Procure no JP

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Primeira final da Segundona termina empatada no ABC

Texto e fotos: Fernando Martinez


Depois de ficar duas semanas direto no litoral, subi a serra no meio da semana passada pois na quinta vivi um dos maiores momentos da vida ao ver o show do The Who! da grade. Ainda estupefato e em êxtase, no sábado fui conferir a primeira partida decisiva do Campeonato Paulista da Segunda Divisão. Não foi fácil perder o jogo do acesso do EC São Bernardo no dia 17, mas pelo menos na final eu tinha que estar presente. O adversário do Bernô foi o também promovido Manthiqueira de Guaratinguetá. O palco, só pra variar, foi o Baetão.

O time do ABC voltou para a Série A3 depois de eliminar o Osasco FC na semi-final com uma vitória por 3x0 no duelo de ida e um empate em casa por 1x1 na semana passada. Minha ausência no confronto na cancha do ABC infelizmente foi por pura e simples falta de verba. Já o onze laranja do interior eliminou a surpresa União Mogi com um empate sem gols no Nogueirão - que teve cobertura do JP - e um triunfo por 3x1 no Dario Rodrigues Leite.

Mais do que um simples acesso, o retorno do EC São Bernardo à terceirona é o fruto de um trabalho muito bem realizado há alguns anos. Depois de anos de penúria e muita incerteza, pessoas capazes começaram a tomar conta do clube e o reconhecimento veio agora dentro de campo. Vai ser muito legal ver o Bernô disputar um novo certame e a torcida é para que façam um ótimo papel, pelo menos se mantendo na A3. Sendo um dos preferidos da casa, sempre torcerei por eles.


Esporte Clube São Bernardo - São Bernardo do Campo/SP


Academia Desportiva Manthiqueira Futebol Ltda - Guaratinguetá/SP


Capitães dos finalistas e o quarteto de arbitragem com o árbitro Kleber Canto dos Santos, os assistentes Mauro André de Freitas e Bruno Salgado Rizo e o quarto árbitro Anderson Faustino Cordeiro

Diferente do público de mais de quatro mil pessoas que marcaram presença no confronto contra o Osasco FC (mais de cinco mil oficialmente), 1.961 torcedores (550 na prática) se espalharam pelas arquibancadas da velha cancha para assistirem os primeiros 90 minutos da decisão do caneco. Nenhuma das duas agremiações foi campeã de algum campeonato da FPF, então nada de corpo mole.

O confronto começou com o escrete local tomando contra das ações. Logo aos três minutos Felipinho lançou Pedro Hulk dentro da área. O atacante cabeceou e Adalberto, o goleiro heroi contra o União Mogi, fez belíssima defesa. Só que o camisa 1 não conseguiu segurar o rápido ataque alvinegro aos treze minutos. A pelota foi cruzada na área e Erick ajeitou para João Melo. O camisa 8 acertou um belo chute da pequena área e colocou os locais em vantagem.

Atrás no placar, o Manthiqueira teve seu primeiro bom momento aos 23 numa cabeçada de Léo Costa em que Kaíque pegou bem. Cinco minutos depois Guilherme Cururu avançou pela direita e cruzou na área. Lucas Batata finalizou bem, Kaique defendeu mas deu rebote. Na sobra, o mesmo Guilherme Cururu chutou e o goleiro apareceu com brilho mais uma vez.

Aos 30 foi a vez do São Bernardo quase marcar com Felipinho desperdiçando praticamente embaixo da trave. Aos 33 Felipe, zagueiro visitante, chutou de longe e Rafael se atirou na pelota, evitando a igualdade. Foi um tempo inicial bastante movimentado e acima da média, mostrando que ambos estavam super concentrados na busca pela inédita conquista.


Comemoração dos atletas do Bernô com o primeiro gol aos 13 do primeiro tempo


Bola perigosamente passeando dentro da área local


Boa chegada local pela direita do ataque

Pena que no tempo final os dois times tenham voltado a campo sem tanta inspiração. A peleja caiu de nível e foram poucos os lances de perigo. O primeiro deles foi do escrete visitante aos 20 minutos, quando Léo chutou forte de fora da área e Kaíque surgiu para fazer bela defesa. Aos 28 foi a vez do Bernô quase ampliar com uma cabeçada incrível de Felipinho. Adalberto, sempre ele, fez difícil intervenção.

Quando o cotejo estava na reta final, o Bernô passou a dar uns vacilos monstros na defesa e os visitantes conseguiram se aproveitar disso. Numa bobeada enorme da zaga, o Manthiqueira empatou aos 37 minutos. Após cobrança de escanteio pela direita Léo Costa subiu sozinho e cabeceou firme. Os locais tentaram ainda emplacar aquela blitz até o apito final, porém o escrete interiorano se segurou bem e manteve a sua vantagem pro jogo de volta.


Escanteio a favor do Manthiqueira no começo do tempo final


Detalhe do gol de empate do onze laranja, marcado por Léo Costa


Chegada visitante em busca da virada no placar

O placar final de São Bernardo 1-1 Manthiqueira deixou a decisão totalmente em aberto. A equipe laranja precisa de um novo empate para ser campeã pela primeira vez. O Bernô terá que ganhar. Num mundo ideal, minha vontade era ir até a cidade de Guaratinguetá, porém a absoluta falta de grana não me deixará matar essa vontade.

A partir dessa semana já não sei quando voltarei de novo à São Paulo por conta de toda a situação atual de penúria. Vamos fazer uma força hercúlea para podermos voltar às coberturas o quanto antes, apesar de não ter a menor ideia de quando isso irá acontecer. Vamos em frente!

Até a próxima!

© 2018

domingo, 17 de setembro de 2017

Tempo

Fala, pessoal!

Um leitor mais atento já se ligou que o JP tá meio fora do ar nesses tempos. Sim, ele está e vai ficar assim por um tempo indeterminado. Imaginava que em agosto tudo entraria nos eixos, mas não foi isso que aconteceu. Por motivos de força maior o blog vai ficar quietinho durante um tempo, ainda sem previsão de retorno oficial. Pode ser em outubro, pode ser em novembro, pode ser só em 2018... Quando a vida passa por caminhos tortuosos, quase sempre a melhor opção é fazer um pit-stop.

Grande abraço a todos!

Fernando

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Lusa vacila e não garante o primeiro lugar da chave na Copa

Texto e fotos: Fernando Martinez


Fechando as coberturas do final de semana, a sessão vespertina do domingo foi reservada para acompanhar o confronto entre Portuguesa e Taubaté no Estádio Oswaldo Teixeira Duarte pela penúltima rodada da fase inicial do Grupo 3 da Copa Paulista. Foi o encontro entre o líder da chave e o vice-lanterna.

A Lusa já está garantida na segunda fase do certame e busca se garantir na primeira colocação numa disputa cabeça a cabeça contra o São Caetano. Além de receber o Burrão, os rubro-verdes visitam o Água Santa semana que vem. O Azulão foi derrotado pelo Nacional no sábado e recebe o Juventus no próximo domingo. Com uma simples vitória em cima do alvi-azul, a primeira colocação estaria garantida.


Associação Portuguesa de Desportos - São Paulo/SP


Esporte Clube Taubaté - Taubaté/SP


Capitães dos times junto ao árbitro Leandro Carvalho da Silva, os assistentes Mauricio Helder Alexandrino e Thiago Henrique Alborghetti e o quarto árbitro Fábio Oliveira Mendes

Invicta há cinco rodadas, dessa vez a atuação lusitana deixou bastante a desejar. Os comandados de PC Gusmão foram dominados pela fraca, porém animada equipe visitante. Decorridos 17 minutos o Taubaté abriu o marcador quando Jean viu o goleiro Douglas adiantado e cobrou falta com perfeição. Falou em falta, falou em Marcelinho Paraíba e dois minutos depois saiu o empate também na bola parada.

Achei que o escrete paulistano tinha boas chances de virar o placar ainda no tempo inicial, só que quem marcou o segundo foi o Burrão, agora com o camisa 9 Jô. Foi com o 1x2 que o intervalo chegou. Mesmo com uma campanha razoável, com a classificação antecipada e com o primeiro lugar da chave, boa parte dos 950 pagantes não estava nada satisfeita com o que se viu em campo e vaiou a saída dos jogadores.

No tempo final a Portuguesa atacou bastante e deixou tudo igual novamente numa boa cobrança de pênalti Guilherme Queiroz aos 17 minutos. Depois disso, os locais tentaram, tentaram, tentaram, mas poderiam estar em campo até agora que o terceiro não teria saído. Antes do apito final, um susto. O Taubaté chegou a fazer mais um aos 34, porém o tento foi anulado pela arbitragem.


Bola sendo disputada em lance no meio de campo


Zaga taubateana cortando cruzamento na área


Portuguesa atacando pelo seu setor esquerdo


Atleta lusitano sendo derrubado dentro da área... pênalti!


Guilherme Queiroz cobrou o penal aos 17 do tempo final e fez o segundo tento paulistano


Goleiro do Taubaté fazendo fácil defesa

O placar final de Portuguesa 2-2 Taubaté impediu que a Lusa garantisse a primeira colocação da chave com uma rodada de antecedência. O time precisa agora derrotar o Água Santa caso queria terminar em primeiro sem depender do jogo do Azulão. Caso perca, dependerá do Moleque Travesso aprontar pra cima da equipe do ABC. Assim como no tempo inicial, a exigente torcida rubro-verde homenageou seus atletas com palavras bonitas e muita compreensão... só que não.

Com essa cobertura fechei mais um final de semana na Grande São Paulo. Voltei ao litoral no começo da semana e, se conseguir uma verba, retorno à capital novamente no sábado para mais uma jornada esportiva bem marota. Espero de coração que tudo dê certo.

Até a próxima!

© 2018

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Tudo igual entre União Mogi e Manthiqueira no Nogueirão

Texto e fotos: Fernando Martinez


Vim para São Paulo sem muito ânimo de acordar cedo no domingo e pensei em fazer uma rodada apenas com a sessão vespertina. De última hora, acabei decidindo madrugar e seguir até o Estádio Francisco Ribeiro Nogueira em Mogi das Cruzes. Lá, União Mogi e Manthiqueira jogaram o duelo de ida de uma das semi-finais do Campeonato Paulista da Segunda Divisão. Ninguém, nem mais o ferrenho torcedor do alvirrubro, poderia crer que a centenária agremiação da Grande São Paulo estaria entre as quatro melhores da Segundona e disputando vaga na A3 de 2018.

A classificação nos acréscimos contra o Real Cubatense na última partida da fase inicial foi heroica e para 99,9% dos que acompanham a competição a presença num grupo com América e XV de Jaú na segunda fase significava a eliminação certa. A classificação não só aconteceu como nas quartas-de-final o União eliminou o São José, clube com melhor campanha até então, com duas vitórias. Já a equipe de Guaratinguetá, também outra enorme surpresa, eliminou o Osvaldo Cruz nas quartas. Os dois já tinham se enfrentado na primeira fase com dois triunfos pro time laranja.


União Futebol Clube - Mogi das Cruzes/SP


Academia Desportiva Manthiqueira Futebol Ltda - Guaratinguetá/SP


A FPF designou o trio de arbitragem com o árbitro Rafael Gomes da Silva e os assistentes Mauro André de Freitas e Evandro de Melo Lima para a semi-final. Na foto, também estão os capitães dos times

Estamos acostumados a ir ao bonito estádio da Grande São Paulo quase sempre com públicos de no máximo 100 pagantes. Dessa vez o cenário foi bem diferente e 2.468 torcedores ocuparam as arquibancadas esperando por uma boa apresentação local. Embalados pelas ótimas apresentações contra a Águia, o União iniciou os trabalhos jogando bem e ocupando o setor defensivo adversário. Só que a primeira boa chance foi do Manthiqueira, aos quatro minutos. Pedrinho fez grande jogada e tocou para Lucas Batata. O atacante chutou forte e Vitor fez ótima defesa. Essa foi o único bom ataque visitante durante a partida.

A maior posse de bola do União resultou na primeira grande chance local aos 28 minutos. Eto'o invadiu a área e cruzou para Ninão. O avante finalizou da pequena área e Adalberto fez um milagre. Na sequência Álvaro também finalizou cara-a-cara e o arqueiro do Manthiqueira novamente mostrou serviço. Os laranjas só se defendiam e os alvirrubros atacavam mais, porém, o marcador não foi inaugurado até o intervalo chegar.


Jogadores dentro da área do Manthiqueira enquanto a bola viaja pelo alto


Boa chance local pela esquerda, mas o atacante chegou atrasado


Escanteio a favor do União com a arquibancada no Nogueirão cheia ao fundo


Marcação firme do defensor do onze de Guaratinguetá

No tempo final o panorama de domínio total do União não foi alterado. O que mudou foi o número de oportunidades agudas de gol. O goleiro Adalberto se transformou no heroi da pátria guaratinguetaense fazendo mais duas defesas sensacionais com um grau de dificuldade elevado. Aos nove William fez boa jogada pela esquerda e cruzou rasteiro. A bola era para Ninão, mas o atleta chegou um décimo de segundo atrasado e não conseguiu empurrar para dentro do gol vazio.

Aos 15, Eto'o recebeu ótimo passe na direita e mandou um pombo sem asa. Adalberto defendeu de forma brilhante quase em cima da linha. O cronômetro andou rápido e o forte domínio territorial e a maior posse de bola não se traduziu em gols. A última boa oportunidade saiu aos 43 minutos quando Eto'o recebeu de Pinguim na entrada da área e bateu cruzado com força. O camisa 1 visitante, só pra variar um pouco, fez outra ótima intervenção e impediu que os locais invertessem a vantagem na semi-final.


No tempo final, só deu União. O Manthiqueira se preocupo apenas em se defender


Avante alvirrubro tentando sair da marcação adversária


O camisa 10 Pinguim mandando a bola na área sob o olhar do camisa 6 Luciano


Eto'o, camisa 7 do União, armando o tiro


Mais uma jogada de Eto'o com a marcação de dois zagueiros visitantes

O placar final de União Mogi 0-0 Manthiqueira frustrou os torcedores do alvirrubro que esperavam por um resultado melhor. Agora o escrete laranja joga por uma nova igualdade dentro de casa leva o clube até a Série A3 em 2018. Ao onze mogiano, resta vencer para retornar à terceirona depois de nove anos. A certeza é de que teremos um ótimo duelo no Dario Rodrigues Leite.

Saí do Nogueirão de boa, sem pressa e voltei à capital pois tinha jogo da penúltima rodada da primeira fase da Copa Paulista no Canindé.

Até lá!

© 2018

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Nacional derrota o Azulão e mantém chance de vaga na Copa

Texto e fotos: Fernando Martinez


Quase a programação deu errado, porém de última hora consegui uma verba para vir à capital em busca de outro final de semana de coberturas pro JP. Iniciei os trabalhos na tarde de sábado no Estádio Nicolau Alayon mantendo a série de apresentações do Nacional em casa em 2017. Dessa vez o duelo foi contra o São Caetano pela quinta rodada do segundo turno do Grupo 3 da Copa Paulista.

Esse encontro foi bastante comum no período de 1992 a 1998, a maior parte pela Série A3. Eu mesmo nunca tinha visto esse confronto antes já que eles pararam de jogar quando o onze do ABC se tornou "grande" nacionalmente falando. Somente ano passado voltaram a ficar frente a frente, também na Copa. Na história, foram onze confrontos com três vitórias nacionalinas, dois empates e seis triunfos do Azulão.


Nacional Atlético Clube - São Paulo/SP


Associação Desportiva São Caetano - São Caetano do Sul/SP


O árbitro Lucas Canetto Bellote, os assistentes Marco Antonio Motta Junior e William Trufelli Malaquias, o quarto árbitro Márcio Mattos dos Santos e os capitães das duas agremiações

Vindo de quatro jogos sem vencer - o que complicou demais a chance de classificação - o Naça precisava de seis pontos nos seus dois últimos compromissos e ainda por cima torcer contra Água Santa e Santos. O São Caetano já estava garantido com antecedência por causa de sua ótima campanha. Antes dessa rodada, o onze do ABC somava 23 pontos e tinha perdido apenas uma vez.

Jogando nos seus domínios, os ferroviários foram seguros desde o princípio. O São Caetano, comandado pelo rei do acesso Luís Carlos Martins, era perigoso nos contra-ataques, mas a zaga local trabalhou direitinho e não sofreu nenhum susto maior. Jogando bem, o Naça abriu o placar aos 18 minutos com o camisa 11 Tiaguinho completando cruzamento de Emerson Mi pela direita. Atrás no marcador, o Azulão foi pra cima e começou a levar perigo com bons ataques.

A partida seguiu em bom nível e aos 43 minutos, quando os visitantes jogavam melhor, o Nacional fez o segundo com Láecio. Com os 2x0 de vantagem o escrete paulistano ficou de boa e segurou a onda direitinho durante todo o segundo tempo. Os visitantes tentaram e criaram ótimos momentos, só que a meta defendida pelo arqueiro Felipe Lacerda não foi vazada.


Gabriel, camisa 4 do Azulão, se preparando para mandar a bola longe do seu campo


Ataque nacionalino pela direita


Disputa de bola pelo alto dentro da área visitante


Tiaguinho saindo para comemorar seu gol, o primeiro do Nacional


Elias, atacante do Azulão, recebendo a pelota na direita


No tempo final, o time do ABC tentou mas não foi capaz de vencer o goleiro Felipe Lacerda

O placar final de Nacional 2-0 São Caetano fez com que os ferroviários permanecessem na quinta colocação da chave, agora com 20 pontos. Na última rodada o Naça precisa derrotar o Taubaté fora de casa e torcer ou para o Santos não ganhar da lanterna Briosa ou pro Água Santa não ganhar da Portuguesa. Só assim eles ficarão entre os 16 classificados. Depois de tanto vacilo, só resta ficar na torcida.

No domingo consegui emplacar uma genial rodada dupla começando com jogo importante pela semi-final da Segundona Paulista. Caí da cama e fui até Mogi das Cruzes ver um confronto improvável.

Até lá!

© 2018

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Bernô elimina o Taquaritinga e está na semi da Segundona

Texto e fotos: Fernando Martinez


No domingo, encerrando as coberturas do final de semana, rolou uma sessão da tarde absolutamente imperdível. EC São Bernardo e Taquaritinga se enfrentaram no Baetão decidindo quem seria o último classificado para a semi-final do Campeonato Paulista da Segunda Divisão. Na minha lista de apostas, colocava os dois favoritos pro acesso. O duelo entre eles na minha modesta opinião deveria ter acontecido na decisão.

Não foi fácil a chegada do Bernô às quartas de final. Você viu aqui no JP a cobertura dos três compromissos realizados pela segunda fase na velha cancha do ABC, todos com vitória: 2x0 contra o Osvaldo Cruz, 2x0 contra o VOCEM e 4x1 em cima da Francana. Em casa, 100% de aproveitamento, fora, apenas um ponto contra a Veterana. Apesar de tudo, a equipe terminou na liderança do Grupo 7. O CAT estava no Grupo 8 e também terminou na liderança. No jogo de ida das quartas-de-final, vitória do Leão da Araraquarense pela contagem mínima e a inversão da vantagem. Um empate classificaria o quadricolor, enquanto o onze da Grande São Paulo precisava vencer.


Esporte Clube São Bernardo - São Bernardo do Campo/SP


Clube Atlético Taquaritinga - Taquaritinga/SP


Capitães do Bernô e do CAT juntos com o árbitro Rodrigo Gomes Domingues e os assistentes Vladimir Nunes da Silva e Bruno Silva de Jesus

Entre várias coisas geniais desse confronto, uma delas foi o clima de decisão. Um total de 3.250 pessoas pagaram ingresso, deixando o Baetão com uma aparência que há muito não se via. Além da boa presença da torcida local, muita gente veio de Taquaritinga. Todos já sabiam que seria um cotejo complicado e a vaga seria definida com bastante emoção. Quando a bola começou a rolar, confirmamos todas as expectativas.

O alvinegro do ABC começou melhor e buscou atacar a bem postada defesa visitante. Não tivemos uma chance clara de gol, apesar disso os atacantes chegaram várias vezes dentro da área. O que complicou bastante a atuação do Bernô foi a expulsão de 11 Erick aos 17 minutos. O camisa 11 deu um soco no pescoço de um atleta adversário numa jogada na lateral e deixou seu time com um a menos. Precisando vencer, isso deixou a coisa mais dramática.

Com um a mais, o Taquaritinga tentou se aproveitar porém quase sofreram o primeiro aos 22 minutos. Pedro roubou a bola no meio e lançou Eric Mamer na área. Ele chutou firme com endereço certo, só que Geílson fez uma estupenda defesa. Alternando bons momentos, ambas as agremiações atacaram bastante, mas o zero não saiu do placar. Pro segundo tempo, os comandados de Ricardo Costa teriam que ser mais objetivos caso quisessem se classificar.


Disputa de bola no meio-campo


Erick saindo de campo depois de ser expulso aos 17 do tempo inicial


Goleiro do CAT fazendo boa defesa em cobrança de falta


Investida do Bernô pela direita

O segundo tempo começou com o Bernô tentando ser mais efetivo e teve mais posse de bola, pena que chute no gol mesmo não tinha. A pressão era efêmera e a cada minuto que passava a torcida ficava mais apreensiva. Aos 11 minutos, um susto... O Taquaritinga teve a mais clara oportunidade para consolidar sua classificação, mas o avante perdeu um gol feito. Aos 21, outro bom momento com um tiro de longe de Barone e boa defesa de Caíque.

O momento era todo do CAT e foi nessa hora que o São Bernardo, na marra, abriu o marcador. Decorridos 24 minutos, o lateral Vítor arriscou de longe. O goleiro Geilson defendeu parcialmente e, no rebote, Dênis deu de carrinho e colocou a bola no fundo da meta. Um tento heroico, no sufoco, na raça, bem como a campanha do Bernô nessa Segundona. Com o 1x0 contra não restou outra opção pro Leão da Araraquarense a não ser se mandar pro ataque em busca do empate.

O sufoco que o onze local passou até o apito final foi enorme. Os visitantes atacaram na base do bumba-meu-boi e assustaram a zaga alvinegra mais de uma vez. Depois de tantos anos de penúria e de resultados desastrosos, muitos dos que estavam na arquibancada torta do Baetão não acreditavam no que estavam vendo: um EC São Bernardo competitivo prestes a se classificar entre os quatro melhores do certame. Empurrados por essa força, o glorioso clube do ABC se segurou com méritos e, ao último trilar do apito do árbitro, conquistou a vaga na semi.


Visão geral do Baetão para São Bernardo x Taquaritinga


Ataque aéreo do Taquaritinga no segundo tempo


Atleta do CAT se mandando pro ataque


Camisa 3 do Bernô cortando cruzamento dentro da sua área

O placar de EC São Bernardo 1-0 Taquaritinga colocou o Cachorrão na semi-final da edição 2017 da Segundona Paulista. É a primeira vez que a equipe fica entre os quatro melhores de uma competição profissional desde a Terceirona de 1993. O último adversário na busca do retorno para a Série A3 será o Osasco FC, que eliminou o Mauaense também com cobertura do JP. Na outra semi, a zebraça União Mogi pega o Manthiqueira.

Depois de acompanhar os anos de limbo do Bernô, com seis rebaixamentos em sete anos durante os anos 90, as campanhas terríveis na virada do século, a saída do profissionalismo em 2001, a volta em 2010 sem nenhuma campanha realmente digna de registro, é genial acompanhar o renascimento da tão tradicional agremiação da Grande São Paulo. Falando por mim, estarei na torcida para que possam conquistar o acesso.



Festa dos jogadores e dos torcedores do São Bernardo pela classificação

Minha estadia foi de cinco dias com seis jogos no cronograma. Agora passo a semana no litoral e no próximo sábado volto à capital pensando em manter minha série nos cotejos do Nacional em 2017. Além disso, vamos tentar emplacar alguma rodada dupla no domingo.

Até a próxima!

© 2018