Procure no JP

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Bernô derrota o Barcelona e se classifica na Segundona

Texto e fotos: Fernando Martinez


Depois de colocar dois times novos na Lista na sexta e no sábado voltei pra casa pois tinha que bater cartão no Estádio Nicolau Alayon na manhã do domingo. Tudo para manter meu dever moral e cívico de acompanhar in loco o Barcelona paulistano no Campeonato Paulista da Segunda Divisão quando atua na capital. O adversário da vez foi o forte EC São Bernardo, até aqui voando sem turbulência na disputa do Grupo 3. Essa foi a 22ª partida seguida do Elefante como mandante que contou com a minha presença.


Barcelona Esportivo Capela Ltda. - São Paulo/SP


Esporte Clube São Bernardo - São Bernardo do Campo/SP


Quarteto de arbitragem com o árbitro Thiago Lourenço de Mattos, os assistentes Vladimir Nunes da Silva e Enderson Emanoel da Silva, o quarto árbitro Givaldo Alves dos Santos e os capitães dos times

Vindo de sete jogos invicto e líder isolado da chave, o Bernô vem empolgando sua torcida. Além do que apresenta dentro de campo, uma das grandes vitórias conquistadas pelo clube na atual temporada foi o fato de que agora o pessoal pode trabalhar sossegado e treinar em São Bernardo do Campo. Parece pouco, mas quem conhece o que rolou nos últimos anos, com certeza vale a comemoração.

Já os paulistanos seguem sem vencer no certame e, com a derrota sofrida pro Itararé, na rodada anterior alcançou a marca de 16 jogos sem nenhuma vitória, se aproximando do jejum de 19 pelejas entre 2015 e 2016. A última vez que o clube saiu de campo vitorioso foi em 5 de junho de 2016 no 3x2 contra o CA Lemense. Nada indicava que essa sequência seria quebrada no domingo.

Quando o árbitro iniciou o confronto, não demorou para a expectativa se confirmar e o onze visitante não deu a menor chance ao Barcelona. Os locais se dedicaram bastante e seus atletas não desanimaram em nenhum momento. Só que a diferença técnica entre os dois é enorme e isso se refletiu de forma clara no gramado.


Victor Luiz avançando pela esquerda


Detalhe do primeiro gol da manhã, marcado por Felipinho


Raro momento em que o Barcelona chegou no campo de ataque


Bola passando perto da trave em grande defesa de Alexandre


Defensor do Elefante se mandando para o ataque

Felipinho abriu o marcador aos nove minutos completando cruzamento da esquerda. Ele mesmo foi responsável por mais finalizações que levaram muito perigo à meta defendida pelo goleiro Alexandre. O camisa 1 foi responsável direto pela partida chegar no intervalo somente com a vantagem mínima a favor do Bernô.

Sob um forte calor, o segundo tempo foi menos intenso, porém ainda com o São Bernardo melhor. Alan ampliou o marcador aos oito minutos e se os atacantes alvinegros tivessem mais inspirados, a vitória poderia ter sido com uma diferença de gols ainda mais elástica. No decorrer da peleja, o clima esquentou por conta de alguns lances mais duros dos dois lados.


Bola levantada na área local


Ataque do Barcelona no segundo tempo


Boa saída do goleiro do São Bernardo

No fim, o placar final de Barcelona 0-2 EC São Bernardo classificou de forma antecipada a equipe do ABC para a segunda fase. São 28 pontos conquistados em 33 possíveis, num aproveitamento de mais de 84%. O certame ainda está longe de terminar, mas por enquanto essa é a melhor performance da história profissional do Bernô. Fato que é um dos que lutará pelo acesso. Os paulistanos seguem na lanterna com cinco pontos.

Até a próxima!

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Galo do Sul e Fantasma da Ituana ficam no zero em Capão Bonito

Texto e fotos: Estevan Azevedo


Salve amigos!

Findando a sensacional Country Tour de Corpus Christi do último feriado, já sem o Fernando nos quadros da equipe, rumei com Emerson para a simpática Capão Bonito, cidade de 50 mil habitantes a pouco mais de 200 quilômetros da capital. Chegamos ainda na noite anterior à partida, a tempo de nos deliciarmos com os encantos da cidade. Encantos perigosos, que quase nos fazem perder a hora no domingo pela manhã.

Como o café da manhã não esperou os retardatários, de barriga vazia rumamos para o Estádio Municipal Dr. José Sidney da Cunha, com capacidade oficial (e duvidosa) para pouco mais de dez mil pessoas. Frente a frente, pela 11ª rodada do Campeonato Paulista 2017 – Segunda Divisão, em seu grupo três, estiveram o time da casa, Elosport CB, e o onze visitante, EC Primavera, de Indaiatuba, localizada a cerca de 200 quilômetros do local da partida.


Fachada do Estádio Municipal Dr. José Sidney da Cunha


Elosport Capão Bonito - Capão Bonito/SP


Esporte Clube Primavera - Indaiatuba/SP


Capitães das equipes, com o quarteto de arbitragem formado por André Luís Riquena, Eduardo Vequi Marciano, Alex Alexandrino e Paulo Nogueira Pinho Junior

Acompanharam a peleja 109 pagantes, que proporcionaram uma renda de R$ 755,00. O Elosport dominou os 30 primeiros minutos de jogo, marcando bem a saída de bola, tendo posse da pelota, mas sem construir chances claras de gol. O Primavera apostava nos contra ataques e nas bolas paradas, também sem sucesso. A falta de criatividade das equipes fez com que o intervalo rolasse sem abertura de placar.


Bola na área do Primavera


Na bola parada o Primavera teve suas melhores chances na primeira etapa


Lance do primeiro tempo


Kaike Rocha voa para impedir o gol do time azul

A segunda etapa foi mais equilibrada e movimentada. O Primavera chegou com mais perigo ao gol dos anfitriões, que tiveram que direcionar mais atenção ao setor defensivo e, consequentemente, a abertura de placar passou a depender de um lance de bola parada, ou de algum lampejo de criatividade de algum jogador, que acabou não acontecendo.


Luis dos Reis, treinador do Primavera, leva as mãos à cabeça, após sua equipe perder a posse de bola


Lance da segunda etapa



Dois isolados torcedores visitantes e o amigo Emerson, que até tentou ajudar, mas não precisou mexer no placar do estádio

Fim de jogo, Elosport 0x0 Primavera. O resultado foi suficiente para que o Tricolor Indaiatubano conquistasse sua classificação antecipada à fase seguinte. O Elo briga por uma das duas vagas ainda abertas, contra Itararé, Osasco e Guarulhos, tendo confrontos diretos, na sequência do campeonato, contra os dois últimos, despedindo-se fora de casa contra o eliminado Diadema.

Até a próxima!

terça-feira, 20 de junho de 2017

Ituano decepciona sua torcida e fica no zero com o PSTC

Texto e fotos: Fernando Martinez


A caravana da coragem que começou na sexta-feira continuou em atividade no último sábado. Na pauta, outra peleja do Campeonato Brasileiro da Série D, agora na aprazível cidade de Itu. Em campo, o Ituano fez sua última apresentação no Estádio Novelli Júnior pelo Grupo A17 enfrentando um time de futebol com nome de partido, o PSTC de Cornélio Procópio, a equipe 659 da minha Lista.

Saímos de Piracicaba por volta do meio dia e cerca de uma hora depois estávamos zanzando pela cidade que já foi a mais rica do estado em tempos mais remotos. Fizemos um almoço de responsa antes de seguirmos até o Majestoso da Vila Nova. A PM nos revistou, revistou as mochilas e até revistou o carro antes de finalmente entrarmos nas dependências da cancha. Fui logo ao gramado e ali fiquei aguardando o apito inicial.


Ituano Futebol Clube - Itu/SP


Paraná Soccer Technical Center - Cornélio Procópio/PR


Capitães dos times e quarteto de arbitragem com o baiano Gleidson Santos Oliveira e os paulistas Gustavo Rodrigues de Oliveira, Diogo Correia dos Santos e Douglas Marques das Flores

Fundado em 1994, o Paraná Soccer Technical Center revelou vários jogadores de renome desde então e passou a se aventurar no profissionalismo em 2010 participando da terceira divisão. Em 2012 conquistou o acesso para a segunda e foi campeão da mesma em 2015. O PSTC chegou à semi-final do paranaense de 2016 e essa campanha o credenciou a disputar a D nas duas últimas temporadas. No começo desse ano, o clube foi rebaixado no estadual.

Nos três confrontos do PSTC contra paulistas, nenhuma derrota. Foram duas vitórias - contra o Linense em 2016 e contra o mesmo Ituano no primeiro turno - e um empate. O rubro-negro enfrentou times do estado vizinho na história do nacional em dezessete oportunidades, somando sete triunfos, três empates e seis derrotas. Retrospecto apenas razoável.

O empate sem gols contra o Metropolitano fez a torcida ficar preocupada com o futuro na Série D. A esperança era que contra o lanterna da chave tudo pudesse melhorar. Infelizmente o futebol apresentado durante os 90 minutos deixou muito a desejar. O que se viu no gramado foi uma peleja abaixo da média e com pouca emoção.

Os locais ficaram mais tempo com a bola nos pés, mas chances de gol foram bastante raras. A primeira e mais importante do tempo inicial aconteceu aos 13 minutos em finalização de Everton que passou perto da trave. Apesar de ficar perambulando perto da área do PSTC, até o intervalo somente Pingo fez a torcida sonhar em chute de longe que Copetti defendeu.

Acabou sendo dos paranaenses o momento mais perigoso dos 45 minutos iniciais em cobrança de falta de Rafael Lemes. A batida tinha endereço certo, só que o arqueiro Oliveira apareceu bem e mandou a pelota para escanteio, isso aos 39. Foi com o placar em branco e com a torcida já bastante impaciente que os atletas foram aos vestiários.


Bola viajando no setor defensivo do Ituano


Defensor do PSTC roubando a bola de atleta rubro-negro


Aquele corte maroto dentro da área paranaense


Disputa de bola pelo alto no fim do primeiro tempo


O Ituano atacou bastante, mas a rigor teve apenas duas boas chances no tempo inicial

Disposto a resolver a parada de uma vez, o Ituano conseguiu ser mais incisivo no tempo final, porém as finalizações novamente foram o maior problema. O rubro-negro chegou a ter quatro atacantes em campo e nenhum deles foi capaz de vencer a meta do PSTC, que mais se preocupou em se defender do que tentar melhor sorte ofensivamente falando.

Somente nos primeiros minutos foram três as oportunidades claras para a abertura do placar a favor do onze paulista. Aos sete, Everton chutou forte, Copetti deu rebote e Pingo desperdiçou na sequência. Aos onze, Bassani chutou cruzado e a pelota tirou tinta da trave. A partida começava a ficar com aquele cheirinho bem forte de 0x0.

Por volta dos trinta minutos, Bassani cobrou falta com perigo e Copetti de novo apareceu bem na foto. A cada minuto que passava, o pessoal nas arquibancadas ia perdendo a esperança de um bom resultado. Pra deixar tudo ainda mais dramático, o PSTC conseguiu a proeza de perder um gol feito nos acréscimos emendando um contra-ataque incrível. Um dos atacantes avançou por todo o campo de defesa local, entrou na área, mas ao invés de encher o pé quando estava sozinho, esperou a chegada dos zagueiros, que fizeram o desarme sem problema.


No segundo tempo a tônica foi essa: PSTC na defesa só segurando a pressão local


Ataque paulista pela direita sob a firme marcação da zaga visitante


Bom chute de longe que passou perto da trave do PSTC

No fim, o placar final de Ituano 0-0 PSTC obriga o Galo a ter que vencer o duelo contra o São José de Porto Alegre no próximo domingo para se classificar sem depender de ninguém. Caso não vença, torce pro Metropolitano não derrotar os paranaenses jogando fora de casa. Mais uma torcida paulista que irá sofrer bastante na rodada derradeira.

Com dois jogos, dois times novos na Lista e apenas um gol, saí do estádio com os amigos presentes e antes de pegar meu caminho de volta pra casa, ainda deu tempo de passear um pouco pelo centro da cidade. A caravana da coragem seguiu até Capão Bonito para um jogo da Segundona no domingo cedo enquanto eu novamente bati cartão com o Barcelona paulistano.

Até lá!

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Série D: XV joga bem e derrota o Brusque em Piracicaba

Texto e fotos: Fernando Martinez


Ah, o feriado... nesses dias de descanso pintou uma daquelas viagens típicas do Jogos Perdidos que estavam fora de catálogo há muito tempo. Eu, Emerson e Estevan armamos uma caravana com direito a times novos, passeios pelo interior e poucos gols. A jornada começou na tarde de sexta-feira e teve como destino a cidade de Piracicaba.

Diferente do que aconteceu na semana anterior, dessa vez não teve correria, percalço ou problema na estrada e conseguimos chegar no Estádio Barão de Serra Negra na boa. Foi a noite do terceiro duelo do XV de Piracicaba como local no Campeonato Brasileiro da Série D, o terceiro com cobertura do blog. O adversário da vez foi o Brusque, time 658 a fazer parte da Lista.

Fundado em 1987 depois da fusão dos departamentos de futebol do Carlos Renaux e do Paysandu, o Brusque Futebol Clube teve como seu maior momento o título estadual de 1992. Nos seus trinta anos de história, a agremiação ficou de fora de alguma divisão do catarinense apenas em 2003 e já conta com 22 participações na elite. Falando em Brasileiros, essa é a quarta presença na Série D e a sexta no geral (esteve também na C de 1988 e a B de 1989).

Foram poucas as vezes que a equipe quadricolor atuou de forma oficial contra paulistas na história do nacional, sete partidas para ser mais preciso. As quatro primeiras na Série C de 1988 contra Santo André e União São João, as duas seguintes versus o São Bento na D do ano passado e o duelo no primeiro turno do Grupo A15 contra o Nhô Quim. Nos sete compromissos, duas vitórias, um empate e quatro derrotas.

Já o retrospecto do XV contra catarinenses é imenso e contava com 32 confrontos até então. Os piracicabanos foram derrotados em metade deles, 16, além de terem vencido 10 vezes e empatado outras seis. No duelo realizado no Augusto Bauer, triunfo brusquense por 3x1. Para manter vivo o sonho da classificação, o alvinegro precisava vencer ou vencer.


Esporte Clube XV de Novembro - Piracicaba/SP


Brusque Futebol Clube - Brusque/SC


Capitães dos times junto ao árbitro maranhense Ranílton Oliveira de Sousa e os assistente paulistas Fabrício Porfírio de Moura e Evandro de Melo Lima

Mesmo com a situação ruim na tabela, a torcida compareceu mais uma vez em bom número ao Barão e os mais de 1300 presentes viram finalmente uma apresentação boa do XV. O time melhorou demais e atuou de forma bem diferente do que nas pelejas contra o São Paulo de Rio Grande e o Operário de Ponta Grossa.

Logo aos cinco minutos Gilsinho criou a primeira boa chance num chute de longe. Pelo lado do Brusque, Wilson Júnior cabeceou com perigo e obrigou Mateus Pasinato a fazer grande defesa. Aos 17, novo ataque local com Frontini. O avante acertou um belo tiro e Dida se esticou todo, mandando pela linha de fundo.

O jogo estava num ritmo muito bom e aos 26 minutos os paulistas saíram na frente numa belíssima jogada. Zé Mateus fez grande jogada pela direita e cruzou na área. Léo Carvalho ajeitou e Tito, mostrando grande estilo, colocou no ângulo esquerdo de Dida. Golaço! O XV manteve o ritmo até o final da primeira etapa, porém não foi capaz de ampliar a vantagem.


Bola levantada dentro da área do Brusque logo no começo do jogo


Frontini disputando lance no meio de campo


Início da jogada do gol do XV. Aqui, o cruzamento de Zé Mateus



Duas investidas de Romarinho pelo lado direito do campo

Nem bem o segundo tempo tinha começado e por muito pouco os piracicabanos não marcaram novamente em paulada de Zé Mateus que bateu na trave. Essa acabou sendo o primeiro e último grande momento da equipe nos últimos 45 minutos, já que a inspiração desapareceu quase que por completo.

Nessas o Brusque foi colocando as manguinhas de fora e por muito pouco não deixou tudo igual em conclusão de Wilson Júnior aos 16 aonde o arqueiro Mateus Pasinato salvou a pátria quinzista. Os passes errados e a falta de lances mais agudos irritou a torcida mesmo com a vantagem no placar.


Goleiro do Brusque saindo da meta para afastar a bola da área


Cobrança de falta favor do time visitante


No segundo tempo a partida ficou bastante concentrada no meio-campo


Dessa vez a sempre fiel torcida quinzista teve motivos para comemorar

Se não dá na técnica, vai na base da raça. Sem maiores emoções até o último apito do árbitro, o resultado do tempo inicial se confirmou: XV de Piracicaba 1-0 Brusque, a segunda vitória do Nhô Quim na Série D 2017, a segunda em casa e a segunda com o uniforme todo preto. Com o triunfo, o XV soma seis pontos na tábua de classificação do Grupo A15 e está em terceiro. Um ponto à sua frente está o onze catarinense, o vice-líder da chave.

Na rodada derradeira os paulistas precisam vencer o São Paulo gaúcho fora de casa e o Brusque não pode derrotar o já classificado Operário paranaense jogando nos seus domínios. Resta aos piracicabanos ficarem com os ouvidos ligados no radinho no próximo domingo para conquistarem uma vaga na próxima fase. Difícil, mas não impossível.

Saindo do Barão paramos para fazer uma boquinha numa lanchonete do lado do estádio antes de voltarmos para o hotel. Dessa vez não teve retorno para a capital, e sim um pernoite na Atenas Paulista pois tinha mais uma peleja da Série D pelo interior do estado no sábado.

Até lá!

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Lusa vira e rouba a liderança do CRESSPOM no Brasileiro A2

Texto e fotos: Fernando Martinez


Na tarde de quarta-feira pintou a chance de ver mais um joguinho do genial Campeonato Brasileiro Feminino A2, a segunda divisão do nacional da categoria. Fui ao Estádio Doutor Oswaldo Teixeira Duarte pro encontro entre a Portuguesa e o CRESSPOM do Distrito Federal, respectivamente vice-líder e líder do Grupo 2, pela quinta rodada da primeira fase.

O Clube Recreativo e Esportivo de Sub-Tenentes e Sargentos da Polícia Militar tem tradição no futebol feminino do país nesse século e já foi campeão estadual por seis oportunidades. A agremiação participou de sete edições da Copa do Brasil feminina (competição que infelizmente foi extinta em 2017) e tem como melhor participação a semi de 2016. Já no Brasileiro, a estreia acontece justamente nessa temporada.


Associação Portuguesa de Desportos (feminino) - São Paulo/SP


CRESSPOM (feminino) - Distrito Federal/DF


Capitães dos times junto com o quarteto de arbitragem formado por Adriano de Assis Miranda, Marcela de Almeida Silva, Patrick Andre Bardauil e Adeli Mara Monteiro

Nas quatro rodadas realizadas até então, as duas equipes somaram juntas sete vitórias e apenas um empate (da Lusa contra o ADECO na estreia). Isso colocou o CRESSPOM na liderança da chave com doze pontos e as rubro-verdes na segunda posição com dez. As duas são as maiores favoritas para ficarem com as vagas do Grupo 2 na semi-final.

Cheguei no Canindé na boa e fazendo o trajeto casa-estádio a pé (outro ponto positivo de morar no centro de São Paulo). A casa lusitana recebeu um diminuto (e animado) público de cerca de 50 pessoas que viram uma peleja boa. No tempo inicial, o CRESSPOM, comandado pela medalhista olímpica Ester, jogou melhor e criou as melhores chances.

Foi a camisa 8 quem abriu o placar aos 35 minutos em boa jogada pela direita que contou com a falha da zaga local, chute cruzado e um pequeno vacilo da arqueira Bruna. Após o gol sofrido a Portuguesa começou a se aventurar mais no campo de ataque e teve dois bons momentos pelo alto.


Adriana, camisa 5 do CRESSPOM, cobrando falta dentro da área local



Dois ataque lusitanos pelo alto durante o primeiro tempo

O primeiro tempo foi mais ou menos, porém no tempo final o cenário mudou e vimos uma partida mais movimentada. Só que isso não se traduziu em reais oportunidades e durante 30 minutos rolou apenas um bom momento de cada lado. Aos quatro a goleira local fez grande defesa em chute de Érica. Dani respondeu à altura e quase deixou tudo igual aos seis em boa cobrança de falta.

A peleja foi seguindo nessa toada até os 29 minutos, momento em que a Portuguesa conseguiu um escanteio pela direita. A camisa 14 Thaís levantou na área e Samara, camisa 7 do CRESSPOM, tocou de cabeça contra o próprio patrimônio. Gol contra e tudo igual no marcador do Canindé.

O tento foi a injeção de ânimo que faltava para as rubro-verdes. Aos 35 minutos quase pintou o segundo em bola na trave da camisa 3 Letícia. Já aos 46 não teve jeito e a virada aconteceu. Num contra-ataque pela esquerda, a zaga visitante vacilou, a atacante Lu entrou na área e chutou cruzado. A camisa 12 Vó deu rebote e Bia, destaque do elenco, chutou pra virar o placar.



Érica, camisa 9 do time do Distrito Federal, foi muito bem marcada durante toda a partida


Momento exato em que Samara tocou de cabeça para marcar contra e deixar tudo igual no Canindé


Meio de campo bastante povoado. Destaque para a camisa 8 Ester, medalhista olímpica com a seleção brasileira em 2008


Início da jogada do segundo gol da Portuguesa

O placar final de Portuguesa 2-1 CRESSPOM foi merecido pela luta mostrada no segundo tempo e também por conta dos vários lances desperdiçados pelo time preto e amarelo. Com esse triunfo a Lusa virou líder com treze pontos, seis acima do terceiro colocado e com dois jogos ainda a serem realizados. Só um desastre fará as meninas da capital perderem a vaga na semi-final.

Fiquei de boa no restante da quarta-feira e voltei à ativa no feriado com direito a uma daquelas viagens clássicas do JP que há muito não se via. Teve Série D em dobro no cronograma com direito a mais dois times geniais na Lista numa jornada que lembrou muito os momentos de glória do blog.

Até lá!