Procure no JP

terça-feira, 5 de maio de 2009

Taubaté vence o Mogi das Cruzes na sua estreia em casa

Olá,

Finalizando minha jornada tripla do último final de semana, no domingo pela manhã, iniciei viagem pela Via Dutra, em direção ao Vale do Paraíba, mais precisamente até a bela cidade de Taubaté, para acompanhar ao vivo a partida do Grupo 5 envolvendo o tradicional E.C. Taubaté contra o novato Mogi das Cruzes F.L., válida pela terceira rodada da primeira fase do Campeonato Paulista da Segunda Divisão, a qual foi realizada no Estádio Joaquim de Morais Filho, também conhecido como "Joaquinzão".

Fiz uma viagem bem tranquila e logo que cheguei ao estádio, fui direto ao vestiário do time visitante visando esclarecer o motivo que levou o time mogiano passar a ser chamado de Clube Atlético Mogi, inclusive apresentando alterações em seu escudo. Um diretor do clube me informou que o "novo" nome é o chamado nome fantasia, uma vez que a denominação oficial não foi alterada. Esse fato decorreu da compra do clube por um outro empresário, que resolveu introduzir essas novidades.

Após os esclarecimentos, me dirigi ao gramado para esperar a entrada em campo dos personagens da partida, objetivando fotografá-los, cujas fotos apresento abaixo:


E.C. Taubaté - Taubaté/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Mogi das Cruzes F.L. - Mogi das Cruzes/SP. Foto: Orlando Lacanna.


O árbitro Alexandre Luís Gonçalves, os assistentes Raphael Carlos da Cruz e Alexandre David e o quarto árbitro José Paulo Canale posando junto com os capitães dos times. Foto: Orlando Lacanna.


Novo escudo do Mogi das Cruzes F.L. com o nome fantasia estampado. Foto: Orlando Lacanna.

Tão logo a bola começou a rolar, deu para perceber que o Taubaté não teria vida fácil, tanto que nos primeiros quinze minutos, o Mogi das Cruzes mandou na partida. Aos 12 minutos, os visitantes criaram uma boa chance nos pés de Wigor, mas o goleiro taubateano Diego estava ligado e praticou boa defesa. O time da casa deu o troco, aos 16 minutos, através de uma boa jogada individual do capitão Sandro que foi realizada pelo lado direito e culminou com um chute forte passando por cima do travessão.


Disputa de bola pelo alto. Foto: Orlando Lacanna.

A primeira etapa seguia com o Mogi das Cruzes mostrando melhor organização em campo, enquanto o Taubaté demonstrava mais entusiasmo, que muitas vezes se confundia com afobação e, com isso, errava muitos passes e não conseguia dar sequência às jogadas ofensivas.

Os visitantes chegaram novamente com perigo, aos 27 minutos, num arremate venenoso de Tiaguinho que assustou o goleiro Diego. Daí em diante, a maioria das jogadas se concentrou entre o meio de campo e a intermediária do Taubaté, porém, mesmo com maior domínio, o Mogi das Cruzes apresentava dificuldades nas conclusões, ficando claro que faltava um homem de área que pudesse resolver a questão dos arremates.


Jogada de ataque do Mogi das Cruzes no primeiro tempo. Foto: Orlando Lacanna.


Tentativa de armação de jogada de ataque do Taubaté. Foto: Orlando Lacanna.

Como o Taubaté pouco criou e o Mogi das Cruzes pouco concluiu, o primeiro tempo ficou mesmo no 0 a 0, deixando as emoções reservadas para a segunda etapa. No retorno do intervalo, o Taubaté voltou com uma modificação no seu time, saindo o camisa 8 Alison e entrando o camisa 15, Gilsinho que fazia a sua re-estreia. Pela manifestação da torcida, ficou claro que as esperanças de uma melhor apresentação estavam depositadas no atleta que iria entrar, sendo que ele não decepcionou o bom público presente.

A entrada de Gilsinho incendiou o jogo e as jogadas de ataque do Taubaté foram se sucedendo até que, aos 16 minutos, ele mesmo colocou o seu time em vantagem no marcador, ao marcar um belo gol, desviando uma bola que lhe foi passada por Sandro, em jogada que nasceu na ponta esquerda e que teve também a participação de Bruno Butrago.


Lance de perigo para a defesa mogiana antes do gol inaugural. Foto: Orlando Lacanna.

Depois do gol, a Taubaté se encorpou e passou a dominar a partida, mudando totalmente o panorama apresentado no primeiro tempo. Aos 22 minutos, o time da casa marcou pela segunda vez, mas o árbitro impugnou o lance, marcando algo que ninguém entendeu, inclusive eu.

Mesmo com a sensível melhora em campo, o Taubaté, de vez em quando, apresentava algum vacilo no seu setor de meio-de-campo e, para complicar um pouco as coisas, aos 24 minutos, o seu zagueiro Amaral foi expulso por ter recebido o segundo cartão amarelo, numa jogada que poderia ter sido evitada. Foi uma expulsão boba que levou parte do público a reclamar com o atleta, pois ainda restavam mais de vinte minutos para o encerramento do jogo.


Uma das poucas jogadas de ataque do Mogi das Cruzes no segundo tempo. Foto: Orlando Lacanna.

Quem pensou que o Taubaté, com um homem a menos, fosse se encolher, acabou se enganando, pois os donos da casa continuaram mandando na partida na maior parte do tempo. Aos 28 minutos, o rápido atacante Bruno Butrago, desperdiçou uma ótima oportunidade, aproveitando rápido contra-ataque puxado pelo meia Sandro. O time visitante tentava sair para o ataque, mas mesmo com dez homens, o Taubaté não dava moleza aos atacantes de Mogi das Cruzes. Aos 32 minutos, o "Burro da Central" chegou ao seu segundo gol, anotado por Bruno Butrago, num lance que gerou muitas reclamações dos atletas visitantes que alegaram impedimento.


Bruno Butrago comemorando o segundo gol taubateano. Foto: Orlando Lacanna.

Estabelecida a vantagem de dois gols, o Taubaté deu uma afrouxada na marcação e, com isso, permitiu ao adversário criar momentos de perigo para a sua meta, como aconteceu na marca dos 37 minutos, quando Gilsinho salvou, em cima da linha fatal, aquele que seria o primeiro gol dos visitantes. Aliás, o atleta Gilsinho foi o nome do jogo, pois só não fez chover, uma vez que incendiou o jogo, marcou um gol e ainda salvou um do adversário. Foi uma apresentação de gala.


Gilsinho salvando gol do Mogi das Cruzes em cima da linha fatal. Foto: Orlando Lacanna.

Partida encerrada com o placar mostrando Taubaté 2 - 0 Mogi das Cruzes, cuja vitória só foi possível por conta da enorme melhora que o time da casa teve no segundo tempo, com a entrada de Gilsinho que contribuiu muito com o resultado que acabou colocando o "Burrão" no G4 do seu grupo. Quanto ao Mogi das Cruzes, ficou a impressão de ser um bom time, porém a carência de um atacante finalizador ficou evidente.

Fim de jogo e mais um corre-corre para chegar rápido em São Paulo para poder assistir, pela telinha, a decisão do Paulistão que foi brilhantemente conquistado pelo Timão do Parque São Jorge. Foi isso.

Abraços,

Orlando

Nenhum comentário:

Postar um comentário