Procure no JP

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Em Santos, Palestra ganha do Barcelona pela Segundona

Fala pessoal...

Esse talvez tenha sido o maior tempo que eu deixei para publicar um jogo aqui no JP depois da data original. Mas problemas particulares não esperam momentos específicos e só consegui uma brecha na difícil agenda dessa semana ruim para postar aqui o jogo que vi no último domingo à tarde. Depois de sair com o Orlando e o Mílton até a Rua Javari, peguei o metrô até a Estação Jabaquara, aonde um jogo perdidaço do Campeonato Paulista da Segunda Divisão me esperava. Falo do jogo em campo neutro entre Barcelona e Palestra no Estádio Ulrico Mursa, em Santos.


Detalhes do Ulrico Mursa para o jogo: A faixa com o nome "Barcelona" para ninguém se confundir por lá e o grande número de espaços vazios nas arquibancadas. O borderô mostrou um público "pagante" de 16 pessoas. Lotado! Fotos: Fernando Martinez.

Descer para a praia é sempre sossegado, e sempre a gente espera conseguir um lugar com uma companhia agradável ao lado. Mas mesmo com 90% do ônibus ocupado por mulheres muito bonitas, quando fui buscar meu lugar vi que ao meu lado ficaria uma figura um tanto quanto estranha. Um tiozinho completamente sujo e com cheiro de cachaça estava por lá. E seu vestuário era ímpar, pois parecia que ele tinha entrado num DeLorean qualquer em 1966 e caiu sem querer em 2009. O mais estranho é que ele lia de forma entusiasmada uma revista Intervalo (o povo das antigas manja) com a capa da "Ternurinha" Wanderléia. Talvez ele fosse da família McFly tentando saber o que estava acontecendo no seu tempo real...

E uma hora depois, aguentando firmemente o bafo de cana do tiozinho, finalmente cheguei em Santos para a partida. E lá dentro do Ulrico Mursa vi que o público realmente não seria dos maiores, caracterizando um jogo fantasma mesmo. Logo encontrei o antigo conhecido Pachani, que está cuidando da parte burocrática do Barça paulistano. Ele garantiu que o time vai tentar regularizar a situação do Aníbal de Freitas para as próximas rodadas e também disse que ano que vem um time tradicional volta ao profissionalismo, com ele tocando o barco. Vamos aguardar com muita ansiedade.

Bom, e logo após entrei o gramado sagrado do Ulrico Mursa para as fotos oficiais do jogo, de novo, exclusivas do JP:


Barcelona ECL - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


Palestra SB - São Bernardo do Campo/SP. Foto: Fernando Martinez.


O árbitro Édson Santana e os assistentes Daniel Luís Marques e Francisco Reginaldo Moreira junto com os capitães dos times. Foto: Fernando Martinez.

E o jogo era importante para as duas equipes. Para o Barcelona, a vitória era essencial para o time se manter no G-4 e para o Palestra, além de acabar com o jejum de vitórias, finalmente entrar na zona de classificação. E o jogo começou com o Barcelona tentanto impor seu ritmo, mas logo a partida ficou equilibrada, com o time verde criando chances perigosas de gol. E o Palestra acabou marcando seu primeiro gol aos 21 minutos, com o jogador Lucas entrando livre na área do Barça e tocando na saída do goleiro Aranha.


Ataque do Barça no começo do jogo. Foto: Fernando Martinez.


Chegada perigosa do time de São Paulo pela direita do seu ataque. Foto: Fernando Martinez.

O que já estava complicado para os andantes ficou pior ainda aos 34 minutos, quando o goleiro Aranha foi expulso. Ele fez uma falta fora da área em novo lançamento rápido do ataque palestrino. Com um atleta a menos, o jogo ficaria difícil demais. O Palestra quase fez mais um gol ainda no primeiro tempo, mas o jogo foi para o intervalo com a vantagem mínima do time verde.

No intervalo aproveitei para tirar uma soneca importante nas arquibancadas do estádio. Depois de uma noite sem dormir devido a problemas sérios, os quinze minutos de descanso foram bons demais. Mas o começo da segunda etapa foi difícil para me segurar em pé.


Lance do primeiro gol do jogo, com o atleta Lucas batendo na saída do goleiro Aranha. Foto: Fernando Martinez.


Exato momento em que o goleiro Aranha fez falta fora da área, lance que causou sua expulsão. Foto: Fernando Martinez.

Tanto que nem vi direito o gol de empate do Barcelona aos 7 minutos, pois estava no meio de uma tradicional pescaria. Vi o lance como fazem nos programas esportivos atuais, só com a bola já a caminho do gol chutada pelo atleta Fábio Gonçalves. De qualquer forma, o Barcelona conseguia um empate suado, e o jogo ficaria ainda melhor. E aos 21 minutos, depois de uma sequência de lances de ataque, o Palestra voltou a ficar na frente do marcador de novo com o jogador Lucas. Ele chutou da entrada da área, e mesmo com o goleiro tocando na bola não teve jeito. Palestra 2 a 1.


Chegada perigosa do time verde no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.

O Barça sentiu o gol, e com isso o Palestra aproveitou e marcou mais um aos 30 minutos. O jogador Jefferson fez um golaço, tirando do zagueiro e tocando com estilo no canto direito. Daí para frente, nada mais aconteceu, e o mais emocionante foi seguir os jogos do Campeonato Brasileiro pelo meu rádio.


Lance do outro lado do campo no segundo tempo de jogo. Foto: Fernando Martinez.

Final de partida: Barcelona 1-3 Palestra. O resultado colocou o time de São Bernardo no G4 do grupo 6. Para o Barcelona, que caiu de posição, os próximos jogos serão decisivos para a classificação. Bom, e depois do jogo voltei para a Rodoviária de Santos para correr ao meu destino no domingo á noite... dessa vez sem tiozinhos cheios de cachaça, DeLoreans ou revistas Intervalo...

Abraços

Fernando

segunda-feira, 25 de maio de 2009

PAEC assume liderança do seu grupo na Série A3

Olá,

Com a aproximação da definição das quatro equipes que ascenderão a Série A2 em 2.010, voltei minha atenção a uma partida importantíssima válida pela quarta rodada da segunda fase do Campeonato Paulista da Série A3. O confronto em questão reuniu as equipes do Pão de Açúcar E.C., também conhecido como PAEC, contra o G.E. Osasco L. A partida foi realizada no último domingo pela manhã, no lendário Estádio Conde Rodolfo Crespi, mais conhecido como Rua Javari, valendo pelo Grupo 3 da competição.

Ao chegar no estádio, fui direto para o gramado e, para minha surpresa, lá estava o meu colega Fernando Martinez, que ia para Santos cobrir uma partida da Segundona que seria realizada à tarde, mas como ele caiu da cama, resolveu dar uma passadinha na Rua Javari. Colocamos o papo em dia e, após a sessão de fotos dos times e dos árbitros, ele subiu para a cabine de imprensa e eu fiquei no gramado. A propósito, as fotos estão abaixo:


Pão de Açúcar E.C. - São Paulo/SP. Foto: Orlando Lacanna.


G.E. Osasco L. - Osasco/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Quarteto de arbitragem com o árbitro Flavio Rodrigues de Souza, os assistentes Flavio Alexandre Silveira e Osny Antonio Silveira e o quarto árbitro Luiz Vanderlei Martinucho acompanhado pelos capitães das equipes. Foto: Orlando Lacanna.

Antes de começar a relatar alguns dos principais lances da partida, faço questão de destacar a presença de 200 crianças que foram assistir a partida, sendo que, algumas delas entraram num estádio de futebol pela primeira vez. Essa iniciativa faz parte do programa "Clube Escola", desenvolvido pela Prefeitura de São Paulo e conta com convênios com Organizações, Entidades e Associações. Deu para perceber que a garotada torceu e se divertiu muito. Trata-se de uma atitude louvável dos organizadores que demonstra uma preocupação com o lado social.

Bem, agora com bola em jogo, o que se viu nos primeiros minutos, foi o PAEC indo com tudo para o ataque, até porque a conquista dos três pontos era de fundamental importância para seguir na luta pelo acesso e para se reabilitar da derrota ocorrida no sábado retrasado contra o mesmo Grêmio Osasco. Logo aos 2 minutos, o time da "casa" chegou com perigo, através de uma cobrança de falta efetuada por Juca, obrigando o goleiro osasquense a praticar uma difícil defesa que deu rebote, o qual não foi aproveitado por Sérgio Lobo que mandou a bola por cima do travessão. Aos 14 minutos, outra falta cobrada com perigo pelo PAEC, agora nos pés de Binho e mais uma boa defesa do goleiro visitante.


Bola passeando pela área do Gêmio Osasco no início da partida. Foto: Orlando Lacanna.

O Pão de Açúcar tinha mais presença ofensiva, mas o Grêmio Osasco, usando a velocidade dos seus atacantes, criava embaraço para a defesa do PAEC, como aconteceu aos 18 minutos, numa jogada rápida de Dedé que foi parado com falta pelo zagueiro e capitão Max Sandro. Na cobrança a bola foi longe do gol defendido por Dheimison. A partida seguia muito disputada, quando, na marca dos 28 minutos, o PAEC abriu o marcador, num gol anotado por Paulinho, numa jogada que nasceu com uma arrancada sensacional quase do meio-de-campo, num lance em que o pessoal de Osasco alegou ter havido falta de Paulinho ao recuperar a bola. Dois minutos após, o PAEC quase aumentou o placar, numa cabeçada perigosa do mesmo Paulinho, em jogada que começou com Sérgio Lobo na direita.

O Grêmio Osasco deu o troco, aos 31 minutos, num chute perigoso de Geninho que passou muito perto. Os visitantes continuaram atacando e, aos 33 minutos, chegaram muito perto da igualdade, num lance ocorrido no interior da pequena área, com Flávio dividindo com a zaga, muito perto da linha fatal, mas para sua infelicidade, a bola foi para fora. Foi a melhor chance dos visitantes na primeira etapa.


Início do lance mais perigoso do Grêmio Osasco na primeira etapa. Foto: Orlando Lacanna.

A última jogada mais perigosa, aconteceu aos 45 minutos e foi do ataque do PAEC, nos pés de Sérgio Lobo em chute cruzado que raspou o poste direito da meta defendida por Leandro. Logo em seguida, o árbitro encerrou o primeiro tempo com o placar registrando a vantagem mínima a favor do Pão de Açúcar, construída com aquele gol contestado pelo pessoal de Osasco, cujas reclamações se estenderam por todo intervalo.

A segunda etapa começou com o Grêmio Osasco assumindo uma postura bem mais ofensiva, entretanto o PAEC ao recuperar a posse de bola, causava transtorno ao setor defensivo do time visitante, exigindo que o bom goleiro Leandro ficasse sempre alerta.


Leandro saindo da meta e dando um soco na bola para afastar o perigo. Foto: Orlando Lacanna.

Aos 12 minutos, o Grêmio Osasco sofreu o segundo gol, marcado por Sérgio Lobo em cobrança de uma penalidade máxima, cometida pelo goleiro Leandro em cima do atacante Rafael Martins que penetrou livre no interior da área, aproveitando uma vacilada da defesa osasquense que parou no lance, esperando o assistente marcar saída de bola pela lateral. Esse lance também gerou muita revolta e reclamações por parte dos atletas do time de Osasco.


Segundo gol do PAEC marcado por Sérgio Lobo cobrando pênalti. Foto: Orlando Lacanna.

Logo após o segundo gol, aos 16 minutos, o PAEC quase marcou pela terceira vez, através de Rafael Martins, mas o bom goleiro Leandro evitou novo gol dos anfitriões. Mesmo em desvantagem no placar, o Grêmio Osasco não desanimou e foi com tudo para o ataque, chegando perto de diminuir a diferença, aos 21 minutos, numa jogada de Tuti que exigiu ótima defesa de Dheimison.


Lance de ataque do Grêmio Osasco na segunda etapa. Foto: Orlando Lacanna.

Da segunda metade do segundo tempo em diante, várias outras jogadas de ataque foram se sucedendo, com os goleiros se desdobrando em praticar boas defesas, em especial Leandro do Grêmio Osasco que salvou o seu time em pelo menos dois momentos de chances claras de gol para o PAEC.


Uma das várias defesas praticadas por Leandro do Grêmio Osasco. Foto: Orlando Lacanna.

O tempo foi passando rapidamente, pois o jogo estava agradável de assistir, com as equipes se empenhando ao máximo, em especial o Grêmio Osasco que demonstrou uma garra incrível, porém, em alguns momentos, se perdia em lances importantes por pura afobação, talvez pelo nervosismo provocado pelas reclamações. A partida se encaminhava para o final, quando, aos 40 minutos, o PAEC selou a vitória com a marcação do seu terceiro gol, marcado por Denilson que, por um triz não marcou outro gol no finalzinho do jogo, graças a mais uma boa defesa do goleiro Leandro.

Fim de jogo com o placar eletrônico da rua Javari mostrando Pão de Açúcar 3 - 0 Grêmio Osasco que reabilitou o time da Capital e o colocou no topo da classificação do seu grupo com 6 pontos. Mesmo derrotado, o time de Osasco continua na briga, com 4 pontos, num grupo totalmente indefinido, com as quatro equipes com chances matemáticas de conquistarem duas das quatro vagas à Série A2 em 2.010. Como ainda restam dois jogos para cada equipe, a esperança e as emoções continuarão até o fim da segunda fase.

Jogo encerrado e lá fui eu em companhia do Fernando Martinez em direção ao metrô, sendo que eu me dirigi para o aconchego do lar, enquanto ele desceu a Serra do Mar para acompanhar uma partida da Segundona, cuja história será contada mais tarde.

Abraços,

Orlando

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Volta ao Passado, volume 33: A Cafelandense de E (Cafelândia/SP)

A. CAFELANDENSE E.


Escudo do time presente no Almanaque do Futebol Paulista e ao lado, escudo presente no muro do estádio. Reprodução/Foto: www.distinitvos.com.br / Orlando Lacanna.

Seguindo com o passeio pelo interior de São Paulo, durante o feriadão do último Carnaval, continuei levantando informações sobre a situação presente de times que no passado fizeram parte do mapa futebolístico paulista.

Ainda trafegando pela Rodovia Marechal Cândido Rondon, fiz uma parada na cidade de Cafelândia, distante 432 km da Capital, cuja localização fica mais ou menos no meio do caminho entre Bauru e Lins. Conta atualmente com cerca de 17.000 habitantes e suas principais atividades econômicas se concentram na agricultura e pecuária.

O motivo da parada em Cafelândia foi pesquisar sobre a Associação Cafelandense de Esportes, que foi fundada em 17 de março de 1.968, tendo participado de competições profissionais em 17 oportunidades, começando em 1.968 e parando em 1.984 sem nenhuma interrupção. Suas cores sempre foram a vermelha e a branca, sendo que durante a sua participação no futebol profissional, não conseguiu conquistar nenhum título e sempre transitou pelo terceiro e quarto escalões do futebol paulista.

A trajetória da Cafelandense no profissionalismo, começou com uma derrota por 3 a 1 diante do Dracena em 4/08/1.968 e, a primeira vitória, aconteceu em 01/09/1.968 sobre o União de Potirendaba por 2 a 1. Por outro lado, a última vitória ocorreu em 26/08/1.984 frente ao Paulista de Nhandeara por 3 a 1 e fechou sua participação no futebol profissional em 30/09/1.984 com a derrota por 3 a 0 diante do Nevense em casa.

Ao chegar à cidade, fui direto ao Estádio Duque de Caxias, de propriedade da ACE, cuja capacidade gira em torno de 3.000 lugares. Quando cheguei ao estádio, não encontrei ninguém no local, mas mesmo assim foi possível entrar e conhecer as suas dependências, as quais, na ocasião da visita (21/02/2.009), não estavam em bom estado de conservação. Atualmente há um casal que passou a morar no estádio para cuidar da limpeza.


Fachada do Estádio Duque de Caxias. Foto: Orlando Lacanna.


Dependências destinadas aos vestiários. Foto: Orlando Lacanna.


Arquibancada coberta vista do gramado. Foto: Orlando Lacanna.


Vista lateral da arquibancada coberta. Foto: Orlando Lacanna.


Da arquibancada, vista do gol da direita. Foto: Orlando Lacanna.


Agora, o gol da esquerda. Foto: Orlando Lacanna.

Como não encontrei ninguém que pudesse prestar informações, deixei a cidade só com as fotos do estádio, porém, dias depois, consegui localizar e contatar o Presidente atual da ACE, o Prof. Carlos Camargo e, daí em diante, foi possível conhecer um pouco do momento atual do time. O Presidente assumiu o comando em 1.990 e o seu mandato terminará em junho de 2.010.

Depois de abandonar o profissionalismo, a ACE permaneceu sem atividades por seis anos e, após a eleição do atual mandatário, voltou a disputar uma competição amadora em 1.990, participando do Campeonato Amador da Região de Bauru - Setor 68 A. Daí em diante, se manteve disputando a competição, tendo a conquistado em três oportunidades, nos anos de 1.992, 1.994 e 1.996.


Equipe da ACE em 1.990 após abandonar o profissionalismo. Reprodução: Orlando Lacanna.

Mais recentemente, a Cafelandense participou do Campeonato Amador da Região de Jaú em 2.007, bem como da Copa Nacional de Futebol de Marília em 2.008, conquistando a segunda colocação.


Equipe amadora de 2.007. Reprodução: Orlando Lacanna.


Equipe Vice-Campeã da Copa Nacional de Futebol de Marília. Reprodução: Orlando Lacanna.

Em 2.008 o time ainda participou de competições, porém em 2.009 parou de jogar, uma vez que, segundo apurei, não estaria havendo apoio da Prefeitura local. Com relação às categorias de base, uma escolinha funcionou até 2.004, quando foi organizado um projeto que criou a "Copa Sul Americana", com a participação de quase 2.000 atletas. A partir daí, segundo o Presidente da ACE, não houve mais interesse e apoio por parte das autoridades municipais e, com isso, o projeto não continuou.

Resumindo, atualmente, a ACE, não está participando de nenhuma competição em todas as categorias, porém, fica da nossa parte, aquela torcida para que a Cafelandense volte a se estruturar e passe a disputar novamente os torneios amadores da região e, quem sabe no futuro, volte ao profissionalismo.


Time profissional de 1.975 que empatou em 2 a 2 com o Taquaritinga em jogo da Terceira Divisão. Reprodução: Orlando Lacanna.

Ao deixar Cafelândia, continuei o meu roteiro e fui parar na cidade de Penápolis para acompanhar a partida Penapolense x Bandeirante, válida pela Série A3. De lá, segui para outras cidades, sempre procurando saber alguma novidade sobre os times atualmente fora do profissionalismo, mas que ajudaram a construir um pedaço da história do futebol paulista.

Antes de encerrar, faço questão de registrar os meus agradecimentos ao Prof. Carlos Camargo pela atenção dispensada ao JOGOS PERDIDOS, inclusive por ter respondido todas as perguntas formuladas, cujas respostas me permitiram fazer esse relato e também pelo envio de algumas fotos.

Abraços,

Orlando

Bragantino vence a segunda em casa pela Série B

Olá pessoal,

Na última terça-feira estive no Estádio Nabi Abi Chedid (ex-Marcelo Stéfani) para acompanhar a partida entre Bragantino e Duque de Caxias, válida pela 3ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. Antes de falar do jogo gostaria de parabenizar a diretoria do Massa Bruta pela construção de um bar/restaurante em baixo das arquibancadas cobertas e cativas do estádio. E mais legal é que quem está nesse local tem a visão do campo de jogo, podendo acompanhar a partida enquanto faz suas refeições. É bem verdade que essa idéia já existe em outros estádios, mas acredito que para um time que disputa a segunda divisão do campeonato nacional seja uma novidade.


Equipes perfiladas durante a execução do hino nacional. Foto: Victor Minhoto.

Quanto ao jogo, apesar do frio, o futebol apresentado foi muito bom. Desde o começo da partida a equipe paulista dominiou as ações e pressionava o adversário, tanto que logo aos 13 minutos o camisa 11 Diego fez uma boa jogada pela esquerda, cortou um zagueiro, entrou na área e desferiu um chute forte e cruzado para abrir o placar.


Visão geral com as equipes prontas para o início da partida. Foto: Victor Minhoto.

Mesmo com o gol o Massa Bruta continuou pressionando a equipe visitante, tanto que Vinícius, o goleiro flumimense, fez excelentes defesas impedindo que o placar fosse mais dilatado ainda na primeira etapa. Já o Duque de Caxias chegou pouquíssimas vezes a meta local, tanto que somente aos 31 minutos o arqueiro Gilvan teve mais trabalho. Assim, o jogo foi para o intervalo com apenas um gol no placar.


Duque de Caxias se prepara para cobrança de falta em uma das poucas chances de gol que a equipe teve. Foto: Victor Minhoto.

Após me alimentar com um sanduíche da típica calabresa bragantina voltei para acompanhar o segundo tempo. Na etapa final a equipe carioca se lançou mais ao ataque com a finalidade de empatar a partida, mas o Bragantino também não se acuou e criou boas jogadas. Essa situação deixou o jogo aberto, mas com uma zaga bem postada o Massa Bruta não levava muitos sustos em sua defesa.


Mais uma bola que rondou a área da equipe carioca. Foto: Victor Minhoto.

Até que aos 27 minutos veio o prêmio ao quadro paulista, em boa jogada pela direita, Thiago Almeida cruzou a bola de forma rasteira na área e o atacante Bill, camisa 9, entrou por trás da zaga e apenas teve o trabalho de tocar a bola para o fundo do gol. Era o segundo tento do Bragantino no placar, o que deixou a equipe mais folgada na partida.


Massa Bruta se prepara para cobrar escanteio que resultaria em boa defesa do arqueiro fluminense Vinícius. Foto: Victor Minhoto.

A partir deste momento o Leão passou a controlar a partida no meio de campo e administrar o resultado, já a equipe carioca parecia conformada com sua primeira derrota na competição. Assim o jogo acabou mesmo em Bragantino 2x0 Duque de Caxias. Com este resultado as duas equipes ficam com seis pontos na tabela, mas o Massa Bruta tem melhor saldo de gols.

Até a próxima,

Victor

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Jacareí se supera e derrota o Primeira Camisa de virada

Olá,

Seguindo com o final de semana dedicado à cobertura do Campeonato Paulista da Segunda Divisão, no domingo pela manhã, segui pela Via Dutra até a cidade de Jacareí, para acompanhar no Estádio Stavros Papadopoulos, o confronto entre o Jacareí A.C. contra o F.C. Primeira Camisa L., da cidade de São José dos Campos, num verdadeiro clássico do Vale do Paraíba, que valeu pela quinta rodada da primeira fase do Grupo 5 da competição.

A viagem foi rápida e tranquila, com a estrada apresentando pouco movimento, provavelmente por causa do friozinho que sugeria a permanência na cama até mais tarde. Chegando ao meu destino, como sempre acontece quando vou a Jacareí fui recebido com aquela cordialidade costumeira das pessoas ligadas ao JAC. Em seguida me dirigi ao gramado para aguardar a entrada dos atletas e dos árbitros, visando fazer as fotos oficiais e exclusivas da partida, as quais apresento abaixo:


Jacareí A.C. - Jacareí/SP. Foto: Orlando Lacanna.


F.C. Primeira Camisa L. - São José dos Campos/SP. Foto: Orlando Lacanna.


O árbitro Alysson Fernandes Matias, os assistentes Fábio Aparecido Ribeiro e Raphael Carlos da Cruz e o quarto árbitro Bruno César Teixeira acompanhados pelos capitães das equipes. Foto: Orlando Lacanna.

Tão logo o árbitro autorizou o pontapé inicial, os visitantes assumiram o controle da partida, acuando os donos da casa para o seu campo de defesa e atacando de maneira constante, obrigando a defesa do Jacareí a se redobrar para evitar o gol inaugural do time joseense.


Um dos diversos ataques do Primeira Camisa no início da partida. Foto: Orlando Lacanna.

Mesmo dominando o jogo, o setor defensivo do Primeira Camisa deu uma vacilada e permitiu que o camisa 10 do JAC, Tiago escapasse livre pelo meio da área, obrigando o goleiro Ivan a derrubá-lo e cometer pênalti, que foi marcado e convertido pelo mesmo Tiago, aos 20 minutos, abrindo o placar a favor do "Jacaré do Vale". Pelo volume de jogo das duas equipes até aquele momento, a vantagem no placar do Jacareí não deixava de ser uma surpresa.


Bola balançando a rede do Primeira Camisa no primeiro gol do JAC. Foto: Orlando Lacanna.

Em desvantagem no marcador, o Primeira Camisa intensificou ainda mais as jogadas de ataque, empurrando cada vez mais o Jacareí para o seu campo de defesa, deixando dessa forma, a impressão de que o empate era apenas uma questão de tempo, mesmo com as boas defesas do goleiro Renato e dos erros de finalização. De tanto insistir, finalmente aos 40 minutos, os visitantes chegaram à igualdade no marcador, através de um gol anotado por Cécil, ao aproveitar um cruzamento rasante vindo da esquerda, depois de ótima jogada individual realizada por Wesley Alves.


Agora a bola balançando a rede do JAC no gol de empate do Primeira Camisa. Foto: Orlando Lacanna.

Nos últimos cinco minutos, nada de mais importante aconteceu e, com isso, o primeiro tempo chegou ao fim com o empate de 1 a 1, deixando a definição da partida para a segunda etapa que prometia ser recheada de emoções.

O segundo tempo começou e o Primeira Camisa foi com tudo para o ataque, com o firme propósito de conseguir a virada no placar, que acabou ocorrendo logo aos 2 minutos, numa cobrança de falta executada da meia esquerda, através de Gilson Campos, colocando a bola no cantinho direito do goleiro Renato, que se esticou todo, porém não conseguiu evitar que a bola morresse no fundo da sua rede.


Goleiro Renato não chega na bola e o Primeira Camisa vira o placar. Foto: Orlando Lacanna.

Concretizada a virada e tendo o domínio das ações na maior parte do jogo, o Primeira Camisa tinha tudo para deslanchar na partida e conseguir a vitória. Certo? Em princípio sim, porém o que ninguém contava, era com o incrível poder de reação do Jacareí que chegou ao empate, aos 10 minutos, num belo gol do pequenino avante Feijão, que de costas para o gol, deu uma puxeta sensacional, mandando a bola no canto esquerdo do goleiro Ivan que ficou estático no lance, talvez surpreendido pela beleza do lance.

O time de São José dos Campos absorveu o golpe do inesperado gol de empate e continuou atacando, porém sem a objetividade necessária para transformar seus ataques em gols, como aconteceu aos 15 minutos, quando o avante Cécil chutou com perigo do interior da área, com a bola raspando o poste esquerdo de Renato.


Jogada de ataque do Primeira Camisa buscando recuperar a vantagem no placar. Foto: Orlando Lacanna.

Durante mais um período de domínio do Primeira Camisa, o Jacareí se defendeu com muita raça, contudo não abdicou de buscar a vitória e, num de seus rápidos contra-ataques, chegou ao seu terceiro gol, anotado aos 21 minutos, por intermédio de Rodrigo que aproveitou um passe açucarado vindo da esquerda, provocando uma enorme surpresa no time adversário. Os atletas do Primeira Camisa não acreditavam no que estava acontecendo, com os seus atletas olhando um para o outro, sem entender nada.


Lance de perigo para a defesa do Primeira Camisa no segundo tempo. Foto: Orlando Lacanna.

Depois de sofrer a virada, o Primeira Camisa foi com tudo para o ataque, buscando o empate e, mesmo de maneira atabalhoada, criou algumas jogadas ofensivas, mas aí encontrou um adversário aguerrido e cheio de moral que lutava como nunca para garantir a vitória que poucos acreditavam.

Os últimos minutos foram eletrizantes, com todos os atletas se doando em campo, cada um buscando o seu objetivo. Quando o árbitro encerrou a partida com o placar apontando Jacareí 3 - 2 Primeira Camisa, houve muita comemoração por parte dos atletas jacareienses, parecendo que tinham conquistado o título e o acesso. A festa foi merecida, pois foi a vitória da superação. Mesmo com a derrota, o Primeira Camisa continuou liderando o seu grupo com 7 pontos, mas sendo seguido de perto por outros cinco times, entre os quais o próprio Jacareí, todos também com 7 pontos. O grupo está totalmente embolado e a briga pelas quatro vagas à segunda fase promete muitas emoções.

Com o jogo encerrado, deixei o estádio satisfeito pelo bom jogo que tinha acompanhado e fui comemorar indo almoçar num restaurante à beira do Rio Paraíba do Sul em companhia de amigos e familiares. Foi isso.

Abraços,

Orlando

terça-feira, 19 de maio de 2009

Jabaquara se recupera na Segundona com vitória fora de casa

Opa,

No último domingo tínha várias opções de partidas, mas para qualquer opção eu teria que cair da cama beeem cedinho, algo complicado após ficar acordado até altas horas no sábado. Mas firme e forte, caí da cama no domingo para acompanhar mais um jogo do Campeonato Paulista da Segunda Divisão. E uma das opções foi abortada pelo sumiço do seu Natal, então fui junto com o Emerson até a cidade de Guarulhos, para acompanhar o jogo entre Guarulhos e Jabaquara no Estádio Antônio Soares de Oliveira.

E quase perdemos a hora em virtude de um chatíssimo passeio ciclístico na Avenida Cruzeiro do Sul, ponto de encontro para a ida até Guarulhos. Perdemos algum tempo, e tivemos que cortar caminho pelas ruas do Pari para sair na Marginal lá na frente, longe de qualquer coisa que nos atrapalhasse. No caminho, perdemos a entrada correta na Fernão Dias e até em caminhos de terra tivemos que passar para chegar na hora. Sempre uma volta com emoção é mais legal.

E chegamos na hora para as fotos oficiais do jogo, sempre cortesia aqui do JP:


AD Guarulhos - Guarulhos/SP. Foto: Fernando Martinez.


Jabaquara AC - Santos/SP. Foto: Fernando Martinez.


O árbitro Marcelo Ferreira Vicente e os assistentes Maurício Alexandrino e Eduardo Vequi Marciano posando junto com os capitães dos times. Foto: Fernando Martinez.

E o jogo era essencial para o Jabuca, pois a derrota em casa contra o São Vicente não estava nos planos do time. Ganhar fora era primordial para que o time recuperasse os pontos perdidos em Santos. Já para o time do Guarulhos, os três pontos garantiriam o time dentro da zona de classificação para a Segunda Fase da Segundona. E o time jogou com uma belíssimo uniforme, parecendo bastante a Sampdoria. Já vamos solicitar um exemplar dessa camisa para a coleção.


Ataque do Jabuca no começo do jogo. Foto: Fernando Martinez.

O jogo então começou e o Jabuca partiu pra cima do time da casa, e mesmo sem a presença do veterano Axel o time criou bons momentos. E enquanto o Emerson sofria com a operadora do seu celular, o Jabaquara jogava bem. Mas as melhores chances do primeiro tempo foram do Guarulhos. Numa delas, a bola passou raspando a trave do Jabuca e em outra, o atacante chutou pra fora com o goleiro santista caído.


O Jabaquara atacou bastante no primeiro tempo, aqui pela esquerda. Foto: Fernando Martinez.


Zaga do ADG neutralizando tentativa de ataque santista. Foto: Fernando Martinez.

Mas o domínio territorial foi mesmo do time visitante, mas que não conseguiu converter em gols a sua vantagem em campo. E com o time guarulhense reclamando demais da arbitragem, o jogo seguiu para seu intervalo sem a abertura do placar. No intervalo conversamos com os amigos da torcida do ADG, sempre simpáticos conosco e que agradeceram bastante nossa primeira visita à Guarulhos nessa Segundona. Com certeza ainda apareceremos muito por lá.


Falta perigosa para os visitantes ainda no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.

Já para o segundo tempo ficamos conversando com o outro Emerson, diretor do time santista, que contou muitas histórias de bastidores enquanto sofria com o time em campo. Mas o Jabuca voltou mais aceso, e logo aos 5 minutos conseguiu abrir o marcador. E foi numa belíssima jogada de um dos destaques do time até aqui, o jogador Mariola. Ele matou no peito com estilo e tocou sem chances para o goleiro em seu canto direito. Jabuca 1 a 0.


Jogador do time amarelo protegendo a bola. Foto: Fernando Martinez.

E nesses 45 minutos finais, o Guarulhos criou mais duas chances e as duas foram em bobeiras da zaga jabaquarense. Tirando isso, o time não conseguiu levar mais perigo. O Jabaquara só administrou o placar e ainda teve chances de ampliar em perigosos contra-ataques. E vendo o jogo ruim do time da casa, a torcida protestou bastante contra a diretoria do ADG e contra a comissão técnica também.


Goleiro do Guarulhos saindo para evitar o segundo gol dos visitantes. Foto: Fernando Martinez.

E no final, vitória mesmo para os visitantes: Guarulhos 0-1 Jabaquara. O Jabuca conquistou ótima vitória e agora mantém a segunda posição no grupo quatro pontos à frente do Barcelona. E após o final do jogo, o bicho pegou entre a torcida guarulhense e alguns diretores da equipe. Muito bate-boca, palavrões e quase tivemos também agressões fisicas. E a certeza é uma só: o Guarulhos precisa acordar caso queira algo mais na competição.

Bom, e depois do jogo voltamos para a cidade de São Paulo sem percalços. Eu ainda fiz um trajeto monstro para chegar no aconchego do lar, isso após muito tempo no fura-fila e no nosso metrô. E semana que vem tem mais...

Abraços

Fernando