Procure no JP

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Grande virada do Nacional contra o Ituano na capital

Texto e fotos: Fernando Martinez


A segunda rodada da Copa Paulista trouxe um duelo inédito para a minha lista, algo bem difícil de acontecer com quase 2.900 jogos vistos até hoje. Não é muito difícil saber o motivo, já que o encontro ferroviário entre Nacional e Ituano não acontecia há 15 anos, desde o longínquo 6 de julho de 2003.

Esse foi um confronto relativamente comum na segundona estadual nos anos 80, mais precisamente entre 1983 e 1989. Naquele período foram realizados 18 jogos e em nenhum deles o onze paulistano venceu: nove derrotas e nove empates. O retrospecto melhora um pouco levando em conta duas vitórias em 1981 e 1985, respectivamente num amistoso e na Copa 50 Anos da FPF, e em quatro, agora pela A2, de 1995 a 2001. No total, foram seis triunfos nacionalinos nacionalistas, doze do Galo e nove empates.


Nacional Atlético Clube - São Paulo/SP


Ituano Futebol Clube - Itu/SP


Capitães dos times junto com o quarteto de arbitragem composto por Willer Fulgêncio Santos, Marco Antonio Motta Junior, Thiago Henrique Alborghetti e Givaldo Alves dos Santos

Os times passaram por muita coisa diferente nesses anos em que ficaram sem se enfrentar. O Ituano disputou várias temporadas da Série B do Brasileiro e foi campeão paulista em 2014. Já o Nacional foi parar no limbo da última divisão e também foi campeão em 2014, só que da Segundona. Os dois chegaram ao oposto total do cenário futebolístico, logo, é bem legal ver ambos duelando novamente.

A peleja começou quente no histórico gramado. O Nacional demorou um tempo para se encontrar e aos oito minutos o camisa 10 Matheus colocou o Ituano na frente. O rubro-negro não teve nem tempo de comemorar direito, já que no minuto seguinte a bola sobrou na direita para Léo Cereja. Ele invadiu a área e tocou no cantinho do arqueiro Gabriel. Tudo igual no Alayon.

A partir daí vimos um duelo bastante equilibrado e com boas chegadas das duas agremiações. Sem mais nenhum tento, o intervalo chegou com a igualdade estampada no marcador da velha cancha. No tempo final subi até a parte coberta do alto vi o Nacional ter uma atuação segura e dominar seu rival ferroviário.


A marcação da zaga do Ituano foi muito boa durante boa parte do tempo inicial


Detalhe do gol de empate do Nacional, marcado por Léo Cereja aos nove minutos


Disputa de bola no meio de campo


Chegada nacionalina nacionalista pela esquerda

O escrete da capital bandeirante foi melhor e o seu adversário não conseguiu mais emplacar a solidez defensiva que teve nos primeiros 45 minutos. O Naça jogou na boa e buscou a virada sem desespero. Ela veio aos 28 minutos com o bonito gol de cabeça de Naldinho aproveitando bola levantada na esquerda por Vítor Braga.

Jogando na boa, o onze da Água Branca ainda arranjou tempo de fazer o terceiro. Soares, camisa 18 que entrou durante o segundo tempo, aproveitou cruzamento rasteiro da esquerda e, da pequena área, só teve o trabalho de escorar de leve, fechando a boa vitória nacionalina nacionalista com uma virada cheia de categoria.


Boa cobrança de falta a favor dos donos da casa



O cruzamento que originou o terceiro gol do Nacional e a comemoração do camisa 18 Soares

O placar final de Nacional 3-1 Ituano deu o primeiro triunfo aos paulistanos nessa Copa Paulista, levando o time à terceira colocação da chave após duas rodadas realizadas. Com apenas essa partida disputada, o Galo está em último. Mas é fato que o rubro-negro vai lutar muito em busca do título da competição. Vale lembrar que eles já estão na Série D de 2019.

Até a próxima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário