Procure no JP

terça-feira, 29 de maio de 2012

Joseense aplica a maior goleada da sua história pelo Grupo 6 da Segundona

Opa, 

Fechando os jogos com cobertura JP no final de semana passado, no domingo fui para a cidade de Mogi das Cruzes curtir um jogo do Grupo 6 do Campeonato Paulista da Segunda Divisão. No gramado do Estádio Francisco Ribeiro Nogueira, o União de Mogi recebeu o Joseense, pela 4ª rodada da primeira fase. 

Minha ideia inicial era ir para a cidade da Grande São Paulo de trem, mas de última hora o vizinho Emerson resolveu fazer a estreia de sua nova viatura-JP amarela e, junto com o Mílton, fomos com seu possante chinês até lá. A viagem foi tranquila e chegamos no Nogueirão com tempo de sobra para o apito inicial. 


União FC - Mogi das Cruzes/SP. Foto: Fernando Martinez. 


CA Joseense - São José dos Campos/SP. Foto: Fernando Martinez. 


Capitães dos times junto com Dermival Benedito Gomes, Marco Antonio Motta Junior e Fausto Augusto Moretti, o trio de arbitragem da partida. Foto: Fernando Martinez. 

Vindo de uma vitória na rodada anterior, o União queria fazer valer o fator mando de campo para chegar mais perto dos líderes da chave. Mas o Joseense, que vem fazendo uma grande performance, prometia estragar as intenções da equipe vermelha. Vale registrar que essa boa campanha do time de São José dos Campos é a primeira desde o ano de 2003. De 2004 pra cá, a equipe nunca conseguiu passar da primeira fase de nenhuma competição. 


Saída para o ataque do time do Joseense. Foto: Fernando Martinez. 


Zaga visitante cortando um cruzamento do União. Foto: Fernando Martinez. 

A partida então começou com a equipe local buscando com mais afinco o gol. A primeira meia hora foi com o União criando boas oportunidades, tanto por baixo quanto em bolas alçadas na área. O bom público lamentou bastante as chances desperdiçadas. O Joseense se segurou bem na defesa e logo na primeira investida ofensiva abriu o placar. 


Mais uma bola alçada na área da equipe de São José dos Campos na etapa inicial. Foto: Fernando Martinez. 

Mas o responsável pelo primeiro gol do time de São José dos Campos foi o goleiro do União Bruno Dias. Após escanteio fraco pela esquerda aos 29, ele subiu pra fazer a simples defesa, mas soltou a bola nos pés de Villa, que deixou a equipe visitante na frente. O time vermelho sentiu demais o gol, e dois minutos depois sofreu o segundo em belíssima cobrança de falta do camisa 10 e artilheiro da equipe Luís Guilherme. 


Cobrança de falta que originou o segundo gol do Joseense. Foto: Fernando Martinez. 

Sem piedade, a equipe amarela e preta ampliou ainda antes do intervalo em outro gol de Luís Guilherme. Outra vez o arqueiro local falhou, deixando a pelota passar por debaixo do seu corpo. O intervalo chegou com um inacreditável 0x3 no marcador. A torcida ainda buscava empurrar a equipe do União na saída do gramado esperando um eventual milagre no tempo final. 


Boa chance de gol para a equipe visitante no começo do tempo final. Foto: Fernando Martinez. 


Grande chance desperdiçada pelo camisa 7 do Joseense no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez. 

Só que além do milagre não aparecer, os 293 pagantes viram o resultado ruim se transformar numa inapelável goleada. Jogando nos contra-ataques, o lateral Álvaro recebeu bom passe entre os zagueiros do União e fez o quarto gol aos 16 minutos. Aos 27, entrou em campo o camisa 17 do Joseense John Lennon, o destaque dos minutos finais. 


Uma das poucas chegadas do União Mogi no campo ofensivo. Foto: Fernando Martinez. 


Comemoração do sexto gol do Joseense, marcado pelo rapaz de Liverp... não, de Lapão/BA, John Lennon. Foto: Fernando Martinez. 

O "heroi da classe operária" fez o quinto gol do onze visitante aos 34 numa grande jogada pela direita em mais uma falha do arqueiro Bruno Dias. E não dando uma chance a paz dos torcedores do União, John marcou o sexto nos acréscimos. Final de jogo: União Mogi 0-6 Joseense. Essa paulada em casa deixou a torcida local indignada, e o alvo das maiores críticas foi o goleiro. Antes de sair para o vestiário ele bateu boca com alguns indivíduos mais exaltados. 

Já para o Joseense, a vitória deixou o time na liderança do Grupo 6 com 10 pontos conquistados em 12 possíveis. Esse resultado também teve um gostinho especial, pois igualou a maior goleada da história do clube, um 6x0 imposto em casa contra o Serra Negra em 26 de maio de 2001, na disputa da extinta Série B3 do Campeonato Paulista. De qualquer forma, foi a maior vitória do clube atuando longe da sua cidade. 

Voltamos para São Paulo e quase consigo um alvará para curtir um joguinho à tarde, mas não deu certo. Terminei o final de semana com cinco pelejas vistas in loco e com 1989 jogos ao total da minha carreira. Faltam 11 para chegar no 2000. Essa marca histórica deve acontecer no final de semana do feriado de Corpus Christi. Vamos ver aonde será... 

Até a próxima! 

Fernando

Embalos de sábado à noite com Sport Barueri x USAC na Arena

Opa, 

Fechando a trilogia de jogos do último sábado, saímos correndo do Canindé pois o tempo não estava do nosso lado. Tínhamos pouco mais de meia hora para chegar na Arena Barueri para uma insólita sessão noturna pelo Campeonato Paulista da Segunda Divisão. Enquanto muitos saíam de casa para curtir os embalos de sábado à noite, nós vibrávamos com a oportunidade de assistir um Sport Barueri x União Suzano, pela 4ª rodada do Grupo 5 do certame. 

Além do Paulo Shrek, para essa peleja tivemos a companhia do Mílton e do Renato, que foram ao portão principal do Canindé nos encontrar e se juntar a essa caravana. Contamos com o trânsito livre para chegar em Barueri exatamente às 21 horas em ponto, e graças à Rede Vida, que mudou o horário do pontapé inicial para as 21:15, consegui captar as imagens oficiais sempre presentes no JP


Sport C Barueri - Barueri/SP. Foto: Fernando Martinez. 


União Suzano AC - Suzano/SP. Foto: Fernando Martinez. 


O árbitro Fabio de Jesus Volpato Mendes, os assistentes Herman Brumel Vani e Claudson Lincoln Beggiato, o quarto árbitro Allan da Silva Bonardi e os capitães das equipes. Foto: Fernando Martinez. 

Como disse no post do jogo da tarde, o Grupo 5 da Segundona talvez seja o mais embolado da competição até aqui. A inconstância dos times vem dando a tônica da chave. O União Suzano vinha de vitória contra o Nacional, time que já venceu o Guarulhos e time que por sua vez já venceu o Sport Barueri. Nesse vai-e-vém de resultados, fica complicado apostar em alguma equipe antes das pelejas. 

No melhor esquema "efemérides futebolísticas", o dia marcou o quinto aniversário da Arena Barueri, inaugurada num Grêmio Barueri 2x1 Criciúma pela Série B. Aposto que os 181 torcedores que pagaram ingresso nem imaginavam isso. Ah, e essa também foi a primeira vez que o USAC pisou no gramado de um dos melhores estádios de São Paulo. 


Zagueiro do União Suzano saindo com a bola de dentro da sua área. Foto: Fernando Martinez. 

O jogo começou com os dois times se estudando bastante, mas com o Sport Barueri aos poucos se soltando dentro de campo. Para desespero dos amigos Nílton, Raul e Colucci, que estavam lá torcendo para o onze suzanense, o USAC não conseguia neutralizar as investidas do time local. O domínio deu resultado aos 16 minutos, quando Felipe se aproveitou de bola cruzada na área e chutou forte do segundo pau para abrir o marcador. 


Marcação firme de atleta do USAC. Foto: Fernando Martinez. 


Lance do primeiro gol do Sport Barueri na peleja. Foto: Fernando Martinez. 

A peleja continuou melhor para o Sport Barueri, jogando um melhor futebol do que seu adversário. O União Suzano ainda tentava algumas escapadas, mas não chegou ao empate. O primeiro tempo terminou com a vantagem mínima para os donos da casa. Subi para as cabines de imprensa para dar uma volta e após conversar com os amigos que estavam confortavelmente instalados num camarote, voltei ao gramado. 


Cobrança de falta para o time suzanense durante o tempo inicial. Foto: Fernando Martinez. 

E o segundo tempo foi ainda melhor para o Sport Barueri. A equipe não deu chance para sustos e ampliou o placar aos 13 e aos 15 minutos. O segundo foi marcado pelo camisa 18 Leandro Henrique, enquanto o terceiro veio com um chutaço de fora da área do camisa 7 Éverton, o melhor em campo. Com 3x0 contra, o União Suzano sabia que a vaca tinha ido para o brejo. A equipe tentou ao menos fazer o gol de honra, mas não teve sucesso. 


Zaga do time visitante sofreu com os ataques do Sport Barueri no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez. 


Detalhe da Arena no dia do seu aniversário com pouco público para Sport Barueri x União Suzano. Foto: Fernando Martinez. 

Para fechar o marcador, Jean ainda fez o quarto gol aos 42 minutos. Final de jogo: Sport Barueri 4-0 União Suzano. A vitória deu a vice-liderança à equipe barueriense com seis pontos em quatro partidas. O Javali das Palmeiras caiu para a quarta colocação da chave com cinco pontos, mas com saldo de gols menor que Osasco FC e Nacional. No próximo final de semana, graças a uma fórmula péssima, o primeiro turno da primeira fase já chegará ao final. 


Turma presente na Arena Barueri após o apito final. Foto: Fotógrafo voluntário. 

O jogo acabou e ainda deu tempo de fazer umas fotos no gramado, conversar com o Thiago e o Chicão da Rede Vida, antes de voltar para casa cansado após 270 minutos de futebol. Cheguei no apartamento a uma da matina e logo fui dormir pois tinha rodada domingo cedo. 

Até lá! 

Fernando

A volta da Portuguesa ao Canindé pela Série A do Brasileiro

Fala, povo! 

Depois do murcho empate pela Segundona, eu e o amigo Paulo Shrek saímos correndo da cidade de Osasco com destino ao Estádio do Canindé para um jogo não-perdido válido pela 2ª rodada do Campeonato Brasileiro. Após mais de três anos, foi o primeiro jogo da Portuguesa dentro da sua casa em jogo da Série A. O adversário foi o Vasco da Gama, num autêntico clássico lusitano. 


Os titulares de Portuguesa e Vasco perfilados no gramado do Canindé. Foto: Fernando Martinez. 

Já tinha visto três vezes esse duelo antes, dois válidos pela Série A (um 1x1 em 1999 e um genial 5x4 em 2001) e outro pela Série B de 2010 (vitória vascaína por 3x1 e com post aqui nos arquivos do JP). E como o horário se encaixou direitinho entre os jogos da Segundona da tarde e noite, não hesitei em incluir pela quarta vez essa peleja na minha lista. Ah, e desde o final de 2009 eu não acompanhava um jogo in loco pelo campeonato mais importante do país. Isso mostra muito como eu ligo para o futebol "de elite"... 


Pontapé inicial da partida que marcou a re-estreia da Lusa na sua casa pela Série A do Brasileiro. Foto: Fernando Martinez. 

Como chegamos cedo na casa rubro-verde, não tivemos problema para comprar o ingresso, e depois de finalmente almoçar de uma forma decente, entrei nas dependências do estádio antes da bola rolar. A Portuguesa buscava sua primeira vitória, já que na primeira rodada tinha empatado contra o Palmeiras, enquanto o Vasco queria obter o segundo triunfo no torneio. E só pra constar: Como é legal ver novamente a Lusa na primeira divisão nacional. Até o clima do jogo fica diferente. 


Falta para os donos da casa no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez. 

O primeiro tempo porém foi fraco e sem tantas chances de gols. A Portuguesa teve mais posse de bola, mas não conseguiu traduzir isso em gols. Já o Vasco se aproveitava de vacilos da zaga rubro-verde e assustava a torcida local com investidas pelas laterais. Numa dessas chances, a equipe do Rio de Janeiro abriu o marcador numa pintura de gol. Após bola alçada pela direita, Alecsandro acertou uma belíssima bicicleta no ângulo de Gledson. Com certeza esse tento estará na lista de mais bonitos do certame quando do seu encerramento. 


Visão geral de ataque rubro-verde no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez. 


Escanteio perigoso para a equipe paulistana. Foto: Fernando Martinez. 

A etapa inicial terminou com a vantagem parcial dos vascaínos. No intervalo fui para a arquibancada que fica no portão de entrada do estádio, lugar já tradicional para o que vos escreve. Os últimos 45 minutos foram praticamente de um time só, já que a Lusa atacou. O alvinegro recuou demais e viu o onze paulistano dominar a peleja e criar muitas chances de gol. 


Gol marcado pela Portuguesa e anulado pela arbitragem... A noite não era mesmo dos paulistas. Foto: Fernando Martinez. 

Mas para comprovar que a noite não era mesmo dos lusitanos de São Paulo, as oportunidades foram todas desperdiçadas pelos atacantes rubro-verdes. A Lusa teve até gol anulado e chance perdida na pequena área... Algo que já estamos acostumados em jogos por ali. Final de jogo: Portuguesa 0-1 Vasco da Gama. Os cariocas agora somam seis pontos em dois jogos, enquanto a Lusa permanece com seu pontinho. Será um campeonato longo para os rubro-verdes. 

Nem bem o árbitro apitou o final de jogo, e a gente já estava descendo correndo as escadas que levam ao estacionamento para seguir até a terceira peleja do sábado. E o relógio estava contra nós... 

Até lá! 

Fernando

Jogo murcho e empate sem gols entre Osasco FC e Nacional

Opa, 

Sábado a agenda futebolística na Grande São Paulo dava uma chance rara de acompanhar uma até então inédita rodada quíntupla. Isso mesmo, já que um espectador nível hardcore tinha chance de ver cinco jogos em sequência começando às 9 da matina e terminando 11 da noite. Mas como eu ainda estava cansado da viagem na sexta, e sem saber se aguentaria o tranco, resolvi então abdicar do ineditismo e fazer uma "simples" rodada tripla tarde/noite/noite. 

A jornada começaria na cidade de Jacareí, mas alguns problemas em casa me deixaram restrito a duas opções: Guarulhos e Osasco. Junto com o amigo Paulo Shrek acabamos então escolhendo a segunda opção e fomos para o (agora) ótimo Estádio Prefeito José Liberatti acompanhar o primeiro confronto na história entre Osasco FC e Nacional, pela 4ª rodada do Grupo 5 do Campeonato Paulista da Segunda Divisão

Chegando no estádio osasquense, logo encontrei amigos do time paulistano, entre eles o Miguel, o supervisor Túlio Tanglioni e o pessoal da "confraria da Comendador Souza" Valdir e Barba. Todos esperando um melhor resultado para a equipe ferroviária. Pra variar, fiz as fotos exclusivas das equipes: 


Osasco FC - Osasco/SP. Foto: Fernando Martinez. 


Nacional AC - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez. 


Trio de arbitragem com o árbitro Simões Marconi Ferrari e os assistentes Miguel Ribeiro da Costa e Daniel Lopes Neto. Junto, os capitães de Nacional e Osasco FC. Foto: Fernando Martinez. 

O Grupo 5 talvez seja o mais embolado da Segundona 2012, por isso os três pontos eram mais do que bem vindos para ambos os times. Detalhe que esse foi a primeira vez que Osasco FC e Nacional se enfrentaram através dos tempos. E também foi a primeira vez desde 1976 que a equipe ferroviária jogou na cidade fundada em 1962 em Campeonatos Paulistas. Já no formato de Copa, a equipe nacionalina jogou ali por quatro vezes, em 1985, 2003, 2004 e 2005, respectivamente contra Montenegro, EC Osasco, Corinthians e novamente o ECO. 


Zagueiro do Osasco FC protegendo a pelota de atacante do Nacional. Foto: Fernando Martinez. 

Mas os 47 torcedores que pagaram ingresso não viram um bom primeiro tempo. O Osasco começou um pouco melhor, mas logo o Nacional colocou as manguinhas de fora, principalmente em jogadas pela esquerda. Para muitos dos presentes, quem se tornou o principal nome (pelo lado negativo) da etapa inicial foi o árbitro. 


Escanteio para a equipe visitante no José Liberatti. Foto: Fernando Martinez. 


Início de ataque para os donos da casa. Foto: Fernando Martinez. 

Foram dois lances polêmicos e bastante duvidosos que aconteceram a favor do time visitante. No primeiro, um suposto pênalti muito reclamado pelo pessoal nas arquibancadas e pelos jogadores. De onde estava, não tive a impressão de falta dentro da área. Já o segundo lance, um gol anulado por impedimento do atacante ferroviário, levou o pessoal do Nacional à loucura. Sinceramente achei que o jogador tinha condições, já que recebeu a bola do próprio defensor osasquense, mas como meu ângulo era ruim, não posso cravar que o assistente estava certo ou errado. 


Chute que originou o gol anulado do Nacional no final do primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez. 

Sem nenhum gol, a etapa inicial terminou com muita reclamação por parte dos atletas nacionalinos. Fui então para a cabine de imprensa e ali encontrei o amigo Rodrigo Colucci, também perdido pelas bandas de Osasco. Para matar a fome, conseguimos na base do laço comprar um salgadinho e um suco zoado na lanchonete do estádio antes do segundo tempo começar. 


Disputa de bola no campo defensivo do Nacional no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez. 


Encontrão do goleiro do Nacional e de atacante do onze osasquense. Foto: Fernando Martinez. 

O panorama não mudou no tempo final, e as duas equipes fizeram um jogo abaixo da média. Numa partida assim, qualquer chance de gol não pode ser desperdiçada, já que pode ser o único meio de se sair vitorioso ao final dos 90 minutos. E o Nacional teve essa chance dourada quando o árbitro marcou penalidade máxima após o goleiro do Osasco FC derrubar um jogador dentro da área. Mas a cobrança do camisa 9 Tom foi defendida por Jefferson, para desânimo da torcida ferroviária. 


Detalhe do pênalti cobrado por Tom e defendido por Jefferson. Foto: Fernando Martinez. 


Jogador do Osasco FC levitando no gramado do José Liberatti. Foto: Fernando Martinez. 

Após esse lance ficamos com a nítida impressão que as equipes poderiam jogar por mais 3 dias que o gol não sairia. Acertamos nossa previsão quando o árbitro terminou a peleja com o placar de Osasco FC 0-0 Nacional. As duas equipes agora tem os mesmos cinco pontos no Grupo 5, respectivamente na terceira e quarta colocações da chave. 

E nem deu tempo de ficar embaçando ao final do jogo, já que era apenas a primeira parte de uma rodada tripla que tinha se encerrado. Nosso próximo destino era voltar para a cidade de São Paulo, pois mesmo não sendo um jogo perdido, era dia de estreia pelo Campeonato Brasileiro. 

Até lá! 

Fernando

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Lemense consegue a primeira vitória na Segundona

Olá, 

Depois de ter acompanhado várias partidas das Séries A2 e A3, inclusive estando presente nos dois jogos que decidiram os Campeões, no último sábado, comecei minha trajetória pelo Campeonato Paulista da Segunda Divisão, rodando quase 190 km para chegar até a cidade de Leme e conferir ao vivo e em cores, o duelo entre o C.A. Lemense conta o Radium F.C. de Mococa, válido pela quarta rodada da primeira fase do Grupo 3 da competição, o único com uma equipe a menos em relação aos demais, por conta da desistência do Olé Brasil de Ribeirão Preto, deixando o grupo com apenas 5 times. 

Essa partida colocou frente à frente, duas equipes que ainda não haviam tido o gostinho de uma vitória na competição. O time da casa, foi derrotado nas duas partidas anteriores, entrando em campo sem nenhum ponto, enquanto os visitantes tinham empatado duas vezes, tendo conquistado 2 pontos. Portanto, como essa fase é de tiro curto, a conquista dos três pontos era de suma importância para as duas equipes seguirem pensando em classificação, embora o campeonato ainda esteja no começo. 

Chegando ao estádio, observei movimentação de vários repórteres de rádio que andavam de um lado para outro, demonstrando que algo estava para acontecer. Depois de alguns minutos, descobri que o motivo da correria era a apresentação oficial do centroavante Ademar (ex-São Caetano), com os seus 40 anos de idade, que fará parte do elenco do "Azulão" de Leme no restante da competição. Dentre os repórteres, estava um dos amigos do JP, o Jucivan Cavalcanti, que agora fala aos ouvintes da nova Rádio Brasil FM, depois de 18 anos de Rádio Cultura. Sucesso a ele nessa nova fase da carreira. 


Apresentação do centroavante Ademar, sendo entrevistado pelo repórter Jucivan Cavalcanti. Foto: Orlando Lacanna. 

Depois da apresentação do Ademar, as equipes e o trio de arbitragem entraram em campo e, como de hábito, posaram para as lentes do JP, sendo que nesse momento estranhei o fato do Radium ter entrado de uniforme azul, quando o tradicional é na cor verde. Procurei saber a razão e fui informado que trata-se do 3º uniforme, mas ninguém soube informar o porque da cor azul. As fotos oficiais estão apresentadas abaixo: 


C.A. Lemense - Leme/SP. Foto: Orlando Lacanna. 


Radium F.C. - Mococa/SP. Foto: Orlando Lacanna. 


O árbitro Luiz Vanderlei Martinucho e os assistentes Humberto Lellis Leite e João Guilherme Lopes junto aos capitães das equipes. Foto: Orlando Lacanna. 

Assim que o árbitro autorizou o início da partida, o Lemense foi com tudo para o ataque e, com menos de um minuto, perdeu uma chance incrível, através do camisa 9 Felipe, que concluiu para fora um presente recebido da zaga adversária no interior da grande área. 


Atacante do Lemense cercado por três adversários no início da partida. Foto: Orlando Lacanna. 

Os ataques do Lemense eram constantes e, na marca dos 5 minutos, o mesmo camisa 9 Felipe, se redimiu da chance perdida e mandou um balaço que entrou no alto da meta defendida por Alessandro, que saltou, mas não conseguiu desviar a bola que morreu no fundo da sua meta. Estava aberta a contagem. 


Bola indo estufar a rede do Radium no primeiro gol do Lemense anotado por Felipe. Foto: Orlando Lacanna. 

O domínio ofensivo do Lemense não permitia ao Radium respirar e conseguir sair do seu campo de defesa. Nesse contexto, aos 10 minutos, o Lemense chegou ao seu segundo gol, anotado pelo camisa 5 Ismael, aproveitando rebote do goleiro, que não conseguiu segurar uma cabeçada dele mesmo, ao aproveitar cruzamento vindo da direita em cobrança de escanteio. 


Momento exato da cabeçada de Ismael que resultou em defesa parcial do goleiro. Foto: Orlando Lacanna. 


Agora o detalhe do segundo gol do Lemense anotado por Ismael aproveitando rebote do goleiro. Foto: Orlando Lacanna. 

Com apenas 10 minutos de jogo e uma vantagem de 2 x 0 no placar, a tendência seria o Lemense dar uma segurada, certo? Errado, pois o time da casa não tirou o pé e seguiu encurralando o Radium no seu campo de defesa. Aos 18, 23 e 24 minutos teve chance de aumentar a diferença, só não chegando ao seu terceiro gol, por conta das ótimas defesas do goleiro Alessandro. 


Uma das várias defesas do goleiro Alessandro do Radium. Foto: Orlando Lacanna. 

Somente depois dos 30 minutos, o Radium começou a ter um pouco mais de presença no setor ofensivo, tendo chegado ao seu gol, aos 40 minutos, através do camisa 11 Chalita (ex-Independente de Limeira), que fez um bonito giro em cima da zaga e tocou com categoria no canto direito da meta defendida pelo goleiro Ronaldo. No minuto seguinte, o Lemense deu o troco, com a marcação do terceiro gol, anotado pelo camisa 11 Francinei, num bonito tiro de fora da área que estufou a rede adversária. Mais alguns minutos e a primeira etapa foi encerrada com a vantagem de 3 x 1 a favor do 'Azulão" de Leme. 

Logo nos primeiros movimentos do segundo tempo, foi possível observar que o ritmo da partida não seria o mesmo, pois o Lemense já não demonstrava a mesma volúpia ofensiva e o Radium apresentava dificuldades para assumir o controle das ações, tanto que, até por volta dos 30 minutos, não aconteceu rigorosamente nenhum lance que pudesse ser destacado. O que de mais importante aconteceu, foi a expulsão do camisa 11 Francinei, do Lemense, aos 24 minutos, que recebeu o segundo cartão amarelo. Aos 32 minutos, foi a vez do camisa 17 Jackson, do Radium, ser expulso, deixando tudo igual em número de atletas, ou seja, 10 para cada lado. 


Um dos raros ataques do Lemense no início da segunda etapa. Foto: Orlando Lacanna. 

Somente aos 34 minutos, o Lemense criou uma real chance de gol, através de uma arrancada do camisa 7 Jhonis pela direita, que culminou num arremate defendido parcialmente pelo goleiro Alessandro, cujo rebote não foi aproveitado por Felipe, que deu uma vacilada e a zaga travou na hora "h", mandando a bola para escanteio. 

Nos últimos 10 minutos, o Radium foi um pouco mais ofensivo, aproveitando que o Lemense já estava satisfeito com o resultado. Num dos seus ataques pela esquerda, o zagueiro camisa 4 Guina, meteu a cabeça na bola e anotou o segundo gol do time de Mococa, já nos acréscimos. 


Bola alçada na área do Lemense e neutralizada pelo goleiro Ronaldo. Foto: Orlando Lacanna. 


Atacante do Lemense fortemente marcado pela zaga no interior da área. Foto; Orlando Lacanna. 

Após o segundo gol do Radium, a bola rolou mais alguns minutos, com o time visitante tentando de todas as formas chegar ao empate, mas não teve jeito e a partida foi encerrada com o placar indicando Lemense 3 - 2 Radium, que representou a primeira vitória do time de Leme, colocando-o agora na 3ª posição com 3 pontos. O Radium permaneceu com os mesmos 2 pontos, caindo para a 4ª colocação. Apesar de um início fulminante, quando abriu 2 x 0 em 10 minutos, o Lemense permitiu que o time visitante encostasse no placar, tornando uma partida que parecia fácil, numa vitória apertada. 

Jogo encerrado e imediato retorno a São Paulo, via Campinas, num fim de semana que não haveria mais futebol da minha parte, por compromissos familiares importantes. Foi isso. 

Abraços, 

Orlando