Procure no JP

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Novo triunfo do Brasil olímpico no Pacaembu, agora contra o Chile

Texto e fotos: Fernando Martinez


A quente noite de segunda-feira reservou o segundo e último amistoso do Brasil na capital bandeirante pensando no pré-olímpico de janeiro. No Estádio Paulo Machado de Carvalho, o selecionado verde e amarelo enfrentou o Chile. Não tinha como ficar de fora pois com a concessão da velha cancha para a iniciativa privada, sabe-se lá quando veremos novamente um confronto desse naipe por ali.

Diferente do jogo contra a Colômbia na quinta, realizado com muito frio e chuva, dessa vez o calor estava forte, cortesia da horrorosa massa de calor que parou em cima da região. A única coisa boa foi que não tive que me preocupar em descolar algum lugar coberto. A dupla composta pelo amigo-abelha Renato Rocha e o juventino Pucci foi a companhia da vez. Apesar da fraquíssima divulgação, dessa vez o público foi um pouco melhor: 5.059 pagantes. 

O maior problema da jornada foi o sistema do FutebolCard fora do ar. Cheguei por volta das 20h15, quinze minutos antes do apito inicial, tempo mais do que suficiente para captar as imagens dos times posados e perfilados sem problemas, mesmo de longe. Como comprei o ingresso no cartão de crédito, a entrada seria com ele e somente uma catraca estava habilitada. Só que ela pifou, e então fiquei 20 minutos esperando a boa vontade dos funcionários tentarem resolver o problema. Só consegui passar pelo portão com a peleja iniciada. Uma pena.

A torcida viu uma partida muito boa, com lances de gol dos dois lados e muita confusão, deixando o clima nada amistoso. Com o gramado seco, os comandados de André Jardine mostraram que são fortíssimos candidatos a uma das duas vagas em Tóquio-2020. A primeira boa chance saiu aos 11 minutos em finalização de Matheus Cunha, talvez o maior destaque dos dois amistosos. Dois minutos depois foi ele mesmo quem abriu o marcador ao receber bom passe de Pedrinho. Só que diferente da Colômbia, o Chile passou a incomodar bastante a zaga local após ficar em desvantagem. Aos 23, Morales chutou de longe e a bola passou perto.

Aos 34, Dávila finalizou e a bola acertou o braço de Lyanco. Pênalti. O camisa 10 cobrou no meio do gol e deixou tudo igual. Aos 38 eles tiveram novo bom momento em tiro de Guerra. Dávila, o grande nome visitante na etapa inicial, quase virou o placar aos 46, obrigando Cleiton a fazer boa defesa. No minuto seguinte foi a vez de Paulinho cabecear bem para ótima defesa de Collao. Foi com o 1x1 que o intervalo chegou.


A comemoração dos atletas do Brasil no primeiro gol da noite


Bola viajando perigosamente dentro da área local


De pênalti, o Chile deixou tudo igual ainda no primeiro tempo com Dávila

No tempo final o Brasil retomou as rédeas da partida e aos seis minutos Matheus Cunha, sempre ele, colocou novamente os locais em vantagem. O Chile passou a se mostrar bem nervoso e assim sofreu o terceiro aos 17. O sistema defensivo falhou e a bola sobrou para Antony que, com um chutaço por cobertura, ampliou. Aos 24, quase o quarto em ótima finalização também de Antony.

Aos 33 rolou o momento tele-catch da noite quando Ibache deu dois pontapés seguidos em Pedrinho e o pau cantou. Rolou um empurra-empurra que terminou com o ippon de Lyanco em cima do violento chileno. Resultado: os dois foram expulsos. Aos 40, Paulinho teve nova oportunidade de fazer o quarto tento tupiniquim porém mandou por cima da meta.


Aqui a festa pelo segundo gol do Brasil e um tchauzinho maroto para alguém perdido na numerada do Pacaembu


Apesar da desvantagem, os chilenos tiveram os seus momentos de perigo


O clima não estava muito amistoso no Paulo Machado de Carvalho e depois dessa confusão Lyanco e Ibacache foram expulsos

No fim, o resultado ficou em Brasil 3-1 Chile, um ótimo triunfo dos atuais campeões olímpicos. Agora o escrete verde e amarelo vai disputar dois amistosos em outubro e um torneio contra Argentina, Estados Unidos e novamente o Chile na Espanha em novembro. O pré-olímpico acontecerá em janeiro na Colômbia. Não será fácil descolar uma das duas vagas em Tóquio, mas o trabalho se iniciou de forma satisfatória.

Por conta do calor não teve como ver futebol na semana. A pauta livre do JP vai pedir passagem apenas na sexta-feira, já que a previsão para o dia é de temperatura amena. Teremos jogo em campo neutro pela Copa Paulista.

Até lá!

_________________________

Ficha Técnica: Brasil 3-1 Chile

Competição: Amistoso Internacional; Local: Estádio Paulo Machado de Carvalho (São Paulo); Árbitro: Guillermo Guerrero (Equ); Público: 5.059 pagantes; Renda: R$ 76.700,00; Cartões amarelos: Douglas Luiz, Emerson, Guilherme Arana (Bra), Araos, Moya (Chi); Cartões vermelhos: Lyanco e Ibacache 35 do 2º; Gols: Matheus Cunha 15 e Dávila (pênalti) 35 do 1º, Matheus Cunha 6 e Antony 17 do 2º.
Brasil: Cleiton, Emerson (Guga), Lyanco, Ibañez e Guilherme Arana (Abner Vinícius); Douglas Luiz, Wendel (Jean Lucas) e Pedrinho (Walce); Antony (Arthur Cabral), Matheus Cunha (Arthur) e Paulinho. Técnico: André Jardine.
Chile: Collao, Rebolledo, Ramírez, Díaz e Ibacache; Moya (Gazzolo), Suazo (Cavalleri), Dávila (Lobos) e Araos (Gallani); Guerra (Valencia) e Morales (Munder). Técnico: Bernardo Redín.
_____________

Nenhum comentário:

Postar um comentário