Procure no JP

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Massacre juventino pela Copa Ouro sub-19 (parte 2 de 2)

Opa, 

Véspera de feriado com calor em São Paulo. Muitos adorariam estar num clube tomando banho de piscina, pegando um sol, bebendo cerveja com os amigos ou pura e simplesmente ficar morgando de pernas pro ar sem se preocupar com o relógio. Fazendo inveja para esse pessoal, eu vesti bermuda e camiseta e me mandei para a Sede Social do Juventus... Mas para ver um jogo de futebol. 

Após ter acompanhado o massacre grená na rodada anterior da Copa Ouro sub-19 da APF, voltei ao campo sintético do grande clube para ver uma partida adiada da primeira rodada: Juventus x Atlético Mogi. Com 100% de aproveitamento e 13 gols marcados em duas partidas, a expectativa era de outro placar dilatado dos grenás contra a equipe mogiana, que até então tinha sido derrotada em seus três compromissos. 

Cartas colocadas na mesa e então fui para o gramado sintético captar as imagens exclusivas das equipes. Destaque novamente para a bela camisa do Atlético (já mostrada aqui em agosto, quando do confronto contra o Nacional pelo sub-20 da 2ª divisão). 


CA Juventus (sub-19) - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez. 


C Atlético Mogi das Cruzes de F (sub-19) - Mogi das Cruzes/SP. Foto: Fernando Martinez. 


Capitães dos times e trio de arbitragem. Foto: Fernando Martinez. 

Fiquei junto com o amigo Paulo "Shrek" na beira do gramado acompanhando o primeiro tempo. E superando a projeção inicial, o Moleque Travesso simplesmente atropelou a equipe visitante. Bastante inexperiente, o Atlético sofreu como se fosse um time de terceira série jogando contra o pessoal do terceiro colegial. 


Detalhe do lance que originou o segundo gol grená aos 5 minutos, marcado por Raikard escorando a bola depois de toque no primeiro pau. Foto: Fernando Martinez. 

Em apenas 13 minutos de jogo, o Juventus já vencia pelo placar de 4x0. O ótimo jogador Pedro Rocha marcou duas vezes, aos 2 e aos 12, e o camisa 8 Raikard fez os outros dois, aos 5 e aos 13. O time não dava o menor espaço ao onze visitante, e mesmo já com o jogo liquidado (não tinha como imaginar que o Mogi poderia ter algum tipo de chance de reverter o placar), os atletas locais não diminuíram o ritmo. 


Zagueiro do Atlético derrubando atacante grená aos 12 minutos. Pênalti para o Moleque Travesso. Foto: Fernando Martinez. 


Douglas iniciando outra perigosa jogada no setor ofensivo do time local. Foto: Fernando Martinez. 

Douglas fez o quinto aos 24, Raikard completou seu hat-trick aos 27 e aos 34 foi a vez de Pedro Rocha também anotar a trifeta e deixar o jogo chegar ao intervalo com o insólito placar de 7x0. A pergunta de todos na saída dos times para os vestiários era uma só: Será que o Juventus manteria o ritmo no tempo final? 


Pedro Rocha aparecendo livre após grande cruzamento da direita para fazer seu terceiro gol na peleja e o sétimo do Juventus. Foto: Fernando Martinez. 

Após algumas modificações feitas pelo técnico Celinho, o onze paulistano voltou para o segundo tempo e nos primeiros movimentos percebemos que o ímpeto ofensivo tinha diminuído um pouco. O Atlético até tentou chegar mais próximo da área local, mas nas duas oportunidades que teve, chutou longe do gol. 


Gébson iniciando outro ataque sofrendo forte marcação do camisa 3 Jalon. Foto: Fernando Martinez. 


Willian cobrando falta para o Atlético, numa das raras chegadas do time visitante ao ataque. Foto: Fernando Martinez. 

Cheguei a imaginar que não veria um marcador com dois dígitos, mas os gols de Pedro Rocha, o quarto da tarde, aos 9 e de Alan aos 19, me animaram novamente. Nessa hora o marcador apontava 9x0 e eu vislumbrava no horizonte a oportunidade de ver outro placar inédito. Assim como nunca tinha visto um 9x1 até a rodada anterior da Copa Ouro, nunca tinha acompanhado um jogo em que um time tivesse marcado 12 gols. 


O Atlético até que mostrou boa vontade no começo do tempo final, mas não aproveitou as chances. Aqui, boa intervenção do goleiro Felipe. Foto: Fernando Martinez. 

Passei então a torcer arduamente para que o Juventus não desanimasse e ficasse só tocando a bola esperando o tempo passar. O camisa 17 Luccas, que entrou durante o tempo final no lugar de Douglas, resolveu colaborar com as minhas estatísticas e marcou duas vezes, aos 27 e aos 39 minutos. O marcador agora apontava 11x0 para os donos da casa. 


Os minutos finais foram eletrizantes e de grande presença dos atacantes locais no campo de defesa do time mogiano. Foto: Fernando Martinez. 

Os minutos corriam rapidamente e eu, apreensivo e já tendo visto três vezes um 11x0, torcia como nunca para que o Moleque Travesso marcasse uma vez mais. E assim como aconteceu no jogo anterior, quando os grenás marcaram no último lance, o camisa 15 Ygor deu uma forcinha para a minha pessoa e com o relógio marcando 46 minutos, ele entrou na área vindo pela esquerda e deu um chutaço que foi morrer no fundo das redes. Era o gol de número doze do time grená! 


Encoberto na foto, Ygor chutou na saída do goleiro e marcou o gol de número 12 para o Moleque Travesso nos acréscimos. Foto: Fernando Martinez. 

Trinta segundos depois o árbitro acabou a peleja com o surreal placar de Juventus 12-0 Atlético Mogi. Foi a primeira vez que vi esse placar e essa peleja também se torna a terceira maior goleada que vi em campos de futebol em 2060 jogos. A primeira foi um Brasil 15-0 Equador pelo Sul-Americano Feminino sub-17 em 2010 e a segunda um Corinthians 14-0 Barcelona pelo Paulista sub-15 em 2005. 

Antes de finalizar, é necessário registrar duas coisas. Primeiro a enorme aplicação do time grená, que marcava a equipe do Mogi nos acréscimos do tempo final mesmo ganhando por 11 gols de diferença. Esperamos que a equipe possa evoluir ainda mais para a disputa da Copa São Paulo de Juniores em janeiro. E segundo, deixo os parabéns para o Atlético, pois mesmo tomando essa bucha, os atletas em nenhum momento apelaram para pancadas, mostrando muito fair-play e atitude de gente grande. Nota 10 para os jogadores do onze mogiano. 

E após assistir pela primeira vez um 9x1 e quatro dias depois acompanhar um inédito 12x0, só posso dizer uma coisa: Obrigado Juventus! 

Até a próxima! 

Fernando

Nenhum comentário:

Postar um comentário