Procure no JP

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

JP na festa bugrina pelo acesso à Série B 2009

Fala povo!

Depois da rodada dupla de manhã, fui descansar um pouco para poder recuperar minhas forças pois o grande jogo do final de semana era o próximo na lista. Debaixo de chuva fui até a Rodoviária do Tietê para ir, num ônibus lotado e sem ar condicionado, até a cidade de Campinas, para um jogo decisivo do Campeonato Brasileiro da Série C. Um motivadíssimo Guarani definiria sua sorte no torneio contra a surpresa Águia de Marabá no Estádio Brinco de Ouro da Princesa.

Mesmo pegando um verdadeiro dilúvio na estrada, cheguei antes do horário programado em Campinas e segui até o estádio. Já de longe percebi que não seria nenhum jogo comum, pois o verde se espalhou por Campinas e a torcida do Bugre, que fazia tempo que estava desanimada, resolveu aparecer de vez. Entrei no Brinco e já fui para dentro de campo, e lá já me arrepiei. Mais de 20 mil torcedores faziam um barulho incrível antes da bola rolar, empurrando o time em busca do acesso.


O indiozinho fazendo a festa dentro do gramado e a concorrida entrada dos jogadores bugrinos para o começo do jogo. Fotos: Fernando Martinez.

Devidamente autorizado pela FPF, fiquei no gramado para as fotos oficiais da festa. Notem o tobogã do Brinco lotado nas fotos abaixo:


Guarani FC - Campinas/SP. Foto: Fernando Martinez.


Águia de Marabá FC - Marabá/PA. Foto: Fernando Martinez.

Após as fotos, era a vez da bola rolar. Então fui buscar meu lugarzinho e acompanhar o ataque bugrino. Não me arrependi nem um pouco, já que o Bugre começou a partida a mil, mandando no jogo e criando muitas chances claras de gol. A torcida fazia uma festa a cada boa jogada do Guarani, transformando o Brinco num verdadeiro caldeirão.


Ataque perigoso do Bugre pela direita, cortado pela zaga do Águia. Foto: Fernando Martinez.


Num ótimo primeiro tempo, essa foi mais uma perigosa chance do Guarani. Foto: Fernando Martinez.

Caldeirão que explodiu em felicidade aos 20 minutos, quando o atacante Dairo abriu o placar enchendo o pé depois de linda jogada de Maranhão pela direita. Festa absoluta no estádio e se dependesse da força da torcida, mais gols viriam ainda no primeiro tempo.

Mas o Bugre cansou de perder gols e desperdiçar as suas chances. Se o primeiro tempo tivesse terminado com uns três gols de diferença para time da casa não seria nenhum absurdo. O Águia não viu a cor da bola, e caso quisesse subir, teria que melhorar muito para o segundo tempo.


O jogador Dairo comemorando seu gol pertinho da torcida e com os reservas. Foto: Fernando Martinez.


O goleiro do Águia afastando qualquer chance do time sofrer o segundo gol no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.

No intervalo conversei via fone com o Emerson, que atualizou toda a tabela da Série C e ali mesmo já passamos as informações precisas para o pessoal da imprensa. Era unânime que só um desastre absoluto tiraria o Bugre da Série B no ano que vem. Restava saber de quem seriam as outras vagas.

Na volta para o segundo tempo, o Guarani voltou errando muitos passes e o Águia criou mais chances, louco atrás do empate que o levaria também para a Segundona. Mas o time pecava no toque final e não conseguia furar o bloqueio bugrino. E ainda deixava o contra-ataque todo para o time da casa, que perdeu mais gols em chances assim.


Detalhe de ataque bugrino no segundo tempo de jogo. Foto: Fernando Martinez.

O nervosismo ia aumentando conforme o tempo ia passando, e uma ducha de água fria para a torcida veio aos 31 minutos, quando o jogador Soares empatou o jogo num gol todo esquisito e comemorado demais pelos paraenses. Mas o silêncio no Brinco foi momentâneo, e logo a torcia continuou a empurrar o time.

Mas nem demorou muito para a festa começar de vez por lá, já que aos 34 minutos o Guarani marcou o segundo gol no jogo, com o iluminado Dairo completando uma jogada sofrida dentro da área. Faltando 10 minutos para acabar e com dois a um no placar, agora o sofrimento seria ainda maior.


Quase mais um gol do Guarani, mas o atacante chegou um pouco atrasado. Foto: Fernando Martinez.


O Guarani fazendo o tempo passar em busca do sonhado acesso. Tudo sob o olhar de mais de 20 mil bugrinos. Foto: Fernando Martinez.

Mas no ritmo da torcida, o Guarani nem sofreu tantos sustos para conseguir conquistar o maior sonho do time desde o segundo semestre de 2007, a tão sonhada volta à Série B em 2009. Quando o árbitro apitou o final do jogo, com o placar de Guarani 2-1 Águia, uma festa magnífica foi vista entre os jogadores, torcida e comissão técnica no gramado do Brinco de Ouro.


Jogadores e torcida do time comemorando o acesso em cima do escudo do clube. Foto: Fernando Martinez.


Todo mundo queria entrevistar os heróis que colocaram o Guarani na Segundona Nacional. Fotos: Fernando Martinez.

Nós do JOGOS PERDIDOS só temos que parabenizar a conquista bugrina, que ainda por cima ficou com o vice-campeonato da Série C 2008. Posso garantir que mesmo não sendo torcedor do time do Brinco, a festa que presenciei foi um dos momentos emocionantes que vi dentro do gramado desde o início do JP. Ver a torcida comemorar tanto, resgatando um pouco da história gloriosa desse clube, é algo histórico.


Mais um detalhe da enorme comemoração que se viu no gramado do Brinco. Foto: Fernando Martinez.


Agora era a hora de pagar as promessas feitas durante o campeonato. Foto: Fernando Martinez.

Ainda fiquei por um bom tempo dentro do gramado acompanhando a festa do time com seus torcedores. Após muito tempo consegui sair do Brinco de Ouro com a certeza de mais um trabalho bem feito, com mais um time na Lista e mais uma vez a sensação de dever cumprido. nem o táxi que demorou muito tempo para chegar, nem o ônibus lotado novamente e nem a chegada em São Paulo só após a meia-noite me fizeram desanimar, pois sei que vivi um momento histórico e espero que tenha conseguido ilustrar bem o que aconteceu nas páginas do JP!

Até a próxima!

Fernando

JP nas semifinais do 2º Campeonato Paulista Amador da Capital, parte 2

Fala pessoal!

Depois da vitória do Nove de Julho na primeira partida do dia, continuei no Estádio Ícaro de Castro Melo para acompanhar agora a segunda semifinal do 2º Campeonato Paulista Amador da Capital. E o duelo agora era entre os times do Estrela do Campo Grande, da Zona Sul, e do Lapenna, da Zona Leste Paulistana.

O David continuou lá firme e forte e antes do jogo ainda curtimos a genial fanfarra que se exibiu por ali. Saudade dos meus tempos de criança com desfiles de fanfarra pelos bairros... bom, mas voltando ao jogo, agora seguem as fotos oficiais da partida:


Estrela do Campo Grande (amador) - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


Sociedade Amigos do Jardim Lapenna (amador) - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


Agora o quarteto de arbitragem com os capitães das equipes. Foto: Fernando Martinez.

Nesse confronto o equilíbrio também era evidente. O Estrela chegou à Semifinal com uma campanha ótima, conquistando oito vitórias, dois empates e só uma derrota. O Lapenna também perdeu só uma vez, mas tinha ganho sete vezes e empatado outras três. E no primeiro jogo, tivemos vitória do time laranja por 2 a 1.

O jogo começou extremamente disputado e com lances de perigo para os dois lados. O Estrela buscava o gol para a vaga na final mas esbarrava na defesa bem postada do Lapenna. E o time do Lapenna acabou abrindo o placar num ótimo contra-ataque aos 26 minutos. O camisa 9 do time encheu o pé da entrada da área e aumentou a vantagem do time.


O Estrela cobrando escanteio tentando reverter a vantagem do Lapenna. Foto: Fernando Martinez.

Mas no último lance do primeiro tempo o Estrela empatou numa jogada incrível. O camisa 11 do time perdeu um gol sem goleiro, mas a bola caiu nos pés de outro jogador do Estrela, que tocou novamente para o camisa 11 agora encher o pé e marcar o seu. Intervalo de jogo e tudo igual no placar.

Fica registrado aqui a festa das torcidas dos dois times no intervalo e durante o jogo. Um ótimo número de torcedores esteve presente lá no Ibirapuera, mostrando que o futebol amador é algo presente no dia-a-dia de muita gente.


Ataque perigosíssimo do Estrela, em que o time quase chegou ao empate. Foto: Fernando Martinez.

Bom, e para o segundo tempo o Estrela veio buscando a virada mas deixou o contra-ataque todo para o Lapenna. E num deles, aos 16 minutos, o time laranja marcou o segundo e praticamente matou as chances do Estrela chegar à Final.


No segundo tempo, escanteio para o Lapenna pela esquerda. Foto: Fernando Martinez.

Sem mais mudanças no placar, o jogo acabou mesmo em Estrela 1-2 Lapenna. Agora o time da Zona Leste jogará contra o Nove de Julho na grande final da competição. Final que provavelmente será realizada também no mesmo estádio e que se tudo der certo pode ter cobertura do JP, assim como já fizemos no ano passado.

Após o jogo eu e o David tomamos nossos rumos e eu fui me preparar para o grande jogo do dia, a quase 100 quilômetros de São Paulo. E posso dizer que passei um dos momentos mais emocionantes dentro de um campo de futebol.

Até lá

Fernando

JP nas semifinais do 2º Campeonato Paulista Amador da Capital, parte 1

Fala pessoal,

Seguindo com os posts do final-de-semana, quase fui também acompanhar a final da Segundona, mas acabei ficando perdido perto do metrô Paraíso. Quando já me preparava para voltar para casa, lembrei que teria uma rodada dupla do 2º Campeonato Paulista Amador da Capital no genial Estádio Ícaro de Castro Melo. Descendo pelas alamedas do bairro, cheguei no Ibirapuera para acompanhar os jogos de volta das semifinais, e a primeira partida do dia foi entre o Nove de Julho da Casa Verde e o Olympicos Travesso, antigo Moleque Travesso.

Vale ressaltar aqui que fui fazer a cobertura mesmo sendo um campeonato amador pois o torneio é organizado pela FPF. Como sempre fazemos coberturas de campeonatos organizados pelas federações estaduais, a presença do JP por ali era algo normal. Chegando lá encontrei o perdido David, cada vez mais longe do mundo, e já fui fazer as fotos oficiais e exclusivas dos times e trio de arbitragem:


Nove de Julho FC da Casa Verde (amador) - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


EC Moleque Travesso (amador) - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


Trio de arbitragem com os capitães das equipes. Foto: Fernando Martinez.

Os dois times do primeiro jogo chegaram à essa fase com boas campnhas até aqui. O Nove de Julho tinha conseguido sete vitórias, três empates e apenas uma derrota, enquanto o Olympicos tinha entrado na semifinal sem nenhuma derrota. Mas a primeira partida foi vencida pelo time da Casa Verde por 5 a 1, e o Olympicos precisava de um verdadeiro milagre para obter a vaga para a Final.


Disputa de bola no meio de campo, debaixo de um sol fortíssimo. Foto: Fernando Martinez.

Desisti de ver o jogo de dentro do campo em virtude do forte sol que fazia no Ibirapuera, e mesmo das arquibancadas, vimos uma partida muito bem disputada. Mas no primeiro tempo, o Nove de Julho que saiu na frente, após uma boa jogada em contra-ataque, fazendo o único gol da primeira etapa. Com um a zero contra, esperávamos o Olympicos mais efetivo na segunda etapa.


Ataque do Nove de Julho pela direita. Foto: Fernando Martinez.


Goleiro do Nove de Julho fazendo uma belíssima defesa. Foto: Fernando Martinez.

E foi isso que aconteceu, com o time conseguindo o empate logo aos 5 minutos e talvez acreditando no milagre. Mas a estrela do atacante Fernando, do Nove de Julho, brilhou em campo e ele fez quatro gols em vinte minutos e garantiu a classificação do seu time para a final. Final de jogo: Nove de Julho 5-1 Olympicos Travesso. O placar do primeiro jogo foi repetido e o time da Casa Verde garantiu lugar na finalíssima.

Depois desse jogo eu e o David vimos a segunda semifinal, mais dramática do que a primeira. Mas isso fica para o próximo post.

Até lá

Fernando

Pão de Açúcar Campeão da Segundona 2008

Olá,

Depois de acompanharmos durante o ano todo, diversos jogos válidos pelas várias fases do genial Campeonato Paulista da Segunda Divisão, finalmente chegou o grande dia de conhecermos o Campeão de uma competição que começou no dia 19 de abril, com a participação de 45 equipes e, obviamente o JOGOS PERDIDOS não poderia deixar de estar presente no jogo de volta da decisão do título. Diante disso, saí da cama no domingo bem cedinho e segui, em companhia do prestativo Sr. Natal, à bordo do "Possante 558", em direção à cidade de Embu, para acompanhar a partida final da competição, reunindo as equipes do Pão de Açúcar E.C. contra o Batatais F.C. que foi realizada no Estádio Hermínio Espósito.

Antes de começar a falar da partida, vamos com as fotos oficiais, gentilmente cedidas ao JP:


Pão de Açúcar EC - São Paulo/SP.


Batatais FC - Batatais/SP.


Quarteto de arbitragem da partida com o árbitro Cleber Wellington Abade, os assistentes João Bourgalber Nobre Chaves e Marinaldo Silvério e o quarto árbitro Demetrius Pinto Candançan.


Troféus para o Campeão a Vice-Campeão. Foto: Orlando Lacanna.

Como o PAEC tinha vencido a primeira partida em Batatais por 2 a 1, só perderia o título se fosse derrotado por uma diferença igual ou superior a dois gols e, por conta disso, havia a expectativa de como as equipes iriam se comportar nos minutos iniciais da partida, ou seja, o Batatais iria sair com tudo, forçando os donos da casa a se resguardarem ou os anfitriões partiriam com tudo para cima visando aumentar a vantagem?

A resposta começou a ser dada logo aos 2 minutos, quando o PAEC abriu a contagem por intermédio de Rafael Martins, aproveitando cruzamento milimétrico de Piovesan que realizou excelente jogada pela esquerda. Esse gol deu mais tranqüilidade aos donos da casa, mas não chegou a desanimar o Batatais que continuou lutando com muita bravura, porém esbarrava no forte setor defensivo do adversário.


Cruzamento do ataque do PAEC no primeiro tempo. Foto: Orlando Lacanna.

Com um toque de bola rápido e com deslocações constantes, o Pão de Açúcar continuou em cima e quase chegou ao segundo gol, aos 21 minutos, com o atacante Rafael Martins carimbando o travessão da meta defendida por Matheus. Na seqüência, o Batatais chegou ao empate, aos 22 minutos, através de um gol anotado por Alex, cuja conclusão o goleiro Washington não conseguiu defender, com a bola escapando do seu controle e ultrapassando a linha fatal.


Outro ataque do Pão de Açúcar, novamente pela direita. Foto: Orlando Lacanna.

A partida que era boa, ficou ainda melhor, com os times jogando com muita determinação e, na busca constante de jogadas ofensivas, o PAEC quase chegou ao desempate, aos 37 minutos, em outra escapada de Piovesan pela esquerda, que livre de marcação chutou cruzado, mas a bola caprichosamente saiu pela linha de fundo, tirando tinta do poste esquerdo da meta dos visitantes.


Jogada de ataque do Batatais durante a primeira etapa. Foto: Orlando Lacanna.

Quando todos esperavam o término da primeira etapa, aos 45 minutos, aconteceu o lance mais polêmico da partida, quando a arbitragem não validou aquele que seria o segundo gol do time do interior, por conta da marcação de impedimento pelo assistente e que acabou gerando muitos protestos por parte dos batataenses. Como eu estava atrás do gol oposto, fica impossível emitir alguma opinião, embora algumas pessoas ligadas ao Batatais tenham alegado que viram o lance pela TV e que o gol teria sido legal. Também não vi as imagens e por isso continuo não podendo opinar. Seja como for, o primeiro tempo foi encerrado com o placar mostrando a igualdade em 1 a 1, resultado que daria o título ao time da casa.

Após um intervalo que passou super rápido, a bola voltou a rolar e, logo de cara foi possível observar que o Batatais havia voltado com o firme propósito de buscar um melhor resultado e, com isso, exerceu um maior domínio territorial que perdurou pelo menos nos primeiros vinte minutos, muito embora não tenha criado grandes chances de gol.


Zagueiro Anderson do Batatais interceptando ataque do PAEC. Foto: Orlando Lacanna.

Numa rápida escapada do meia Juca pela direita, saiu o segundo gol do Pão de Açúcar, marcado aos 25 minutos por intermédio de Sérgio Lobo que só escorou o cruzamento perfeito que veio da direita. Após a marcação desse gol, o técnico do Batatais foi excluído da partida. Mesmo em desvantagem no placar e sem seu comandante no banco de reservas, o Batatais não se entregou e continuou lutando na busca de uma melhor sorte, inclusive chegou bem perto de conseguir o empate, aos 30 minutos, só não o conseguindo porque o zagueiro e capitão Max Sandro salvou em cima da linha fatal uma bola que tinha o endereço certo.


Lance de ataque do Pão de Açúcar na etapa final. Foto: Orlando Lacanna.

A partir da oportunidade perdida, aí sim o Batatais começou a dar sinais de que o ânimo para continuar lutando já não era o mesmo e, com isso, permitiu ao Pão de Açúcar criar duas ótimas oportunidades que acabaram sendo desperdiçadas por Renato Martins e Paulo Roberto.

A torcida local não parava de comemorar o título que estava bem próximo, quando finalmente o árbitro encerrou a partida com o placar indicando Pão de Açúcar 2 - 1 Batatais que deu o título de Campeão ao time paulistano de forma merecida, pois ao longo da competição, foi a equipe que melhor se apresentou. Assim que a partida foi encerrada, a festa pela conquista começou ainda no gramado e se estendeu pelas arquibancadas.


Início da comemoração pelo título ainda no gramado. Foto: Orlando Lacanna.



Entrega do troféu de Vice-Campeão ao capitão do Batatais e a festa dos jogadores dentro de campo. Fotos: Orlando Lacanna.

O JP, em meu nome e dos demais integrantes, parabeniza os jogadores, comissão técnica, dirigentes, torcedores e todos aqueles que de alguma maneira contribuíram para essa importante conquista do Pão de Açúcar E.C. Os nossos cumprimentos são extensivos ao Batatais F.C. que também cumpriu uma excelente campanha, conseguindo o acesso que buscava há anos. Não podemos esquecer de cumprimentar o Campinas F.C. e o G. E. Osasco que também conseguiram a promoção para a Série A3 em 2.009.


Momento da entrega do troféu de Campeão ao Pão de Açúcar. Foto: Orlando Lacanna.


Equipe do PAEC fazendo a festa com o troféu. Foto: Orlando Lacanna.


Volta olímpica dos Campeões. Foto: Orlando Lacanna.


Sr. Natal comemorando o título junto com os atletas Éwerton e Danilo Silva. Foto: Orlando Lacanna.

Com o fim do campeonato, o JP se sente gratificado por ter participado de coberturas de vários jogos desde o início da competição, indo a diversas cidades do grandioso interior paulista, conhecendo e fazendo um sem número de novos amigos.

Jogo e festa encerrados, e início do retorno para São Paulo, com a sensação de dever cumprido. Foi isso.

Abraços,

Orlando

domingo, 23 de novembro de 2008

Portuguesa perto do rebaixamento para a Série B 2009

Opa,

Depois do jogo que acompanhei no sábado à tarde, a pedida seguinte era seguir para o bairro do Canindé para um jogo decisivo do Campeonato Brasileiro. Tudo bem que o taxista que me levou achava que o Corinthians estava jogando a Série A nesse ano e nem sabia o nome do time que mandava seus jogos no Canindé, mas como ele foi bem rápido, eu nem liguei. Tudo para ver o jogo entre Portuguesa e Goiás, pela 36ªrodada do certame. A fila para compra de ingressos estava enorme, mas o pessoal por lá está muito organizado e ela se dissipou muito rápido. Parabéns à organização do clube! Vale registrar a promoção para que o time tivesse maior presença da torcida. Arquibancadas a 10 reais, contra os 20 costumeiramente cobrados.

Já dentro do estádio, vi que um bom público esperava pela partida, que seria contra o bom time goiano, mas sem maiores objetivos no Brasileirão. Mas o jogo que era de suma importância para o time local, na sua incômoda luta contra o rebaixamento à Série B em 2009. Depois de voltar à elite de forma brilhante no ano passado, seria triste demais já voltar à Segundona no ano seguinte.


Chance rara do Goiás no primeiro tempo, sem nenhum perigo efetivo. Foto: Fernando Martinez.


Zaga do Goiás afasta o perigo, coisa que aconteceu direto nos primeiros 45 minutos. Foto: Fernando Martinez.

O time local, como já vem mostrando nas últimas rodadas, começou o jogo de forma avassaladora e encurralando completamente o time goiano no seu campo de defesa. Mas começou aí uma sequência de gols perdidos pelo time rubro-verde. O goleiro goiano fazia boas defesas, e quando a bola passava, os atacantes desperdiçavam. Por toda a primeira etapa a Portuguesa massacrou o time do Goiás, mas infelizmente não conseguiu marcar seu gol. Com a torcida apoiando bastante, só faltou mesmo a rede balançar para a festa ficar completa. Mas quando a fase não está boa, tudo conspira contra.

O primeiro tempo foi embora sem a abertura do placar. Mas o jogo, se tivesse ficado com a Portuguesa ganhando por 2 ou 3 a 0, não teria sido nenhum absurdo não. E ainda conversando com os espetinhos de frango do CT do Palmeiras, o segundo tempo começou.


Falta para a Lusa no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.


Mais uma chance perdida pelos donos da casa. Foto: Fernando Martinez.

Mesmo com um Goiás um pouco melhor, a Portuguesa continuou dona do jogo, mas um tanto quanto afobada. O goleiro Harley fez dois milagres em bolas à queima-roupa do ataque lusitano. O Goiás chegou também a perder um gol feito, mas já passava da hora da Lusa marcar o seu.


Visão geral de um Canindé no final de tarde paulistano. Foto: Fernando Martinez.

Mas o tempo foi passando, as chances foram desperdiçadas, e dois preciosos pontos iam escapando pelos dedos do time da casa. Mesmo no desespero a Lusa quase chegou ao gol nos acréscimos, mas já era tarde. Final de jogo: Portuguesa 0-0 Goiás. Infelizmente acho que esse resultado vai levar a Portuguesa de volta à Segundona no ano que vem. Mas como a esperança é a última que morre, ainda tenho fé que dê certo. Semana que vem a Lusa ainda joga contra o Sport em casa e fecha o campeonato contra o Cruzeiro no Mineirão. É, as terças e sextas de 2009 parecem infelizmente que serão com jogos novamente na Zona Norte paulistana.

Após o jogo fui ao QG do Pari para curtir minhas lindas sobrinhas, e já pensando na rodada do domingo. Tem time novo na Lista!

Até a próxima

Fernando

Palmeiras ganha a primeira na fase semi-final do sub-20

Fala pessoal!

Depois de muito tempo, esse final de semana foi recheado de jogos para minhas coberturas por aqui no JP. Comecei no sábado à tarde com uma partida do Campeonato Paulista sub-20 da 1ª divisão, que está na sua fase semi-final. Cheguei no metrô Barra Funda acompanhado de um verdadeiro dilúvio, e por pouco não perdi a chance de ver a partida em questão. mas como São Pedro deu uma trégua a tempo, cheguei em cima da pinta no CT do Palmeiras para o jogo entre o próprio Palmeiras e o União São João.

Cheguei correndo por lá e já fui direto para dentro do encharcado gramado do centro de treinamento alviverde, e tudo em tempo para fazer as exclusivas fotos dos times e do trio de arbitragem:


SE Palmeiras (sub-20) - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


União São João EC (sub-20) - Araras/SP. Foto: Fernando Martinez.




O árbitro Rafael Porcari, os auxiliares Mário Nogueira da Cruz e Ricardo Garcia Genaro com os capitães das equipes em foto exclusiva do JOGOS PERDIDOS. Foto: Fernando Martinez.

O jogo era extremamente importante para as pretensões das duas equipes no sub-20, já que somente o campeão do grupo passa a próxima fase, no caso a grande final. Por jogar em casa, o Palmeiras tinha que mostrar sua força para garantir os primeiros três pontos nessa fase. Após as fotos acabei indo para as arquibancadas do CT. Mas logo começou a chover novamente, então depois de algumas conversas com os seguranças de lá, consegui um lugar na parte coberta para a imprensa.



Detalhe de bola disputada pelos jogadores de Palmeiras e União São João no gramado encharcado do CT. Foto: Fernando Martinez.


Zaga do Palmeiras protegendo a bola do perigo do ataque ararense. Foto: Fernando Martinez.

Desde o começo vi um bom jogo de futebol, muito disputado e com as duas equipes mostrando o bom potencial que possuem. O União tentou colocar as manguinhas de fora no início, mas suas investidas paravam na boa defesa palmeirense. O Palmeiras mostrou ter um ataque muito bem armado e bastante perigoso, e depois de algumas chances perdidas, marcou seu primeiro gol aos 21 minutos, com a colaboração do goleiro do União São João, que falhou e viu o camisa 11 Daniel encher o pé e abrir o placar.

O União então veio para cima e criou boas chances de empatar, mas como disse antes, a zaga palmeirense tem muita qualidade e sempre chegava de forma precisa. A peleja praticamente foi definida aos 27 minutos, quando o capitão ararense foi expulso. Com um a menos, o União passou a sofrer ainda mais com o time da casa, mas o jogo foi para o intervalo com o único gol palmeirense no placar.


Zaga do time da casa tira a bola após cobrança de escanteio do União. Foto: Fernando Martinez.


Chute perigoso do Palmeiras no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez.

Com a fome batendo, no intervalo saí do CT e fui fazer um lanche numa providencial barraquinha na porta do local. Olha, degustei um dos melhores churrasquinhos de frango que já vi nos últimos tempos. Muitos espetinhos e refrigerantes depois, estava na hora da segunda etapa começar.

No segundo tempo, com o céu mais aberto, voltei às arquibancadas e vi um jogo melhor ainda para o Palmeiras. Com um a mais, e com o seu ataque altamente inspirado, o União não levou grandes perigos à meta alviverde. Logo aos 8 minutos então os anfitriões marcaram o segundo, um verdadeiro golaço. A bola foi tocada de primeira por cinco jogadores do ataque palmeirense, envolvendo completamente a defesa ararense e a pintura de jogada acabou na conclusão do jogador Souza. Golaço de primeira linha, que acabou com qualquer chance de reação do União São João.


Bola no fundo da rede do União São João no belo segundo gol palmeirense. Foto: Fernando Martinez.


Cobrança de falta ensaiada para o Palmeiras, mas que não deu muito resultado. Foto: Fernando Martinez.

Daí até o final do jogo, o União tentou, mas o Palmeiras foi quem teve as maiores chances para marcar mais e ampliar o placar. Mas no final não tivemos mais alterações: Palmeiras 2-0 União São João. Vitória importantíssima do time da casa que agora começa o returno da fase semi-final contra o mesmo União, agora jogando em Araras, buscando mais uma vitória para tentar chegar perto do líder do grupo, o São Caetano, que tem quatro pontos a mais.

Bom, e como ainda pretendia ver o segundo jogo do dia, a solução foi pegar um táxi até meu segundo jogo do sábado. Até lá...

Fernando