Procure no JP

quarta-feira, 30 de abril de 2008

Terça-Feira com 2ª Divisão Paulista

Olá pessoal,

Hoje eu gostaria de fazer uma homenagem a AA Ponte Preta que chegou na final do Campeonato Paulista da Série A1, não pelo feito em si, mas porque graças ao primeiro jogo da decisão contra o Palmeiras que ocorreu em seu estádio, a partida entre Red Bull e Elosport, válida pelo Campeonato Paulista da Segunda Divisão, foi transferida para a última terça-feira. Por este motivo eu consegui me dirigir ao Estádio Moisés Lucarelli para acompanhar esta partida, o que seria impossível para mim se ela tivesse acontecido no último domingo, como mostrava a tabela original da 2ª divisão.

É muito bom chegar em um estádio que constantemente é visto na televisão e poder entrar no gramado sem ser incomodado por porteiros, seguranças ou fiscais, e foi isso que ocorreu ontem, como mostram as fotos das equipes posadas a seguir:


Red Bull FEL - São Paulo/SP (mas mandando em Campinas/SP). Foto: Victor Minhoto.


Elosport CB - Capão Bonito/SP. Foto: Victor Minhoto.


Capitães das equipes, árbitro Carlos Eduardo Corrêa da Silva, assistentes Rafael Luiz da Silva e Marcelo Zamian de Barros e 4º árbitro Silvio Renato Silveira. Foto: Victor Minhoto.

Quanto ao jogo, pelo que o Fernando relatou da partida Sumaré 0x2 Red Bull, imaginei que a equipe mandante massacraria o adversário, porém não foi bem isso que aconteceu. Logo nos minutos iniciais o Red Bull partiu para cima do Elosport, tanto que chegou a levar perigo em algumas chances, mas passado o ímpeto inicial o jogo ficou equilibrado.


Em raro momento de perigo, ataque do Red Bull arremata escanteio sobre a meta adversária no 1º tempo. Foto: Victor Minhoto.

Como dito, após os primeiros minuntos o Elosport equilibrou as ações e o jogo caiu em termos de emoção, mesmo porque os visitantes pareciam mais preocupados em manter o empate do que conseguir a vitória. Com essa situação o primeiro tempo se desenrolou com muita briga pela bola no meio-campo mas com poucas chances reais de gol para os dois quadros, assim o que eu previa acontece, o jogo não teve abertura do placar na 1ª etapa.

Tanto eu como os 44 pagantes, que proporcionaram uma renda de apenas R$200,00, esperavam que o técnico Paulo Sérgio, aquele mesmo que foi campeão mundial em 1994, e o capitão Gilmar, que já jogou no Corinthians, liderassem o Red Bull à vitória, mas não foi isso que aconteceu. A equipe do energético até que demonstrava raça, mas sua qualidade técnica não era suficiente para furar a bem montada defesa dos visitantes.


Disputa de bola, tendo ao fundo de camisa vermelha, o técnico Paulo Sérgio do Red Bull. Foto: Victor Minhoto.

O segundo tempo transcorreu sem muitas emoções, até que aos 17 minutos, em um lançe que gerou muita reclamação, o árbitro assinalou um penalti para o Red Bull. Porém, parece que não era o dia do camisa 11 Felipe, que conseguiu acertar a cobrança no travessão e, desta forma, desperdiçar a melhor oportunidade de sua equipe.


Em cobrança de pênalti para o Red Bull, Felipe acerta o travessão e desperdiça a melhor oportunidade de sua equipe. Foto: Victor Minhoto.

Com essa grande chance desperdiçada parece que o Red Bull sentiu o golpe, tanto que a partir deste momento não levou grande perigo a meta adversária. Pelo contrário, até mesmo o Elosport passou a se aventurar ao ataque e assustar a equipe local. Entretanto, com o passar do tempo os visitantes se deram por satisfeitos com o empate, inclusive após o apito final alguns até mesmo esboçaram alguma comemoração.


Já nos instantes finais o Red Bull tenta desesperadamente o gol da vitória. Foto: Victor Minhoto.

O jogo terminou mesmo em Red Bull 0x0 Elosport, sendo que ambas equipes somam quatro pontos no campeonato. Apesar da boa pontuação, eu fiquei um pouco decepcionado com o Red Bull, que parece ter montado uma boa estrutura, porém o futebol apresentado não foi a altura e, se quiser brigar pelo acesso, vai ter que progredir muito.

Até a próxima,

Victor

terça-feira, 29 de abril de 2008

Brasilis vence de virada o Paulínia fora de casa

Olá,

Dando seqüência ao acompanhamento do sensacional Campeonato Paulista da Segunda Divisão, no domingo bem cedinho segui até Campinas para mais uma vez encontrar o amigo Luciano Claudino e de lá seguimos juntos ao meu destino final que foi a belíssima cidade de Paulínia para conferir a partida Paulínia F.C. x Brasilis F.C.L. que foi realizada no Estádio Luiz Perissinotto, valendo pela segunda rodada da primeira fase do Grupo 3 da competição.

Essa partida marcou a estréia do Paulínia no seu estádio, bem como aqui no JP em um campeonato profissional e, sem mais demora vamos com as fotos oficiais da partida que estão abaixo:


Paulínia F.C. - Paulínia/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Brasilis F.C.L. - Águas de Lindóia/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Quarteto de arbitragem formado por Luciano Alves de Lima, seus assistentes Hilton Francisco de Melo e Orlando Massola Júnior, além do quarto árbitro Júnior César Lossávaro acompanhado pelos capitães das equipes. Foto: Orlando Lacanna.

Debaixo de um sol colossal, a partida começou num ritmo bem agradável, dando sinais de que teríamos um bom jogo e de fato foi o que ocorreu, com as equipes demonstrando a garra habitual e criando algumas boas jogadas. O Paulínia começou melhor e logo aos 11 minutos criou uma jogada perigosa pelo lado esquerdo com Diego Valdez, porém o goleiro Eduardo do Brasilis praticou boa defesa.


Início de jogada perigosa pela esquerda de Diego Valdez. Foto: Orlando Lacanna.

O time da casa continuou dando as cartas e, aos 18 minutos chegou ao seu gol, marcado por intermédio de Marcelo em cobrança de falta que todo o sistema defensivo do Brasilis falhou feio e a bola acabou entrando direto, porém o árbitro entendeu que houve desvio e anotou o gol para Bruno Ré que na verdade não chegou a tocar na bola e isso ficou comprovado, pois no intervalo conversei com o jogador Bruno Ré que confirmou não ter tocado na bola.


Lance do gol do Brasilis marcado por Marcelo numa cobrança de falta. Foto: Orlando Lacanna.

Independente do autor do gol, o fato é que o Paulínia saiu na frente e continuou mandando na partida, criando outras jogadas ofensivas que levaram perigo à defesa visitante.


Boa defesa de Eduardo do Brasilis em outro ataque dos locais. Foto: Orlando Lacanna.

Somente aos 30 minutos o time de Águas de Lindóia chegou com mais perigo, num lance de cabeça, mas a bola acabou indo para fora e com isso a primeira etapa terminou com a vantagem mínima do time da casa.


Jogada perigosa do ataque do Brasilis. Foto: Orlando Lacanna.

Durante o intervalo passei a maior parte do tempo observando a alegria do fotógrafo Nivaldo Prado com a sua mais nova aquisição que foi uma outra máquina fotográfica. Além disso, ainda houve tempo para fazer uma boquinha, desfrutando de um lanche oferecido pela Diretoria do Paulínia que veio em boa hora. Ainda durante o intervalo ficou a expectativa sobre o reinício da partida, por conta da ambulância ter deixado e estádio para transportar o zagueiro Fabiano do Paulínia ao hospital por ter tido um choque de cabeça com um adversário. Felizmente a ambulância voltou rapidamente e o mais importante foi saber que nada de mais grave aconteceu com o Fabiano.

A bola voltou a rolar e rapidamente foi possível notar que o Brasilis voltou com mais determinação, saindo com tudo para o campo de ataque e, logo aos 3 minutos chegou ao empate numa bela jogada do ala esquerdo Rômulo que mandou a bola no canto esquerdo de Fabrício.


Bola indo para o fundo da meta do Paulínia no empate do Brasilis. Foto: Orlando Lacanna.

Após o empate, o Paulínia demonstrou que sentiu o gol e o Brasilis foi se aproveitando dos momentos de vacilo do adversário e continuou indo para cima, criando outras oportunidades, até que aos 21 minutos chegou ao seu segundo gol, marcado pelo bom atacante Thomas, concretizando a virada.


Lance do gol da virada do Brasilis. Foto: Orlando Lacanna.

Depois de ficar na frente no marcador, o Brasilis se resguardou mais, porém mesmo assim o Paulínia dava mostras de que teria muitas dificuldades em tentar chegar ao empate, deixando a impressão de que teria havido uma queda no rendimento físico.

Final de jogo com o resultado de Paulínia 1 - 2 Brasilis que deixou o time do ex-zagueiro da Seleção Oscar Bernardi com 100% de aproveitamento e com boas perspectivas de realização de uma boa campanha. Quanto ao Paulínia fica a expectativa se essa derrota em casa foi um acidente de percurso e se haverá reação rápida visando recuperar o terreno perdido.

Apito final do árbitro e imediato retorno para São Paulo, via Campinas, já planejando as próximas partidas a serem cobertas ao vivo pelo JP. Foi isso.

Abraços,

Orlando

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Time inédito no JP em jogo do Mineiro sub-20

Olá pessoal!

No último sábado fui até Varginha/MG acompanhar a partida entre Varginha EC e EC São Sebastião, de São João Del Rei, válida pela 1ª fase do Campeonato Mineiro da categoria Júnior, mais conhecido como sub-20 em São Paulo. O mais legal é que a partida aconteceu no Estádio Rubro-negro, também conhecido como o Campo do Flamengo, em razão de ser o local onde o finado Flamengo de Varginha mandava seus jogos. O estádio encontra-se muito bem cuidado e, apesar de pequeno, é um excelente local para acompanhar uma partida de futebol.


Reparem a bela entrada do Campo do Flamengo já devidamente "atualizada" com o escudo do VEC. Foto: Victor Minhoto.

O Varginha já é velho conhecido do JP, sendo que pretende disputar o Campeonato Mineiro da 2ª divisão, que ocorrerá no segundo semestre deste ano. Já o São Sebastião, conforme informações dos membros da comissão técnica, é um tradicional time amador da cidade que este ano decidiu ingressar nas competições oficiais da Federação Mineira de Futebol, mas, não participará, pelo menos este ano, da 2ª divisão de profissionais, talvez o ano que vem. Vamos as fotos oficiais da partida:


Varginha EC - Varginha/MG. Foto: Victor Minhoto.


EC São Sebastião - São João Del Rei/MG. Foto: Victor Minhoto.


Árbitro Carlos Inácio Vitor e assistentes Cássio Dias Gomes e Estéfano Luis Reis Caetano. Foto: Victor Minhoto.

Logo na entrada em campo do São Sebastião percebi que a camisa da equipe não tinha seu escudo, apenas o calção e a camisa do goleiro. Ao questionar os membros da comissão técnica fui informado que a equipe tem as mesmas cores do Varginha, por isso teve que usar a camisa reserva, que ao contrário da principal não tem escudo. Já no calção e na camisa do goleiro percebi que acima do escudo existem as letras SSFC como se fosse de São Sebastião Futebol Clube, sendo que fui esclarecido que este foi um erro na confecção do material, já que as letras deveriam ser ECSS.


À direita o escudo na camisa do goleiro do São Sebastião com as iniciais erradas. À esquerda o escudo do time que consta na súmula da partida, sendo que, segundo informações da comissão técnica, no lugar do rosa deveria ser vermelho. Fotos: Victor Minhoto.

Bom, depois de tantas explicações vamos ao jogo. As duas equipes iniciaram a partida estudando uma a outra, com isso houve muita disputa de bola no meio-campo, mas poucas chances de gol. Com o passar do tempo pude perceber que os dois quadros alternavam momentos de predomínio e desvantagem em relação o adversário, por isso qualquer um dos dois poderia abrir o placar. Entretanto, as chances de gol não levavam grandes riscos aos respectivos arqueiros.


Disputa de bola acirrada com detalhe do bom público presente no estádio. Foto: Victor Minhoto.

O gol somente poderia surgir em alguma falha, e foi o que aconteceu, aos 29 minutos, após uma furada da zaga visitante e um cruzamento da direita, o camisa 11 Marcelo Muller, do Varginha, apenas teve o trabalho de cabeçear para o fundo da meta adversária. Após o gol a equipe do São Sebastião sentiu o golpe, o que proporcionou aos locais algumas boas oportunidades de ampliar a vantagem, mas mais uma vez os atacantes não foram felizes, com isso o jogo novamente ficou equilibrado e foi para o intervalo desta forma.


Mais uma importante intervenção do bom goleiro Isael, do Varginha. Foto: Victor Minhoto.

O São Sebastião voltou para a segunda etapa com mais diposição, porém, como no primeiro tempo, seu ataque se mostrava ineficiente perante a defesa do Varginha. Essa foi a tônica da fase final da partida, os visitantes com maior posse de bola, mas sem levar nenhum perigo ao gol da equipe do Sul de Minas.

Ao perceber essa deficiência do adversário, os locais passaram a se aventurar nos contra-ataques e, desta forma, estavam mais perto de marcar o segundo gol do que tomar o empate. Após muito insistir, já quando o São Sebastião estava na base do tudo ou nada, aos 44 minutos, o Varginha chegou ao segundo gol após um belo chute do camisa 8 Ericsson de fora da área, que antes de entrar tocou na zaga adversária e deslocou seu goleiro.


Em boa cobrança de falta do São Sebastião a bola passa perto da meta do Varginha. Foto: Victor Minhoto.

Assim o jogo terminou mesmo em Varginha 2x0 São Sebastião. Com esse resultado a equipe local segue bem colocada na disputa de uma das três vagas do grupo para a próxima fase, já o São Sebastião, se tiver alguma aspiração neste torneio, deve imediatamente reverter sua situação na tabela.

Até a próxima,

Victor

ECUS vence e convence fora de casa

Olá,

Em mais um final de semana que me dediquei exclusivamente à cobertura do Campeonato Paulista da Segunda Divisão, no sábado à tarde, novamente peguei a Via Dutra e fui em direção à importante cidade de São José dos Campos, indo até ao aconchegante Estádio ADC Parahyba para conferir de perto a partida F.C. Primeira Camisa x ECUS de Suzano que valeu pela segunda rodada da primeira fase do Grupo 4 da competição. Essa partida marcou a estréia do Primeira Camisa no seu estádio e aqui no JP, num campeonato profissional.

Chegando ao meu destino, tive a grata satisfação em ver um estádio com um belo gramado e um entorno todo arborizado bem cuidado e, além disso constatei a presença maciça de várias famílias com crianças, o que torna o ambiente ainda mais agradável. Depois dos cumprimentos de praxe, me dirigi ao gramado para fazer as fotos das equipes e dos componentes da arbitragem que apresento abaixo:


F.C. Primeira Camisa - São José dos Campos/SP. Foto: Orlando Lacanna.


ECUS - Suzano/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Quarteto de arbitragem formado por Jairo Lopes dos Santos, seus assistentes Rafael Ferreira da Silva e Edson Rodrigues dos Santos, além do quarto árbitro Ederson Martins Deodato acompanhado pelos capitães das equipes, Foto: Orlando Lacanna.

A bola começou a rolar e, como tem sido a tônica nessa competição, as duas equipes demonstraram a costumeira disposição, correndo e marcando muito.


Disputa acirrada de bola. Foto: Orlando Lacanna.

À medida que o tempo ia passando, o ECUS foi demonstrando que viajou ao Vale do Paraíba disposto a conseguir os três pontos, pois começou a atacar com mais freqüência, tendo criado a primeira real chance de gol aos 11 minutos que foi neutralizada com uma boa defesa do goleiro Robson Lima.


Boa defesa de Robson Lima evitando o primeiro gol do ECUS. Foto: Orlando Lacanna.

Aos 22 minutos não teve jeito e o time visitante chegou ao seu primeiro gol marcado por Fernando Luiz de cabeça ao aproveitar cruzamento vindo da direita em cobrança de falta. Somente aos 27 minutos os donos da casa chegaram com algum perigo ao ataque, mas não foram objetivos no momento da conclusão. Daí em diante só deu ECUS que teve outra boa chance aos 30 minutos, mas o chute final saiu torto e foi balançar a rede pelo lado de fora.

Aos 40 minutos, outra chance para o ECUS que dessa vez não a desperdiçou e acabou chegando ao seu segundo gol num tirambaço de fora da área desferido pelo meia Jorge Silva, com a bola tocando no poste direito antes de entrar no fundo da meta.


Bola indo para o fundo da meta no segundo gol do ECUS. Foto: Orlando Lacanna.

Após estabelecer 2 a 0 a seu favor, o time de Suzano chegou mais próximo à marcação do seu terceiro gol do que o Primeira Camisa ao seu primeiro, pois se mostrava muito tímido no campo de ataque e, com isso o primeiro tempo terminou sem mais alterações no placar.

Depois de um intervalo em que passei a maior parte do tempo me abrigando do sol forte e em busca do precioso líquido, a segunda etapa começou renovando as esperanças dos torcedores locais de que seu time pudesse voltar com outra postura.


Atleta do ECUS tomando a dianteira em mais uma jogada. Foto: Orlando Lacanna.

Mesmo com todo incentivo da boa torcida presente, o "Novo Formigão do Vale" não conseguia ser perigoso no ataque, apesar do seu maior domínio territorial, tanto que o seu primeiro chute ao gol adversário só aconteceu aos 26 minutos. O ECUS se fechava no seu campo de defesa e só saia no contra-ataque, sendo que nessa toada teve dois bons momentos que levaram perigo à meta dos anfitriões.

Aos 33 minutos, o Primeira Camisa teve a sua melhor oportunidade de marcar, mas o goleiro suzanense Paulo Marcelo praticou excelente defesa. Mesmo não marcando, o time joseense continuou apertando e tentando diminuir a diferença de qualquer maneira.


Maior oportunidade não aproveitada pelo Primeira Camisa. Foto: Orlando Lacanna.

O golpe de misericórdia desferido pelo ECUS ocorreu aos 41 minutos, quando saiu em rápido contra-ataque e o zagueiro Gabriel Dias impediu o gol colocando a mão na bola e, com isso o árbitro o expulsou de campo e ainda marcou pênalti, que foi cobrado por Jorge Silva e convertido no terceiro gol dos visitantes que poderiam ter marcado pelo menos mais dois gols nos últimos minutos em razão do descontrole que tomou conta do time do Primeira Camisa.


Terceiro gol do ECUS em cobrança de pênalti. Foto: Orlando Lacanna.

Partida encerrada com o placar indicando Primeira Camisa 0 - 3 ECUS que sintetizou a maior experiência e tranqüilidade do ECUS que disputa essa competição há mais tempo, dando mostras que poderá fazer uma boa campanha e quem sabe retornar à Série A3. Com relação ao Primeira Camisa, fica a expectativa se esse resultado será assimilado e se haverá a chamada volta por cima, pois fiquei com a impressão de que o time carece de um ou dois atletas mais experientes.

Fim de jogo e início imediato do meu retorno a São Paulo, para um jantarzinho em família, além de um bom descanso, até porque no domingo logo cedo, já iria botar o pé na estrada novamente para conferir outro jogo da Segundona, mas isso fica para depois.

Abraços,

Orlando

quinta-feira, 24 de abril de 2008

São Paulo ganha suado na Libertadores

Opa,

Quarta-feira à noite e mais uma rodada aqui no JP. E como de praxe nas últimas semanas, a vez foi para ver um tornio nada perdido em busca de mais um time na Lista. É, me aventurei sozinho pelas avenidas de São Paulo com alguns ônibus destruídos para chegar no longínquo Estádio do Morumbi para acompanhar o jogo entre São Paulo e o Atletico Nacional, da Colômbia. O jogo valeu pela última rodada da primeira fase da Taça Libertadores da América 2008 e com ele incluí meu quarto time novo na competição esse ano.

Como sempre, sofri um pouco para chegar por lá. Na porta do estádios os sempre presentes cambistas "trabalhando" à vontade e muita muvuca. Mas no lugar que fico nunca tem problema, e até serve como sugestão para quem quiser ver apenas o jogo por lá: a cadeira amarela é o melhor lugar do estádio. Nele não temos que ficar pulando em ataques do São Paulo nem gritando o nome do time... para um torcedor completamente isento não há nada melhor.


Torcida do time de Medellín presente no Morumbi. Foto: Fernando Martinez.

Tanto que nesse local ficam os repórteres de quase todas as rádios de São Paulo que transmitem a partida ao vivo. Como fiquei do lado deles, acompanhei in loco os comentários de cada um, com várias opiniões para que eu pudesse escolher a qual melhor se adaptava à minha realidade. O mais legal é ver o pessoal curtindo uma tubaína e salgadinhos meio punks no intervalo. Uma cena impagável que também deixo aqui como sugestão para todos.


Times perfilados antes do início do jogo. Foto: Fernando Martinez.

Bom, falar do jogo é fácil, já que ele passou ao vivo, saiu em todos os jornais e os melhores momentos foram exaustivamente veiculados pelas TVs. O São Paulo precisava ganhar o jogo para não depender de ninguém e garantir vaga na Segunda Fase. O Atlético Nacional tinha que não perder, caso perdesse e o Audax não ganhasse do Sportivo Luqueño, o time colombiano também iria se classificar.

E o jogo foi bom, com chances para as duas equipes desde o começo. O time verde de Medellín, mesmo tendo se classificado com uma pontuação baixa, é um bom time e fez uma partida bastante equilibrada com o tricolor. O jogo foi seguindo e o gol são-paulino foi marcado aos 38 minutos do primeiro tempo. O intervalo chegou com a vantagem mínima para os donos da casa.


Pessoal dentro da área em cobrança de escanteio para o Atletico Nacional. Foto: Fernando Martinez.

Nesse intervalo fui passear pelo setor amarelo e constatei que lá não há nenhuma lanchonete por ali. Bem no esquema dos vários camarotes do lugar e com aromas comestíveis incríveis não sobra nenhuma fração para nós, pobres mortais? Algo que o pessoal do Morumbi deveria corrigir, já que o povo lá ficou tudo com fome...


Ataque perigoso do time colombiano no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.

Bom, e com fome o segundo tempo começou e o Atletico Nacional chegou com boas chances para empatar o jogo, com o São Paulo sentindo essa pressão. Mas os donos da casa também tiveram suas chances e as desperdiçaram. Caso os atacantes estivessem com o pé na forma, o placar poderia ter sido muito maior.


Ataque são-paulino no final do jogo. Foto: Fernando Martinez.

No final as notícias que vinham do Paraguai contavam que o Audax estava tomando uma lambada e isso classificava os dois times no Morumbi. Classificados e tranqüilos, as equipes fizeram sua parte e jogaram de forma despreocupada. Final de jogo: São Paulo 1-0 Atletico Nacional. O São Paulo agora joga contra o Nacional do Uruguai enquanto o Atlético Nacional disputa uma vaga nas quartas contra o Fluminense.

Provavelmente foi o útlimo jogo da Libertadores aqui no JP no ano de 2008. Quase sem times novos para se ver a partir de agora (somente o Atlas não está na minha Lista, mas acredito que dificilmente o time vira para São Paulo ou Santos), não há mais cabimento de eu passar fome, gastar uma grana e ver um jogo beeeem tarde à toa. Somente a nossa querida Lista faz a gente cometer algumas loucuras.

Ainda por cima voltei de táxi para meu dar loce lar, gastando por conta algo que nem tinha no bolso... mas valeu!

Abraços

Fernando

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Boa vitória corintiana no Paulista Feminino

Opa,

Depois da grande cobertura da Segundona no final de semana, segunda-feira sendo feriado é algo que devemos curtir até o último momento. Descobri um joguinho na tarde agradável de São Paulo. E o jogo foi por um torneio que não é tão conhecido assim e que poucas pessoas param realmente para assistir, é o Campeonato Paulista Feminino da 1ª divisão. Fui sozinho então para o Estádio Nicolau Alayon ver a partida entre Corinthians e Paulista.

E o que me fez realmente ir ver esse jogo, além de achar bastante interessante o futebol feminino, foi que nesse ano não temos uma proliferação tão grande dos insuportáveis times com denominações do tipo "nome1/nome2/nome3", os famosos "times-barra". Somos totalmente contra times com esses nomes, pois parecem tudo, menos times de futebol. Ano passado o Paulista Feminino era infestado dessas coisas, e em 2008 isso melhorou muito, e a maioria das equipes são tradicionais do futebol paulista.

Tanto que se fosse um jogo entre Corinthians e algum "time-barra" eu nem teria saído do meu doce lar para acompanhar, mas como eram dois times "normais", fiz questão de aparecer lá. Cheguei a tempo das fotos posadas, mas em virtude do jogo ter transmissão direta ao vivo, isso criou empecilhos a mais, e em virtude disso, fiquei mesmo nas arquibancadas.


Times perfilados para a execução do Hino Nacional. Foto: Fernando Martinez.

O Paulista Feminino tem 18 equipes disputando o título. Divididas em dois grupos de nove times cada, se classificando para a segunda fase as quatro primeiras de casa grupo. As oito equipes se dividem em dois grupos de quatro times cada, com as duas primeiras garantindo vaga na terceira fase. A terceira e quarta fases são em jogos de ida e volta até a Campeã ser conhecida.

Um bom público esteve presente para acompanhar o futebol das meninas, mesmo sendo feriado. O legal é que vi um ótimo jogo de futebol. Logo aos 2 minutos o Corinthians abriu o placar em jogada rápida do seu ataque que terminou com o chute de Nilda. A goleira do time de Jundiaí falhou no lance e deixou o alvinegro sair na frente.

Mas o que pintava como goleada não passou de uma impressão. O time alvinegro chegava poucas vezes no ataque e nas vezes em que conseguia acertar o lance errava nas conclusões. O time do Paulista mostrava bastante vontade e passou também a ameaçar em contra-ataques. E na hora em que o Paulista estava melhor, o Corinthians chegou ao segundo gol, num gol contra da zagueira do Galo.


Exato momento em que zagueira do Paulista cabeceou para dentro das próprias redes marcando o segundo gol alvinegro. Foto: Fernando Martinez.

Depois disso o Paulista marcou um golaço que seria o primeiro, num chute por cobertura maravilhoso, mas o árbitro anulou o lance, deixando o pessoal de Jundiaí bastante irritado. E daí até o final da primeira etapa o jogo ficou melhor, com o Paulista marcando finalmente o primeiro em chute também por cobertura. O Corinthians então ampliou e o Paulista no final marcou o segundo gol em belo lance. Final de primeiro tempo, bom jogo e placar de 3 a 2 para os mandantes.


Jogadora corintiana chuta por cima a chance do segundo gol do time. Foto: Fernando Martinez.


Mais um ataque do Corinthians e mais um chute por cima. Foto: Fernando Martinez.

No intervalo fui conferir o tipo de público presente no Nacional e vi que a freqüência é diferente mesmo no futebol feminino. Muitas famílias de jogadores, e muitas, mas muitas mulheres mesmo. Nem preciso dizer que o clima fica muito mais agradável...

Bom, o segundo tempo então veio e no início o Paulista teve a chance de ouro de entrar de vez no jogo e empatar a partida numa grande bobeada da zaga corintiana. A zagueira e a goleira bateram cabeça e a bola sobrou livre para a jogador do Paulista, mas ela chutou na trave. E para tristeza ainda maior do time do interior, minutos depois o Corinthians marcou seu quarto gol.


Jogadora do alvinegro tenta bicicleta, mas segundos depois, a bola sobraria para a camisa 5 ampliar para o Corinthians. Foto: Fernando Martinez.


Ataque do Timão com a defesa do Paulista em desespero no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez.

O Paulista sentou demais o gol corintiano e se entregou completamente. O alvinegro teve inúmeras chances para ampliar o placar e foi aproveitando algumas delas. Marcou mais três gols e perdeu outros vários, muitos em ótimas defesas da goleira jundiaiense. Mas no final não teve jeito mesmo para as visitantes: Corinthians 7-2 Paulista. O Corinthians agora é líder do grupo, junto com Santos e São José, com duas vitórias em dois jogos e um ataque que marcou 12 gols. O Paulista jogou sua primeira partida e busca recuperação na próxima rodada. Mas ainda temos muitos jogos a serem disputados na primeira fase e tudo pode mudar.

Foi isso, o JOGOS PERDIDOS trouxe um campeonato não muito comum nas suas páginas, muito pela falta de consideração com que o futebol feminino é tratado, e sempre que tivermos a chance disponível entre as rodadas dos campeonatos masculinos traremos jogos do feminino aqui para vocês!

Logo mais tem mais...

Abraços

Fernando

terça-feira, 22 de abril de 2008

Red Bull estréia no profissionalismo com vitória

Opa,

Depois do jogo do Campinas no domingo cedo, eu e o seu Natal ficamos pela região para ver mais uma partida do Campeonato Paulista da Segunda Divisão. Almoçamos em pontos estratégicos na estrada e rumamos até a cidade de Sumaré para acompanharmos o jogo entre o Sumaré AC e o Red Bull, estréia do último no profissionalismo.

Não tinha como o JP estar fora dessa, também pela extrema curiosidade em descobrir realmente as cores do time, uniforme e tudo mais. E além de termos descoberto isso, vimos também que o Sumaré mudou novamente suas cores e uniforme referente ao ano de 2007. Vocês podem conferir isso abaixo, nas fotos oficiais do trio e das equipes:


Sumaré AC - Sumaré/SP. Foto: Fernando Martinez.


Red Bull FEL - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


Os capitães dos times e o trio de arbitragem na foto oficial do jogo. Foto: Fernando Martinez.

No estádio vimos o esquema de guerra do Red Bull: vários assessores, muita gente uniformizada, fotógrafo contratado, várias câmeras para filmar a partida... ou seja, tudo o que não estamos acostumados a ver na Segundona. O mais legal é que confirmamos o escudo do time, que é o mesmo que já existe no site da FPF. Mas o detalhe interessante é que as camisas vieram da Áustria, do Red Bull Salzburg, e acabaram colocando um adesivo "Brasil" para mostrar o time daqui. Genial!


Escudinho do Red Bull Brasil, com o adesivo providencial colado. Foto: Fernando Martinez.

Bom, e debaixo de uma chuva fraca, mas incessante, fui acompanhar o jogo de estréia das duas equipes. A expectativa para o jogo do Red Bull era enorme, já que as notícias que chegam a nós era de que o time seria uma das forças da competição. E no começo o Red Bull realmente foi pra cima do Sumaré, mas faltava algo para que suas chances se transformassem em gols.

Já o Sumaré mostrava limitações, e mesmo assim por algumas vezes o time chegou ao ataque, inclusive com a melhor chance do jogo por volta dos 15 minutos, numa bola que raspou a trave direita do goleiro do time visitante. Mas conforme o tempo ia passando, a equipe vermelha mostrava o melhor nível técnico criando boas chances de abrir o placar.


Jogador do Red Bull capotado em tentativa de ataque. Foto: Fernando Martinez.


Mais um ataque do Red Bull no primeiro tempo de jogo. Foto: Fernando Martinez.

E finalmente o placar foi aberto aos 36 minutos, com uma bela jogada individual do atacante Fernandão, que chutou de direita de fora da área e marcou o primeiro gol do Red Bull como profissional. E não deu nem tempo para o Sumaré respirar, já que dois minutos depois os visitantes ampliaram com Thiago entrando de carrinho e marcando o segundo.


Momento em que o jogador Fernandão chutava para marcar o primeiro gol do Red Bull como profissional. Foto: Fernando Martinez.


Na lateral de campo jogador do Sumaré tanta roubar a bola do atleta do Red Bull. Foto: Fernando Martinez.

O time do Sumaré sentiu os gols e quase tomou o terceiro nos minutos finais, mas o Red Bull desperdiçou as chances para ampliar ainda mais o placar. O jogo seguiu para o intervalo com a vantagem dos visitantes por 2 a 0. No intervalo fomos passear pelo estádio e ver a grande quantidade de pessoas torcendo pelo Red Bull, com certeza amigos e parentes de jogadores, já que torcida mesmo não havia por lá.

Na volta do segundo tempo o Sumaré até que tentou diminuir o placar e voltou com mais vontade e mais ligado na partida. Mas o Red Bull fazia uma bela partida também na sua defesa e não deixava o time da casa chegar muito perto não. Mas por algumas vezes, em jogadas rápidas, o Sumaré quase marcou o primeiro, mas pecou sempre no toque final.


Jogador do Sumaré fazendo um malabarismo no meio de campo. Foto: Fernando Martinez.

O tempo foi passando e prestei bastante atenção no esquema do Red Bull. O time é bem armado e tem jogadores muito habilidosos e experientes. Num campeonato como essa Segundona, a mescla de jogadores novos e alguns experientes é essencial para que o time vá bem. Nos quatro times que subiram ano passado, essa mescla deu certo. Não temos ainda como saber se a aposta do Red Bull dará certo, mas que o time tem tudo para dar trabalho, isso tem...


Ataque do Sumaré durante o segundo tempo. Foto: Fernando Martinez.

Conforme o tempo ia passando o time local ia dando espaços e o Red Bull continuava jogando bem, tocando a bola de forma precisa e perdendo gols. Mas o pessoal estava mais ligado em ouvir o jogo entre Palmeiras e São Paulo, e conforme o jogo seguia em São Paulo, fogos e gritaria eram vistos em profusão. Eu, totalmente isento nessa semifinal, me vi somente curtindo o jogo em Sumaré mesmo.


No final do jogo o Red Bull ainda tentava mais gols, como nessa chance. Foto: Fernando Martinez.

Mas o jogo não teve mais alterações no placar e terminou em Sumaré 0-2 Red Bull. Primeira vitória do time do energético em gramados paulistas e se seguir dentro dos conformes, será um time que disutará o acesso. Já o Sumaré precisa melhorar bastante a pontaria caso queira garantir a vaga na segunda fase. Depois do jogo voltamos cansados para São Paulo, e com chuva e friozinho na estrada relembramos velhas histórias e já preparamos as rodas seguintes da Segundona.

Até mais

Fernando