Procure no JP

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Red Bull empata em casa e continua líder na Segundona

Olá,

Depois de um sábado inteiro dedicado a atividades ligadas à família, no domingo pela manhã, viajei pela Rodovia dos Bandeirantes com destino à cidade de Campinas, indo até o Estádio Moisés Lucarelli, para conferir "in loco" o que aconteceu na partida Red Bull F.E.L. x C.A. Guaçuano, válida pelo Grupo 7 do Campeonato Paulista da Segunda Divisão, na sua quarta rodada da segunda fase.

No domingo retrasado, essas duas equipes se enfrentaram em Mogi Guaçu, sendo que o resultado ficou no empate sem abertura de contagem e, por conta disso, o jogo do último domingo era a oportunidade de uma ou outra equipe sair com os três pontos e avançar na disputa pela conquista de uma das vagas à terceira fase. Diante disso, a motivação entre os torcedores era grande, tanto que, tivemos a presença de um público superior aos vistos por mim em jogos anteriores do Red Bull como mandante. Vale ressaltar que torcedores vindos de Mogi Guaçu também estiveram presentes.

Chegando ao estádio da Ponte Preta, fui direto para o interior do gramado e lá esperei pela entrada dos protagonistas do espetáculo, para fazer as fotos oficiais da partida, as quais estão divulgadas abaixo:


Red Bull F.E.L. - Campinas/SP. Foto: Orlando Lacanna.


C.A. Guaçuano - Mogi Guaçu/SP. Foto: Orlando Lacanna.


O árbitro Rodrigo Martins Cintra, os assistentes Maria Eliza Correia Barbosa e Marcelo Moreno Santos e o quarto árbitro Carlos Eduardo da Silva acompanhados pelos capitães das equipes.. Foto: Orlando Lacanna.

A partida começou a todo vapor e, logo aos 5 minutos, o Guaçuano colocou uma bola no travessão, numa cabeçada de Jorginho que assustou o goleiro Luiz Fernando. O Red Bull deu o troco na mesma moeda, aos 11 minutos, mandando uma bola no poste esquerdo da meta defendida por Alison, que ficou batido no lance, num giro rápido do avante Eydison no interior da grande área.


Jorginho do Guaçuano se preparando para cabecear a bola contra o travessão. Foto: Orlando Lacanna.

Após as duas bolas contra as traves, a partida entrou num ritmo chato, não acontecendo praticamente nada de interessante até a marca dos 35 minutos, com os times insistindo em cruzamentos para a área adversária que não deram em nada. Somente aos 36 minutos houve um lance de maior emoção, quando o atacante Peterson do Red Bull cabeceou contra a meta dos visitantes, obrigando o goleiro a praticar uma boa defesa.


Um dos inúmeros cruzamentos que não deram em nada. Foto: Orlando Lacanna.

Somente nos acréscimos aconteceu mais um lance digno de registro, que foi a cobrança de falta por intermédio de Mauro César que levou perigo ao goleiro dos donos da casa. Com uma primeira etapa com poucos lances agudos, o empate sem gols foi inevitável até o fim do primeiro tempo.


Cobrança de falta que levou perigo à meta do Red Bull. Foto: Orlando Lacanna.

No intervalo deixei o gramado e fui me acomodar numa das cabines de imprensa, com a esperança de que a partida pudesse melhorar em emoção ao longo do segundo tempo.

A bola voltou a rolar e os primeiros lances foram promissores na indicação de que os times haviam voltado com outra postura ofensiva, tanto que, aos 4 minutos, o meio campista Zé Maria do Red Bull penetrou pelo meio da área e na hora da conclusão foi travado, com a bola saindo mascada pela linha de fundo. Esse lance serviu para despertar a torcida que passou a incentivar com mais entusiasmo a sua equipe. Um minuto após, foi o Guaçuano que chegou perto de inaugurar o placar, numa jogada que nasceu de um cruzamento da esqueda, com o avante Jorginho chegando um milésimo de segundo atrasado na tentativa do cabeceio e, com isso, a oportunidade foi embora.


Jorginho chegando atrasado no lance e perdendo a chance. Foto: Orlando Lacanna.

Nos minutos seguintes, o Guaçuano apresentou um maior volume de jogo e incomodou o goleiro Luiz Fernando em duas oportunidades, aos 7 e 10 minutos, em cobranças de faltas através de Roberto e Mauro César. Depois dos sustos o Red Bull foi à frente e, aos 16 minutos, o avante Eydison exigiu um verdadeiro milagre do goleiro Alison ao desferir uma cabeçada à queima-roupa no interior da pequena área.


Momento exato da cabeçada de Eydison defendida por Alison. Foto: Orlando Lacanna.

O Guaçuano me pareceu a equipe melhor distribuída em campo, pelo menos até o vigésimo minuto, tendo chegado com perigo em mais duas oportunidades, como aconteceu aos 19 e 22 minutos, em jogadas com as participações de Mauro César e Bili, em especial a segunda chance que foi a melhor jogada da partida inteira, com o meia Bili invadindo a área pela esquerda, limpando o zagueiro e tocando com categoria, mas aí apareceu o goleiro do Red Bull e acabou com a festa.


Uma das boas defesas do goleiro Luiz Fernando do Red Bull. Foto: Orlando Lacanna.

A partir do vigésimo quinto minuto, o time da casa assumiu as rédeas da partida, sendo que aos 26 e 29 minutos, levou perigo à meta alviverde, por intermédio de Diouzer no primeiro lance que resultou numa conclusão defeituosa próxima à marca do pênalti. A segunda chance morreu nas mãos do goleiro Alison após cobrança venenosa de falta através do ala Fernando.

Após o trigésimo minuto, o ritmo da partida voltou a cair e, apesar dos esforços das duas equipes, o árbitro encerrou o encontro com o placar indicando Red Bull Brasil 0 - 0 Guaçuano que deixou o time do "Touro Vermelho" na liderança do seu grupo com 8 pontos, enquanto o "Mandi" permaneceu na vice-liderança com 6 pontos, num grupo totalmente indefinido, com os quatro times ainda no páreo, buscando duas vagas para a terceira fase. No meio da semana, haverá rodada com os jogos Red Bull x Matonense e Guaçuano x Tupã e, dependendo dos resultados, já poderemos ter a definição de algum time classificado. Vamos aguardar.

Fim de jogo e pé na tábua na estrada para chegar rapidinho em São Paulo e participar de um almoço especial comemorativo ao Dia dos Pais. Foi isso.

Abraços,

Orlando

Nenhum comentário:

Postar um comentário