Procure no JP

terça-feira, 27 de março de 2012

JP nos Pampas (2 de 3): Em duelo de desesperados, Canoas vence o Santa Cruz/RS

Opa, 

Depois de ver a partida do Aimoré no sábado à tarde, corri para a cidade de Canoas para a minha segunda peleja na atual turnê 2012 ao Rio Grande do Sul. Sem querer sofrer nenhum percalço, abri a carteira e fui de táxi para o Estádio da Universidade Luterana do Brasil, mais conhecida como Complexo Esportivo da Ulbra, pois ali iria rolar um jogo válido pela Taça Farroupilha, o segundo turno do Campeonato Gaúcho

Foi minha terceira visita ao estádio (antes já tinha visto Ulbra x Novo Hamburgo em 2004 e Ulbra x Glória em 2007), mais uma vez para colocar uma equipe nova na Lista. Dessa vez, a pedida foi "matar" o FC Santa Cruz, de Santa Cruz do Sul. Obviamente o adversário foi o time da casa, Canoas SC (ex-Ulbra e ex-Universidade). 


Parte coberta do Estádio da Ulbra, casa do Canoas SC, antigo SC Ulbra. Foto: Fernando Martinez. 

Faltando mais de meia hora para o apito inicial já estava dentro do campo de jogo, e notei que as instalações ainda estão em ótimo estado. Para quem frequenta os estádios de São Paulo e não conhece ali, o local lembra muito o Alfredo Chiavegatto, estádio da cidade de Jaguariúna. É um dos palcos futebolísticos mais bem arrumados que já visitei nos meus quase 2000 jogos in loco. 

Acompanhei o aquecimento dos dois times e logo as agremiações já estavam prontas para a peleja. E diferente do que estou acostumado, pude fazer as fotos dentro das quatro linhas sem problema algum, algo impensável quando falamos de São Paulo. Embora não sejam exclusivas, seguem as imagens feitas pelo que vos escreve: 


Canoas SC - Canoas/RS. Foto: Fernando Martinez. 


FC Santa Cruz - Santa Cruz do Sul/RS. Foto: Fernando Martinez. 


Trio de arbitragem da partida com os capitães das equipes. Foto: Fernando Martinez. 

Assim como aconteceu com o Aimoré, foi muito legal poder assistir um jogo da equipe de Santa Cruz do Sul. Participante do Gauchão desde 1984, a equipe era um sonho de consumo antigo, pois é um time que acho legal desde moleque. O quase centenário clube (foi fundado em 26 de março de 1913) já tinha aparecido num mini-post no JP em 2005, quando o Emerson assistiu a equipe no seu estádio. 

Voltando aos dias atuais, a situação dos dois times é motivo de grande preocupação para suas torcidas. O Canoas era o lanterna geral antes dessa rodada com apenas seis pontos conquistados. Já o Santa Cruz somava 10 pontos e ocupava a 14ª posição entre os 16 participantes do Gauchão na classificação dos dois turnos. O duelo entre os dois era o famoso "jogo de seis pontos". 


Ataque do Canoas pela direita. Foto: Fernando Martinez. 

Postado atrás do gol defendido pelo arqueiro do alvinegro, o jogo começou simultaneamente à chegada de muito vento frio. E embora tivesse perdido seus três jogos disputados na Taça Farroupilha, o Santa Cruz fez uma boa apresentação. Mesmo empurrado por animados torcedores, o Canoas não jogou bem e sofreu bastante pressão do time visitante nos primeiros 30 minutos do primeiro tempo. 


Na primeira meia hora de jogo, o Santa Cruz foi melhor e apostou muito na bola levantada na área. Foto: Fernando Martinez. 


Chute de longe de atleta do Canoas sem direção. Foto: Fernando Martinez. 

Porém o domínio territorial conquistado pelo onze de Santa Cruz do Sul não foi transformado em gols. Pior, o Canoas acertou bons ataques nos minutos finais, o melhor deles em chute de Maxwell que bateu na trave, e equilibrou as ações. Já com muito frio, a etapa inicial terminou sem a abertura do marcador. 


Disputa de bola no meio de campo, no jogo Canoas x Santa Cruz. Foto: Fernando Martinez. 

Só de calça jeans e camiseta, resolvi enfrentar a friaca gaúcha e permaneci dentro de campo para o tempo final, novamente acompanhando de perto o ataque da equipe da Grande Porto Alegre. O técnico do Canoas Rogério Zimmerman colocou Miro Bahia no lugar de Diogo Rincón e mudou por completo o panorama da peleja. 


Grande jogada de Miro Bahia pela esquerda. Ele entrou no segundo tempo e mudou a partida. Foto: Fernando Martinez. 

O camisa 17 entrou ligado no 220 e acabou sendo responsável por várias jogadas perigosas para o time da casa. Ele infernizou o lado direito da defesa do Santa Cruz com dribles e toques rápidos. A ótima presença ofensiva do Canoas deu resultado aos 8 minutos, quando Renato Martins se aproveitou de bola alçada na área e marcou o primeiro do Canoas. 


O Canoas atacou bastante pela esquerda, e aqui sofreu com a forte marcação do time alvi-negro. Foto: Fernando Martinez. 


Mais um detalhe da marcação forte da zaga visitante. Foto: Fernando Martinez. 

O Santa sentiu o gol e foi amplamente dominado pelo time local, mas os atacantes do Canoas perderam ótimas oportunidades para ampliar o placar. Da base da sorte, o onze visitante teve apenas uma chance de empate em lance isolado do mito Creedence Clearwater Couto aos 17 minutos. Enquanto o jogo rolava, meu mp3 desfilava uma playlist recheada de clássicos do rock, e isso me ajudou a esquecer um pouco o frio que estava passando. 


Ótima chance do segundo gol dos donos da casa, em chute que tirou tinta da trave. Foto: Fernando Martinez. 


Pênalti perdido pelo Canoas nos acréscimos da partida. Foto: Fernando Martinez. 

Perto do final, o time vermelho aumentou ainda mais a pressão, mas perdeu um pênalti aos 46 minutos - Rodrigo defendeu a cobrança - e não alterou mais o marcador. Placar final: Canoas 1-0 Santa Cruz. A vitória deixou a equipe da Ulbra na vice-liderança do Grupo 2 da Taça Farroupilha com 8 pontos, atrás apenas do líder Internacional. Mas a equipe ainda está numa situação perigosa na classificação geral, pois soma apenas 9 pontos e está na penúltima colocação. 

Para o Santa cruz, que soma agora quatro derrotas seguidas no segundo turno, o alerta amarelo já foi ligado. O técnico Édson Porto foi demitido após esse revés e o time busca uma reação nos três jogos restantes. Se serve de alento, pelo menos algo merece ser comemorado até aqui, a vitória contra o seu maior rival no clássico Ave-Cruz, ainda no primeiro turno, por 2x0. Mas no JP todos são iguais, e gostamos das duas equipes. 

Saí do estádio após o apito final e parecia que estava andando numa cidade fantasma. Sem ninguém na rua e com quase tudo fechado, dei a sorte de encontrar um bom restaurante nas redondezas e fiz uma janta soberba assistindo novela antes de seguir para o meu QG na cidade. Mas o final de semana ainda marcava mais um joguinho, agora pela Divisão de Acesso do Rio Grande do Sul. 

Até lá! 

Fernando

Nenhum comentário:

Postar um comentário