Procure no JP

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Nacional vacila contra o Linense e perde mais dois pontos em casa

Texto e fotos: Fernando Martinez


Depois do Oeste x Guarani que assisti no último dia 7, tinha programado o retorno aos gramados no dia 12. Fiquei na vontade, pois o dilúvio que caiu na capital no começo da semana passada deixou o Estádio Nicolau Alayon debaixo d'água. Com isso, o Nacional x Linense foi adiado para o dia 18, terça-feira. Nessa deixa, fiquei quase dez dias sem ver nenhum jogo. Pelo menos aproveitei o período e fiz um monte de coisas que estavam em aberto.

Essa foi a primeira vez que acompanhei esse confronto in loco. As duas agremiações jogaram poucas vezes através dos tempos. Nos anos 50 duelaram um total de oito vezes pela primeira divisão. Apesar de disputarem a segunda divisão por vários anos durante as décadas de 70 e 80, só voltaram a se enfrentar em 2008. Desde então, quatro encontros. Vale registrar que o escrete nacionalista saiu-se vitorioso pela última vez contra o Elefante no distante 27 de outubro de 1957, num triunfo por 3x0.

Cheguei na Comendador Souza naquele esquema antecipado e pertinho do portão principal o amigo Miguel me alertou que as camisas de 2019 estavam à venda. Venda de camisa oficial do Nacional, ainda por cima no próprio clube, é como aquela menininha que aceitava o meu pedido de dança nos bailinhos da segunda metade dos anos 80: algo praticamente impossível de acontecer. Justamente por conta da raridade da situação fiz nova dívida comprando os modelos 1 e 2. Fiquei feliz e triste ao mesmo tempo.


Nacional Atlético Clube - São Paulo/SP


Clube Atlético Linense - Lins/SP


Posando para as lentes do JP, o árbitro Ricardo Bittencourt, os assistentes Diogo Cruz Freire e Edson Rodrigues dos Santos, o quarto árbitro Paulo Santiago de Medeiros e os capitães dos times

Com duas camisas na mochila e sem grana no bolso, fui ao gramado captar as fotos oficiais. Antes do apito inicial vi que o trio formado pelos alvinegros Mário, Caio e o amigo-abelha Renato Rocha também se faziam presentes. Mesmo com as últimas atuações abaixo da média do Nacional, a expectativa era de um bom jogo, muito pela boa performance do Linense no certame e sua presença nas posições mais altas na tábua de classificação.

Quando a bola começou a rolar foram poucos os momentos dignos de registro. O Linense chutou primeiro em direção ao gol numa falta de Yuri facilmente defendida por Luís Henrique. O Nacional respondeu no minuto seguinte, aos 13, num tiro de longe de Matheus Teta (Matthew Boob no exterior). Os locais eram um pouco melhores quando o Elefante teve a chance de abrir o placar após Joãozinho ser derrubado dentro da área. Jean bateu no canto direito e o arqueiro paulistano tocou na pelota, porém sem impedir o tento do Elefante.


Ataque nacionalista pelo alto no comecinho do duelo


De pênalti, o Linense abriu o placar em pênalti cobrado por Jean


Detalhe do bonito colorido das camisas de Nacional e Linense

Fiquei a etapa inicial na arquibancada por causa do fortíssimo calor. Nos últimos 45 minutos fui ao gramado graças à providencial sombra no ataque do gol da direita. É, só que demorou para fazer uma foto decente ali pois os visitantes retornaram ao relvado mais dispostos e chegando com perigo três vezes antes do décimo minuto.

A equipe da capital foi assustar o arqueiro visitante apenas aos 35 minutos numa boa cobrança de falta de André Rocha. O lance despertou a rapaziada local e a partir daí rolou uma pressão em busca do empate. Aos 38, numa bela jogada pela direita, Gustavo Índio fez. Alanderson cruzou da direita, o camisa 9 matou dentro da área, girou e chutou no canto. Belíssimo gol.


No tempo final, o Nacional voltou atacando pouco


Defesa do arqueiro do Elefante em chute de longe


Ataque do Nacional pela direita com a firme marcação de defensor do Linense


O exato momento em que Gustavo Índio chutou e deixou tudo igual na Comendador Souza


Em busca da virada, o onze paulistano se lançou ao ataque nos minutos finais

A igualdade deu uma injeção de ânimo nos atletas do Naça, mas apesar de tentarem com afinco, não foram capazes de virar o marcador. O resultado de Nacional 1-1 Linense colocou o Elefante na terceira colocação com 11 pontos. Os paulistanos agora tem sete pontos em décimo lugar ostentando uma preocupante série de quatro partidas sem vitórias. Hora do alerta amarelo ser ligado na Comendador Souza para que não dê problema lá no fim dessa fase.

Fevereiro até aqui tem sido um mês fraquinho em se tratando de jogos vistos. Tudo será corrigido a partir da quinta-feira com o início do glorioso Carnaval Futebolístico do JP. Serão quatro dias de folia em gramados do interior e, se tudo der certo, visitas em alguns estádios. Aguardamos todos nessa jornada mágica e misteriosa pelo interior.

Até lá!

_________________________

Ficha Técnica: Nacional 1-1 Linense

Local: Estádio Nicolau Alayon (São Paulo); Árbitro: Ricardo Bittencourt; Público: 227 pagantes; Renda: R$ 2.550,00; Cartões amarelos: Gustavo Índio, Matheus Poletine, Islan; Gols: Jean (pen) 34 do 1º, Gustavo Índio 38 do 2º.
Nacional: Luís Henrique; Alanderson, Gabriel, Diego Chiclete (Guilherme Noé) e Thiago Pereira; André Rocha, Vinícius (Ricardinho), Matheus Teta e Jadson (Emerson Mi); Gustavo Índio e James Dean. Técnico: Tuca Guimarães.
Linense: Vinícius; Felipe, Islan, Yuri e Taira; PC (Álvaro), Maicky (João Carlos), Teco e Ricardinho; Jean (Prata) e Joãozinho. Técnico: João Valim.
_____________

Nenhum comentário:

Postar um comentário