Procure no JP

terça-feira, 4 de maio de 2010

Sumaré estreia com vitória no Grupo 4 da Segundona

Olá,

No último sábado teve início uma das competições mais aguardadas pelo JOGOS PERDIDOS, que é o genial Campeonato Paulista da Segunda Divisão. Na primeira rodada, estivemos presentes em cinco jogos, sendo três no sábado e dois no domingo pela manhã, sendo que para mim coube a grata missão de viajar até a cidade de Sumaré, para conferir a partida Sumaré A.C. x Amparo A.C., válida pela rodada inaugural da primeira fase da competição, cujo palco foi o Estádio Vereador José Pereira

Essa partida marcou a volta do tradicional Amparo Athético Club ao futebol profissional, depois de uma ausência de três anos, uma vez que a sua última participação na Segundona, ocorreu no ano de 2.006. A propósito, a derradeira apresentação do time profissional do AAC em 2.006, ocorreu em 9 de dezembro daquele ano, numa partida amistosa realizada na cidade de Itapira, contra a S.E. Itapirense, cujo placar foi 1 a 1. Para quem não se lembra, esse amistoso foi organizado pelo JP, que na ocasião, entregou uma placa comemorativa à Itapirense, por conta do seu retorno ao futebol profissional, depois de 37 anos.

Fiz uma viagem tranquila, chegando ao meu destino com tempo suficiente para conversar com o atual Assessor de Imprensa do Amparo (ex-Rio Claro), Iberê Riveras, que contou as novidades e os planos do "Leão da Montanha" para essa temporada. Além dele, falei com o técnico do Sumaré, Marcos Bruno, que contou suas aventuras vividas em Roraima, quando treinava o Atlético de Roraima. Foram papos bem agradáveis e esclarecedores. Um abraço a eles. 

Depois das conversas, fui para o centro do gramado, aguardar a entrada dos times e dos árbitros, visando fazer as fotos oficiais da partida, as quais são uma marca registrada do JP e estão apresentadas abaixo:


Sumaré A.C. - Sumaré/SP. Foto: Orlando Lacanna. 


Amparo A.C. - Amparo/SP. Foto: Orlando Lacanna. 


O árbitro Cristiano Adolfo Araujo e os assistentes Adailton Alberto de Souza e Gustavo Rodrigues de Oliveira acompanhados pelos capitães das equipes. Foto: Orlando Lacanna. 

O jogo foi iniciado e rapidamente foi possível perceber as características marcantes de uma partida de Segundona, ou seja, muita disposição, correria, pegada, jogadores entrando firme nas bolas divididas e por aí vai. Nos primeiros cinco minutos, o Amparo procurou colocar a bola no chão e sair para o ataque em jogadas mais trabalhadas, enquanto o Sumaré era mais entusiasmo, sendo que no primeiro ataque do time amarelo, a zaga cedeu escanteio pela direita, cuja cobrança resultou no primeiro gol do Sumaré, anotado por Buiu, de cabeça, aos 7 minutos.


Bola no fundo do balaio do Amparo, no gol inaugural do Sumaré. Foto: Orlando Lacanna. 

A abertura do placar, não mudou a cara da partida, pois o Amparo continuou tentando jogar ofensivamente e o Sumaré, mais postado na sua defesa, que ao recuperar a posse de bola, saía com muita rapidez, tentando aproveitar as poucas jogadas no seu campo de ataque e, numa dessas, aos 16 minutos, conseguiu aumentar o placar, num gol marcado por Luizinho, cobrando pênalti, conseguindo um aproveitamento de 100%, pois em dois ataques, marcou dois gols. Houve quem dissesse que "o Amparo joga e o Sumaré marca".


Segundo gol do Sumaré marcado por Luizinho cobrando pênalti. Foto: Orlando Lacanna. 

Em desvantagem no marcador, o Amparo deixou um pouco de lado as tentativas de jogar mais organizadamente e foi com tudo para cima da defesa do Sumaré, que se segurava do jeito que dava. Nesse período de maior domínio do time alvinegro, foram criadas duas boas chances, aos 30 e 32 minutos, nos pés de Washington e Ramez, sendo que no primeiro lance, o goleiro sumareense Everton, praticou boa defesa, enquanto na segunda jogada, a bola foi para fora, passando muito perto.

A estratégia de jogo adotada pelo Amparo o expunha aos contra-ataques, tanto que, aos 38 minutos, o Sumaré quase chegou ao seu terceiro gol, numa escapada do ala esquerdo Itamar, que penetrou sem marcação e tocou por cima do goleiro Willi e, para desespero do atleta do Sumaré, a bola encobriu também o travessão, morrendo na parte superior da rede, mas pelo lado de fora. Foi uma chance incrível.

Quando tudo indicava que a primeira etapa terminaria com a vantagem de dois gols a favor do Sumaré, eis que, aos 44 minutos, os visitantes têm um pênalti marcado a favor e, na cobrança, o lateral direito Jaques diminuiu a diferença. Nos acréscimos, o lateral esquerdo Felipe Lira, do Amparo, quase empatou a partida, num golpe de cabeça, que passou por cima do travessão da meta defendida por Everton, assustando a pequena torcida local presente.


Goleiro num canto e bola no outro, no gol do Amparo marcado no final da primeira etapa. Foto: Orlando Lacanna. 

Durante o intervalo, descobri uma sombra providencial, numa tenda armada na pista de atletismo do estádio, com mesas e cadeiras e lá fiquei aguardando o reinício da partida, tomando muito líquido e buscando descobrir os resultados parciais dos outros jogos. Com a bola voltando a rolar, logo no primeiro minuto, o goleiro do Sumaré, Everton, praticou uma defesa sensacional, parando uma cabeçada à queima-roupa, desferida próxima à pequena área. Essa jogada dava mostras que o Amparo tinha voltado decidido a alcançar a igualdade e, quem sabe, chegar à virada.


Defesa espetacular de Everton no início da etapa final. Foto; Orlando Lacanna. 

Ao longo do segundo tempo, até por volta do trigésimo minuto, só deu o Amparo no campo de ataque, tendo criado pelo menos quatro ótimas oportunidades, aos 9, 21, 24 e 26 minutos, em jogadas que tiveram as participações de Jaques, João Batista, Ramez e Washington, com as conclusões morrendo nas mãos do goleiro sumareense ou indo para fora.


Mais uma tentativa de ataque do Amparo na segunda etapa. Foto: Orlando Lacanna. 

O tempo ía passando e nada dos visitantes chegarem ao empate e, aos 35 minutos, numa escapada de Luizinho, o Sumaré, por pouco, não chega à marcação do seu terceiro gol, liquidando a fatura. Foi uma jogada sensacional do ala do time amarelo, que foi avançando pelo meio, como um trator e mandou um foguete, com a bola raspando o travessão.


Dois defensores do Sumaré marcando atacante do Amparo. Foto: Orlando Lacanna. 

Nos últimos dez minutos, houve uma queda de movimentação das equipes, talvez por conta do cansaço provocado pelo ritmo imprimido à partida, que foi encerrada com o placar de Sumaré 2 - 1 Amparo, premiando a equipe que soube aproveitar as chances criadas e conseguiu segurar o ataque do adversário, que teve muito mais volume, porém não foi objetivo. Como a competição está no seu início, os times poderão render mais do que apresentaram nessa partida de estreia.

Tão logo o jogo foi encerrado, voltei para São Paulo, passando por Campinas, por conta da carona oferecida pelo Luciano Claudino, que lá estava fazendo a reportagem do jogo. Foi isso.

Abraços,

Orlando

Nenhum comentário:

Postar um comentário