... e nada aconteceu. Incrível ver como profissionais não tem a preocupação em registrar a história. Pior é ver que isso está virando moda. Só teve a foto do quarteto com as capitães e olhe lá.


Como os times não se dignaram a fazer as fotos, segue aqui a imagem das meninas perfiladas durante a execução do Hino Nacional Brasileiro


Capitãs e quarteto de arbitragem com o árbitro José Guilherme Almeida e Souza, as assistentes Patricia Carla de Oliveira e Marcela de Almeida Silva e a quarta árbitra Adeli Mara Monteiro

Depois de todas essas emoções, a bola finalmente começou a rolar. A partir daí, somente o Palmeiras emocionou a sua (pequena) torcida. As donas da casa foram muito melhores do que as visitantes e jogaram por música. Com o setor ofensivo comandado pela ótima Bia Zaneratto, o alviverde não sofreu sustos e criou várias chances.

O primeiro gol saiu aos 29 minutos. Byanca Brasil - ou B. Brasil no sistema de som do estádio - levantou a bola na cabeça de Thaís. A zagueira, que completou 100 jogos com a camisa verde, tocou e encobriu a goleira rubro-negra. Aos 38, novamente Byanca levantou e Bia Zaneratto acertou um sem pulo, ampliando a vantagem no placar.

No tempo final o Fla tentou responder, mas não criou lances bons o suficiente para diminuir o prejuízo. As palmeirenses seguiram na boa, jogando sem dificuldade e enfileirando boas oportunidades. Apesar da pressão, o marcador foi alterado somente aos 40 minutos com um golaço. Patrícia Sochor recebeu na direita e acertou um chutaço de longe, sem chances de defesa.



Dois momentos do começo de jogo entre Palmeiras e Flamengo


Detalhe do gol de Thaís, na noite em que a zagueira completou 100 partidas com a camisa alviverde






O Palmeiras jogou na boa e praticamente não deu espaço ao time carioca. A melhor chance rubro-negra foi em tiro de longe (última foto) que passou perto da trave direita

O Palmeiras 3-0 Flamengo deixou a equipe alviverde dormindo na liderança do Brasileiro Feminino com 13 pontos ganhos, porém no sábado a Ferroviária, que goleou o São José fora de casa por 6x1, as ultrapassou no saldo de gols. O Fla agora está na sexta posição com oito pontos.

A chuva, que tinha dado uma trégua durante a partida, voltou no exato momento que o árbitro apitou pela última vez. Sem alternativa, me restou fazer o caminho de volta debaixo d'água outra vez. Tudo bem, ossos do ofício. O que eu não sabia é que esse perrengue seria fichinha perto do que passei no sábado.

Até lá!

_____________

Ficha Técnica: Palmeiras 3x0 Flamengo

Local: Arena Barueri (Barueri); Árbitro: José Guilherme Almeida e Souza/SP; Público: 227 torcedores; Renda: R$ 0,00; Cartões amarelos: Carol Rodrigues, Kika Brandino; Gols: Thais 29 e Bia Zaneratto 38 do 1º, Patrícia Sochor 40 do 2º.
Palmeiras: Jully; Thais, Agustina, Day Silva (Katrine) e Camilinha; Julia Bianchi, Ary Borges (Chú), Duda Santos (Carol Rodrigues) e Andressinha (Samia Pryscila); Bia Zaneratto e Byanca Brasil (Patrícia Sochor). Técnico: Hoffmann Túlio.
Flamengo: Gabi Croco; Monalisa, Cida, Núbia e Gisseli; Stella (Kika Brandino), Kaylane e Leidiane (Rayanne); Maria Peck (Pimenta), Maria Alves e Gica (Duda Rodrigues). Técnico: Luís Andrade.
._________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário