Procure no JP

sábado, 14 de abril de 2012

(Ricardo) Jesus marca três gols e salva a Portuguesa na Copa do Brasil

Opa, 

Na quinta-feira passada, São Paulo teve outra tarde de horrores devido ao temporal que caiu em quase todos os cantos da capital bandeirante. Mas nem a chuva me impediu de ver o meu 1972º jogo, o primeiro válido pela Copa do Brasil nesse ano de 2012. Fui para o Canindé acompanhar a difícil missão da Portuguesa contra o Juventude de Caxias do Sul. 

Para essa decisão teria a companhia de vários amigos, mas por N motivos, todos desistiram da jornada e fui sozinho para o meu antigo bairro curtir o meu segundo jogo na casa rubro-verde em 2012. Foi também a primeira vez que pude ver o time profissional do Juventude desde agosto de 2005, quando acompanhei um jogo, ainda pela Série A do Brasileiro, contra o São Caetano. Desde então, a queda do time de Caxias a nível nacional foi alarmante. 

Como normalmente acontece em épocas de vacas magras da Lusa, quem passasse na região do Canindé momentos antes do jogo não falaria que uma importante partida estava prestes a acontecer ali, tamanha a falta de interesse por parte dos torcedores. Também, a vexatória campanha no Paulista e a derrota de 2x0 no jogo de ida em Caxias do Sul não deixa o pessoal muito animado mesmo. 


Bola no campo de ataque do Juventude no começo do jogo contra a Portuguesa. Foto: Fernando Martinez. 

Vale registrar que esse foi meu 11º jogo da Lusa no seu estádio valendo pela Copa do Brasil. Nos 10 anteriores, vi quatro eliminações (1999 para o Atlético/PR, 2002 para o Bahia, 2009 para o Icasa e 2011 para o Bangu), e podem ter certeza que não estava afim de aumentar essa lista. Mas a primeira meia hora de jogo não mostrava nenhum indício que a noite seria feliz. 


A Portuguesa esteve muito nervosa nos primeiros 30 minutos de jogo e alçou muitas bolas na área gaúcha. Foto: Fernando Martinez. 

A equipe mostrou um futebol nervoso e sem objetividade, e pareceu que a impaciência da torcida foi para dentro do campo. O Juventude, que tem um time fraco e bastante limitado, segurava bem a equipe paulista e ainda escapava algumas vezes pelas laterais. Mas nada assim uma Brastemp. O jogo era nervoso e com lances bisonhos dos dois lados. 


Outra chegada rubro-verde pela direita. Foto: Fernando Martinez. 

Quando a equipe gaúcha era melhor e controlava as ações da peleja, um pênalti mudou todo o panorama. Aos 34 minutos Léo Silva foi derrubado dentro da área e o árbitro marcou pênalti. A cobrança ficou a cargo de Ricardo Jesus, que bateu firme e fez o primeiro da equipe rubro-verde. O primeiro tempo terminou com essa vantagem da Lusa. 


Detalhe do primeiro gol da Portuguesa, marcado pelo "artilheiro dos céus" Ricardo Jesus. Foto: Fernando Martinez. 

Como estava sozinho, no intervalo fui para as alturas acompanhar o tempo final lá do último degrau das arquibancadas, para ver o ataque local num ângulo que gosto bastante. E o tempo final foi todo da equipe da casa, que não deu a menor chance ao Juventude e foi senhora absoluta da peleja. Mas esse amplo domínio precisava ser transformado em gols, já que o 1x0 eliminava o time. 


Uma das raras chances de gol do Juventude no segundo tempo, quando foi dominado totalmente pelo time paulista. Foto: Fernando Martinez. 

De tanto insistir aos 20 minutos aconteceu o segundo gol, marcado novamente por Ricardo Jesus. Ele recebeu passe em profundidade de Guilherme, avançou pelo setor defensivo e tocou com estilo por cobertura. Esse gol levava a decisão da vaga nas oitavas para os pênaltis. O relógio, sempre implacável nessas situações, jogava contra a equipe. 

Mas toda a torcida presente no Canindé - o público pagante foi de 719 pessoas - tinha a certeza que o jogo seria resolvido ainda no tempo normal. Não sei dizer o motivo, mas eu também sentia que o gol estava prestes a acontecer mais cedo ou mais tarde. Essa certeza foi confirmada aos 39 minutos, com outro gol de Ricardo Jesus, fazendo seu "hat trick". Ele recebeu bom passe na direita, avançou até a área e chutou cruzado no canto direito. O goleiro ainda tentou defender, mas era tarde. Jesus salva, definitivamente. 


Vista "aérea" do Canindé em um dos vários ataques locais no tempo final. Foto: Fernando Martinez. 

O Juventude tentou criar um abafa, mas o jogo já estava definido. Aos 45 minutos, após uma defesa simples de Wéverton, ele repôs a bola para Raí. O jogador recebeu ainda no seu campo e avançou por todo o campo defensivo do Juventude antes de chutar da intermediária e fazer um golaço. Golaço que definiu a emocionante classificação lusitana para as oitavas. 


Mesmo de longe vale o registro: Detalhe do chute de Raí que fechou a goleada e a classificação da Lusa para as oitavas da Copa do Brasil. Foto: Fernando Martinez. 

Final de jogo: Portuguesa 4-0 Juventude/RS. A goleada levou o time rubro-verde a ficar entre os 16 melhores times da Copa do Brasil. Agora a equipe espera o vencedor de Bahia e Remo para a disputa de uma vaguinha entre os oito. Vale lembrar que o time paulistano nunca foi além dessa fase numa disputa de Copa do Brasil. Já estamos na torcida para que isso aconteça. Domingo agora o time esquece a competição nacional e foca todas as forças para que não seja rebaixada no Campeonato Paulista. Mesmo de longe, ficaremos ligados. 


Placar final do Canindé mostrando a goleada em cima o Juventude, que garantiu a vaga da Portuguesa nas oitavas da Copa do Brasil. Foto: Fernando Martinez. 

Bom, sozinho e com fome saí do Canindé e, por uma sorte sem tamanho, peguei as conduções sem atraso nenhum e em menos de uma hora já estava em casa novamente. Já comecei a arrumar as malas, pois nesse sábado começo a parte 2 da minha turnê, agora com viagem para a capital federal. Se os deuses permitirem, trago para o JP algum jogo de lá. 

Abraços! 

Fernando

Nenhum comentário:

Postar um comentário