Procure no JP

quinta-feira, 28 de março de 2013

São Caetano vacila e empata com o XV de Piracicaba no ABC

Opa,

Após ver o duelo em campo neutro na Rua Javari na parte da tarde, a rodada futebolística continuou com outra peleja válidas pela principal série do Campeonato Paulista. Lutando contra o rebaixamento, o São Caetano recebeu o XV de Piracicaba, um dos preferidos da casa, no Estádio Anacleto Campanella em busca de sair de vez da incômoda zona de rebaixamento.

A caravana da coragem que seguiu até o ABC foi composta pelo seu Natal e pelos figuras Renato, Cosme "As You Are" e Colucci, além do Luiz, que já se encontrava por lá quando da nossa chegada. Os amigos resolveram acompanhar a peleja no meio da torcida do Nhô Quim, sempre presente em bom número em qualquer estádio de São Paulo.


Zaga quinzista afastando o perigo. Foto: Fernando Martinez.

Sem a presença do penta-campeão Rivaldo, relacionado apenas no banco de reservas, o Azulão queria vencer o segundo jogo seguido em casa querendo afrouxar um pouco a corda que está presa no pescoço há várias rodadas. Na 13ª temporada seguida na elite estadual, essa é a pior campanha da equipe e a queda está muito próxima.


Ataque do São Caetano pela esquerda. Foto: Fernando Martinez.


Torcida piracicabana presente no Anacleto Campanella. Foto: Fernando Martinez.

E o primeiro tempo da equipe foi muito bom. O São Caetano dominou completamente o onze piracicabano e chegou aos 2x0 com muita facilidade. Jael marcou o primeiro de cabeça, contando com a preciosa ajuda do goleiro Thiago Passos, aos 28 e Pedro Carmona, se aproveitando de mais uma falha do setor defensivo, fez o segundo aos 32.


Falta para o time do ABC ainda no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.

Pena que para a maioria dos 677 torcedores que pagaram ingresso o segundo tempo tenha sido completamente diferente. O XV voltou melhor, buscando desde o começo uma melhor sorte na peleja. De tanto insistir, aos 14 Pedro Paulo escorou de cabeça e colocou a bola no canto esquerdo de Fábio.


Bola de um lado, goleiro o outro: esse foi o gol de empate do XV contra o Azulão. Foto: Fernando Martinez.

O gol animou ainda mais os jogadores alvinegros e aos 34 o árbitro marcou penalidade máxima após Marcelo Soares ter sido derrubado dentro da área. Para desespero dos atletas locais, Danilo Sacramento bateu bem e empatou a peleja. O Azulão até tentou fazer uma blitz em busca do terceiro gol, mas no final o jogo terminou mesmo em São Caetano 2-2 XV Piracicaba.

Esse pontinho afastou o XV um pouco mais da zona de rebaixamento, mas não tirou o time do ABC da terrível ameaça de queda. É, amigos... A equipe está cada vez mais próxima de jogar a A2 em 2014.

Até a próxima!

Fernando

JP em mais um genial duelo em campo neutro: São Vicente x Batatais na Javari

Opa, 

Pela primeira vez no ano vamos mostrar aqui no JP um jogo do São Vicente sem a cobertura do Estevan, nosso correspondente na baixada santista. Tudo por causa de confusões pelo próprio time no jogo contra o Novorizontino. Por isso, o TJD puniu a equipe com a perda de três mandos e o primeiro deles foi cumprido em jogo válido pela 15ª rodada da fase inicial do Campeonato Paulista da Série A3

O pessoal que acompanha o JP sabe que somos simplesmente vidrados em pelejas em campo neutro e é claro que não ficaríamos de fora desse jogo do time do litoral como mandante no Estádio Conde Rodolfo Crespi. O alvinegro recebeu o favorito Batatais em busca de um triunfo para tentar desgarrar da zona de rebaixamento. 

Bom, quando cheguei na Javari para a peleja ainda faltava cerca de meia hora para o apito inicial mas logo vi que os portões ainda estavam fechados. O motivo foi que o pessoal do São Vicente "esqueceu" de trazer os ingressos, e sem o mágico pedaço de papel não tinha como fazer a venda para os torcedores presentes. 

Quem acabou resolvendo a parada foi o pessoal da administração da Javari, pois eles descolaram um motoboy ninja para trazer esses ingressos do litoral para a capital em tempo recorde. Os mesmos chegaram no estádio grená com 10 minutos de jogo já decorridos. Juro que não sei como o cara conseguiu chegar tão rápido. 

Mas como desgraça pouca é bobagem, a tarde surreal não ficou só nisso, pois quando entrei vi que não havia ambulância no local. A sorte foi que o próprio Juventus arrumou um desfibrilador não sei de onde, e como havia um médico ali, a peleja começou sem o veículo, que chegou no mesmo momento dos ingressos. Simplesmente genial! 


São Vicente AC - São Vicente/SP. Foto: Fernando Martinez. 


Batatais FC - Batatais/SP. Foto: Fernando Martinez. 


Capitães dos times junto com o árbitro Paulo Estevão da Silva e os assistentes Gustavo de Oliveira e Vitor Metestaine. Foto: Fernando Martinez. 

E a tarefa vicentina não seria nada fácil, já que o Batatais é um dos melhores times dessa A3 até aqui. Só que embora a situação dos dois seja bem distinta, no primeiro tempo ambos não jogaram bem. A peleja teve poucas emoções e foi abaixo da crítica. 


Ataque do Fantasma pelo alto. Foto: Fernando Martinez. 

O destaque mesmo ficou por conta da presença do passado e do presente do JP, caso do Victor, seu Natal e o ressurgido das cinzas Emerson, junto com o pessoal amigo que sempre marca presença nos dias atuais, como o Renato, Colucci e o Sérgio. A conversa quando junta tanta gente assim quase sempre é mais legal do que os jogos em si. 


Zagueiro vicentino cabeceando a pelota. Foto: Fernando Martinez. 


Jogada do sensacional São Vicente x Batatais pela A3 em campo neutro. Foto: Fernando Martinez. 

Com o jogo terminando no "ocho" ao final dos primeiros 45 minutos, saí do campo para fazer companhia aos amigos acompanhando o ataque do Batatais no tempo final. E a peleja melhorou demais, com o time visitante marcando pressão logo nos primeiros movimentos. 


Ataque do São Vicente ainda na etapa inicial. Foto: Fernando Martinez. 

Aos 9 minutos o Fantasma abriu o marcador com Luciano escorando cruzamento da direita. Ele mesmo fez o segundo aos 21, deixando a equipe visitante relativamente tranquila no placar. No melhor esquema "perdido por dois, perdido por dez", o São Vicente passou a chegar de forma mais incisiva dentro da área alvirrubra. 


Detalhe do camisa do Batatais, o veterano Adinam. Foto: Fernando Martinez. 

Aos 24 Negueba, um dos destaques do Esquadrão Calunga, chutou forte da direita e o veterano goleiro Adinam acabou colocando a bola para dentro das próprias redes, mas o árbitro deu o gol para o atacante alvinegro. O Batatais resolveu então recuar para garantir os três pontos e o time vicentino passou a dominar por completo a partida. 


Mais uma investida vicentina. Foto: Fernando Martinez. 

O time criou muitas oportunidades e chegou a marcar o gol de empate de novo nos pés de Negueba nos acréscimos. Ele acertou um tirambaço de longe e viu a bola bater na trave e quicar dentro do gol. Mas nem o árbitro e nem o assistente viram que a pelota realmente entrou e deixaram o lance seguir. A opinião de todos que estavam perto do lance foi de gol claro. 


Placar final na Rua Javari, em tarde especial de peleja em campo neutro. Foto: Fernando Martinez. 

Sem choro nem vela, o marcador ficou mesmo em São Vicente 1-2 Batatais. Esse pontinho perdido pela não validação do segundo gol pode fazer muita falta ao time do litoral, que luta desesperadamente para não voltar à segundona paulista um ano depois do brilhante vice-campeonato de 2012. Já o Batatais confirma que é um grande candidato a uma das quatro vagas na A2 em 2014. 

Bom, saímos da Javari no intuito de seguirmos até a cidade de São José dos Campos para o confronto entre Joseense e Itapirense, também pela A3. Só que o trânsito da capital paulista fez com que essa ideia se transformasse em pó depois de vários minutos presos no trânsito. Acabamos de última hora decidindo ir acompanhar um jogo da elite estadual. 

Até lá! 

Fernando

terça-feira, 26 de março de 2013

São José decepciona sua torcida e fica no zero com a Ferroviária

Fala, pessoal! 

No domingo passado nem dormi para ver o jogo que "completou minha coleção" com os 20 times do Campeonato Paulista da Série A2. É, pela primeira vez em todos os tempos eu consegui assistir pelo menos uma vez cada equipe participante desse certame. A jornada que durou 18 rodadas terminou no Estádio Martins Pereira, com o duelo entre São José e Ferroviária

Por já ter visto ao vivo várias vezes todos os times das três primeiras divisões do estadual, achei legal colocar esse plano de "matar" todas as equipes da A2 e A3 in loco nesse ano. A A2 foi mais fácil pois contou com a presença de três times da capital e outros três da Grande São Paulo. Só que como a tabela é montada de uma forma muito estranha, acabei levando mais tempo do que o previsto. 

Independente disso, o JP se tornou o único veículo de imprensa que mostrou com matérias (quase) exclusivas in loco de todos os 20 times ao menos uma vez. E como a A3 está na sua reta final, a meta agora é concluir o plano também naquela divisão (faltam seis times). E para essa data histórica, me aventurei sozinho pela via Dutra e sem dormir. 

Peguei o ônibus das sete e meia da matina na rodoviária do Tietê. Calculei o tempo para chegar na Capital do Vale com bastante antecedência. O trânsito estava tão sossegado que estava nas dependências do estádio às 08:40. Então fiquei ali zanzando sem rumo até chegar a hora da peleja começar. Quando o relógio marcava 15 para as 10 da matina, fui para o campo fazer as fotos oficiais. 


São José EC - São José dos Campos/SP. Foto: Fernando Martinez. 


Ferroviária F S/A - Araraquara/SP. Foto: Fernando Martinez. 


O árbitro Luciano Monteiro dos Santos, os assistentes Fabrício Porfirio de Moura e Patricia Carla De Oliveira, o quarto árbitro Filipe Buglia Cordeiro e os capitães dos times. Foto: Fernando Martinez. 

São José e Ferroviária entraram em campo com objetivos muito distintos. Enquanto a Águia queria a vitória para se aproximar de uma vaga na próxima fase, a Ferrinha queria ao menos um empate para continuar com a sua luta contra o rebaixamento. 


Bola no alto em São José x Ferroviária. Foto: Fernando Martinez. 

O que os 2.598 torcedores que pagaram ingresso e foram ao Martins Pereira não sabiam é que estavam prestes a acompanhar 90 minutos com um sem número de chances perdidas pelo time local. A equipe araraquarense conseguiu fazer um bom jogo e segurou todo o ímpeto da Águia. 


Escanteio para a Águia. Foto: Fernando Martinez. 


Chegada local pela esquerda. Foto: Fernando Martinez. 

Além da fiel torcida, o técnico Márcio Bittencourt foi ao desespero a cada chance perdida. E se no primeiro tempo a coisa já foi complicada, na etapa final ela se tornou desesperadora. A zaga grená sofreu muito com os ataques da Águia. 


Jogador joseense correndo atrás da pelota. Foto: Fernando Martinez. 


Cruzamento na área da Ferroviária no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez. 

Foi angustiante ver o sofrimento da torcida a cada oportunidade jogada no lixo. Foram chegadas pela direita, pela esquerda, pelo alto, pela entrada da área... Todas desperdiçadas. A melhor delas foi num lance em que a meta estava sem goleiro, mas mesmo assim o atacante joseense cabeceou a pelota na trave. 


Falta para o time visitante no tempo final. Foto: Fernando Martinez. 


Marcação firme do time grená. Foto: Fernando Martinez. 

O jogo poderia estar rolando até agora que o placar de São José 0-0 Ferroviária não seria alterado. O empate complicou a situação do time de São José dos Campos, pois agora o clube precisa "só" vencer o Audax, melhor time do campeonato, fora de casa. Para melhorar o panorama, a diretoria teve a "brilhante" ideia de demitir Márcio Bittencourt por telefone. 

Para a Ferroviária entretanto o empate foi comemorado como vitória, pois a equipe respira um pouco mais na luta contra a queda. Uma vitória contra o Santo André em casa e uma derrota do São Carlos para a Portuguesa deixará a equipe na A2 em 2014. 

Muito cansado, mas com o sentimento de dever cumprido, consegui uma providencial carona com o pessoal da Rede Vida (cortesia do amigo Thiago) que me trouxe rapidinho para a capital paulista. No caminho, uma resenha boa demais com o pessoal, algo que sempre é bastante terapèutico. 

Até a próxima! 

Fernando

segunda-feira, 25 de março de 2013

União São João vence o América e tenta respirar na A3

Fala, pessoal!

No último final de semana o JP esteve presente em duas partidas pelo interior do estado. A primeira foi sábado, quando assisti pela primeira vez em todos os tempos um jogo profissional do União São João na cidade de Araras. No belo Estádio Hermínio Ometto, o alviverde recebeu o sempre legal América de São José do Rio Preto em jogo da 14ª rodada do Campeonato Paulista da Série A3.


Detalhe da fachada do Estádio Hermínio Ometto, casa do União São João de Araras. Foto: Fernando Martinez.

Conferindo a extensa lista de posts do JP nesses mais de oito anos de vida, me deparei com um dado surpreendente para nossos padrões. Essa foi apenas a sétima partida que vimos na Cidade das Árvores. Pior, foi apenas a segunda num jogo do time principal do USJ, a primeira no longínquo 6 de abril de 2006 num União x Araçatuba, válido pela A2 daquele ano, em matéria do Emerson.

Depois disso, vimos uma rodada dupla com paulistas sub-15/sub-17 também de 2006 entre Rio Claro e Comercial no antigo e maravilhoso Estádio Engenho Grande (que fica dentro da Usina São João). Em janeiro de 2007 outra rodada dupla, agora pela Copa São Paulo de Juniores num grupo que contava com o time local, Corinthians, Paysandu e Fluminense/BA. Nossa última visita foi em fevereiro de 2009 com o confronto de campo neutro entre Inter de Limeira e o falecido Campinas. Após quatro anos de ausência, já estava na hora de outra matéria por lá.

A composição da caravana da coragem para essa peleja teve o Paulo Shrek nos vocais, Luiz e sua namorada Juliana nas guitarras e o Colucci no baixo. Saímos em cima da pinta da capital e horário apertado fez com que o trajeto entre São Paulo e Araras fosse feito em tempo recorde. Foi uma viagem sem paradas, com o velocímetro batendo 150 km/h em alguns trechos e lombadas totalmente ignoradas.

Estacionamos a viatura na porta do Hermínio Ometto com as duas equipes já perfiladas para a execução do Hino Nacional Brasileiro. Na base da correria monstro, fiz milagre e na base do laço consegui as imagens exclusivas das agremiações e do trio de arbitragem.


União São João EC - Araras/SP. Foto: Fernando Martinez.


América FC - São José do Rio Preto/SP. Foto: Fernando Martinez.


O árbitro Marcos de Oliveira Marcelo e os assistentes Alexandre Basilio Vasconcellos e Francisco Reginaldo Moreira junto com os capitães dos times. Foto: Fernando Martinez.

Já disse isso aqui, mas essa é a pior performance do União em todos os tempos e o rebaixamento para o limbo da segunda divisão é quase inevitável. Como o América está na parte intermediária da tábua de classificação há um bom tempo, imaginava que o time visitante era amplo favorito para a vitória.


Zaga do América e a forte marcação do União. Foto: Fernando Martinez.

Mas nada disso aconteceu quando a bola começou a rolar no gramado do Hermínio Ometto. O time local fez sua melhor apresentação no certame e, contando com a tarde nada inspirada dos americanos, jogou muito melhor. Logo aos 13 minutos o União abriu o placar com o chute de longe de Bismaque.


Cruzamento para dentro da área americana. Foto: Fernando Martinez.

O América tinha mais posse de bola e chegava bem perto da área do alviverde, mas o goleiro Carlos Carioca trabalhou pouco, fazendo apenas defesas burocráticas com os fracos chutes a gol. O União chegou perto de marcar o segundo ainda nesse tempo inicial, mas o primeiro tempo chegou ao seu final com o solitário gol local.


Bola esticada no ataque local. Foto: Fernando Martinez.

Nesse intervalo fui andar um pouco pelo campo de jogo, pois na única vez que havia estado ali, vi o jogo apenas das arquibancadas. O Hermínio Ometto é um estádio bem legal, com certeza um dos mais bonitos do interior. Hoje contando com a capacidade de 16 mil pessoas, o local foi inaugurado em 18 de maio de 1988 no empate do União com o Botafogo de Ribeirão Preto em 1x1.


Escanteio para o time ararense. Foto: Fernando Martinez.

Apesar de toda essa grandiosidade, muitos garantem que o começo da queda de público em jogos do USJ começou justamente com essa inauguração. Nos tempos em que a equipe jogava no Estádio Engenho Grande, o campo estava quase sempre cheio, e o fato do estádio novo ser tão longe do centro acabou se tornando responsável pelo desaparecimento da torcida. Tirando jogos com os grandes, realmente nunca vimos um público sensacional nos jogos da equipe no campo novo.


Ataque do alviverde pelo alto no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez.


Ataque local pela esquerda. Foto: Fernando Martinez.

Falando disso, apenas 90 testemunhas pagaram ingresso para esse jogo de sábado. Menos mal que esse minguado público tenha tido uma pequena alegria com a boa apresentação do União. No segundo tempo o panorama não se alterou e a peleja continuou com os donos da casa jogando melhor. Os heroicos torcedores americanos presentes por lá reclamaram bastante da pífia atuação da equipe alvirrubra.


O União foi melhor durante todo o jogo, atacando principalmente pela esquerda. Foto: Fernando Martinez.


Osmar, ex-Palmeiras, mandando um fucks pra torcida ao tomar um xingamento após sua substituição. Foto: Fernando Martinez.

Apesar do melhor futebol, a equipe ararense vencia "apenas" por 1x0, resultado perigossímo. O time teve boas oportunidades para ampliar mas não o fez. Acompanhando o ataque do União, estava na boa com a temperatura em Araras: extremamente agradável e sem calor. Acompanhar o jogo de dentro do gramado num tempo assim é sempre muito bom.


O América até chegou perto da área local, mas os atacantes estavam em péssimo dia. Foto: Fernando Martinez.

O jogo foi se aproximando do seu fim com o América buscando o empate de forma totalmente desordenada e com o onze local se aproveitando da chance do contra-ataque. E no último minuto, o União conseguiu encaixar uma jogada perfeita e Joãozinho fez o segundo. Ele avançou por todo o campo defensivo americano livre de marcação, tirou do goleiro e tocou calmamente para o fundo das redes.


Joãozinho se preparando para chutar a fechar a vitória do União. Foto: Fernando Martinez.


A comemoração do camisa 11 pelo seu belo gol. Foto: Fernando Martinez.

Final de jogo: União São João 2-0 América. O triunfo não tirou o USJ da lanterna, mas pelo menos dá um alento na luta contra o provável rebaixamento. Com nove pontos, a equipe fica a cinco de sair do Z4. O América continua com 18, e quatro atrás do oitavo colocado, hoje a Itapirense. Faltam cinco jogos para cada equipe.

Sem a urgência para chegarmos logo em São Paulo, fizemos uma viagem de volta completamente na boa, curtindo cada momento das belas paisagens do estado. Se tivesse como, viajaria todo final de semana para acompanhar algum jogo no nosso interior. Como isso não tem como acontecer por uma série de fatores, curto demais cada viagem que faço.


Belíssimo entardecer na cidade de Araras... Como é bom ver jogo no interior paulista! Foto: Fernando Martinez.

Cheguei na capital bandeirante tarde, e resolvi não dormir para não perder a rara chance de "completar a coleção" de times da A2 nesse ano de 2013. Com mais uma viagem na bagagem, fiz algo poucas vezes feito por essas bandas...

Até lá!

Fernando

sábado, 23 de março de 2013

São Caetano deixa a lanterna do Paulistão

Opa,

Depois de Palmeiras x Botafogo, acompanhei no dia seguinte outro jogo da 13ª rodada do Campeonato Paulista 2013. Na minha terceira peleja sulsancaetanense no ano, fui ver o encontro do lanterna São Caetano contra o Ituano, time que inexplicavelmente não via ao vivo há quase cinco anos.

De 1999 até 2008 vi a equipe ituana pelo menos uma vez a cada temporada, a maioria em jogos válidos pelos Brasileiros das Séries B e C. Mas desde que foi lanterna (e rebaixado) na segunda divisão nacional em 2007, nunca mais tinha visto o time principal do Ituano. Além de tudo isso, não dá pra negar também que ver o penta-campeão Rivaldo vestir a camisa do Azulão é algo bastante interessante.


Times do São Caetano e do Ituano perfilados para o Hino Nacional Brasileiro. Foto: Fernando Martinez.

Com todos esses fatores, a minha presença no Estádio Anacleto Campanella se fazia obrigatória. Para esse jogo, tive a companhia dos amigos Luiz e Ricardo, este felicíssimo com sua nova carteirinha de imprensa. Fomos para a parte coberta do estádio ver o que poderia ser o jogo da esperada recuperação do Azulão.

A equipe do ABC começou a disputa do campeonato com o pé direito ao vencer o Sorocaba fora de casa na estreia. Mas depois disso a equipe conseguiu a "proeza" de somar 11 jogos sem vitória. Os míseros seis pontos fizeram o time ocupar a lanterna do certame por várias rodadas, e se não quiser voltar para a A2, campeonato que não disputa desde 2000, o São Caetano precisa acordar logo.


Ataque do time visitante no começo da peleja. Foto: Fernando Martinez.

E o Ituano, que está se aproximando da zona de rebaixamento, acabou sofrendo com a sede de vitória do time local. Em menos de 20 minutos, o São Caetano já tinha feito 2x0 no placar. Tudo bem que os dois gols, o primeiro aos 3 com Jael "o Cruel" e o segundo aos 19 com Éder, nasceram de chutes que desviaram no caminho e enganaram o goleiro Vágner. Como eles tem o mesmo valor, a torcida pode fazer sua festa.


Mais um ataque do Ituano, agora no tempo final. Foto: Fernando Martinez.

O time visitante fez apenas uma pressão burocrática e não teve sorte nas suas investidas. O Azulão jogou na boa e no tempo final chutou uma bola na trave com Pedro Carmona aos 27 e fechou o marcador com um belo gol de Danielzinho aos 40 minutos. Destaque para a entrada de Rivaldo nos trinta minutos finais da peleja.


Rivaldo tomando um susto com a presença de atletas do Ituano. Foto: Fernando Martinez.

Final de jogo: São Caetano 3-0 Ituano. Foi a maior vitória do Azulão no estadual em quase dois anos. Com o triunfo, a equipe deixou a lanterna e agora sonha com a salvação ao final das 19 rodadas. Para o time de Itu, atenção se volta para tentar ficar longe da zona de rebaixamento.

Bom, na saída demos sorte e pegamos um táxi na porta do estádio que nos deixou na estação de trem em cerca de 10 minutos, Dali chegar em casa foi super rápido e finalmente pude descansar, mas já com a mente voltada para uma nova mudança de QG em breve e para a rodada interiorana do sábado e domingo.

Até lá!

Fernando

sexta-feira, 22 de março de 2013

JP no Pacaembu para Palmeiras x Botafogo

Opa,

Mostrando novamente que não é só de futebol "perdido" que vivemos, fui mais uma vez ao Estádio Paulo Machado de Carvalho no meio da semana para um joguinho válido pela divisão principal do Campeonato Paulista. No abençoado horário das 7 e meia da noite, o Palmeiras recebeu o Botafogo de Ribeirão Preto pela 13ª rodada da interminável primeira fase.

Além de completar uma rodada dupla alviverde, o jogo valeu para a Pantera estrear seu belíssimo terceiro uniforme. Depois de fazer uma camisa homenageando o Doutor Sócrates em 2012, nesse ano a diretoria marcou um golaço ao fazer uma camisa que remete à conquista da Liga Ribeirão-Pretana de 1945. Já virou meta ir atrás de uma camisa dessas para a minha humilde coleção.


Mesmo de longe, vale o registro da belíssima camisa do Botafogo. O terceiro uniforme estreou nessa peleja. Foto: Fernando Martinez.


Também de longe, o quarteto de arbitragem e capitães dos times. Foto: Fernando Martinez.

E mesmo sendo uma peleja até certo ponto "comum" para os olhares mais alternativos dos amigos do JP, um quórum respeitável se fez presente no Pacaembu para acompanhar o duelo. Além do Matheus, devidamente instalado nas numeradas, um seleto grupo de notáveis composto pelo Mílton, Renato, Colucci, Luiz (e sua namorada Juliana) e o rei dos chats de namorados, Cosme As You Are (com a sua senhora a tiracolo), estava no setor destinado à torcida botafoguense.

Todos ali estavam comemorando a boa campanha da equipe interiorana, que busca uma vaga nas quartas do certame e também um lugarzinho no Brasileiro da Série D (são duas vagas destinadas para times paulistas). Com apenas duas derrotas até então, o time entrou em campo buscando surpreender o alviverde no seu centésimo jogo como mandante fora do saudoso Palestra Itália.


Jogadores em campo para mais um jogo do Paulistão 2013. Foto: Fernando Martinez.

Só que o onze tricolor não foi nada bem e viu o Palmeiras tomar conta do jogo sem maiores dificuldades. Logo no quinto minuto o goleirão Rafael deu sua colaboração para a noite ruim engolindo um frangaço. O atacante Leandro chutou forte de longe e o arqueiro não conseguiu fazer a defesa.


Escanteio para o Botafogo. Foto: Fernando Martinez.

Mas o jogo foi fraco e os pouco mais de 4 mil torcedores palestrinos que foram ao Pacaembu não tiveram tantos motivos para comemoração. já que o primeiro tempo terminou com esse gol isolado. Menos mal para os locais que logo no segundo minuto do tempo final o segundo gol aconteceu, novamente com o atacante Leandro, deixando a peleja mais tranquila.


Outra bola alçada na área palmeirense no tempo inicial. Foto: Fernando Martinez.

Daí para frente vimos um jogo sem sal e sem inspiração, uma tônica nessa primeira fase do campeonato paulista. Nós podemos dizer que a séries A2 e A3 tem partidas muito mais emocionantes do que os confrontos da "elite" estadual. Na verdade, já passou da hora da fórmula da A1 ser alterada... E outra, 20 times é muita coisa.


O Botafogo perdeu sua terceira partida nesse Paulistão. Foto: Fernando Martinez.

Final de jogo: Palmeiras 2-0 Botafogo. A vitória palmeirense manteve a equipe de forma tranquila no G8 do certame. A Pantera também permaneceu lá e se nenhuma tragédia acontecer irá se classificar para a próxima fase do campeonato. se seguir com essa boa campanha, o sonho da voltar ao nacional também irá virar realidade em breve.

Saindo do estádio rumamos novamente para a famosa padoca na Doutor Arnaldo para o lanche da noite. Digamos que todo o percurso até o estabelecimento foi digno de filmes do Fellini, tamanha a surrealidade do que presenciamos com ações de alguns dos figuras presentes. Valeu para ficar com o bom astral em dia.

Até a próxima!

Fernando