Procure no JP

quinta-feira, 1 de dezembro de 2005

Copa Felício Saad: Montessionense 1-0 Santarritense

Fala aí rapeize!

Como o magnânimo The Watcher já adiantou, ontem estive presente na parte 2 da saga do JOGOS PERDIDOS pelo interior mineiro. Depois de uma passadinha no médico, peguei uma caronaça e segui até a cidade de Bragança Paulista para me encontrar com o Emerson, com o Mílton e com o David. A caravana da coragem seguiu pela cidade de Bragança, Socorro, Pinhalzinho, Lindóia, Águas de Lindóia até chegar na bonita Monte Sião, em Minas Gerais.


À esquerda, portal da cidade de Socorro ("Help City" para os mais íntimos), à direita, portal da entrada de Monte Sião/MG e divisa com o estado de SP. Fotos: Fernando Martinez.

Mas para que fomos até Monte Sião, em Minas Gerais, numa quarta à noite? Simples, foi para acompanhar um jogo que é a mais pura essência do JOGOS PERDIDOS. Um jogo fantasma, esquecido, perdidaço e que ninguém nunca sonhou em assistir. O jogo foi válido pela Copa Interestadual de Futebol Sub-20 Felício Saad, e vimos a segunda partida da semifinal da Copa, entre a AA Montessionense de Monte Sião e a Santarritense FC de Santa Rita do Sapucaí/MG.

Chegamos a conclusão de que esse foi o jogo mais perdido no qual alguém poderia estar. Ninguém em sã consciência sairia de casa para ver um jogo desses e com certeza vai ser difícil algum outro jogo se equiparar a esse. O senso de realização fala mais alto.


Entrada do Estádio Municipal Prefeito Antônio Oswaldo Bernardi. Foto: Emerson Ortunho.

A nossa chegada lá, após milhares de lombadas insuportáveis no caminho, após muita chuva e muitos salgadinhos consumidos, foi tranqüila. Chegamos a tempo de conhecer os presentes, como o organizador do torneio, o Sr. Nelly, o técnico da Santarritense FC, Bugalu e um dos diretores do Montessionense, o Olavo. Desde já agradecemos a simpatia de todos com a equipe do JOGOS PERDIDOS. E, como sempre, as fotos dos times posados são exclusividade do JP:

(PS: As fotos estarão um tanto quanto escuras, devido a iluminação fraca do estádio. Mas vale a intenção, já que nem isso a Javari ou a Comendador Souza tem a capacidade de possuir.)


AA Montessionense (sub-20) - Monte Sião/MG. Foto: Fernando Martinez.


Santarritense FC (sub-20) - Santa Rita do Sapucaí/MG. Foto: Fernando Martinez.


Capitães juntamente com o trio de arbitragem da partida. Foto: Fernando Martinez.

O público era bom (cerca de 200 pessoas) e todas puderam acompanhar uma partida com detalhes que nunca tinha visto na minha vida. O primeiro jogo, em Santa Rita, foi 2 a 1 para o time azul e amarelo, logo eles jogavam pelo empate. Mas o time de Monte Sião prometia a vitória a qualquer custo. O jogo começou com o Montessionense partindo pra cima da Santarritense, sem piedade, conseguindo maior posse de bola, melhores lances e domínio territorial. A Santarritense não passava do meio de campo e jogava com o regulamento debaixo do braço. Nesse meio-tempo, o técnico Bugalu já tinha sido expulso de campo, e ficou assistindo a partida da entrada do vestiário.


Lance de perigo do ataque do Montessionense no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.

Tanto domínio só podia acabar em gol mesmo, e foi isso que aconteceu por volta dos 38 minutos dessa primeira etapa. Numa bola enfiada e numa jogada extremamente confusa dentro da área da Santarritense, o atacante do Montessionense ajeitou a bola com a mão, dominou e marcou o gol do time da casa. Ninguém reclamou e acredito que ninguém deva ter visto esse toque, mas ele aconteceu de verdade. Eu e o Mílton estávamos do lado do campo e pudemos ver na hora.


Lance do gol do Montessionense. Ninguém viu, mas só o JP presenciou o toque do jogador do AAM na bola. Foto: Fernando Martinez.

Menos de dois minutos depois do gol o jogo foi paralisado. O banco de reservas da Santarritense alegou que o bandeira número 1 mandou os jogadores do Montessionense "baterem no time de Santa Rita". O tempo fechou e o jogo ficou paralisado por intermináveis 35 minutos. Com a torcida entrando na briga, discussão de ambos os lados e muita indefinição, os times ficaram batendo bola até que alguém tivesse a idéia de voltarem a jogar para acabar a primeira etapa. Era só o começo...


Detalhe da arquibancada coberta do estádio, aonde pudemos curtir o intervalo devidamente acomodados. Foto: Fernando Martinez.


David, Fernando e Mílton conhecendo o gramado do estádio do Montessionense. Foto: Emerson Ortunho.

No intervalo conversamos com o pessoal do clube, que nos convidou, para em momento oportuno, visitá-los para conhecer as dependências do AAM. Se pintar alguma chance com certeza apareceremos por lá. Depois de algum tempo, o segundo tempo começou e como a vitória por um gol de diferença levaria a partida aos pênaltis, o time do Montessionense resolveu ir para o ataque ainda mais.

Novamente com a Santarritense se limitando a se defender, o time da casa perdeu "N" chances de fazer seu segundo gol. Um atrás do outro, o time verde e branco conseguia a proeza de perder ataques fáceis e gols incríveis.


Um dos inúmeros ataques do Montessionense no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez.

O jogo continuou pegando fogo, com entradas duras para os dois lados e muita rivalidade em pauta. O legal é que essa segunda etapa não teve muitas substituições e nem nada que pudesse gerar muitos minutos para descontos. Mas a partida seguiu até inexplicáveis 57 MINUTOS (!!!). Isso mesmo, o jogo teve 12 MINUTOS de acréscimos sem que ninguém lá dentro pudesse saber o porquê. Nesses acréscimos, o time da casa perdeu mais chances e ainda tivemos um grande quebra-pau dentro de campo. No fim das contas, três atletas do time de Santa Rita e um do time da casa foram expulsos. Mas no final o jogo ficou mesmo Montessionense 1-0 Santarritense, e a partida sendo decidida nas penalidades.

Comigo, o Emerson e o Mílton dentro do campo e de forma que nunca achei que veria uma cobrança de pênaltis, acompanhamos a decisão. Em TODAS as cobranças do time da Santarritense, o goleirão do Montessionense se adiantou de três a quatro passos sem que ninguém fizesse nada... complicado!

1 2

3 4

5

Alguns dos pênaltis na cobrança decidindo a vaga na final: 1 Gol da Santarritense na primeira cobrança; 2 O atacante do Montessionense perde o único penal na cobrança; 3 Com o Flash da máquina do Emerson, a Santarritense empatava a série em 2 a 2; 4 O jogador do time de Santa Rita manda na trave e deixa o AAM com um pé na final; 5 No cantinho, o time da casa se classifica e elimina o time da Santarritense da Copa. Fotos: Fernando Martinez.

O resultado final da série de penalidades foi Montessionense 4-2 Santarritense, e a classificação para a final, que será disputada em jogo único na cidade de Águas de Lindóia, contra o vencedor de Itapirense e Yuracán (fiquem ligados, amanhã tem todos os resultados dessa Copa aqui no JP).


O time do Montessionense corre para cumprimentar os seus outros atletas na festa da classificação. Depois, no alambrado, faz a festa com a torcida. Fotos: Fernando Martinez.

Agora, o melhor ainda estava por vir. Enquanto o time fazia a festa acima, e nós três acompanhávamos as festividades, o time da Santarritense, injuriado com a arbitragem do jogo, partia pra cima dos bandeiras e do árbitro do jogo. O David, que estava na arquibancada viu tudo: o bandeira número 1 foi atacado por jogadores do time de Santa Rita e revidava, o árbitro tomava um 'coice' do goleiro da Santarritense e todo mundo ficava assistindo.

Logo depois disso, o time inteiro do Montessionense resolveu tomar as dores do trio e foi pra cima dos jogadores da Santarritense. Resultado: Invasão de campo e um "sururu colossal" (palavras do David) que nunca ninguém de nós quatro tinha visto. Em desespero e apanhando sem dó nem piedade eles foram encurralados na entrada do vestiário e apanharam, mas apanharam muito. Um dos jogadores do Santarrintense na correria caiu no gramado e foi cercado por uns 20 carinhas da torcida. Nem preciso dizer como ele tomou muita porrada, né?

Assustador! Medonho! Bizarro! Foi o despecho de uma partida incomum, perdida e incrível. Saímos de lá com o time da Santarritense preso no seu vestiário sem chance de sair do estádio. Nem sei como isso acabou... Depois do jogo (isso já eram quase 11 e meia da noite), ainda demos uma caroninha pelos becos de Socorro ao Sr.Nelly, que nos ensinou alguns atalhos incríveis. Sonados e cansados, ficamos falando sobre ursos panda e história do mundo para podermos nos animar.


O Emerson comendo, o Mílton com a mão no saquinho do David e o próprio degustando salgandinhos na madrugada do interior paulista. Foto: Fernando Martinez.

Chegamos em SP às 2 da matina com a sensação de dever cumprido. Reitero aqui: Esse deve ter sido o jogo mais perdido que alguém nesse mundo já chegou a sair de casa para assistir. Por essas e por outras que somos o Clube dos Doentes e que não batemos bem mesmo. Mas é tudo pelo amor ao verdadeiro futebol brasileiro...

Em breve tem mais.

Até mais

Fernando

Nenhum comentário:

Postar um comentário