Procure no JP

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Capivariano continua sem vencer em casa pela Segundona

Olá,

Na semana passada acompanhei uma partida importantíssima realizada em Guarulhos, valendo pela Série A2, mas no último final de semana, voltei a focar partidas válidas pelo Campeonato Paulista da Segunda Divisão. Iniciei minha jornada no sábado à tarde, indo até a simpática cidade de Capivari, mais precisamente ao Estádio Carlos Colnaghi, com o objetivo de conferir "in loco" o jogo Capivariano F.C. x Deportivo Brasil P.L. que valeu pela quinta rodada da primeira fase do Grupo 4 da competição. Vale ressaltar que essa é a primeira vez que o Desportivo Brasil aparece no JOGOS PERDIDOS participando de um campeonato profissional.

Como cheguei meio em cima da hora, fui direto para o gramado para fazer as fotos dos participantes da partida, mas para minha surpresa, a arbitragem entendeu que os uniformes eram semelhantes e, com isso, solicitou para os times retornarem aos vestiários para fazerem a troca.


Capivariano F.C. com o uniforme que foi trocado e o Deportivo Brasil P.L. com o uniforme que também não foi utilizado no jogo. Fotos: Orlando Lacanna.

Após alguns minutos de espera, as equipes retornaram ao gramado, agora com os uniformes devidamente trocados e, por conta disso, solicitei aos dois times que voltassem a posar para que as fotos fossem refeitas e as equipes, gentilmente, se postaram novamente para as lentes do JP. As fotos versão final, estão apresentadas abaixo:


Capivariano F.C. - Capivari/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Desportivo Brasil P.L. - Porto Feliz/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Trio de arbitragem acompanhado pelos capitães das equipes. Foto: Orlando Lacanna.

Bem, deixando os uniformes de lado e passando a falar de bola rolando, a partida começou com o domínio territorial do time da casa, que até então não tinha conseguido vencer em seus domínios e, por conta disso, saiu para o ataque e criou algumas situações de relativo perigo ao setor defensivo dos visitantes.


Defesa do goleiro do Desportivo Brasil no início da partida. Foto: Orlando Lacanna.

O domínio do Capivariano perdurou pelo menos até os primeiros quinze minutos, porém o primeiro lance mais perigoso, ocorreu aos 16 minutos e foi criado pelo time visitante, numa cabeçada do zagueiro Alexandre Dias que foi bem defendida pelo goleiro Cleber. A rigor, esse foi o único lance mais perigoso do Desportivo Brasil na primeira etapa.


Disputa de bola junto ao meio-de-campo. Foto: Orlando Lacanna.


Cabeçada perigosa do zagueiro Alexandre Dias do Desportivo Brasil. Foto: Orlando Lacanna.

Do vigésimo minuto em diante, a partida caiu de ritmo, se tornado meio monótona, com as ações se concentrando entre as duas intermediárias. Somente aos 33 minutos houve um pouco de emoção, quando o avante Rafael do Capivariano conseguiu uma penetração pela direita, mas o tiro saiu por cima do travessão da meta defendida por Diego.

Como as duas equipes não estavam inspiradas no ataque, o empate sem gols perdurou até o fim do primeiro tempo. No intervalo fiquei conversando com o repórter de campo Bira, da Rádio Cacique de Capivari, que gentilmente me convidou a acompanhá-lo a uma área interna do estádio para desfrutar de um lanche, com refrigerantes e frutas. Agradeço imensamente a atenção.

Depois de um intervalo que durou mais tempo que o normal, por conta da saída da ambulância do estádio para conduzir o avante Lucas Castilho do Desportivo Brasil ao hospital, a bola voltou a rolar e, logo de cara, foi possível perceber que o Desportivo Brasil havia voltado com uma postura mais ofensiva e foi empurrando o Capivariano para o seu campo de defesa. Essa nova postura deu resultado rapidamente, pois aos 9 minutos, o zagueiro Alexandre Dias anotou, de cabeça, o primeiro gol do Desportivo Brasil, ao aproveitar um cruzamento vindo da esquerda.


Primeiro gol do Desportivo Brasil marcado no início da segunda etapa. Foto: Orlando Lacanna.

Após o gol inaugural, o "Leão da Sorocabana" tentou de todas as formas criar situações para chegar ao empate, porém esbarrava na pouca eficiência do seu meio-de-campo que pouco criava. Mesmo com dificuldades, os anfitriões chegaram com relativo perigo ao ataque, como aconteceu aos 20 minutos, numa penetração do lateral esquerdo Diego Bahia, mas o tiro saiu torto pela linha de fundo. Aos trancos e barrancos, o Capivariano procurava atacar e, aos 32 minutos, teve uma boa chance nos pés do meia Evandro, mas o chute saiu fraco o que facilitou a vida do goleiro Diego que praticou fácil defesa.


Oportunidade desperdiçada por Evandro do Capivariano no segundo tempo. Foto: Orlando Lacanna.

A partida entrou nos últimos e decisivos quinze minutos e dava para notar que o Desportivo Brasil estava mais seguro no jogo e poderia ampliar o marcador a qualquer momento e, isso de fato acabou acontecendo, aos 35 minutos, quando o zagueiro e capitão Jardel, também de cabeça, anotou o segundo gol do time de Porto Feliz, aproveitando cobrança de escanteio que veio da esquerda.


Momento exato da cabeçada de Jardel na marcação do segundo gol do Desportivo Brasil. Foto: Orlando Lacanna.

O time da casa sentiu demais ter sofrido o segundo gol e deu uma apagada na partida, permitindo com isso, a marcação do terceiro gol do visitante, anotado por Serginho, aos 37 minutos, aproveitando uma bobeira geral da defesa do Capivariano, que ficou parada no lance, assistindo o atacante avançar e concluir para o gol.

Com a vitória garantida, os visitantes passaram a tocar a bola, só esperando o término da partida que foi encerrada com o placar final de Capivariano 0 - 3 Desportivo Brasil que manteve o time de Capivari na última colocação do grupo com apenas 3 pontos e ainda sem conseguir pontuar em casa. A vitória deixou os visitantes na penúltima colocação, com 6 pontos e com esperança de começar uma arrancada na competição, visando a conquista de uma das quatro vagas do grupo para a próxima fase.

Tão logo a partida foi encerrada, comecei o retorno para São Paulo, via Campinas, em companhia do amigo Luciano Claudino, que me acompanhou nessa jornada desde o início. Foi isso.

Abraços,

Orlando

Nenhum comentário:

Postar um comentário