Procure no JP

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Penapolense Campeão da Série A3 2011

Olá,

No fim de semana retrasado, representei o JOGOS PERDIDOS em três partidas válidas pela Segundona, porém nesse último final de semana, foquei a atenção a uma partida superespecial, que definiria mais uma competição promovida pela FPF. Estou me referindo ao jogo de volta da decisão do Campeonato Paulista da Série A3.

Diante disso, fiz uma viagem especial, rodando quase 500 quilometros através das Rodovias Castello Branco e Marechal Cândido Rondon, com o objetivo de chegar à simpática cidade de Penápolis, também chamada de "Cidade Princesa da Cidadania" ou ainda "Cidade Cidadã".

Por conta da grande distância, deixei São Paulo no sábado pela manhã e rodei mais de 7 horas para chegar ao meu destino. Lá chegando, fui direto para o hotel para deixar a minha bagagem e em seguida rumei ao Estádio Tenente Carriço, também conhecido como "Tenentão", local da realização da partida C.A. Penapolense x A.E. Santacruzense, que decidiria o título da competição. O jogo seria no dia seguinte, porém fui ao estádio um dia antes para fazer uma sequência de fotos que será mostrada num post futuro da seção "Estádios pelo Brasil". Aguardem.


Foto da fachada do Estádio Tenente Carriço, o "Tenentão". Foto: Orlando Lacanna.

No domingo pela manhã, após ter sido acordado pelas badaladas do sino da Igreja Matriz, dei um rápido giro pela cidade, inclusive indo à igreja e logo em seguida rumei ao estádio, que já recebia um excelente público uma hora antes do horário do início da partida. Sinal de que teríamos casa cheia e não deu outra, pois o publico foi excelente.

Após as conversas de praxe com pessoas ligadas aos clubes e à imprensa local, me posicionei na linha lateral do gramado, para fazer as fotos oficiais da partida, inclusive a dos troféus, as quais estão apresentadas abaixo:


C.A. Penapolense - Penápolis/SP. Foto: Orlando Lacanna.


A.E. Santacruzense - Santa Cruz do Rio Pardo/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Quarteto de arbitragem formado por Wilson Luiz Seneme (FIFA), seus assistentes Marcelo Carvalho Van Gasse e João Bourgalber Nobre Chaves, além do quarto árbitro Thiago Luis Scarascati, ao lado dos capitães. Foto: Orlando Lacanna.


Troféus destinados ao Campeão (dourado) e Vice-Campeão (prateado). Foto: Orlando Lacanna.

Como na partida de ida, realizada em Santa Cruz do Rio Pardo, o Penapolense venceu por 2 x 0, poderia ser derrotado por até dois gols de diferença e mesmo assim seria o Campeão, pois realizou melhor campanha ao longo da competição. Portanto, o grande favorito para conquista do galardão era o Penapolense, que só mesmo diante de uma grande zebra deixaria de faturar o título. Daí a grande confiança da torcida que fazia festa antes da bola rolar.

Depois de algumas homenagens prestadas a ex-atletas do CAP, finalmente a bola começou a rolar e o primeiro lance perigoso aconteceu logo aos 4 minutos e foi da Santacruzense, numa cabeçada perigosa do zagueiro Zeilton, obrigando o goleiro Washington a mostrar serviço logo no início da partida.

Jogando com o regulamento, o Penapolense procurava tocar a bola e achar o momento exato para encaixar uma jogada ofensiva e aumentar ainda mais a sua vantagem. A partida foi se desenvolvendo de modo equilibrado, com a maioria das ações se concentrando entre as duas intermediárias e com poucos arremates às metas.


Zaga da Santacruzense marcando em cima o camisa 7 Rodrigo Biro do CAP. Foto: Orlando Lacanna.


Reinaldo do Penapolense tentando passar pela zaga da Santacruzense. Foto: Orlando Lacanna.

O tempo ía passando e o Penapolense continuava na dele, administrando com inteligência o resultado que lhe interessava. Nesse contexto, a Santacruzense, em alguns momentos, procurava acelerar o ritmo e ir pra cima, como aconteceu por volta dos 30 minutos, quando os visitantes conseguiram três escanteios consecutivos, levando perigo à meta defendida por Washington através de cruzamentos fechados no primeiro pau.


Um dos cruzamentos da Santacruzense que levaram perigo à meta do CAP. Foto: Orlando Lacanna.

Nos últimos dez minutos, o Penapolense deu uma forçada no campo de ataque, insistindo em jogadas pelo lado esquerdo, iniciadas por Rodrigo Biro e, numa dessas, na marca dos 38 minutos, o artilheiro da equipe, Luciano Gigante, mandou a bola para o fundo da meta dos visitantes, aproveitando cruzamento vindo da esquerda, aumentando a vantagem dos donos da casa. A bola antes de entrar, ainda tocou do poste esquerdo e foi morrer no fundo do barbante, levando à loucura a torcida local, que aumentou o ritmo da festa.


Primeiro gol do Penapolense anotado por Luciano Gigante. Foto: Orlando Lacanna.

Mais alguns minutos de bola correndo e a primeira etapa foi encerrada com a vantagem de 1 x 0 a favor do CAP, que praticamente lhe garantia o título, pois para não levantar a taça, a Santacruzense deveria fazer quatro gols e não sofrer nenhum. Era quase impossível, mas ainda restavam os 45 minutos finais.

Durante o intervalo fiquei assistindo outras homenagens prestadas pela Diretoria do CAP a empresários da cidade e patrocinadores, bem como a dirigentes da FPF, dentre os quais o Coronel Marinho, com o qual fiquei conversando por um bom tempo sobre a arbitragem paulista e sobre as condições dos estádios das 4 equipes que estarão na Série A2 (Penapolense, Santacruzense, São Carlos e Velo Clube), uma vez que nenhuma delas, no momento, têm condições de ser promovida, por conta do estádio. Como a vistoria só será realizada em novembro, há tempo para os clubes/Prefeitura adequarem seus estádios visando atenderem as exigências de 15.000 lugares.

Bem, voltando ao jogo, a partida foi reiniciada e aos 5 minutos, a Santacruzense chegou ao gol de empate, anotado por Neto Mineiro através de cobrança de falta pela meia esquerda. Achei que o goleiro Washington foi traído pelo efeito dado à bola e quando se ligou, o empate já tinha acontecido.


Goleiro Washington ajoelhado e a bola no fundo da meta no gol de empate. Foto: Orlando Lacanna.

O gol de empate não alterou o ânimo da torcida e nem afetou o time da casa, que continou na sua estratégia de ir ao ataque no momento certo e exigindo muita atenção da defesa da "Locomotiva", em especial do seu goleiro Wander, que praticou excelente defesa no ângulo superior esquerdo, aos 20 minutos, espalmando um tirambaço do zagueiro Biro que tinha endereço certo. Aos 22 minutos, não teve jeito e o Penapolense recuperou a vantagem no marcador, marcando o seu segundo gol através de Reinaldo. Mais festa da torcida que não parava um segundo de gritar.


Jogada de ataque do CAP tentando recuperar a vantagem no marcador. Foto: Orlando Lacanna.


Agora a bola estufando a rede no gol marcado por Reinaldo, o segundo do CAP. Foto: Orlando Lacanna.

A partir da marcação do segundo gol, o estádio virou um festa só, com a torcida do "Pantera da Noroeste" dando um show de alegria, fazendo a tradicional "ola" e gritando a todo momento "é campeão..." e "mais um, mais um..". Nesse clima festivo, o CAP quase chegou ao seu terceiro gol, aos 33 minutos, numa cabeçada de Cairo que foi para fora, após uma saída em falso do goleiro na cobrança de escanteio pela direita.


Chance de ouro desperdiçada pelo CAP para aumentar o marcador. Foto: Orlando Lacanna.

Nos últimos dez minutos os times ainda demonstraram muita disposição, mas o placar não foi mais alterado e, com isso, o jogo foi encerrado com o resultado de Penapolense 2 - 1 Santacruzense que deu merecidamente o título de Campeão ao time de Penápolis, por conta de uma campanha espetacular, pois em 26 partidas, conseguiu 18 vitórias e 5 empates, sendo derrotado em apenas 3 oportunidades. Marcou 49 gols e sofreu 21, construindo um saldo de 28 gols. Dos 78 pontos disputados, ganhou 59, conseguindo um aproveitamento de 75,6% que é muito expressivo.

Assim que o árbitro encerrou a partida, a torcida soltou o grito de "é campeão..." e ficou esperando poder abraçar os atletas que também faziam festa no interior do gramado, só aguardando o momento de subir ao pódio e receber o troféu de Campeão e as medalhas.


Neto Mineiro, capitão da Santacruzense, erguendo o troféu de Vice-Campeão. Foto: Orlando Lacanna.


Atletas, técnico e dirigentes da Santacruzense festejando a conquista o troféu de Vice-Campeão. Foto: Orlando Lacanna.


Capitão Perez levantando o troféu dourado pela conquista do título. Foto; Orlando Lacanna.


Alegria imensa dos atletas campeões. Foto: Orlando Lacanna.

Após a entrega das medalhas e dos troféus, o elenco do Penapolense deu início à tradicional volta olímpica, indo levar o troféu para bem perto do público que mereceu essa homenagem, por conta do incentivo e apoio ao longo do campeonato.


Início da tradicional volta olímpica. Foto: Orlando Lacanna.


Duas representantes da beleza das jovens de Penápolis que participaram da entrega dos troféus, embelezando o pódio. Foto: Orlando Lacanna.


Torcida com trio elétrico festejando a conquista no interior do gramado. Foto: Orlando Lacanna.

Deixo aqui os meus cumprimentos em nome do JOGOS PERDIDOS a todos que participaram direta ou indiretamente dessa grande conquista, em especial aos atletas, comissão técnica, dirigentes e é claro, a todos os torcedores do Penapolense que deram uma grande demonstração de alegria e civilidade. Parabéns a todos.

Faço questão de resgistrar também os cumprimentos à Santacruzense pelo Vice-Campeonato, que se portou com muita dignidade na disputa pelo título. Parabéns igualmente ao Velo Clube e São Carlos por terem conseguido o acesso à Série A2 em 2.012.

Partida e festa encerradas e mais uma viagem de retorno a São Paulo, encarando mais quase 500 quilometros e outras 7 horas de estrada. mas valeu muito a pena acompanhar "in loco" a conquista do Penapolense. Voltei com a sensação de dever cumprido, uma vez que o JP se fez presente em mais uma disputa de título de competição de acesso, que muitos não dão o devido valor.

Abraços,

Orlando

Um comentário: