Procure no JP

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

União Suzano se despede da Segundona com nova derrota

Texto e fotos: Fernando Martinez


Na manhã do domingo acabou a segunda fase do Campeonato Paulista da Segunda Divisão e o Plano A reservava uma ida até Guarulhos. Como a peleja foi cancelada no meio da semana, tive que apelar para o Plano B. Após quatro anos, voltei ao Estádio Francisco Marques Figueira acompanhar de perto a despedida do sempre legal União Suzano atuando contra o Tupã. O duelo foi válido pela última rodada do Grupo 11.

Depois de terminar a primeira fase como líder do Grupo 6 com uma bela campanha, o USAC viu o técnico Luiz Carlos Cavalheiro deixar o clube e com ele vários atletas, todos reclamando de atraso em salários e problemas de infra-estrutura. O resultado prático foi trágico: cinco jogos, cinco derrotas e 18 tentos sofridos. O sonho de vaga na terceira fase se transformou num enorme pesadelo.

Já o Tricolor da Alta Paulista fez o suficiente para passar da primeira fase - foi terceiro do Grupo 1 com 17 pontos - e na segunda não comprometeu. A equipe chegou na última rodada com oito pontos e quase garantida como uma das melhores terceiras colocadas. Como eram francos favoritos contra o onze suzanense, dava pra dizer que somente uma catástrofe os deixariam de fora. Ninguém em sã consciência acreditava na eliminação.


União Suzano Atlético Clube - Suzano/SP


Tupã Futebol Clube - Tupã/SP


O árbitro João Batista Avelino, os assistentes Fabrício Porfírio de Moura e Luis Felipe Silva, o quarto árbitro Alex Leite Palmira e os capitães dos times


O técnico Tupãzinho, eterno talismã da Fiel, comandando o Tupã

Eu quase abortei a missão por conta do cansaço pós-madrugada de trabalho. Como estava de folga no restante do dia, resolvi deixar o sono para depois e emplaquei a primeira visita ao principal palco futebolístico de Suzano desde 2015. Minha última vez ali tinha sido num ECUS x Bandeirante pelo sub-20 em outubro daquele ano. O União eu não via lá desde abril de 2014 numa derrota contra o Guarulhos, também pela Segundona.

A jornada teve várias novidades no seu trajeto. Primeiro, fui direto na composição que peguei na Luz pois não a maldita baldeação na CPTM em Guaianazes é coisa do passado. Também ainda não tinha visitado a nova Estação Suzano, agora uma construção enorme que nada se parece com a antiga. Foi a primeira vez que estive ali após a reforma que possibilitou a volta do USAC aos torneios da FPF. A cancha tem nova pintura e ganhou uma arquibancada de concreto oposta à parte coberta. Não mudou tanto, mas ficou bem melhor do que era.

Dentro de campo, nada de surpreendente. Antes da bola rolar, como sempre acontece quando o encontro, outra vez fui cumprimentar o técnico visitante, o eterno talismã da Fiel Tupãzinho antes de pegar meu banquinho e ir me postar no ataque visitante, esperando que a boa performance seria suficiente para que fizessem uma boa apresentação. Além disso, o USAC tinha apenas com um reserva no banco.

Quando a bola começou a rolar parecia que o enorme favoritismo do Tupã se confirmaria sem dificuldades. Aos seis minutos o time teve uma falta pela esquerda. A cobrança de Gabriel foi no meio do gol e a defesa parecia simples. Lucas foi seco segurar a pelota, só que ela escapou de suas mãos e morreu no fundo do gol. Uma daquelas falhas clássicas que não vemos todos os dias.

O início avassalador logo deu lugar a uma morosidade e uma falta de inspiração crônica em todo o escrete tupaense. Errando muitos passes, os atletas ficaram aquém da expectativa. Como o USAC também pouco fazia, a peleja se arrastou. Emoção de novo só aconteceu aos 31 minutos quando Lucas deu um drible seco perto da área e chutou. O arqueiro local fez boa defesa. Dois minutos depois, bom chute de Gledson que passou por cima.

Apesar de toda a inoperância, o Tupã chegou ao segundo gol aos 42 minutos com Eliton. O camisa 2 foi lançado em profundidade na direita e ele, sem marcação, chegou antes do goleiro e bateu com classe por cobertura. A bola fez o caminho perfeito e a vantagem visitante foi ampliada com sucesso. Foi com o 0x2 no placar que o intervalo chegou e aproveitei para bater aquele plá com os amigos Nilton e Raul, os embaixadores de Suzano.


Exato momento em que o goleiro do União Suzano tentava agarrar a pelota na cobrança de falta de Gabriel. Ela espirrou na luva e foi parar dentro do gol


Bola levantada dentro da área suzanense e boa saída do camisa 1 local


Uma das fracassadas tentativas de ataque do União no primeiro tempo


Ataque tupaense pela direita ainda no primeiro tempo


Lance do segundo gol do Tupã, marcado pelo camisa 2 Eliton

Entre vários assuntos, discutimos o jogo do bicho, os bastidores do futebol e o mundo dos colecionadores de camisas de futebol, assuntos presentes nas conversas de 9 entre 10 brasileiros. Ainda falávamos quando o tempo final começou, e de forma surpreendente a partida teve outro cenário. Buscando fazer uma despedida digna, o União encurralou o seu adversário e criou várias chances de gol.

O ataque da casa se aproveitou da apatia visitante e mereceu chegar ao empate. Foram vários ótimos momentos, os dois principais aos 19 e 28 minutos. No primeiro, Guilherme cruzou da direita e João Victor recebeu. O camisa 7 ficou cara-a-cara com Zocante - um dos melhores nomes de jogadores de 2019 - e obrigou o arqueiro a fazer milagre. No segundo, foi a vez de Guilherme ter oportunidade à queima-roupa, porém o jogador finalizou em cima do guarda-metas.

Os comandados de Tupãzinho pareciam que tinham comido uma feijoada no vestiário tamanha a preguiça demonstrada em campo. O pessoal até chegou dentro da área adversária algumas vezes e, apesar disso, as finalizações sempre foram sem nenhum capricho. Parecia que estavam apenas cumprindo tabela e esperando o apito final. Se jogarem assim na terceira fase, não terão futuro.


No tempo final, o União melhorou e levou muito perigo ao gol defendido por Zocante


Perigosa chance do USAC pelo alto


Atleta do Tupã se mandando para o campo de ataque

No final, mesmo com os locais merecendo melhor sorte, o marcador ficou em União Suzano 0-2 Tupã. O Índio Guerreiro ficou em segundo lugar no Grupo 11 com a mesma pontuação do líder Paulista e do terceiro colocado Catanduvense. A ordem foi definida pelo saldo de gols. Agora são dezesseis os restantes no certame, e o Tricolor da Alta Paulista estará no Grupo 13 junto com Francana, Catanduva FC e Marília. Ao USAC, a esperança que voltem em 2020 sem nenhum percalço no meio do caminho.

Já sob um forte e inesperado calor, saí da cancha suzanense e, antes de pegar o trem, fiz uma boquinha numa lanchonete recém-inaugurada próxima da estação. Se antes era um perrengue achar algo legal na região - e olha que eu frequento ali desde 1992 - hoje está muito mais fácil. É o progresso agindo...

Até a próxima!

_________________________

Ficha Técnica: União Suzano 0-2 Tupã

Competição: Campeonato Paulista da Segunda Divisão; Local: Estádio Francisco Marques Figueira (Suzano); Árbitro: João Batista Avelino; Público: 2.002 pagantes; Renda: R$ 10.020,00; Cartões amarelos: Petterson (Uni), André (Tup); Gols: Gabriel 6 e Eliton 42 do 1º.
União Suzano: Lucas; Edson, Matheus Augusto, Gabriel e João Vítor; Petterson, João Victor, Caíque e Fabricio; Guilherme e Matheus Sales (Jonathan). Técnico: Felipe de Freitas.
Tupã: Zocante; Eliton, Fabricio, Gui e Caíque; Marcos, Gledson, Gabriel (Allisson) e Davidson (Linkon); Andre e Lucas (Caio). Técnico: Tupãzinho.
_____________

Nenhum comentário:

Postar um comentário