Procure no JP

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Joseense conquista seus primeiros pontos na Segundona

Fala pessoal!

Depois de quatro rodadas acompanhando somente jogos do Grupo 6 do Campeonato Paulista da Segunda Divisão, finalmente consegui ver uma rodada dupla de um grupo diferente. A jornada começou na parte da tarde, seguindo com a carona do seu Natal - e também a presença do David - até a cidade de Suzano para ver o jogo entre os dois últimos colocados do Grupo 5: União Suzano AC x CA Joseense. O palco foi o Estádio Francisco Marques Figueira (lugar que não visitava desde 2008).


Escudinho novo do Clube Atlético Joseense, que tira o "Paulista" do nome e resgata um pouco do que foi o primeiro escudo da equipe. Particularmente achei o mais bonito até hoje. Foto: Fernando Martinez. 

Saímos de São Paulo com tempo suficiente para fazer as fotos oficiais do jogo, mas percalços durante o longo caminho que fizemos até Suzano acabaram atrapalhando todo o cronograma. Chegamos na peleja com cinco minutos já disputados. Até iria tentar fotos no intervalo, mas a sequência de fatos que aconteceram no primeiro tempo me deixaram sem opção.

O jogo reuniu os dois piores times do Grupo 5. O USAC tinha feito apenas um ponto num empate na primeira rodada e depois chegou a tomar duas sonoras goleadas (8x1 para o Jacareí e 6x0 para o Atibaia, em jogo que teve cobertura do JP), e buscava uma melhor sorte nessa partida. Já o time do Vale do Paraíba teve menos sorte, pois havia perdido seus quatro jogos até ali. A vitória era a chance de redenção temporária pelo menos até o jogo da próxima semana.


Jogadores esperando a bola voltar para o gramado. Foto: Fernando Martinez. 

Chegamos com o jogo bastante disputado desde o início, e com os times fazendo quase uma Final de Copa do Mundo particular no gramado do estádio suzanense. As duas equipes criavam chances de gol, mas os donos da casa foram mais perigosos em dois ataques rápidos pela esquerda, os dois com milagrosas intervenções do arqueiro do Joseense.


Nesse lance, o atacante do USAC obrigou o goleiro do Joseense fazer belíssima defesa em cabeçada à queima-roupa. Foto: Fernando Martinez. 

Mas aos 20 minutos, a partida teve seu momento triste. Num ataque pela direita, o jogador camisa 2 do Joseense Luiz seguia com a pelota e foi desarmado por um zagueiro do União Suzano sem falta. Mas o contato fez com que o atleta do time visitante sofresse uma séria fratura no tornozelo, inclusive com rompimento dos ligamentos.


Atendimento do jogador Luiz ainda dentro de campo e uma oração de todos os atletas do Joseense dando força para o companheiro de time. Fotos: Fernando Martinez. 

A partida ficou parada por quase 30 minutos, contando o tempo de atendimento e a espera pela volta da ambulância ao estádio. Na volta, mesmo com alguns atletas do Joseense abalados pela contusão do companheiro, a partida ficou ainda mais movimentada e ganhou detalhes ríspidos a todo momento.


Atacante do União Suzano aparecendo livre dentro da área em lance do primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez. 

Os times continuaram criando ótimas chances, e a equipe visitante teve um leve domínio durante os minutos restantes da etapa inicial. Mas ao final do tempo regulamentar, o jogo foi para seu intervalo sem a abertura do marcador. Nesse descanso, fomos papear um pouco fora do gramado e discutir sobre o lance da contusão do atleta do Joseense. A maioria achou que foi uma mera fatalidade o que aconteceu.


Ótima chance do Joseense nos minutos finais do tempo inicial. Mas o camisa 9 não pegou de jeito na bola, deixando o goleiro local fazer fácil defesa. Foto: Fernando Martinez. 

Voltamos para o gramado acompanhar o segundo tempo da partida, e posso dizer que foi um belíssimo jogo de futebol, com gols, jogadas perigosas para os dois lados e muito nervosismo dentro das quatro linhas. O Joseense voltou mais disposto e aos 11 minutos conseguiu ficar à frente do placar. Numa jogada que parecia perdida, a bola ficou pipocando dentro da área do USAC e acabou sobrando para o camisa 11 André, que fazia sua estreia. Ele tocou forte no canto direito do goleiro e deixou o time visitante em vantagem.


Bola disputada pelo alto em lance do começo do segundo tempo. Foto: Fernando Martinez. 


No intervalo descobri que depois do "MC Hammer" e do "Ice MC", agora temos no estádio suzanense o "Banheiro MC", que com certeza vai estourar nas paradas de sucesso em breve. Ao lado, o belíssimo pôr-do-sol em Suzano. Fotos: Fernando Martinez. 

Mas nem deu tempo de comemorar, já que no minuto seguinte o onze suzanense deixou tudo igual no placar. Numa rápida investida pela esquerda, a bola foi cruzada para dentro da área, e o jogador Bruninho aproveitou falha do goleiro e tocou para o fundo das redes. Muita festa dos jogadores e da torcida do USAC.


Cruzamento para dentro da área do União Suzano em ataque do Joseense pela direita. Foto: Fernando Martinez. 

Mas o time de São José dos Campos era melhor no gramado, e não se deixou abater pelo empate sofrido. A equipe continuou buscando o gol com mais vontade, e foi premiada com o segundo aos 24 minutos. Numa bela jogada do atleta Jonathan pela direita, a bola foi precisamente cruzada para dentro da área e sem piedade o atacante André chutou forte e fez o seu segundo gol no dia.


Cruzamento que originou o segundo gol do Joseense na partida. Foto: Fernando Martinez. 

O USAC tentou deixar tudo igual, mas agora esbarrava no forte esquema defensivo do Joseense. Dali até o final, o jogo teve mais lances violentos, a maioria por parte dos atletas do time suzanense. Achei que a equipe estava nervosa demais, esquecendo a bola e só pensando em acertar o adversário em muitas oportunidades. Aos 35 uma grande confusão na lateral de campo, que acabou com a expulsão de um atleta de cada lado. Mas analisando friamente o lance, só o jogador da casa merecia ser expulso.


Chegada do União Suzano sem sucesso durante o tempo final. Foto: Fernando Martinez. 

Sem colocar a cabeça no lugar, o União Suzano não conseguiu chegar novamente à igualdade no marcador. Final de jogo: União Suzano 1-2 Joseense. Boa vitória do time de São José dos Campos, que deixa a lanterna e fica ainda sonhando com uma melhor sorte na Segundona. Para o USAC, a certeza que o time precisa colocar a cabeça no lugar caso queira fazer algo no campeonato.

Mas o dia ainda não tinha terminado para o JP, pois os embalos de sábado à noite na Segundona nos aguardavam ali perto de Suzano.

Até lá!

Fernando

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Primavera vence e chega ao G4 do seu grupo na Segundona

Olá,

Finalizando meu roteiro futebolístico de quatro jogos, saí de Campinas no último domingo após ter visto de perto o jogo que ratificou o título de Campeão da Série A3 ao Red Bull Brasil e segui viagem até a simpática cidade de Indaiatuba. Me dirigi ao Estádio Ítalo Mário Limongi, também conhecido como "Gigante da Vila", para acompanhar a partida E.C. Primavera x SEV/Hortolândia, válida pela quarta rodada da primeira fase do Grupo 4 do Campeonato Paulista da Segunda Divisão. 

Esse jogo representava uma ótima chance para as equipes melhorarem os números das suas campanhas, pois antes do início da rodada, ambas tinham conseguido uma vitória em três jogos, tendo sido derrotadas em duas oportunidades, sendo que dessa maneira cada uma entrava em campo com três pontos ganhos em nove possíveis.

Chegando ao estádio, a minha primeira ação foi procurar algum representante do time de Hortolândia, com o objetivo de esclarecer porque os mandos de jogos passaram a ser em Indaiatuba, bem como sobre possível mudança de sede.

A assessoria de imprensa informou que o estádio em Hortolândia está interditado por falta de alguns laudos e, dessa maneira, a SEV foi obrigada a encontrar um outro local para exercer os seus mandos de jogos e alternativa foi a cidade de Indaiatuba. Com relação a uma possível mudança de sede, consegui apurar que em 2.010 nada vai acontecer, pois a sede oficial continuará sendo Hortolândia, porém os mandos dos jogos continuarão em Indaiatuba. Para o futuro, irão aguardar os acontecimentos para uma tomada de decisão. 

O fato de a SEV passar a mandar seus jogos em Indaiatuba criou uma situação curiosa, pois quando da realização do jogo de volta entre essas duas equipes, novamente em Indaiatuba, o mando será da SEV e o "visitante" será o real dono da casa. Coisas de uma nova era no futebol. 

Depois de tudo esclarecido, fui para o gramado e aguardei a entrada dos times e dos árbitros para fazer as costumeiras fotos oficiais, as quais são exclusivas e estão apresentadas abaixo: 


E.C. Primavera - Indaiatuba/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Social Esportiva Vitória - Hortolândia/SP. Foto: Orlando Lacanna.


O árbitro Alessandro da Silva Balieiro, os assistentes Fábio Luiz Freire e João Edilson de Andrade e o quarto árbitro Márcio Adriano Silva posam junto com os capitães dos times. Foto: Orlando Lacanna.

Bola rolando e o Primavera assumindo o controle das ações, não permitindo que a SEV passasse do meio de campo. Logo aos 4 minutos, o "Fantasma da Ituana" teve um pênalti a favor e poderia com isso inaugurar o placar, mas o avante Mirandinha mandou a bola para fora, decepcionando os torcedores locais. 


Pênalti desperdiçado pelo Primavera no início da partida. Foto: Orlando Lacanna.

Apesar do desperdício do pênalti, o Primavera continuou absoluto no jogo, dominando territorialmente e criando sucessivas chances para inaugurar o placar, mas acabava esbarrando ora na precipitação nas conclusões, ora nas boas defesas do goleiro Pablo.


Boa defesa do goleiro da SEV em mais um ataque dos donos da casa. Foto: Orlando Lacanna.

A superioridade do Primavera era tão flagrante que a SEV somente chegou ao campo de ataque por volta do trigésimo minuto e mesmo assim sem muito perigo, uma vez que o goleiro Rudi não teve trabalho para praticar a defesa.


Única defesa do goleiro do Primavera no primeiro tempo. Foto: Orlando Lacanna.

Até o final do primeiro tempo, os donos da casa criaram mais algumas chances, mas continuavam pecando nas finalizações. Para piorar as coisas para a SEV, na marca dos 42 minutos, o zagueiro Bruno foi expulso por ter recebido o segundo cartão amarelo. Mesmo com um homem a mais, o Primavera não conseguiu chegar ao gol e, sendo assim, a primeira etapa foi concluída sem que ninguém mexesse no placar. 

Na segunda etapa o panorama da partida não mudou, ou seja, o Primavera continuou dominando as ações e insistindo no ataque, principalmente através do atacante Mirandinha em jogadas pelo lado direito. Aos 7 e 8 minutos, a abertura da contagem esteve próxima de acontecer, porém os atletas Palito e Mirandinha desperdiçaram as chances. O jogo parecia ataque contra defesa e o gol era uma questão de tempo.

De tanto insistir, o Primavera chegou ao seu primeiro gol aos 13 minutos, anotado por Robinho, aproveitando rebote do goleiro Pablo que não conseguiu segurar um cruzamento rasteiro de Mirandinha da direita. Esse gol foi fruto de uma jogada que vinha sendo tentada com insistência.


Finalmente o 1º gol do Primavera anotado na segunda etapa. Foto: Orlando Lacanna.

Em vantagem no marcador, o time da casa continuou no ataque e não demorou muito para aumentar a diferença, pois aos 22 minutos chegou à marcação do seu segundo gol, marcado novamente por Robinho, agora numa cobrança de falta da intermediária que o goleiro da SEV aceitou.


Bola no fundo da rede da SEV no segundo gol primaverino. Foto: Orlando Lacanna.

A torcida primaverina ainda comemorava a marcação do segundo gol, quando aos 23 minutos o meia Palito balançou a rede da SEV pela terceira vez, concluindo com êxito mais uma jogada iniciada pelo lado direito. Foi só tocar de pé esquerdo para o gol vazio. 


Mais um gol do Primavera, agora o terceiro marcado por Palito. Foto: Orlando Lacanna.

Com a vantagem de três gols, o Primavera deu uma segurada, mas continuou criando chances naturalmente, uma vez que a SEV não apresentava resistência alguma na sua defesa, sendo que alguns dos seus atletas demonstravam muito cansaço. Para piorar, o goleiro da SEV foi expulso aos 31 minutos por cometer uma falta dura fora da área, impedindo uma real chance de gol. 

A partida se aproximava do final com os donos da casa insistindo em desperdiçar oportunidades e, por conta disso, o jogo chegou ao fim com placar de Primavera 3 - 0 SEV, resultado que colocou o time de Indaiatuba no G4 do seu grupo, deixando-o na 4ª colocação com 6 pontos. Com relação ao time de Hortolândia, a derrota o deixou na última (8ª) colocação do grupo com 3 pontos. Nessa partida a SEV não apresentou um bom futebol e foi totalmente dominada pelo adversário. Dessa forma, se não houver uma boa melhorada, dificilmente chegará à segunda fase da competição.

Jogo encerrado e outra viagem de retorno a São Paulo para finalmente descansar depois de acompanhar quatro jogos, sendo dois no sábado e dois no domingo. Apesar do cansaço, valeu o esforço.

Abraços,

Orlando

São Bernardo vence o Jabuca e vira líder do Grupo 6 da Segundona

Fala pessoal!

Depois da rodada tripla do sábado, acordei cedo no domingo para mais um jogo do Campeonato Paulista da Segunda Divisão. Com um tempo bastante estranho, pois não definia se fazia calor ou frio, fui de trólebus até a cidade de São Bernardo do Campo para ver uma peleja com cheirinho dos anos 90: EC São Bernardo x Jabaquara. E pela primeira vez o palco desse combate foi o Baetão. Aliás, o último jogo dos dois no ABC foi em 1999, num empate de 1x1 que eu estava presente.

Ao entrar no gramado sintético do histórico estádio, a verdadeira casa do querido Bernô, encontrei o Emerson já preparado para acompanhar mais uma jornada do Leão da Caneleira. E como já acontece na maioria das partidas na Segundona, fizemos as fotos sem problema e de forma exclusiva:


EC São Bernardo - São Bernardo do Campo/SP. Foto: Fernando Martinez.


Jabaquara AC - Santos/SP. Foto: Emerson Ortunho.


O árbitro Douglas Marcucci, os auxiliares Alexandre Vasconcellos e Ricardo Lanutto, o quarto árbitro Marcelo Caetano da Silva e os capitães do Bernô e do Jabuca. Foto: Emerson Ortunho.

Depois dos resultados dos jogos de sábado, o vencedor dessa partida se tornaria o novo líder do Grupo 6 da Segundona após quatro rodadas. Fora isso, o Bernô queria quebrar dois tabus. O primeiro de não vencer o Jabaquara em jogos disputados no ABC desde o longínquo ano de 1991 e também conquistar um triunfo depois de nove jogos entre os dois times sem vitória para o alvinegro. Para o Jabuca, um pontinho fora de casa já estava ótimo.


Jogadores dos dois times olhando para a bola lá no alto. Foto: Fernando Martinez.


Bolinho de atletas dentro da área do Jabuca no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.

O jogo começou bastante disputado, mas logo aos 6 minutos o Bernô conseguiu marcar seu primeiro gol. Depois de cobrança de escanteio pela esquerda, a bola ficou sambando dentro da pequena área jabaquarense e o jogador André acabou por tocar para o fundo das redes. O Jabaquara sentiu o gol e passou a ser dominado pelo adversário.


Bola zanzando dentro da área do Jabaquara no lance do primeiro gol do Bernô. Foto: Emerson Ortunho.


Zaga do onze santista tirando o perigo de perto da área. Foto: Fernando Martinez.

Mas o domínio do Bernô era apenas na posse de bola, e a maior parte do primeiro tempo foi com os times concentrando o jogo no meio-de-campo, sem tantas chances reais de gol. O intervalo então veio com a vantagem parcial dos donos da casa. Aproveitamos para irmos para as arquibancadas do Baetão conversar com nossos amigos das duas torcidas. Conversamos bastante com os amigos Thiago e Pedro, que estavam lá empurrando o time da casa. Também encontramos o Mau!, que tem o ótimo blog "As Mil Camisas" e fã do "lado B" do futebol como nós.


Chance ótima para o Bernô no começo da etapa final. Foto: Fernando Martinez.


O Jabaquara tentou empatar nessa bola alçada sem sucesso. Foto: Fernando Martinez.

Para o segundo tempo ficamos acompanhando o ataque do onze santista com alguns membros da diretoria do time. O Jabuca melhorou em relação ao primeiro tempo, mas não o suficiente para assustar o São Bernardo. A equipe rubro-amarela chegou por mais de uma vez dentro da área adversária, mas não chutava para o gol. Para piorar a situação da equipe, o Bernô passou a levar perigo em contra-ataques durante todo o tempo final.


Mais uma muvuca dentro da área do Bernô e mais uma vez o leão da Caneleira não marcou o seu. Foto: Fernando Martinez.

Nos minutos finais a pressão do Jabuca aumentou, mas para a infelicidade da sua imensa torcida distribuída pelos quatro cantos do Brasil, a equipe não conseguiu chegar ao empate. Final de jogo: São Bernardo 1-0 Jabaquara. Depois de muito, mas muito tempo mesmo, o Bernô termina uma rodada como líder de seu grupo numa competição profissional. O Jabaquara caiu para a quinta colocação e precisa vencer o Palestra no próximo jogo para voltar ao G4. E para a felicidade da sua torcida, em breve a Caneleira poderá ser novamente utilizada...

E após o jogo ainda conversamos bastante com o pessoal por lá antes de tomarmos nosso rumo de volta para a capital paulista. E com muitas idéias em ebulição para o futuro do JP na mente...

Abraços

Fernando

Red Bull Campeão da Série A3 2010

Olá,

Depois de ter acompanhado no último sábado duas partidas pela Segundona, no domingo pela manhã viajei com destino à cidade de Campinas, com o objetivo de conferir o jogo de volta da decisão do Campeonato Paulista da Série A3, realizado no Estádio Moisés Lucarelli e que reuniu as equipes do Red Bull F.E.L. e da Ferroviária Futebol S/A..

No futebol, o favoritismo não garante vitória a time nenhum, mas era inegável que o Red Bull era o grande favorito para conquistar o caneco, não só pela boa campanha realizada durante toda competição, mas também por ter vencido o jogo de ida em Araraquara pela contagem de 3 a 0. Com esse resultado, o time da casa só perderia o título caso fosse derrotado por uma diferença maior ou igual a quatro gols.

Diferente do que acontece na maioria dos jogos de competições de acesso, essa partida contou com a presença de vários veículos de comunicação, tornando o jogo não tão perdido. Mesmo com muita gente à beira do gramado, consegui fazer as fotos oficiais da partida, as quais estão apresentadas abaixo, sendo que dessa vez não são exclusivas.


Red Bull F.E.L. - Campinas/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Ferroviária F S/A - Araraquara/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Quarteto de arbitragem com o árbitro Márcio Roberto Soares, os assistentes David Botelho Barbosa e Celso Barbosa de Oliveira e o quarto árbitro Magno de Sousa Lima Neto acompanhado pelos capitães dos dois times. Foto: Orlando Lacanna.


Troféus de Campeão e Vice-Campeão. Foto: Orlando Lacanna.

Tão logo a partida foi iniciada, o Red Bull tomou iniciativa de ir para o ataque e aos 6 minutos abriu a contagem por intermédio do camisa 50 Alex Rafael, numa jogada realizada pelo lado direito, culminando num arremate cruzado e a bola entrando no canto direito da meta defendida por Roberto. Foi um bonito gol.


Jogada pelo alto do ataque do Red Bull. Foto: Orlando Lacanna.

A missão da Ferroviária, que já era difícil antes do início do jogo com o gol sofrido, ficou mais complicada ainda, mas o time araraquarense procurou não se abater e foi à luta, sendo que na marca dos 16 minutos teve um pênalti a seu favor, abrindo a possibilidade de chegar ao empate. O atacante Danilo executou a cobrança, chutando a bola no canto direito, mas o goleiro Luiz Fernando saltou como um gato e desviou para escanteio.


Goleiro Luiz Fernando defendendo pênalti cobrado por Danilo. Foto: Orlando Lacanna. 

Nos últimos trinta minutos a partida foi disputada num ritmo mais lento e com raras jogadas de ataque, ficando a impressão de que os times estavam só cumprindo a obrigação de jogar o tempo regulamentar, tornando o jogo monótono. Dessa forma, a primeira etapa chegou ao fim com a vantagem de 1 a 0 a favor do Red Bull, para a festa da torcida presente.


Goleiro Roberto da Ferroviária parando um dos raros ataques no fim da primeira etapa. Foto: Orlando Lacanna.

Passei parte do intervalo assistindo de perto a mascote "Toro Loko" do Red Bull dar um show de dança, animando a jovem torcida local. Além disso, bati um papo com as seis gandulas que estavam trabalhando no jogo a respeito da presença feminina nessa função. Aliás, tenho notado que essa prática de utilizar gandulas do sexo feminino vem ganhando corpo, em especial no interior.


As seis simpáticas gandulas e as mascotes da FPF. Fotos: Orlando Lacanna.

O segundo tempo começou com as equipes mais dispostas e isso refletiu no ritmo do jogo, que melhorou muito em relação aos últimos trinta minutos do primeiro tempo. Nesse contexto, o Red Bull balançou a rede pela segunda vez, aos 10 minutos, através de mais um gol anotado pelo camisa 50 Alex Rafael, agora numa cabeçada frontal desferida quase na linha da pequena área sem a menor chance de defesa do goleiro afeano.


Momento exato da cabeçada de Alex Rafael ao marcar o segundo gol do Red Bull. Foto: Orlando Lacanna.

Mesmo em desvantagem de dois gols e com reduzidas chances de reverter a situação em busca do título, a Ferroviária não desanimou e chegou ao seu primeiro gol aos 12 minutos, marcado através de Júlio César. Daí em diante o time grená passou a ter mais posse de bola, forçando mais as jogadas de ataque em busca do empate. Esse período durou dez minutos aproximadamente, mas não foi suficiente para a igualdade ser alcançada. 


Bola no fundo da meta do Red Bull no primeiro gol da Ferroviária. Foto: Orlando Lacanna. 

Aos 27 minutos, o atacante Willian César do Red Bull desperdiçou uma chance de ouro, num arremate desferido próximo à pequena área e com o gol vazio, mas caprichosamente a bola explodiu contra o travessão. Cinco minutos depois, o mesmo Willian César acertou o pé e marcou o terceiro gol da sua equipe, finalizando uma jogada que nasceu pelo lado esquerdo.


Boa defesa do goleiro Roberto da Ferroviária. Foto: Orlando Lacanna.

O jogo se encaminhava para o final com muita festa da torcida pelo título, quando na marca dos 40 minutos, a Ferroviária chegou ao seu segundo gol, através de Walker numa bonita cabeçada, mas esse gol não modificou em nada o entusiasmo na comemoração.

Fim de jogo com o placar final de Red Bull Brasil 3 - 2 Ferroviária, resultado que deu o título ao time do energético fechando com chave de ouro uma ótima campanha composta por 17 vitórias, 6 empates e 4 derrotas, representando uma performance de mais de 70%. Vale destacar também o bom desempenho do time de Araraquara que chegou ao vice-campeonato com muito mérito.

O árbitro trilou o apito pela última vez e em seguida começou uma festa ainda no interior do gramado, com os jogadores do Red Bull se abraçando com os membros da comissão técnica e dirigentes, extravasando a enorme alegria pela conquista.

Enquanto os atletas do Red Bull faziam a festa, acompanhei a entrega das medalhas e do troféu prateado de Vice-Campeão à delegação da Ferroviária, que comemorou com moderação tal conquista. 


Delegação da Ferroviária com o troféu de Vice-Campeão. Foto: Orlando Lacanna.

Logo após a premiação à Ferroviária, foi a vez do pessoal do Red Bull receber suas medalhas e o troféu dourado de Campeão, criando um ambiente de muita alegria, tanto no pódio como na arquibancada.


Festa dos jogadores do Red Bull já com o troféu de Campeão. Foto: Orlando Lacanna.


Início da tradicional volta olímpica. Foto: Orlando Lacanna. 


Elenco do Red Bull com a camisa comemorativa pela conquista. Foto: Orlando Lacanna.

Termino esse post registrando os cumprimentos aos jogadores, comissão técnica, dirigentes e torcedores do Red Bull por mais essa conquista, que levou o time ao segundo escalão do futebol paulista. A Série A2 de 2.011 promete muita emoção com a presença de times como o Guarani, América, XV de Piracicaba, PAEC, Red Bull, Ferroviária e outros.

Mais um campeonato de acesso terminado e com mais uma conquista de título vista de perto pelo JOGOS PERDIDOS, pois não nos limitamos a acompanhar apenas o jogo final, mas sim marcando presença na competição desde o seu início.

Deixei o estádio em companhia do amigo Luciano Claudino, que me deixou no Terminal Rodoviário de Campinas para fazer uma rápida refeição e embarcar com destino a uma outra cidade, com o objetivo de conferir mais uma partida pela Segundona, encerrando a minha jornada quádrupla.

Abraços,

Orlando

Nacional empata na bacia das almas contra o Taboão da Serra

Opa,

Depois de curtir os ótimos jogos pelos paulistas sub-15 e sub-17 no sábado cedo, agora era a vez do Campeonato Paulista da Segunda Divisão entrar na minha pauta de coberturas no JP. Saí da Javari, almocei no centro de São Paulo e depois fui de ônibus até o Estádio Nicolau Alayon, aonde Nacional e Taboão da Serra se enfrentariam pela primeira vez em todos os tempos.


Depois de muito tempo, o pessoal do Nacional está com a placa informativa novamente avisando sobre os jogos da equipe. Uma tradição que precisa continuar. Foto: Fernando Martinez.

Cheguei nas dependências do clube faltando muito tempo para a peleja, então ficou fácil conversar bastante com os amigos que fazem parte da comissão técnica do Nacional e com o sempre presente Miguel, como sempre fornecendo a quantidade diária de guloseimas para nós do JP. Depois de muito papo, fui para o campo de jogo para as fotos oficiais:


Nacional AC - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


CA Taboão da Serra - Taboão da Serra/SP. Foto: Fernando Martinez.


Depois de muito tempo a amiga Graziele Crizol aparece aqui no JP. Junto com ela o árbitro José Maria Ferraz Filho, o auxiliar número 1 Flávio Alexandre Silveira, o quarto árbitro Saulo Félix e os capitães das equipes. Foto: Fernando Martinez.

O time ferroviário buscava uma melhor sorte nessa partida depois do jogo ruim que fez fora de casa contra o Palestra na rodada anterior. Jogando no Nicolau Alayon e ideia fixa era de conquista dos três pontos. Mas o Taboão da Serra acertou uma parceria faz pouco tempo e mudou muito a equipe, também buscando a classificação para a fase seguinte. A vitória em cima do Mauaense animou bastante o clube.


Atacante nacionalino encarando defensor do Taboão da Serra. Foto: Fernando Martinez.

Para a primeira etapa, fui acompanhar o ataque dos donos da casa junto com o amigo cinéfilo David. Só que a equipe do Nacional não conseguiu furar o bloqueio defensivo do CATS e ficou sem criar nenhuma chance de gol durante os primeiros 45 minutos. E para deixar a situação ainda pior, o Taboão da Serra levava enorme perigo em suas investidas. Na melhor delas, a bola foi tirada em cima da linha depois de falha do goleiro do onze paulistano.


A defesa do CATS não deu nenhum espaço ao time de São Paulo na etapa inicial. Foto: Fernando Martinez.


Ataque sem perigo dos donos da casa. Foto: Fernando Martinez.

O primeiro tempo então foi para o intervalo sem a abertura do marcador, mas com a certeza que algo precisaria ser feito para que o time ferroviário pudesse passar na frente do placar. Após mais conversa durante os 15 minutos de descanso, eu e o David resolvemos acompanhar o ataque do Naça na arquibancada atrás do gol defendido pelo arqueiro visitante.


Toque de bola no ataque do onze ferroviário ainda no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.

E para quem esperava um Nacional forte no segundo tempo, o primeiro minuto mostrou que a história não seria bem essa, pois o Taboão da Serra fez o primeiro gol da peleja antes mesmo do primeiro minuto através do jogador Bina. Por muito pouco o time não fez o segundo antes dos 10 minutos, pois era melhor no gramado.


Escanteio para os donos da casa no segundo tempo, sob o olhar atento da auxiliar Graziele Crizol. Foto: Fernando Martinez.

Aos poucos, e na base do bumba-meu-boi, o onze nacionalino foi entrando mais na área do CATS, levando relativo perigo à meta adversária. Mas parecia que a equipe estava com o freio de mão puxado, e muitas chances foram desperdiçadas. Seria catastrófico para a busca da classificação para a fase seguinte uma derrota dentro dos seus domínios, pois a equipe apenas empatou seu primeiro jogo na Comendador Souza, no 2x2 contra o Jabaquara.


Bola alçada dentro da área defendida pelo Taboão da Serra. Foto: Fernando Martinez.

A partida se aproximava do final, e a letargia tomava conta do ataque nacionalino. O David já tinha desistido e esperava apenas o apito final para ver a primeira derrota do time na Segundona justamente no primeiro jogo que ele acompanhava in loco, mostrando que sua presença ali seria uma prova irrefutável no seu posto de "pé-frio" com a equipe. Mas para salvar o astral do nosso amigo, os donos da casa finalmente conseguiram deixar tudo igual aos 46 minutos.


Lance do gol de empate do Nacional na partida. O goleiro do CATS tocou na bola de um jeito estranho e ainda tentou correr atrás dela para fazer a defesa, mas o jogador William (fora da foto) apareceu sozinho para marcar. Foto: Fernando Martinez.

Numa falta da direita, a bola foi jogada para dentro da área e o goleiro do Taboão da Serra foi tentar dar um tapa para tirá-la de dentro da área mas tocou errado na pelota. Ela acabou correndo na pequena área, e o jogador William apareceu sem marcação para deixar tudo igual no marcador. Estranhamente, os jogadores não comemoraram o gol.

Final de jogo: Nacional 1-1 Taboão da Serra. O time da Barra Funda ainda está invicto na Segundona 2010, mas com uma vitória e três empates seguidos agora ocupa a terceira colocação no Grupo 6. A luz amarela acendeu na Comendador Souza, e a equipe precisa acordar se quiser fazer bom papel na competição. O CATS fica com cinco pontos, empatado com o Jabaquara na quinta colocação. 

Ao final do jogo voltei para o centro de São Paulo com o David para tomar o rumo para o meu QG na Zona Sul paulistana. Já pensando no jogo de domingo.

Até lá!

Fernando