Procure no JP

quarta-feira, 7 de julho de 2021

Portuguesa, mesmo sem jogar bem, vence a segunda pela Série D

Texto e fotos: Fernando Martinez


Domingo foi um dia frio em São Paulo. Passei boa parte do dia envelopado no cobertor e o bom senso dizia para permanecer assim até a hora de dormir. Como aqui é tudo pelo social, isso não aconteceu. Descolando aquela força e o ânimo de ouro para sair de casa, fui ao gelado Estádio Oswaldo Teixeira Duarte acompanhar o confronto paulista entre Portuguesa e São Bento pelo Campeonato Brasileiro da Série D.

Ambas as equipes fazem parte do Grupo A07 - que nome horroroso - e estavam invictas antes do duelo do domingo. Detalhe que nas oito partidas que ambas fizeram combinadas, apenas um triunfo - da Portuguesa contra o Santo André pela terceira rodada - e sete empates. Metade da chave ainda não venceu e, faltando dez rodadas até o final da primeira fase, não temos como ter a menor ideia do que pode acontecer.



Equipes entrando no gramado do Canindé. Abaixo, aquela imagem do quarteto de arbitragem com os capitães dos clubes

Sem torcida e praticamente sem imprensa, além de mim apenas um fotógrafo estava credenciado, assisti meu terceiro Portuguesa x São Bento na história praticamente sozinho e com muito frio. Após a ótima vitória contra o Ramalhão com direito a um futebol bem jogado, eu pensei que o onze local fosse fazer valer o fator campo novamente. Ficou apenas na expectativa. Durante os 90 minutos foi o escrete sorocabano quem buscou o gol com mais vontade.

Os comandados de Fernando Marchiori, técnico que vem cometendo alguns erros de escalação desde a Série A2, não estavam inspirados e foram dominados pelo adversário. Como o São Bento não é nenhum Real Madrid, isso não significou tanta coisa. Mesmo assim, até os 32 minutos o clube do interior criou quatro bons momentos para inaugurar o placar no Canindé. O primeiro aos dois minutos com o cruzamento do senegalês Papa Faye e cabeçada de Johnny defendida por Dheimison.

O arqueiro local foi bem novamente aos 16 em finalização do jogador africano. Bruno Formigoni arriscou aos 25 e o tiro passou perto. Aos 32, investida de Johnny e chute batendo do lado de fora da rede. Os sorocabanos eram melhores, mas quem fez 1x0 foi a Portuguesa no único ataque perigoso no tempo inicial. A bola foi cruzada da esquerda, a zaga não conseguiu afastar e Caíque colocou no canto de Airon. Antes do intervalo Ayrton testou Dheimison de longe e o camisa 1 defendeu.



A Portuguesa chegou poucas vezes dentro da área do São Bento durante o primeiro tempo


Para azar do time visitante, o gol rubro-verde saiu justamente no único ataque perigoso. Caíque foi o autor do gol aos 35 minutos


O onze de Sorocaba buscou o empate nos minutos restantes da etapa inicial, sem sucesso

Não foi uma atuação magnífica do Bentão, porém a derrota parcial não era lá muito justa. Na etapa final eles continuaram com maior volume de jogo, mas chance mesmo foi difícil de ver. A Lusa se segurava e pouco se arriscava. Nas duas vezes que chegou perto da meta visitante de forma incisiva, duas oportunidades tímidas: uma com cobrança de falta de Feijão aos 17 e outra em tiro de Marzagão aos 32.

O time azul e branco se lançou com tudo ao ataque em busca do quinto empate no torneio e deu mais espaços nos últimos minutos. Foi aí que o rubro-verde se mostrou fatal. Na última volta do ponteiro Maykinho avançou em velocidade pela esquerda, ganhou da marcação e mandou rasteiro na área. Lucas Douglas chegou com tudo, encheu o pé e colocou no canto de Airon. A vitória estava garantida.


Tentativa pelo alto de Lucas Douglas (11) já no segundo tempo



Fraga (15) e Dogão (13) mostrando segurança na defesa do São Bento


O clube sorocabano criou boas chances e tentou o empate durante toda a etapa final


No último minuto, Lucas Douglas completou cruzamento de Maykinho e fechou a vitória paulistana


Placar final da sofrida vitória lusitana, a segunda na atual edição da Série D

O resultado de Portuguesa 2-0 São Bento não foi justo, só que em futebol isso não diz muito. Os visitantes atacaram bastante e levaram dois gols nas duas principais investidas paulistanas. Foi o primeiro revés do clube na Série D de 2021. Já pelo lado vencedor, a invencibilidade foi mantida a duras penas. De concreto, sinais claros de que o futebol precisa melhorar logo. Em uma chave tão equilibrada, manter a instabilidade pode custar a classificação.

Como estava frio, fui a pé até a estação Armênia do metrô encontrando no caminho várias criaturas da noite que já tomavam conta da região. Toda vez que ando por lá vejo que tudo está bem abandonado. O bairro em que morei de 1985 a 2008 está cada vez mais largado.

Voltei à ativa na tarde de segunda-feira com clássico pelo Brasileiro sub-20. Joguinho bom de assistir.

Até lá!

_____________

Ficha Técnica: Portuguesa 2x0 São Bento

Local: Estádio Oswaldo Teixeira Duarte (São Paulo); Árbitro: Lucas Guimarães Horn/RS; Público e renda: Portões fechados; Cartões amarelos: Marco, Makelele, Fellipe Ferreira, Bruno Formigone, Alan Dotti (AT-S), Dogão; Gols: Caíque 34 do 1º, Lucas Douglas 45 do 2º.
Portuguesa: Dheimison; Feijão, Willian Magrão, Patrick e Marco (Diego Jussani); Caíque (Tauã), Cesinha (Maykinho), Marzagão e Raphael Luz (Felipe Souza); Ermínio (Tito) e Lucas Douglas. Técnico: Fernando Marchiori.
São Bento: Airon; Makelele, Dogão, Fellipe Ferreira e Alysson (Marcelo Sendeski); Fábio Bahia (Léo Costa), Bruno Formigone (Fraga) e Kayan; Papa Faye (Igor Bolt), Johny e Ayrton (Judson). Técnico: Paulo Roberto.
._________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário