Procure no JP

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Outro vacilo do Nacional, agora contra o Desportivo Brasil

Texto e fotos: Fernando Martinez


Depois de fazer uma apresentação abaixo da média na terça-feira (derrota para a Portuguesa por 2x0), o Nacional voltou a campo na tarde de sábado pensando em apagar a má impressão enfrentando o Desportivo Brasil pela oitava rodada da primeira fase da Copa Paulista em seu Grupo 3. Foi um daqueles famosos "jogos de seis pontos" no Estádio Nicolau Alayon, o 47º consecutivo com cobertura do JP.

O grande problema era que a equipe da Zona Oeste já estava com uma sequência de cinco jogos sem nenhuma vitória e por isso perdeu o técnico Ricardo Silva após o revés contra os lusitanos. A nova parceira nacionalista escolheu Felipe Alves para dirigir a equipe interinamente até o fim da fase. Mesmo com todas as dificuldades, uma vitória deixaria a equipe próxima da vaga na segunda fase.


Nacional Atlético Clube - São Paulo/SP


Desportivo Brasil Participações Ltda. - Porto Feliz/SP


Os capitães dos times junto ao árbitro Willer Fulgêncio Santos, os assistentes Ricardo Pavanelli Lanutto e João Petrucio dos Santos e o quarto árbitro Felipe Barros

Essa foi a quinta vez que Nacional e Desportivo Brasil se enfrentaram na história. Nas quatro anteriores, retrospecto favorável aos paulistanos com duas vitórias e dois empates. Dois desses jogos tiveram cobertura do JP: o 1x0 pela Segunda Divisão em 2012 e o empate por 1x1 na Série A3 de 2017. Contando um triunfo num amistoso contra a Portofelicense em 1945, o escrete ferroviário nunca tinha sido derrotado por uma equipe da bela cidade interiorana... isso até sábado.

O primeiro tempo até foi razoável. Os donos da casa começaram a peleja tomando a iniciativa e criaram mais bons momentos do que no Canindé. Éder Paulista e Luciano Pintinho chegaram perto de abrir o marcador nos primeiros minutos. O Desportivo quase fez aos 11 em duas finalizações consecutivas. Primeiro Felipe Lacerda salvou em chute à queima-roupa e depois a zaga salvou em cima da linha.

No minuto seguinte, o Nacional respondeu com Luciano Pintinho chutando cruzado da esquerda. Melhor em campo, os ferroviários perderam seu camisa 9 aos 32 minutos depois de choque com o goleiro Arthur em novo bom momento pelo meio. A razoável apresentação foi premiada aos 43 quando Gabriel Mendes chutou e a pelota bateu na mão de defensor visitante dentro da área. Éder Paulista cobrou o pênalti com precisão e colocou os locais em vantagem.


Disputa de bola pelo alto no ataque nacionalista


O bonito contraste das camisas no Alayon


Luciano Pintinho perde grande chance. Nesse lance ele se machucou e teve que ser substituído


Chegada local pela direita e a firme marcação de três atletas visitantes


No fim do primeiro tempo o Nacional abriu o marcador nessa cobrança de pênalti

Foi até certo ponto animador a performance nacionalista no tempo inicial, porém tudo desandou na etapa final. O onze paulistano simplesmente não voltou ao gramado e não teve nenhuma oportunidade digna de registro, com isso foi dominado completamente pelo Desportivo Brasil. A completa inoperância dos atletas paulistanos irritou a sua torcida.

Com o ataque nulo, quem dançou foi o setor defensivo local, pois tiveram que trabalhar bastante. O primeiro bom momento vermelho surgiu quando Alex cruzou na área e Welder cabeceou perigosamente pela linha de fundo. Aos 25 minutos, o inevitável empate saiu após grande troca de passes do ataque alvirrubro e finalização de Campanholo. Na sequência Willian cobrou de forma brilhante uma falta de longe e a pelota parou na trave do Nacional.

A enorme insistência do Desportivo deixava claro que a virada era questão de tempo. Confirmando o que todos esperavam, o segundo gol aconteceu aos 37 minutos quando Alex finalizou da marca do pênalti aproveitando passe de David. Mesmo com a vantagem no marcador, os visitantes continuaram criando e tiveram oportunidades de ampliar. Na base da sorte o Nacional não sofreu mais gols.


Lance agudo dentro da área visitante no começo do tempo final


Jhonatan (9) armando o tiro de fora da área


Bola explodindo na trave do Nacional em cobrança dos alvirrubros


Mais um ótimo momento do Desportivo Brasil no fim da peleja

O placar final de Nacional 1-2 Desportivo Brasil ainda deixou os ferroviários no G4 após a vitória corintiana em cima da Portuguesa. Mesmo com toda a ruindade apresentada e o fraco futebol, a centenária agremiação ferroviária poderá se classificar na próxima rodada: basta ganharem do Corinthians e a Portuguesa não vencer o Juventus. Bom, o problema é justamente um triunfo nacionalista, algo raro em 2019 (foram apenas cinco até aqui em 23 jogos disputados).

Seguindo o trem dos jogos perdidos retomei a jornada no domingo bem cedo com rodada decisiva da Segundona. Teve retorno a um estádio da Grande São Paulo depois de quatro anos.

Até lá!

_________________________

Ficha Técnica: Nacional 1-2 Desportivo Brasil

Competição: Copa Paulista; Local: Estádio Nicolau Alayon (São Paulo); Árbitro: Willer Fulgêncio Santos; Público: 188 pagantes; Renda: R$ 2.320,00; Cartões amarelos: Rodrigo San (Nac), Welder, Alex, João Gabriel, Campanholo (Des); Gols: Éder Paulista (pênalti) 44 do 1º, Campanholo 25 e Alex 37 do 2º.
Nacional: Felipe Lacerda; Veloso, Rodrigo San, Lucas Xuxa e Denner (Leandro Caju); Rogério Maranhão, Éder Paulista, Caio Mendes e Emerson Mi; Luciano Pintinho (Laecio) e Gabriel Mendes (Matheus Lu). Técnico: Felipe Alves.
Desportivo Brasil: Arthur; Welder, Edson, Willian e Guilherme; João Gabriel (Klaidher), Alex, Wellington (David Elias) e Lucas Douglas; Jhonatan e Andrei (Campanholo). Técnico: Simão Freitas.
_____________

Nenhum comentário:

Postar um comentário