Procure no JP

sexta-feira, 29 de julho de 2005

Jogo horrível entre Azulão x Botafogo/RJ no JP

Fala povo!

Está complicado. Sem acesso à internet de casa e agora também no trampo, serei obrigado a aparecer por aqui mais esporadicamente que antes, já que grana para ficar gastando em lan houses é fogo. Por isso que com um certo atraso, posto rapidinho por aqui o que rolou na última quarta-feira.

Eu e o Mílton fomos acompanhar mais uma rodada do Brasileiro. Aí você me pergunta: Foram acompanhar Corinthians, seu time do coração, e Cruzeiro? A resposta é clara e objetiva: Não. Muvuca + JOGOS PERDIDOS não combinam, então fomos na tranquila São Caetano do Sul assistir o jogo entre São Caetano e Botafogo do Rio.

Mas vendo agora, mais calmamente, foi uma troca um tanto quanto complicada. Enquanto no Pacaembu tínhamos o melhor jogo do Brasileirão, em SCS tínhamos um dos piores. Péssimo do começo ao fim, e um castigo a todos os presentes no Anacleto Campanella.


Ataque do Botafogo no primeiro tempo do jogo. Foto: Fernando Martinez.

Já começou que o Fogão entrou em campo com o uniforme branco. Péssimo, já que dava tranquilamente para jogar com seu tradicional uniforme listrado. Um frio chatinho e ainda por cima 70% da arquibancada do Anacleto está interditada, já que é de madeira e ficou tudo podre com o esquema sol e chuva. Resumindo, ficamos espremidos num canto da arquibancada com a imbecil torcida uniformizada do Azulão enchendo o saco o jogo todo.

Nenhum chute ao gol por parte do São Caetano e uma chance beeem meia-boca para o time do Rio. Nota 0 para os dois times na primeira etapa. A maior emoção do jogo todo aconteceu nas fotos abaixo:


O lance mais emocionante no jogo entre São Caetano e Botafogo: a troca da rede no intervalo da partida. Munidos de uma cadeira que quase quebrou, seis gandulas tentam trocar direitinho a rede o mais rápido possível para não interferir na partida (aí falam que segunda divisão do paulista que é tosqueira). Fotos: Fernando Martinez.

O segundo tempo também voltou no mesmo esquema: jogo fraco com dois times muito sem-vergonhas. Ainda podemos dizer que o Botafogo teve mais chances, mas nada que posse algo assim uma Brastemp.

E como o melhor fica para o final, a torcida 'organizada' do Azulão resolveu acender aquelas coisinhas que parecem sinalizadores, só que com a diferença que solta uma fumaça fedida e que demora para dissipar. Com isso, eles acabaram com a visão de toda a arquibancada, e bem nessa hora saiu o gol do Fogão, com Alex Alves (que já destruía adversários no Juventus!). Quase saiu briga, já que no único lance mais animado do jogo, ninguém pode ver nada. Ê torcida!


Ô fumaça chata. Torcida sem noção é isso aí! Foto: Fernando Martinez. [211009]


Meio-campo congestionado na partida da quarta-feira. Foto: Fernando Martinez.

É isso, final de jogo Botafogo 1 a 0 e o São Caetano perdendo mais pontos preciosos em casa! Nesse final de semana teremos caravana ao interior, e com isso não veremos a reportagem especial no ESPORTE ESPETACULAR, com um momento na vida do Clube dos Doentes, mas esperamos que todos possam nos ver por lá. Já estão rolando as chamadas para o domingo e todo mundo já viu, menos eu (e eu sou o que mais apareço).

Se rolar a caravana, teremos na segunda posts incríveis e jogos nunca antes imaginados por aqui! Stay tune!!!

Até mais e abraços!

Fernando

quarta-feira, 27 de julho de 2005

Goleada andreense pela Série B do Brasileiro

Fala povo!

Ontem tivemos mais uma rodada noturna da Série B do Brasileiro, mais uma partida fantástica que a galera do Clube dos Doentes foi assistir: Santo André e Anapolina no Estádio Bruno José Daniel. Saindo daqui dentro do possante do Mílton, eu e o David e chegando lá encontramos o licenciado Jurandyr, que com seus 97 anos de vida, resolveu aparecer e deixar a história da licença de lado (um dia ainda contaremos isso aqui).


David, Mílton e o fantasma Jurandyr. Cada um olhando para um lado diferente. Qual deles estava vendo o jogo? Foto: Fernando Martinez.

Numa noite com o frio que estava, o jogo teria que ser bastante interessante para poder nos animar em alguma coisa. Pena que pelo começo da partida achamos que não seria nada disso. O Santo André não se encontrou em campo e deixou o time de Anápolis gostar do jogo. Com isso a AA Anapolina acabou marcando 1 a 0. Gol que o nosso querido David não teve a oportunidade de acompanhar, já que estava dissertando sobre sua extensa filmografia.

Tem times que só acordam depois que levam um gol, e foi isso que aconteceu ontem. Depois da marcação do gol do Anapolina, o Santo André acordou na partida e chegou fácil, fácil aos 2 a 1 antes do jogo ir para o intervalo.


Ataque do Santo André no primeiro tempo do jogo. Foto: Fernando Martinez.

No segundo tempo o jogo teve a mesma tônica. O Santo André fez uma belíssima partida e não deu a menor chance ao time de Goiás. Sem nenhum susto, marcou mais três golaços e voltou a vencer em casa, já que tinha perdido para o Náutico no último jogo no ABC paulista. Santo André 5-1 Anapolina mostra bem o que foi o jogo.

Com essa vitória ainda acredito que o time possa se classificar. Torcemos para ele e para a Portuguesa, afinal de contas, precisamos ter algum Quadrangular para assistir na Segunda Fase.


Escanteio para o time do ABC no segundo tempo, amplamente dominado pelo time da casa. Foto: Fernando Martinez.

Essa semana teremos várias colunas com a volta das colunas do Denis Haddad. A partir de amanhã, várias dados interessantíssimos por aqui!

Abraços

Fernando

terça-feira, 26 de julho de 2005

São Carlos goleia o Jabuca fora de casa

Opa,

Mais uma vez demorando com o post por causa de falhas técnicas, posto aqui o último jogo do final-de-semana. Um jogo com um dos times que buscávamos desde o início do campeonato, e ninguém (a não ser o Orlando) tinha na Lista. Vimos a contenda entre o Jabaquara e o São Carlos FL.

Muuuito frio, garoa chatíssima e muito sono (só dormi às sete da matina para acordar às oito), mas nada que nos impedisse de assistir a esse time tão aguardado. Mesmo marcando tudo de última hora (no domingo de manhã mesmo), descemos a serra para matar mais uma equipe e ver como o Jabuca iria se comportar com um dos melhores times da Segundona.

Chegando por lá, nos encontramos com o mordomo do São Carlos, o Rodrigo Ramos. Ele que nos mandava as fotos exclusivas do São Carlos, ainda quando estava só no esquema de jogos-treinos, nos deixando ansiosos para que pudéssemos assistir um jogo de uma das mais novas equipes de SP. Registro aqui a simpatia do próprio Rodrigo, do fisioterapeuta Daniel e do acessor de imprensa do time, muito solícitos e que sempre pintam aqui no JOGOS PERDIDOS. Não nos resta nada a fazer senão agradecer tamanha prestatividade de todos por lá. Ainda por cima fui presenteado com uma camisa oficial da equipe. Obrigado a todos!!!!!!

Também registro a simpatia do trio de arbitragem que, junto com o quarto árbitro, nos deixaram bastante à vontade para tirarmos as nossas fotinhos exclusivas. Segue abaixo as clássicas fotos dos times posados:


O gloriosíssimo Jabaquara AC - Santos/SP. Foto: Victor Minhoto.


São Carlos FL - São Carlos/SP (na ponta esquerda em pé, o fisioterapeuta Daniel e na ponta direita o mordomo e amigo do JP Rodrigo Ramos). Foto: Victor Minhoto.


O auxiliar nº1 Jairo Martins de França, o quarto árbitro Welton Orlando, o juiz Philippe Lombard, e o auxiliar nº2 Alexandre Basílio Vasconcellos, todos muito solícitos conosco. Foto: Fernando Martinez.

Apesar do frio e do sono, o jogo foi muito, mas muito bom. Logo com quatro minutos do primeiro tempo, cada um dos times já tinha tido um gol anulado pela arbitragem. Depois disso, chances perdidas para os dois lados, com um leve domínio para a equipe do São Carlos. Mesmo perdendo um penal (que foi chutado pra fora) a equipe do São Carlos acabou marcando um a zero. Quando a gente achava que o São Carlos poderia dominar mais ainda depois da marcação, o Jabaquara acordou e começou a tomar conta da partida, empatando minutos depois.



Em dois ângulos diferentes para o mesmo lance, gol de cabeça para o Jabaquara aos 3 minutos de jogo, mas que foi anulado pelo auxiliar. Fotos: Fernando Martinez e Victor Minhoto.

Pena que o Jabuca não conseguiu segurar ou continuar com a pressão depois. Logo em seguida, numa cobrança de falta, vimos um dos mais belos gols da Segundona. Numa cobrança que lembrou os bons tempos do Marcelinho Carioca, o São Carlos fez 2 a 1 e o jogo seguiu assim para o intervalo.


Bola no fundo da rede após belíssima cobrança de falta. Foto: Victor Minhoto.

No intervalo conhecemos o Nílson, que acompanha a Portuguesa Santista e é fã do JP, abraços a ele!!! O segundo tempo foi bem, mas bem mais fácil para a equipe do interior. O Jabaquara fez muita firula, com nenhuma objetividade e assim o jogo ficou tranqüilo para o São Carlos, que acabou marcando 4 a 1, e dando um importantíssimo passo para a classificação para a terceira fase.


Jogador do time da casa isolando chute em que estava sozinho no segundo tempo de partida. Foto: Victor Minhoto. [211009]

Com a derrota do Campinas para o Palmeirinha, esse grupo ficou com uma decisão no próximo domingo. Campinas e Jabuca jogarão em Campinas com a ingrata tarefa de muito provavelmente deixar um time sem muitas esperanças de chegar até a próxima fase. Vamos ver se conseguimos ir até lá, pois achamos o estádio da Mogiana um dos lugares mais fantásticos para assistir a uma partida de futebol.


Ataque do JAC no segundo tempo da partida. Foto: Fernando Martinez.

Por hora é só. Ainda teremos Série B nessa semana e mais algum jogo perdido até o próximo fds, onde teremos mais algumas novidades para todo mundo por aqui. Ainda falta passar a reportagem no Esporte Espetacular! O Emerson já viu e garantiu que está fantástica. Divulguem para todo mundo. JP, Rede Globo e você: tudo a ver!

Abraços

Fernando

Efemérides Futebolísticas: 26 de julho

Oba!

Continuando com as EFEMÉRIDES FUTEBOLÍSTICAS, elaboradas pelo nosso grande colaborador, Dênis Haddad. Vamos agora com o dia 26 de julho:

- 26 de julho de 1931 - em amistoso internacional disputado em Vasteras, Suécia 6 x Letônia 0. O primeiro jogo entre essas seleções fora disputado em 20 de julho de 1926, quando a Letônia venceu a Suécia por 4 a 1, em Riga, capital da Letônia.
- 26 de julho de 1953 - pela Copa do Pacífico, em Lima, Peru 1 x Chile 2. Dois dias após, em 28 de julho, também em Lima, pelo mesmo torneio, Peru 5 x Chile 0.
- 26 de julho de 1959 - pelo Campeonato Paulista, em Vila Belmiro, Santos 8 x XV de Jaú 2. Como curiosidade, em 17 de outubro de 1954, também na Vila Belmiro, o Santos vencia o XV de Jaú por 9 a 0, em uma das poucas goleadas registradas antes da "Era Pelé", iniciada em 1956. Outro marcador dilatado na época pré-Pelé foi o de 4 de setembro de 1955, quando o Santos venceu o Jabaquara, na Vila Belmiro, por 7 a 1. Naquele ano de 1955, embora o Santos tenha sido o campeão paulista, foi derrotado pela Portuguesa de Desportos por 8 a 0, no Pacaembu, no dia 13 de novembro, domingo à tarde.
- 26 de julho de 1970 - em amistoso internacional, em Jena, Alemanha Oriental 5 x Iraque 0. Vale destacar que a maior goleada aplicada pela Alemanha Oriental havia ocorrido em 12 de janeiro de 1964, quando, em partida amistosa em Colombo, derrotara o Ceilão (desde 22/05/1972 denominado Sri Lanka) por 12 a 1. Atuando em seus domínios, a maior goleada da Alemanha Oriental foi a acontecida em 29 de outubro de 1977, quando venceu Malta por 9 a 0, em partida válida pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, em Balsberg.
- 26 de julho de 1981 - pelo Campeonato Mineiro, no Mineirão, Cruzeiro 4 x Tupi 1, com 10.534 pagantes.
- 26 de julho de 1983 - morre em São Paulo, Edson Leite, um dos mais famosos narradores de futebol do Brasil na década de 50, tendo se destacado na cobertura da Copa do Mundo na Suécia, ao irradiar os jogos pela Rádio Bandeirantes, de São Paulo.
- 26 de julho de 1984 - em partida válida pelo Campeonato Paulista disputada no Morumbi, nessa quinta-feira à tarde, o São Paulo vence o Taquaritinga por 2 a 1, na segunda partida oficial entre ambos, com 4.769 pagantes. No primeiro jogo realizado em 28 de agosto de 1983, também no Morumbi, o São Paulo havia vencido, igualmente, por 2 a 1, diante de 4.738 pagantes.
- 26 de julho de 1986 - pelo Campeonato Estadual, no Maracanã, Fluminense 1 x Bangu 0, com 10.036 pagantes. Na Ilha do Governador, Portuguesa 0 x Mesquita 0, com 250 pagantes.
- 26 de julho de 1987 - pelo Campeonato Paulista, em Jaú, XV de Jaú 2 x São Paulo 0, com 4.269 pagantes. Em 14 de outubro de 1979, o XV de Jaú havia vencido o São Paulo, em Jaú, também por 2 a 0, com 7.241 pagantes no Estádio Zezinho Magalhães. No Maracanã, pelo Campeonato Estadual, Vasco da Gama 3 x Bangu 0, com 12.547 pagantes. Nas partidas anteriores do Campeonato de 1987, o Vasco havia ganho em 29 de março, domingo à tarde, por 3 a 0 com 34.489 pagantes e em 9 de maio, perdido por 1 a 0, sábado à noite, com 7.949 pagantes, ambos os jogos no Maracanã. No Mineirão, pelo Campeonato Mineiro, Cruzeiro 0 x Tupi 0, com 25.781 pagantes.
- 26 de julho de 1992 - em amistoso internacional, Costa do Marfim 2 x Egito 0.
- 26 de julho de 1998 - nesse amistoso internacional, disputado duas semanas após o término da Copa do Mundo, Senegal 3 x Mali 1.
- 26 de julho de 2000 - jogando no Estádio do Morumbi, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, Brasil 3 x Argentina 1.

Fantástico, não é? E oportunamente publicaremos algumas informações que o Dênis nos mandou sobre o Parque São Jorge. Aguardem.

Abraços!

Emerson

segunda-feira, 25 de julho de 2005

Jacareí e Capivariano empatam jogo pela Segundona

Olá,

Iniciando o acompanhamento da segunda fase da Segunda Divisão, estive no último domingo pela manhã na cidade de Jacareí, no Estádio Stavros Papadopoulos e assisti ao jogo Jacareí 2-2 Capivariano, válido pela primeira rodada dessa nova fase.

Antes de comentar o jogo, faço questão de destacar a gentileza que o pessoal de Jacareí (diretor, jornalista, gandula, porteiro, etc.), dispensou ao JP, assim como os membros da arbitragem comandados pelo Sr. Milton Etsuo Ballerini.

Quero destacar também uma curiosidade que eu nunca tinha visto, que é a seguinte: ao entrar no gramado notei que no centro do campo havia um jacaré (mascote do JAC) de isopor, medindo uns três metros, que é colocado atrás do gol que o time da casa ataca. Foi engraçado ver o tal jacaré ser transportado no início do jogo e no intervalo de um lado para o outro. Dá para ver o mascote junto ao time posado na foto abaixo:


Jacareí AC - Jacareí / SP, com seu grande mascote. Foto: Orlando Lacanna.


Capivariano FC - Capivari / SP. Foto: Orlando Lacanna.

Vamos ao jogo, que no geral foi bom, sendo que no primeiro tempo o Capivariano dominou os primeiros vinte minutos, tendo inclusive aberto o placar aos 14 minutos através do bom meia Alan. Depois desse gol, o Jacareí adiantou a marcação e saiu mais para o jogo e conseguiu virar o marcador para 2 a 1 em cinco minutos com gols marcados por Edmilson, aos 32 minutos de cabeça, aproveitando rebote do goleiro em cobrança de pênalti e por William, aos 37 minutos, também de cabeça, após cobrança de escanteio pela esquerda.


Primeiro gol do JAC, após rebote em cobrança de pênalti. Foto: Orlando Lacanna.


Willian, de cabeça, vira o placar para o Jacareí. Foto: Orlando Lacanna.

No segundo tempo, logo aos 5 minutos, o Jacareí marcou seu terceiro gol através de Zé Carlos, em bela jogada pela esquerda, mas curiosamente o gol não foi validado pelo árbitro que atendeu sinalização do auxiliar. Ninguém entendeu, inclusive eu, que não vi irregularidade alguma no lance, apesar da minha posição não ser das melhores, pois estava atrás do gol.

Após esse lance o jogo ficou equilibrado, com ataques dos dois lados e o Capivariano foi mais feliz e conseguiu empatar aos 16 minutos, novamente através de Alan, na seqüência de cobrança de escanteio pela direita. Com o passar do tempo, o jogo foi caindo de ritmo, até pelo cansaço demonstrado pelas duas equipes.


Detalhe do gol anulado pela arbitragem para os donos da casa. Foto: Orlando Lacanna. [211009]

Final de partida com resultado justo, se for levado em conta a produção em campo das duas equipes, mas fica a dúvida quanto a anulação do que seria o terceiro gol do Tricolor do Vale, que poderia ter mudado a história da partida. O jogo teve como destaques pelo time visitante o meia Alan, autor de dois belos gols e o goleiro Roberto, que praticou boas defesas, inclusive de um pênalti, cujo rebote a sua zaga não conseguiu neutralizar.

Pelo lado do JAC, destaque para William e Zé Carlos, dois bons atacantes que demonstraram muita velocidade e habilidade. Lamento apenas a fraca presença de público que não chegou a 250 pessoas, apesar da importância do jogo.

Abraços,

Orlando

Rodada dupla no Canindé e goleada histórica no JP

Fala povo!

Vamos começar já desde cedo a publicar aqui o que aconteceu nesse último final-de-semana com a galera do Clube. Polêmicas à parte, primeira rodada da Segunda Divisão, Sub-15, Sub-17 e Copa FPF fizeram parte do cardápio.

Sábado de manhã acordei cedo e não consegui mais dormir. Aproveitando a deixa, apareci lá no Canindé para acompanhar mais uma rodada do Paulista Sub-15 e Sub-17. Mais precisamente num jogo inédito entre Portuguesa e Barcelona de Ibiúna. Público até que razoável para acompanhar as partidas, mas todos sendo parentes e/ou amigos dos jogadores e pessoas ligadas à Portuguesa. De verdade, quem saiu de casa SÓ para assistir a esse jogo é o que vos escreve.

O jogo do Sub-15 foi bem interessante: de um lado o vice-líder do grupo, com 20 pontos ganhos. Do outro, um time com 0 ponto na classificação e de certa forma invicto também, pois perderam todos seus jogos (e são eles que tomaram 14 a 0 do Corinthians, em jogo que foi notícia aqui no JP também). Com isso já dá para perceber o que aconteceu. Jogo fácil, fácil para a Lusa, que fez 5 a 0 e ainda poderia ter feito muito mais.


Um dos poucos ataques do Barcelona, já no segundo tempo do jogo. Foto: Fernando Martinez.


O Barcelona até que tentou, mas não teve como segurar o poderio da Lusa. Foto: Fernando Martinez. [211009]

O Sub-17 parecia que seria fácil da mesma forma. E foi. Pena que os atacantes da Portuguesa sejam completamente inoperantes. Para sentirem o drama, o primeiro chute ao gol da equipe do Barça foi aos 24 do segundo tempo, até esse minuto, só tinha sido um jogo entre o ataque da Lusa e a defesa do Barcelona.

Com gols e mais gols perdidos, em especial dois gols absurdamente fáceis (sem goleiro) perdidos pelo camisa 11 lusitano, o resultado final só poderia sair em bobeiras da zaga do time de Ibiúna. No primeiro tempo, a Portuguesa fez 1 a 0 numa falha de marcação da zaga, e no segundo tempo, fizeram 2 a 0 numa bobeira geral do goleiro do Barcelona. Final de jogo: um pífio 2 a 0.


Um dos ataques perdidos pela Lusa no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.


Bola passando muito perto da trave defendida pelo arqueiro do Barça paulistano. Foto: Fernando Martinez. [211009]

Depois ainda curti uma folguinha até me encontrar com outros membros do Clube para assistir um belíssimo jogo no Parque São Jorge: Corinthians e Palmeiras, que não jogavam lá desde 1940 (seguirei a linha de raciocínio que usei num post no sábado mesmo, a linha de raciocínio oficial da FPF, independente do que os clubes e a imprensa em geral sigam).


Corinthians iniciando ataque pela esquerda. Foto: Fernando Martinez. [211009]


Turista Acidental: O que o Mílton, são-paulino inveterado, está fazendo no Parque São Jorge, num Corinthians e Palmeiras? Só a história pode responder. Foto: Fernando Martinez.

Presentes no clássico além da minha pessoa, o Mílton, David e o Emerson com sua esposa Nalva, palmeirense doente. Mais do que histórico, o jogo foi muito, mas muito bom. O Palmeiras começou o jogo a mil, e perdeu várias chances claras de gol. Pelo menos três chances até eu faria, e enquanto isso o Corinthians durante todo o primeiro tempo foi amplamente dominado e não deu nenhum chute ao gol.

Mas usando o velho e manjado chavão do futebol, quem não faz toma, nos acréscimos do primeiro tempo, o Corinthians teve uma falta perigosíssima ao seu favor. O habilidoso Élton cobrou e caixa! O jogo foi para o intervalo marcando um a zero para o Corinthians.


Golaço do Corinthians, Élton marca um a zero em cobrança de falta. Foto: Fernando Martinez.

O Palmeiras sentiu demais esse gol, e o time praticamente não voltou para o segundo tempo. O Corinthians deitou e rolou e fez história, garantido o maior placar da história do clássico (da parte alvi-negra). Em uma partida perfeita, o Élton acabou fazendo mais dois gols e até o atacante Bobô, que é bem fraquinho, fez dois também. Isso ainda contando uma bola na trave em jogada (de novo) do Élton. Para melhorar as coisas para o Timão, o goleirão ainda defendeu um penal... uma tarde perfeita. Final de jogo: Corinthians 5-0 Palmeiras.


Pênalti marcado e mais um gol corintiano, o terceiro da goleada (ou quarto?). Foto: Fernando Martinez.

Foi a maior vitória corintiana no clássico. Mas ainda perde para um 6 a 0 e outro 8 a 0 que o Palmeiras já marcou. E para nenhum dos dois lados houve um placar exato como esse, 5 a 0. Daqui a 100 anos, quando alguém for fazer alguma consulta nos arquivos oficiais da FPF, não restará dúvidas, o jogo foi entre Corinthians e Palmeiras. Sem nenhum asterisco oficial para equipes B.

Logo mais tem o post do jogaço entre Jabaquara e São Carlos. Belo jogo também!

Até mais!

Fernando

sábado, 23 de julho de 2005

Efemérides Futebolísticas: 23 de julho

Fala pessoal!

Já estavamos devendo por aqui, mais uma coluna com as EFEMÉRIDES FUTEBOLÍSTICAS, elaboradas pelo nosso grande colaborador Dênis Haddad. Começamos pelo dia 23 de Julho:

- 23 de julho de 1922 - jogando na Chácara da Floresta, em São Paulo, a Seleção Paulista venceu a Seleção Mineira por 13 a 1, na primeira partida entre seleções pelo Campeonato Brasileira dessa categoria, cuja última edição realmente significativa seria na temporada 1962/1963. Por ironia, a última partida foi disputada também em São Paulo, no estádio do Pacaembu, no domingo à tarde, 20 de janeiro de 1963, quando Minas Gerais venceu São Paulo por 3 a 0 e ficou com o título. A maior goleada ocorrida nos Campeonatos Brasileiros de Seleções Estaduais aconteceu em 26 de setembro de 1926 quando São Paulo venceu Santa Catarina por 16 a 0.
- 23 de julho de 1939 - em partida válida pelo Campeonato Paulista, no estádio da Rua 28 de Setembro, na Vila Macuco, em Santos, jogam Hespanha 1 x Juventus 1. O detalhe histórico é que foi a última partida disputada naquele estádio, tendo o último gol ali sido marcado pelo ponta-esquerda do Hespanha, Geró. O Jabaquara somente voltaria a atuar em estádio próprio no dia 17 de junho de 1979, quarenta anos depois, ao inaugurar o Estádio Espanha, tendo sido o primeiro jogo Jabaquara 6 x União de Tambaú 4, com 1.190 pagantes. Entre 1939 e 1979, o Espanha/Jabaquara utilizou a Vila Belmiro, o Ulrico Mursa e o campo do Beija-Flor, em São Vicente. Na partida Jabaquara 5 x Bragantino 4, em 12 de julho de 1964, na sua estréia na Primeira Divisão (equivalente a segunda divisão), após o rebaixamento sofrido em 1963, o estado do gramado era tão ruim que o Bragantino requereu a anulação da partida, não tendo, entretanto, sido atendido.
- 23 de julho de 1959 - a partida amistosa, Nacional 1 x São Paulo 1, inaugura o sistema de refletores do Estádio Nicolau Alayon, utilizados pela última vez, em jogo noturno, no dia 12 de janeiro de 1974, sábado, na partida Nacional 3 x XV de Piracicaba 1, pelo Paulistinha de 73. Em 20 de maio de 1978, durante um forte temporal, os refletores chegaram a serem usados por alguns minutos, à tarde, na partida Nacional 2 x Taubaté 2. Duas partidas interessantes ocorreram à noite no Nicolau Alayon: em 27 de abril de 1966, amistoso, Nacional 2 x Jabaquara 0. Em 10 de novembro de 1966, pelo Campeonato Paulista, Portuguesa de Desportos 4 x Comercial-RP 4. No dia 10 de dezembro de 1964, quinta-feira à noite, fortes chuvas caíram sobre São Paulo, alagando a Rua Comendador Souza. Mesmo assim, pelas finais da então Primeira Divisão, jogaram Nacional 3 x Votuporanguense 3.
- 23 de julho de 1966 - pela Copa do Mundo, quartas-de-final, Portugal 5 x Coréia do Norte 3, diante de 51.780 espectadores em Liverpool. A Coréia do Norte - que havia eliminado a Itália por 1 a 0 no dia 19 de julho, com 18.727 espectadores - chegou a estar vencendo por 3 a 0, porém acabou cedendo o empate e, posteriormente, a Seleção Portuguesa virou o jogo para 5 a 3. Naquele ano a Seleção lusa era dirigida pelo brasileiro Otto Martins Glória (09/01/1922-04/09/1986) e obteve o terceiro lugar naquela Copa.
- 23 de julho de 1983 - no campo da Rua Barão de São Francisco, no Andaraí, pelo Campeonato Estadual, São Cristóvão 1 x Goitacaz 4, com 574 pagantes, entre eles, eu.
- 23 de julho de 1989 - em amistoso internacional em São Januário, Brasil 1 x Japão 0, com 2.174 pagantes.
- 23 de julho de 2001 - pela Copa América, Honduras 2 x Brasil 0.

Até mais!

Emerson

sexta-feira, 22 de julho de 2005

A História pré-JP, volume 8: Yuracán x Unit, pela Segundona do Mineiro 2003

Fala povo!

No post anterior, o Victor nos deu a grande notícia da divulgação da tabela do Campeonato Mineiro da 2ªDivisão de 2005. Com muito pesar vimos que o grande time do Yuracán de Itajubá desistiu da disputa. Aproveitando a deixa, publico hoje aqui mais um dos capítulos da série CONTOS DO FUTEBOL, agora com um jogo prometido há tempos: Yuracán e UNIT, em Itajubá, pelo Campeonato Mineiro da 2ªdivisão de 2003.

Presentes na viagem: Fernando, Victor (fomos com o carro dele), Jurandyr e Mílton. O ano de 2003, mais precisamente o segundo semestre, foi bem proveitoso em relação a viagens maiores do Clube dos Doentes. Vimos alguns times que normalmente não aparecem aqui pela capital paulista, então as viagens são obrigatórias para matarmos equipes tão especiais. Dentro disso, um dos Especiais daquele ano foi esse jogo em Itajubá. Desde a divulgação da Tabela daquele ano, procuramos um meio de ir ver um jogo do glorioso Yuracán, pois além de ter ficado muito tempo parado, sempre foi um dos preferidos da casa.

Viagens pelo sul de Minas sempre são agradáveis, mas aquela foi especial. Acredito que tenha sido um dos melhores dias naquele ano. Nem muito calor, nem muito frio, paisagens fantásticas e sempre aquela parada na beira da estrada para nos munirmos dos famosos docinhos mineiros.

Como era passagem, na ida ainda fizemos questão de passar na cidade de Santa Rita do Sapucaí, e visitar o Estádio Municipal Erasmo Cabral, da equipe da Santarritense. Lá estava acontecendo um jogaço do campeonato amador da cidade, entre Fortaleza e Milan (!). Detalhe para a quantidade absurda de mulheres no estádio, todas extremamente simpáticas e bonitas. Valeu a pena a parada. Chegamos num horário tranquilo em Itajubá, achamos fácil fácil o Estádio Coronel Belo Lisboa e como sempre fizemos questão das famosas fotos dos times posados, EXCLUSIVAS e nunca antes publicadas:


Yuracán FC - Itajubá/MG (outubro de 2003). Foto: Fernando Martinez.


AD UNIT - Uberlândia/MG (outubro de 2003). Foto: Fernando Martinez.

Os outros três meninos preferiram ficar na arquibancada, já eu não poderia deixar escapar a chance de ficar dentro do campo... mais precisamente do lado do Quarto Árbitro. Mais do que fotos exclusivas, praticamente eu participei do jogo. Lá consegui tirar algumas fotos interessantes:


Bola disputada na lateral entre jogadores do Yuracán e do UNIT. Foto: Fernando Martinez.


Lateral cobrado para a equipe do Yuracán. Foto: Fernando Martinez.

Apesar da temperatura estar tranquila até chegarmos em Minas, em Itajubá estava um calor infernal. Muitos copinhos de água e sorvetes foram consumidos por nós. Alguns providenciados pela comissão técnica do Yuracán inclusive.

Apesar da euforia, o jogo foi bem fraquinho, não podemos negar. A equipe do Yuracán era bem, mas bem fraquinha e não criou muito para poder sair na frente do placar. Já a equipe do UNIT (que acabou conseguindo o acesso naquele ano), também não mostrou muito mas ainda assim criou mais chances, inclusive com seu atacante perdendo um gol sem goleiro.


Jogadores aguardando a chegada da bola no meio-campo. Foto: Fernando Martinez. [211009]


Lance do segundo tempo da partida entre Yuracán e UNIT. Foto:Fernando Martinez.

Com tudo isso, o jogo acabou mesmo 0 a 0, mas com certeza foi o que menos importou naquele dia. De todas as viagens que fizemos, aquela foi uma das mais interessantes. Na volta ainda paramos em Pouso Alegre para comprar mais besteirinhas, e em um posto fantástico na estrada que vendia sucos magistrais... esse ano teremos mais viagens assim.


Visão geral da arquibancada coberta do estádio. Detalhe para o escudo do Yuracán. Foto: Fernando Martinez.


Jurandyr, Mílton e Victor se protegendo do sol em Itajubá. Como sempre, com o Jandir chiando demais da conta. Foto: Fernando Martinez.

Hoje em dia o Yuracán já não joga mais, e o UNIT nem UNIT mais é, é UNITRI. E a bola continua rolando.

Por hora é só. Abraços!

Fernando

terça-feira, 19 de julho de 2005

Era glacial no Canindé e derrota da Portuguesa

Fala povo!

Ontem tivemos mais uma rodada semanal da Série B do Brasileiro. Com um frio fantástico e praticamente congelados, assistimos o jogo entre Portuguesa e Vila Nova/GO. Presentes além do que vos escreve, o Mílton (como sempre) e o "licenciado" Jurandyr (um dia contaremos a história desse licenciamento). Registro aqui alguns recordes batidos após essa rodada:

- Foi a primeira vez que vi quatro jogos em sequência com vitórias do time visitante: Osasco FC 2-3 Jabaquara, Portuguesa 0-2 Corinthians, Santo André 0-1 Náutico e ontem. Isso em 847 jogos já vistos em estádio;
- Dos 31 jogos que a Portuguesa já fez no Canindé pela Série B do Brasileiro, eu estive presente em 28 deles (12 em 2003, 10 em 2004 e já 7 esse ano). Só me ausentei de três: contra o América-RN (0 a 0) e Santa Cruz (2 a 0) em 2004 em virtude de estar viajando, e o 2 a 1 contra o Guarani desse ano, em virtude de eu estar num casamento (!).

Bom, agora falando do jogo de ontem, parece que a Portuguesa voltou ao seu velho esquema na Série B de 2003 e 2004 mesmo. Jogo feio, truncado, perdendo N gols e perdendo três pontos mais do que valiosos em casa.


Escanteio para a Portuguesa, mais um dos inúmeros desperdiçados pelo time no jogo contra o Vila Nova/GO. Foto: Fernando Martinez.

No primeiro tempo a Portuguesa até que começou dando a impressão que faria uma bela partida, mas logo aos treze minutos, para variar numa bobeada da zaga lusitana, o Vila fez um a zero. Depois disso foi aquela pressão 'falsa': maior posse de bola, mas chance real de gol que é bom nada.

No segundo tempo foi aquele bumba-meu-boi novamente, o Vila só se defendendo e a Lusa atacando sem muita convicção. Mesmo jogando assim, nas poucas boas chances que teve no segundo tempo, a Portuguesa parou no goleiro do Vila Nova. Seguro e sem dar chance para os atacantes (inclusive pegando uma bola milagrosa no final do jogo) ele garantiu os três pontos para o time de Goiás. Final de jogo: Portuguesa 0-1 Vila Nova.


Visão panorâmica do Canindé. Tínhamos nos escondido lá no alto por causa de uma chuva bem chatinha que apareceu no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez.

Junto com o Santo André, a Portuguesa se continuar bobeando assim vai ficar fora da Segunda Fase, pois só faltam sete jogos! É isso, e no final de semana, teremos jogos incríveis por aqui. Mal posso esperar!

Abraços e até!

Fernando

Depois do cinema, Jabuca perde em casa do Tigre do ABC

Buenas!

Fim-de-semana agitadíssimo, mas com pouco futebol, só um joguinho. A alta rotatividade de festas, acabou suspendendo algumas partidas. Mas, valeu a pena e as festas foram as já citadas pelo Fernando: de sexta para sábado fomos comemorar o aniversário do próprio, na Avenida Paulista (ou o que sobrou dela, depois do vandalismo da torcida são-paulina, porém fomos lá mesmo num ato de desagravo).

De sábado para domingo o encontro foi na minha casa e como o Fernando já destacou, só ele e o agora sempre ponta-firme Estevan compareceram, junto com as digníssimas. Foi uma noite muito agradável e lamentamos a ausência do restante do clube (Mílton e Jurandyr com desculpas que irão para uma CPI; o Orlando sempre viajando pelo interior; o Victor em Minas Gerais e o David, homenageado da noite, que não pôde comparecer por estar acometido de uma forte gripe. Entretando, a homenagem foi feita assim mesmo e assistimos toda a The Complete David Libeskind Sessions (aguardem para essa semana um "post" especial sobre o assunto).

Vamos ao futebol: mesmo indo dormir às 7:00 horas da manhã, heroicamente acordei às 09:00 e fui até Santos assistir a peleja entre Jabaquara e São Bernardo FC. Como o Jabaquara entrou em campo já classificado, sinto a isenção necessária para falar sobre a arbitragem: vi o senhor Marcos Furlan Ferreira, considerado por mim um dos melhores árbitros que atuam no quadro da FPF, ter uma atuação lamentável.

Pude constatar que ele gosta muito da equipe do São Bernardo FC, pois a presenteou com duas penalidades bastante duvidosas e a gente só presenteia quem a gente gosta, não é verdade?

Quanto ao jogo em si, o Jabuca fez uma partida tranqüila, já que não dependia do resultado e o São Bernardo tentava o tradicional abafa, já que dependia da vitória. Mesmo com a arbitragem invertendo muitas faltas e deixando os truculentos zagueiros do São Bernardo FC baterem a vontade, o Jabaquara saiu na frente com o artilheiro André (está dando gosto ver esse garoto jogar).


Ataque do Jabaquara no primeiro tempo. Foto: Emerson Ortunho.


Diputa de bola na intermediária. Foto: Emerson Ortunho.

Depois, o São Bernardo virou para 3 a 1, com a forcinha de uma das penalidades máximas questionadas acima. Já no final da partida o árbitro deu um pênalti para o Jabaquara, que diminuiu para 3 a 2. Na saída de bola o jogo foi finalizado garantindo o placar: Jabaquara 2 x 3 São Bernardo FC. Com o resultado o São Bernardo também assegurou vaga na próxima fase.

Ainda falando de arbitragem, olhem que pitoresco o acontecido em Guarujá, na partida Guarujá 1 x 0 Osasco FC. Leiam na íntegra o relatório da arbitragem:



Súmula oficial da partida. Fonte: Sítio da Federação Paulista de Futebol.

É gente, o negócio foi feio, cabe uma punição exemplar. Abraços a todos e vamos com tudo para a segunda fase do Paulista da Segunda Divisão.

Emerson

Final de semana com Copa FPF e Série B do Brasileiro

Fala aí povo!

Com algum atraso, devido ao meu esquecimento de ontem, vamos hoje com os posts do final de semana. Da minha parte só foram dois joguinhos: Portuguesa x Corinthians, valendo pela Copa FPF no sábado e Santo André x Náutico, valendo pela Série B do Brasileiro no domingo.

No sábado de manhã a programação era ir no CT de Itaquera assistir ao jogo Corinthians e Palestra, mas em virtude das comemorações do meu aniversário na sexta, e ter ido dormir às 5 da matina, não dispunha de condições normais para me deslocar até o fim do mundo. Acabei então indo do lado de casa mesmo e só à tarde. Pela primeira rodada da fantástica Copa FPF, tivemos o clássico entre Lusa e Corinthians. Em tempo, no ano passado a primeira rodada também foi com esse jogo, e o Corinthians acabou vencendo por 1 a 0, com gol do Abuda.


Escanteio para a Portuguesa e perigo na área corintiana no primeiro tempo da partida. Foto: Fernando Martinez.

Junto comigo estava o Mílton, só para variar um pouquinho e também para marcarmos a presença do Clube na primeira rodada. E foi uma bela tarde: boa temperatura, público razoável, jogo bastante agradável. Acredito que essa primeira partida já indicou o que vai acontecer na Copa... Portuguesa com um time bem meia-boca e o Corinthians como um dos favoritos para o título. Logo aos dois minutos, numa bobeada da zaga lusitana, o atacante Johnny marcou o primeiro gol do Corinthians. Aos vinte e dois, numa jogada idêntica, Hugo fez dois a zero.

Depois disso, o Corinthians perdeu várias chances até o fim do jogo, e a Portuguesa não fez nada para merecer melhor sorte no jogo. No final, Portuguesa 0-2 Corinthians.


Bola disputada na intermediária. Foto: Fernando Martinez.


Ataque desperdiçado pela equipe lusitana no segundo tempo de partida. Foto: Fernando Martinez. [211009]

Depois disso foi só voltar pra casa e arrumar as coisas para ir na casa do Emerson, no sábado à noite. Era para ser um encontro oficial do Clube, mas só contou com a presença minha, do Emerson (lógico) e do Estevan, junto com as respectivas. Lá, tivemos o esquema A Última Sessão de Cinema, com o prazer de assistir ao box-set em DVD The Complete David Libeskind Sessions, com toda a filmografia do nosso amigo David, que nunca aparece aqui com suas histórias. Na semana faremos um post especial dedicado a esse grande ícone do show-business nacional.

Devido a isso, e por ter ido dormir às 8 da matina, acabei desistindo da rodada matutina dos jogos de domingo. E só o Emerson aguentou o tranco e foi ver seu Jabaquara (o post vem mais tarde). Eu acabei só indo em jogo à tarde, com o bela partida entre Santo André e Náutico, pela Série B do Brasileiro. Mais uma vez, eu e o Mílton estivemos por lá.


Bola disputada no meio de campo, no belo jogo de Santo André. Foto: Fernando Martinez.

Tivemos realmente uma belíssima partida. Aos dez minutos já tínhamos tido duas boas chances para cada time. Depois disso, o Náutico tomou mais a iniciativa e começou a perder gols incríveis. Sem exagero, pelo menos três gols até eu faria. O jogo foi para o intervalo 0 a 0 com um domínio do time pernambucano.

No segundo tempo, o jogo voltou um pouco mais equilibrado, com o Santo André tentando dominar o meio-campo e buscando o gol da vitória. Mas o Náutico mostrou que estava mais entrosado, e perdeu mais duas chances claras de gol. Depois disso, mesmo com o Santo André mandando uma bola na trave, o Náutico acabou chegando ao seu gol aos quarenta minutos, através do eterno Kuki. Depois disso foi aquele sufoco do Ramalhão, inclusive acertando mais uma bola na trave, mas no final mais uma derrota: Santo André 0-1 Náutico.


Ataque do Ramalhão no primeiro tempo de jogo. Foto: Fernando Martinez.

Dos últimos doze pontos disputados, o Santo André só ganhou um. Alerta vermelho aceso no ABC, o time já está em 4º lugar e se não acordar não classifica para a segunda fase. Com isso perderemos mais uma chance de ver um quadrangular. Vamos abrir o olho!!! Por hora é só, essa semana teremos Série A e B do Brasileiro e no próximo final-de-semana vários dilemas em pauta: o que iremos assistir??? Só saberemos no próprio dia! Mas fiquem ligados!

Abraços

Fernando

segunda-feira, 18 de julho de 2005

JP vai até Tupã num jogo completamente perdido pela nossa Segunda Divisão

Olá,

Imaginem a seguinte situação: levantar cedo num domingão gelado e com chuva, pegar um carro e percorrer mais ou menos 100 quilômetros em direção a uma cidade e quase chegar em outra. Voltar e refazer parte do caminho. Tudo isso para assistir um jogo que não valia absolutamente nada em termos de classificação da Segundona. Isso é possível? Não só é, como aconteceu comigo no último domingo.

No sábado à noite participei de uma festa Junina em pleno mês de Julho, num sítio no município de Cândido Mota (interior de São Paulo), com muito comes e bebes e bailão que varou a madrugada. Depois de algumas horas de sono, segui em direção a Tupã e pelas péssimas condições de sinalização, errei o caminho e quase fui parar em Rancharia. Ainda bem que deu tempo para chegar ao Estádio Alonso Carvalho Braga e assistir ao jogo Tupã 0-4 Lençoense, válido pela última rodada da primeira fase da Segundona.

Todo esse “sacrifício” foi feito para poder ver ao vivo o Lençoense e completar o 39º time da Segundona assistido no campo em 2005. Com esse jogo, consegui ver todos os times da segunda divisão e mostrá-los no JP. Além dos 39 times da Segundona, vi também em 2005 todos os 20 times da Série A2 e os 19 da Série A3, totalizando os 78 que disputaram os campeonatos de acesso. Para mim esse feito teve um valor muito grande, principalmente pelo fato de ir quase sempre sozinho, rodando por essas estradas de ônibus, com algumas madrugadas mal dormidas.

Depois desse discurso vamos ao jogo, que apesar dos 4 a 0 foi muito ruim, pois no primeiro tempo a única coisa digna de registrar foi um tombo hilário do juizão que tropeçou nas próprias pernas, ao tentar se esquivar de um lance em que a bola seguia em sua direção.


Jogada de ataque do Lençoense. Foto: Orlando Lacanna.

No segundo tempo, o Tupã teve um jogador expulso logo no início e aí o Lençoense deitou e rolou marcando os gols com muita facilidade. Apesar dos quatro gols o jogo não melhorou.


Primeiro gol da equipe do Lençoense. Foto: Orlando Lacanna.


Convertendo penalidade máxima a equipe de Lençóis Paulista marca o terceiro gol. Foto: Orlando Lacanna.

Fim de jogo de dois times fracos que mostraram o porquê não se classificaram, mas valeu muito para que eu pudesse atingir meu objetivo.

Abraços,

Orlando