Procure no JP

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Velo Clube chega à zona de classificação da Segundona

Olá,

No último final de semana foi disputada a décima primeira rodada da primeira fase do Campeonato Paulista da Segunda Divisão e, por conta disso, no domingo pela manhã, fui até a cidade de Sumaré para acompanhar a partida Sumaré A.C. x A.E. Velo Clube Rioclarense, que foi disputada no Estádio Vereador José Pereira, valendo pelo Grupo 3 da competição.

Essa partida era de suma importância para os dois times, pois a conquista da vitória pelo Sumaré ainda o deixaria com chances matemáticas de chegar à segunda fase. Pelo lado do Velo Clube, a conquista dos três pontos o colocaria no G4 do seu grupo, aumentando suas chances de prosseguir no campeonato. Mesmo com toda essa importância, o público não prestigiou o espetáculo, uma vez que somente 32 torcedores pagaram ingresso.

Cheguei ao estádio com tempo suficiente para conversar com pessoas ligadas às duas equipes, falando sobre o momento atual e os projetos que estão sendo bolados. Depois de muito papo, fui para o gramado para fotografar os participantes da partida, cujas fotos apresento abaixo:


Sumaré A.C. - Sumaré/SP. Foto: Orlando Lacanna.


A.E. Velo Clube Rioclarense - Rio Claro/SP. Foto: Orlando Lacanna.


O árbitro Lucenílton Ferreira, os assistentes Marco Antônio Bagatella e Maurício Alexandrino e o quarto árbitro Roberto Pinelli junto com os capitães dos times. Foto: Orlando Lacanna.

Tão logo o árbitro autorizou o início da partida, as duas equipes se lançaram à luta, demonstrando empenho em conseguir a posse de bola, tornando a partida bem movimentada.


Disputa acirrada pela posse de bola no início da partida. Foto: Orlando Lacanna.

O primeiro lance mais agudo foi criado pelo Sumaré, aos 8 minutos, numa jogada de Vinícius pela direita, mas o avante se precipitou e concluiu sem ângulo para fora. Com o passar do tempo, a melhor condição técnica do Velo Clube foi aparecendo e não demorou muito para a equipe de Rio Claro abrir o placar. O gol foi marcado pelo avante Marcelo, aos 13 minutos, desviando de cabeça um cruzamento de Mário em cobrança de falta pelo lado esquerdo.


Bola balançando a rede do Sumaré no primeiro gol do Velo Clube. Foto: Orlando Lacanna.

Dois minutos após o gol inaugural, o mesmo Marcelo colocou uma bola no travessão da meta defendida por Danilo do Sumaré. O domínio do Velo Clube foi se acentuando cada vez mais, sendo que aos 22 minutos, o placar foi aumentado, agora num gol anotado por Vandré.


Ataque pelo alto do Velo Clube no primeiro tempo. Foto: Orlando Lacanna.

Inferiorizado no placar, o Sumaré procurou, mesmo com dificuldades, sair mais para o ataque visando diminuir a diferença e, dessa forma, conseguiu apertar a defesa velista somente aos 39 minutos, numa jogada de Fábio que acabou chutando torto e perdeu a chance. Após esse lance, nada de mais importante aconteceu até o término da primeira etapa e o Velo Clube levou para o intervalo a vantagem de 2 a 0 sem maiores dificuldades.


Zaga sumareense interceptando mais um ataque do Velo Clube. Foto: Orlando Lacanna.

Na segunda etapa o jogo caiu muito de ritmo até os primeiros vinte minutos, pois o Velo Clube assumiu uma posição mais defensiva com o claro objetivo de atrair o Sumaré para o campo de ataque, visando pegá-lo nos contra-ataques. Acontece que o Sumaré não demonstrava vocação para o ataque e o Velo Clube ficava tocando bola no meio-de-campo e, nessa toada, a partida ficou monótona.


Cruzamento na área do Sumaré na segunda etapa. Foto: Orlando Lacanna.

A partir do vigésimo minuto, o Velo Clube voltou a forçar as jogadas ofensivas, criando pelo menos dois bons momentos que poderiam ter sido concretizados em gol, como aconteceu aos 20 e 23 minutos em jogadas de Éverton e César que acabaram falhando nas finalizações.

Mesmo sem muito esforço, o Velo Clube chegou ao seu terceiro gol, aos 35 minutos, através de Éverton num chute cruzado da direita. Com a larga vantagem de três gols, os visitantes ficaram tocando bola, só aguardando o apito final.


Goleiro Danilo do Sumaré desviando cruzamento do ataque velista. Foto: Orlando Lacanna.

Fim de jogo com o placar indicando Sumaré 0 - 3 Velo Clube que eliminou qualquer chance de classificação dos anfitriões e colocou os visitantes na zona de classificação, na quarta colocação com 15 pontos e com um pé dentro da próxima fase.

Depois do apito final, iniciei o meu retorno a São Paulo, mais uma vez via Campinas e com aquela carona especial do amigo Luciano Claudino, com o objetivo de chegar rápido para desfrutar de um belo almoço de domingo e assistir a decisão da Copa das Confederações pela telinha. Foi isso.

Abraços,

Orlando

Mais uma vitória santista pelo Paulista Feminino

Opa,

Nesse último final-de-semana tínhamos 614 opções, mas 98% delas no sábado à tarde, mostrando uma concentração de jogos em horários iguais extremamente irritante. Então tive que optar por apenas um jogo para cobertura aqui do JP, e acabei escolhendo um dos mais perdidos. Segui na fria tarde paulistana para o Estádio Conde Rodolfo Crespi, para um jogo do sub-estimado Campeonato Paulista Feminino. Lá iriam jogar o tradicional Juventus contra o atual campeão da Copa do Brasil, o Santos FC.

Cheguei cedo e logo adentrei o histórico gramado grená. E toda vez que entro lá, sinto uma verdadeira volta ao passado, e tento voltar a um tempo que não vivi, aonde times geniais e partidas históricas se fizeram presentes no gramado da Rua Javari. Bom, mas viagens à parte, agora seguem as fotos oficiais do jogo, exclusivas do JP:


CA Juventus (feminino) - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


Santos FC (Feminino) - Santos/SP. Foto: Fernando Martinez.


Trio de arbitragem da partida com a amiga Aline Lambert e as capitãs das equipes. Foto: Fernando Martinez.

Falando um pouco do que rola no Paulista Feminino, os dois times do jogo do sábado estão no grupo 2 da competição. Mas fazem campanhas extremas. O Santos tinha marcado 22 pontos de 24 possíveis, era o time com mais vitórias, melhor ataque e melhor defesa do Paulista até ali. O Juventus tem a segunda pior campanha, com apenas 1 ponto ganho em 27 disputados, tendo sofrido 33 gols nessas nove partidas. Vitória segura para o Santos, certo?

Não tão certo assim, pois o Juventus espantou o retrospecto desfavorável e mostrou os dentes para as Meninas da Vila no começo do jogo. O time da Mooca fez uma partida completamente equilibrada com a equipe alvinegra, e o jogo foi muito disputado.


Boa chance do Juventus no bom primeiro tempo que o time fez contra o Santos. Foto: Fernando Martinez.

O time santista, apesar da superioridade da equipe não conseguia chegar com perigo, e o Juventus marcava bem demais, talvez fazendo sua melhor partida no Paulista até aqui. E da beira do gramado, estava curtindo ver o jogo, muito movimentado e melhor do que pensei.


Um dos ataques santistas no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.

Com o primeiro tempo chegando ao seu final, o empate parecia que seria o placar para o intervalo. Mas aos 41 minutos, o Santos chegou ao seu gol numa infelicidade da goleira Camila, do Juventus. A camisa 10 santista Maurine cobrou escanteio para defesa fácil. Mas a camisa 1 grená acabou tentando dar um soco na bola e colocou para dentro do próprio gol.

E mesmo de forma injusta, o jogo foi para o intervalo com a vantagem parcial de 1x0 para as Meninas da Vila. Aproveitei então a chuva que caía forte na Javari e fui ler um pouco de uma ótima biografia do Frank Zappa, adquirida baratinho na sexta-feira. Mesmo para quem não é Zappamaníaco vale a pena. Ah, você não sabe quem é Frank Zappa? Hmmm, sugiro uma boa dose de músicas do mestre para poder curar esse problema.


Saída de bola para o ataque grená. Foto: Fernando Martinez.

Página vai, página vem, a chuva ainda caía e o segundo tempo estava pronto para começar. Mas desde os primeiros movimentos da bola deu para perceber que o Juventus sentiu o gol e as forças para tentar um bom resultado acabaram. E o Santos, com o ótimo time que tem, passeou no gramado da Javari.


Um bom chute interceptado pela zaga juventina no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez.

Aos 7 minutos a jogadora Pikena marcou o segundo, com um toque por cobertura perfeito. O time santista criava, mas deixava a partida em banho-maria. O terceiro gol só veio aos 35 minutos, com a camisa 40 Thaís. E para fechar a goleada, Pâmela marcou mais um aos 42 minutos.

Final de jogo: Juventus 0-4 Santos. O time santista fica mais líder do que nunca e o Juventus continua sua sina na competição. O time praiano já está classificado para a Segunda Fase da competição e joga até o fim da primeira fase para garantir o primeiro lugar do grupo, colocação que só o Corinthians ainda pode roubar.

O verdadeiro problema do dia só começou com o apito final: como ir embora da Javari com a chuva que caía em São Paulo. Mesmo me molhando bastante, corri até o ponto de ônibus para ir a um metrô. Dali segui até meu lar doce lar para ficar morgando no sábado à noite. E tanta morgação me roubou o ânimo para ver algo no domingo... agora só semana que vem!

Até a próxima!

Fernando

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Votoraty Campeão Paulista da Série A3 2009

Olá,

Mais um campeonato de acesso promovido pela FPF chegou ao fim e, como tem sido habitual, o JOGOS PERDIDOS se fez presente em mais uma decisão de título. Vale lembrar que o blog não aparece apenas nas decisões, pois acompanha "in loco" vários jogos ao longo da competição.

Como no último domingo pela manhã, aconteceu o jogo de volta da decisão do Campeonato Paulista da Série A3, lá fui eu novamente em direção ao interior paulista, sendo que dessa vez o meu destino foi a cidade de Votorantim, mais precisamente o Estádio Domênico Paolo Mettidieri, palco da realização do confronto entre o Votoraty F.C.L. contra o G.E. Osasco L., que envolveu duas equipes recém criadas.

Ao chegar no estádio, fiquei surpreso com a quantidade de pessoas que estavam indo ver o jogo, pois em Votorantim o público normalmente não é dos maiores. Foram formadas duas enormes filas de torcedores para ingressarem no estádio, que ficou lotado. Lá dentro ouvi comentários que várias pessoas teriam ficado de fora. Depois do credenciamento, fui para o interior do gramado para fazer as fotos oficiais da partida, as quais estão abaixo:


Votoraty F.C.L. - Votorantim/SP. Foto: Orlando Lacanna.


G.E. Osasco L. - Osasco/SP. Foto: Orlando Lacanna.


O árbitro Wilson Luiz Seneme (FIFA), os assistentes Marcos Joel Alves e Alex Alexandrino e o quarto árbitro Welton Orlando Wohnrath posam junto com os capitães das duas equipes. Foto: Orlando Lacanna.


Troféus de Campeão e Vice-Campeão. Foto: Orlando Lacanna.

A partida de ida (também com a presença do JP), aconteceu há uma semana na cidade de Osasco e apresentou a vitória do time da Grande São Paulo pela contagem mínima. Diante disso, os visitantes levavam a vantagem do empate, enquanto que para os donos da casa, uma vitória simples era suficiente para ficar com o título, por conta da melhor campanha realizada ao longo do campeonato.

Bem, agora falando do jogo do domingo, o que se viu nos primeiros minutos foi o Votoraty atacando e o Grêmio Osasco mais plantado no seu campo de defesa, esperando o momento certo para encaixar um contra-ataque, como aconteceu aos 13 minutos, numa roubada de bola de Geninho que lançou o zagueiro Mendes, exigindo uma saída providencial do goleiro Juliano que salvou chutando a bola para fora.


Tentativa de ataque do Votoraty no início da partida. Foto: Orlando Lacanna.


Saída providencial do goleiro Juliano do Votoraty. Foto: Orlando Lacanna.

A resposta do Votoraty veio três minutos depois, numa cabeçada perigosíssima de Rafinha que acabou passando muito perto, assustando a torcida osasquense. A partida seguia num ritmo forte, com as duas equipes mostrando um empenho incrível, fazendo com que o tempo passasse muito depressa e, nessa toada, os ataques iam se alternando, tanto que, na marca dos 34 minutos, o meia Mineiro do Grêmio Osasco assustou a torcida local com um chute forte da intermediária que levou perigo à meta defendida por Juliano.


Cruzamento do ataque osasquense neutralizado por Juliano. Foto: Orlando Lacanna.

O troco não demorou muito a acontecer, pois aos 39 minutos, o Votoraty foi com perigo ao campo de ataque pela direita, numa escapada de Paulo Krauss, culminando com a conclusão do avante Neizinho, com a bola sendo desviada pelo zagueiro Flávio praticamente em cima da linha fatal.

A primeira etapa se encaminhava para o final, quando, na marca dos 42 minutos, o meia Rafinha inaugurou o placar a favor do time de Votorantim, ao concluir com perfeição uma bola recebida de Paulo Krauss através de um cruzamento da direita, que a zaga visitante não conseguiu cortar. Festa da torcida local.


Lance de ataque do Votoraty no interior da área do Grêmio Osasco. Foto: Orlando Lacanna.

Mesmo em desvantagem no placar, o Grêmio Osasco não se entregou e foi em busca do empate, que quase aconteceu aos 46 minutos, num chute cruzado de João Paulo com a bola se chocando contra o suporte de sustentação da rede. Logo em seguida, o árbitro encerrou a primeira etapa, com a vantagem mínima a favor do time da casa.

Durante o intervalo, fiquei conversando com os repórteres e fotógrafos presentes e a tônica da conversa foi a capacidade de público atual do estádio, que não atende as exigências da FPF para disputar a Série A2. O pessoal da imprensa local demonstrou preocupação, pois não haveria nada de concreto com relação a construção de um novo estádio e, o atual não tem espaço para ampliação. Apurei que haveria uma reunião nos próximos dias entre a Diretoria do Votoraty e representantes da Prefeitura para discutirem o assunto. Vamos aguardar os acontecimentos.

Voltando ao jogo, a etapa final começou e, com menos de um minuto, o Grêmio Osasco deu um baita susto nos torcedores locais, num lance que nasceu na direita com João Paulo cruzando para a área e, quando Dedé se preparava para concluir, apareceu o zagueiro Ednei e acabou com o perigo que rondava a meta da sua equipe.


Lance de ataque do Grêmio Osasco no início do segundo tempo. Foto: Orlando Lacanna.

Depois do primeiro lance mais agudo do Grêmio Osasco, as equipes passaram a se alternar nas jogadas ofensivas, sendo que a mais perigosa delas ocorreu na marca dos 26 minutos, quando o bom goleiro Leandro dos visitantes praticou um verdadeiro milagre, evitando o segundo gol do Votoraty, em jogada com as participações de Rodolfo e Rafinha. Dois minutos após, o meia Geninho do Grêmio Osasco foi expulso de campo por ter recebido o segundo cartão amarelo e, com isso, a missão do time osasquense ficou ainda mais difícil.

Com um atleta a mais, o Votoraty foi com tudo para o ataque com o objetivo de liquidar a fatura, tendo quase conseguido o seu segundo gol, aos 34 minutos, num chute cruzado de Rodolfo que beijou o poste esquerdo de Leandro. Na jogada seguinte, novamente o goleiro osasquense, evitou o gol em jogada de Paulo Krauss.


Mais um lance de ataque do Votoraty durante o segundo tempo. Foto: Orlando Lacanna.

Mesmo com um homem a menos, o Grêmio Osasco não se entregou e foi à luta, tanto que, aos 36 minutos, levou perigo ao goleiro Juliano, numa jogada de Rogerinho iniciada na ponta-direita, que acabou num arremate perigoso de Dedé, com a bola indo para fora, passando rente ao poste direito. Essa foi a última chance do time visitante.


Rogerinho iniciando último ataque osasquense. Foto: Orlando Lacanna.

A torcida local já comemorava a vitória e o título, quando aos 41 minutos, a alegria aumentou ainda mais, com a marcação do segundo gol anotado mais uma vez por Rafinha, liquidando com qualquer possibilidade do adversário colocar em risco a conquista do título.

A partida seguiu por mais alguns minutos e o árbitro apitou pela última vez, com o placar final de Votoraty 2 - 0 Grêmio Osasco que deu o título ao time de Votorantim, representando a primeira conquista da agremiação na sua curta trajetória. Agora é resolver a questão do estádio e disputar o segundo campeonato em importância do futebol paulista e tentar chegar à elite. Quanto ao Grêmio Osasco, a conquista do Vice-Campeonato também é muito importante, principalmente se for levado em conta que o time ainda não completou dois anos de existência. Juntamente com essas duas agremiações, o PAEC e o Osvaldo Cruz também disputarão a Série A2 em 2.010.


Comemoração dos atletas do Votoraty ainda no gramado. Foto: Orlando Lacanna.


Grêmio Osasco e o troféu pelo Vice-Campeonato. Foto: Orlando Lacanna.

Tão logo a partida foi encerrada, teve início a comemoração entre os atletas no interior do gramado, culminando com a entrega das medalhas e do troféu que simbolizaram a grande conquista. Não faltou a tradicional volta olímpica. Deixo aqui meus cumprimentos aos atletas, dirigentes, comissão técnica e torcedores do Votoraty pela importante conquista.


Agora o Votoraty com o troféu de Campeão. Foto: Orlando Lacanna.


Tradicional volta olímpica dos Campeões. Foto: Orlando Lacanna.


Roda de oração com o troféu e a mascote do time ao centro. Foto: Orlando Lacanna.

Jogo encerrado e aquela correria para chegar na casa de familiares em Guarulhos, para desfrutar de um almoço especial à base de bacalhau e vinho. Foi isso.

Abraços,

Orlando

1500º jogo do JP e empate morno em Mogi das Cruzes pela Segundona

Opa,

Depois do bate-volta São Paulo/Ribeirão Preto na sexta-feira, no sábado passado resolvi ficar perto e ver um jogo do Grupo 5 do Campeonato Paulista da Segunda Divisão. Chamei o seu Natal e fomos até a cidade de Mogi das Cruzes, para ver no Estádio Francisco Ribeiro Nogueira o jogo entre o Mogi das Cruzes e o tradicionalíssimo time do Taubaté, se aventurando pela última divisão pela primeira vez em sua história. O mais legal é que esse jogo foi o 1500º jogo com post in loco do JP em sua história! Isso em pouco menos de cinco anos no ar e com a ajuda de muita gente... e esperamos que logo possamos chegar no jogo 2000!

Graças a uma logística corrida, provavelmente não daria tempo de chegar para as fotos oficiais da partida. Mas pilotando como um verdadeiro ás, o seu Natal deu um gás na estrada e chegamos ainda com bastante tempo para os registros. E eles seguem aqui, novamente de forma exclusiva:


Mogi das Cruzes FCL - Mogi das Cruzes/SP. Foto: Fernando Martinez.


EC Taubaté - Taubaté/SP. Foto: Fernando Martinez.


O árbitro Claudinei Forati Silva, os assistentes Anderson Jose de Moraes Coelho e Douglas Pereira Lopes e o quarto árbitro André Pereira Monteiro junto com os capitães dos times. Foto: Fernando Martinez.

Esse jogo era imperdível para mim pois dois times com origens e história bem diferentes estavam em campo. O time da casa foi fundado como um clube empresa apenas em 2004, e disputou apenas três campeonatos da Segunda Divisão, de 2005 até 2007. Do outro lado, o genial Taubaté, time quase centenário e que já roda pelas divisões de acesso desde os anos 40, inclusive tendo disputado por 14 vezes o nível principal do estado.

Mas nessa Segunda Divisão 2009, os dois times tinham o mesmo número de pontos até o começo da partida. Apesar do Taubaté ter um jogo a menos, o time não poderia perder a partida, já que esse Grupo está embolado, e somente o União Suzano (infelizmente como sempre) não tem mais chances de classificação.


Chegada do time do Mogi pela direita, com a marcação da zaga do Taubaté. Foto: Fernando Martinez.

E para o primeiro tempo fui para o ataque do time da casa ver o jogo de dentro do gramado. E o Taubaté teve mais posse de bola, mas pecava nas finalizações. O time do Mogi chegou poucas vezes ao ataque, e criou mesmo só uma boa chance de gol nos primeiros 45 minutos.


A bola escapa de atacante do Mogi, em ataque pela esquerda. Foto: Fernando Martinez.

O mais doido da primeira etapa foi que o gandula que ficou por ali me reconheceu dos tempos do saudoso quadro na RedeTV! e ainda por cima lembrou do meu maior apuro em estádio, que passei lá mesmo em Mogi no longínquo 2006. Ô memória boa, hein ?!


Uma das boas chances do Mogi neutralizada pela zaga taubateana. Foto: Fernando Martinez.

E também foi legal ver que um dos membros da comissão técnica do Taubaté provavelmente tem parentesco com o David, pois ele ficou dando orientações para o goleiro visitante com um pequeno "delay" no tempo de jogo. Eram 37 minutos e ele já contava que estávamos nos 45! O David realmente faz escola. E com tudo isso, o jogo chegou ao seu intervalo sem abertura do placar.


A melhor chance do Mogi no primeiro tempo, em bola que encobriu o goleiro, mas muito acima do esperado. Foto: Fernando Martinez.

No intervalo fui tentar comprar algo para beber numa barraca dentro do estádio. Tudo bem que cerca de 216 pessoas foram atendidas antes de mim, mas isso sempre faz parte. Nesse intervalo também conversei um pouco com o amigo Bruno Lemes, que agora faz a reportagem de campo para uma rádio de Taubaté. Muita conversa sobre o futuro e passado do time, que tenta a todo custo voltar à Série A3 em 2010.

E das arquibancadas resolvi ver a segunda etapa, mas algo me dizia que esse jogo não teria gols. Impressão que também o seu Natal tinha. Mas ao ver o Taubaté indo com tudo pra cima do time da casa desde os primeiros momentos do tempo final talvez estivéssemos errados. Mas olha, o dia não era mesmo para bola na rede, e o Taubaté desperdiçou um rosário de oportunidades.


Disputa de bola sob olhar atento da torcida do Taubaté presente em Mogi das Cruzes. Foto: Fernando Martinez.

O Burro da Central dominou o jogo por completo, com o Mogi nem passando do meio de campo. Só que a equipe precisa melhorar demais suas finalizações caso queira disputar com boas condições o acesso. E teve boa chance de passar à frente do placar quando a arbitragem marcou pênalti em cima de Thiago Furtuoso. Na cobrança, o jogador Sandro fez o mais difícil e chutou na trave.


Lance do pênalti perdido pelo Taubaté no segundo tempo, notem a bola lááá no alto. Foto: Fernando Martinez.

Mas a chance mais absurda perdida pelo time veio numaq bola enfiada, em que dois jogadores saíram livres, só com o goleiro. O mesmo Thiago Frutuoso perdeu a primeira, mas a bola sobrou livre para Pedro Hugo, que sem goleiro esperou a zaga se recompor para tirar em cima da linha. Olha, poucas vezes vi gol perdido tão absurdo.


No massacre do final do jogo, o Mogi só tirava a bola de dentro da área, como nesse lance. Foto: Fernando Martinez.

O domínio foi aumentando, mas o dia não era mesmo do Taubaté, que viu a chance preciosa dos três pontos num jogo fácil ir pelo ralo. Só nos acréscimos o Mogi teve a primeira chance de gol, e quase que ainda marca, com o atacante Johnny chutando de longe para grande defesa do goleiro do Burro da Central.

Mas no final, a previsão do pessoal do JP estava mesmo acertada: Mogi das Cruzes 0-0 Taubaté. Com esse resultado, os dois times ficam com 14 pontos, dois pontos acima da zona de classicação. Mas o Grupo está embolado, e tudo pode rolar até o final da primeira fase.

Após o jogo então voltamos, cansados e com sono, por estrada e avenidas de São Paulo para poder chegar em casa e passar o resto do sábado só na boa.

Abraços

Fernando

terça-feira, 23 de junho de 2009

Lemense continua como o único invicto da Segundona

Olá,

Dando início a mais um final de semana futebolístico com cobertura do JOGOS PERDIDOS, no sábado à tarde, rumei até a cidade de Paulínia, indo ao Estádio Luiz Perissinotto, para acompanhar a partida Paulínia F.C. x C.A. Lemense, válida pela décima rodada da primeira fase do Grupo 3 do Campeonato Paulista da Segunda Divisão.

Fui conferir essa partida cheio de expectativa, pois estaria em ação a única equipe invicta na competição, depois de nove rodadas, no caso o time do Lemense, que iria enfrentar o vice-líder da chave, o Paulínia, que até então havia sido derrotado apenas uma vez ao longo do campeonato, justamente pelo time de Leme e, sendo assim, esse confronto poderia ser a chance de devolver o único revés.

Chegando ao meu destino, tive a grata satisfação de observar que foi construído um novo lance de arquibancada de concreto, num claro sinal de que a direção do clube local está preocupada em aumentar a capacidade do estádio, visando alçar voos mais altos no futebol profissional. Mesmo chegando meio em cima da hora, foi possível fazer as fotos oficiais da partida, as quais estão abaixo:


Paulínia F.C. - Paulínia/SP. Foto: Orlando Lacanna.


C.A. Lemense - Leme/SP. Foto: Orlando Lacanna.


O árbitro Edson Reis Pavani Junior, os assistentes Rogerio Pablos Zanardo e Fábio Luiz Freire e o quarto árbitro Marcos Generoso junto com os capitães dos times. Foto: Orlando Lacanna.

Como normalmente acontece nos jogos da Segundona, a correria e o entusiasmo predominaram desde os primeiros minutos, sendo que os donos da casa logo tentaram sair para o campo de ataque, visando a abertura da contagem. Nessa toada, o Paulínia criou o primeiro bom momento, aos 8 minutos, quando o ala Pará escapou pela direita e cruzou para o interior da área, encontrando o meia Jorginho que acabou pegando mal na bola e, com isso, mandou a gorduchinha por cima do travessão da meta defendida por Diego.


Primeira oportunidade desperdiçada pelo Paulínia. Foto: Orlando Lacanna.

A partida foi seguindo bem movimentada, porém com poucos lances de maior perigo, tanto é verdade que somente aos 20 minutos, ocorreu o segundo lance mais agudo, agora a favor dos visitantes, numa jogada de Léo que obrigou o goleiro Fabrício a praticar boa defesa.

A partir do vigésimo quinto minuto, as equipes aceleraram o ritmo e as jogadas mais próximas às áreas começaram a surgir e, numa dessas, na marca dos 27 minutos, por um triz o Paulínia não abriu o placar, numa ótima chance perdida novamente por Jorginho, que acabou chegando um milésimo de segundo atrasado numa bola que foi cruzada da esquerda, assustando a defesa do Lemense.


Nova chance perdida pelo ataque dos donos da casa. Foto: Orlando Lacanna.

No melhor momento do Paulínia no jogo, o ala Juca do Lemense, aproveitando uma falha de marcação da defesa adversária, escapou pela direita, invadiu a área e acabou sendo atropelado pelo goleiro Fabrício. Pênalti marcado e convertido por Diogo, aos 34 minutos, abrindo a contagem a favor dos visitantes.


Gol de pênalti do Lemense inaugurando o placar. Foto: Orlando Lacanna.

Após a abertura do marcador, o Paulínia sentiu o golpe e foi permitindo que o Lemense fosse tomando conta das ações, mas mesmo assim, o placar não foi alterado e a primeira etapa foi encerrada com a vantagem mínima a favor do time de Leme.

Passando o descanso regulamentar, a bola voltou a ser movimentada e, logo de cara, o Paulínia deu mostras que havia voltado com muita disposição para tentar chegar à igualdade rapidamente, tanto que, no primeiro minuto, o empate esteve prestes a acontecer, mas o avante Diego Faustino foi infeliz na conclusão, após receber um cruzamento perfeito de Alex vindo da esquerda.


Diego Faustino quase empatando a partida no início do segundo tempo. Foto: Orlando Lacanna.

À medida que os minutos iam passando, foi ficando clara a postura de cada uma das equipes, uma vez que o Paulínia passou a forçar mais as jogadas ofensivas, ao passo que o Lemense se resguardava mais, procurando sair com rapidez em contra-ataque, como aconteceu aos 7 minutos, numa rápida escapada de Juca, pela direita, que culminou no cruzamento para Diogo que arrematou por cima do travessão.


Arrancada em velocidade do Lemense iniciando mais um contra-ataque. Foto: Orlando Lacanna.

Dos dez minutos em diante, o Paulínia passou a exercer maior domínio territorial, sendo que, de vez em quando, dava uma estocada mais firme contra a meta do Lemense, como ocorreu aos 14 minutos, com Diego Faustino novamente não aproveitando uma boa chance, por conta de uma providencial defesa do goleiro Diogo do Lemense.


Goleiro Diogo do Lemense evitando gol de empate do Paulínia. Foto: Orlando Lacanna.

As chances para o Paulínia iam se sucedendo, mas nada de sair o gol de empate e isso aconteceu de novo, aos 29 minutos, com o avante Diego Faustino (sempre ele), mandando, de cabeça, a bola contra o poste esquerdo da meta do Lemense e, em seguida indo parar nas mãos do goleiro visitante.

O jogo se encaminhava para o final com o Paulínia não desistindo de buscar o empate, que esteve outra vez perto de acontecer, aos 38 minutos, com outra cabeçada e a bola indo à trave do Lemense, agora através do zagueiro Ramon que subiu livre de marcação, porém levou azar no toque final.

Nos últimos cinco minutos, foi a vez do Lemense perder duas boas oportunidades. A mais flagrante ocorreu nos acréscimos, numa rápida escapada de Léo pela direita, cruzando para o interior da área e encontrando o avante Japonês, que sozinho conseguiu chutar para fora.


Oportunidade desperdiçada pelo Lemense no final da partida. Foto: Orlando Lacanna.

Partida encerrada com o marcador mostrando Paulínia 0 - 1 Lemense que manteve o time de Leme na liderança do grupo com 22 pontos e ainda como o único invicto da competição com 6 vitórias e 4 empates. Mesmo derrotado, o Paulínia manteve a vice-liderança com 18 pontos, tendo tudo para se classificar à próxima fase, porém fica evidente a necessidade de melhora nas conclusões.

Fim de jogo e pé na estrada novamente, começando o retorno a São Paulo, via Campinas, com aquela carona especial do amigo Luciano Claudino. No domingo pela manhã outra decisão de campeonato com a presença do JP. Aguardem.

Abraços,

Orlando