Procure no JP

terça-feira, 31 de maio de 2016

Barcelona vence a segunda consecutiva em casa pela Segundona

Texto e fotos: Fernando Martinez


Para finalizar as coberturas do final de semana do feriado, nada melhor do que aquela sempre genial sessão de futebol no domingo à tarde com o Barcelona no Estádio Conde Rodolfo Crespi. Fechando o primeiro turno do Grupo 3 do Campeonato Paulista da Segunda Divisão, o Elefante recebeu o Amparo buscando emplacar a segunda vitória seguida dentro de casa.

Depois do triunfo obtido em cima do Taboão da Serra, o primeiro com o mando de campo em nove anos, os paulistanos visitaram o líder Diadema e conquistaram um precioso ponto com o empate por 0x0. Caso não perdesse para o tradicionalíssimo Leão da Montanha, o Barcelona emplacaria a maior série invicta desde 2007.


Barcelona Esportivo Capela Ltda - São Paulo/SP


Amparo Athletico Club - Amparo/SP

Capitães das equipes junto com o árbitro Carlos Fernando Moreira, os assistentes Vicente Romano Neto e Leandro Fernandes Rodrigues e o quarto árbitro Gabriel Castro Dourado

De novo rolou aquele quórum monstro de amigos para essa jornada e todo mundo teve a chance de ver um verdadeiro jogaço. Se Barcelona e Amparo não possuem uma qualidade técnica invejável, as duas agremiações compensaram isso nos 90 minutos com muita emoção, várias chances de gol e dedicação total em campo.

O Barcelona entrou em campo bastante empolgado e foi melhor do que o Amparo na maior parte do tempo inicial. O domínio não conseguiu ser traduzido em gols e a meta amparense só foi vazada aos 33 minutos. Os locais cobraram escanteio pela direita e Michel, goleiro do Amparo, falhou. A pelota sobrou para Rodrigo, que chutou forte no canto esquerdo e fez o primeiro.

Nos minutos seguintes o alvinegro se lançou ao ataque em busca do empate ainda na etapa inicial. Aos 40, quase saiu o empate em chute de longe. Aos 42 Matheus deixou tudo igual com um golaço de fora da área. O bom goleiro Alisson nada pôde fazer. O intervalo chegou e o placar da Rua Javari mostrava o empate por 1x1.


Bola levantada na área do Amparo


Ataque do Barcelona pela esquerda


Falta a favor do Barcelona no meio de campo

No segundo tempo brilhou a estrela do goleiro do Barcelona. Alisson fez uma partida impecável e evitou que o onze visitante, agora melhor em campo, conquistasse a virada. Antes dos 20 minutos eles fez duas defesas à queima-roupa simplesmente sensacionais.

O Elefante não mostrou o mesmo futebol do tempo inicial, porém levou enorme perigo nos contra-ataques. Num deles, aos 29 minutos, o zagueiro Fernando - destaque para o belo nome - conseguiu colocar o Barcelona de novo à frente do placar. Com o 2x1, os locais recuaram e passaram a sofrer uma pressão absurda do time visitante.

O Amparo teve mais três oportunidades simplesmente absurdas para deixar de novo tudo igual, só que a tarde realmente não estava favorável ao Leão da Montanha. Uma delas num momento em que a bola ficou zanzando dentro da pequena área por cerca de 15 segundos, sem que nenhum atacante conseguisse colocar no fundo das redes.

Aos 37 minutos rolou a maior de todas as chances. Em lance pela direita, Alisson derrubou um dos avantes dentro da área... pênalti. A cobrança de Matheus foi firme, só que o arqueiro pulou direitinho no canto direito e defendeu de forma segura. Após esse lance, não teve como o onze paulistano deixar de conquistar novo triunfo na Segundona.


Grande chance de gol a favor do Leão da Montanha no começo do tempo final


Chute de longe em contra-ataque do Elefante


Marcação firme da zaga paulistana


O lance que definiu a vitória local: Matheus cobrou pênalti e Alisson fez grande defesa

O resultado final de Barcelona 2-1 Amparo marcou o terceiro jogo invicto do Elefante quebrando a já citada marca de nove anos. O triunfo manteve os paulistanos na sexta colocação do Grupo 3, agora com oito pontos ganhos, já igualando a campanha do ano passado. O alvinegro permanece no sétimo lugar com quatro. No próximo final de semana começa o returno da última divisão.

Até a próxima!

segunda-feira, 30 de maio de 2016

ADECO não faz grande jogo mas goleia o União em Mogi

Texto e fotos: Fernando Martinez


No último domingo armei uma cansativa rodada dupla, começando com a primeira incursão do Blog do Fernando Jogos Perdidos na edição 2016 do Campeonato Paulista Feminino. Fui até o remodelado Estádio Francisco Ribeiro Nogueira em Mogi das Cruzes para o confronto de contrastes entre União e Centro Olímpico.

Não visitava o Nogueirão há mais de dois anos e foi legal ver que o lugar ficou muito melhor depois da reforma realizada em 2015. Agora o estádio conta com banheiros novos, instalações melhores para a imprensa, vestiários muito bons e arquibancadas, principalmente a parte coberta, mais aconchegantes. O único "senão" é o gramado, bastante judiado pelo alto número de jogos realizados ali.


Fachada do reformado Estádio Francisco Ribeiro Nogueira em Mogi das Cruzes

O jovem time feminino do União foi criado nessa temporada e faz sua estreia na categoria. O clube acabou indo parar no Grupo 2 da competição junto com Santos, São José, Portuguesa, Taubaté, Juventus e o ADECO. E foi o time paulistano o primeiro adversário das alvirrubras na história. O resultado? Incríveis 16x0 a favor das campeãs nacionais de 2013, uma das maiores goleadas do Paulista em todos os tempos.


União Futebol Clube (Feminino) - Mogi das Cruzes/SP


Associação Desportiva Centro Olímpico (Feminino) - São Paulo/SP


Capitãs dos times junto com a árbitra Regildenia de Holanda Moura, as assistentes Márcia Bezerra Caetano e Eduardo de Jesus Conceição e o quarto árbitro Luis Felipe Aguiar

No decorrer do primeiro turno as meninas mogianas foram goleadas em todos os compromissos e também não marcaram nenhum gol, ostentando um saldo negativo de 49 gols. Para o início do returno, atuando contra um dos maiores nomes da categoria, era esperada outro revés por larga margem. Só que no final das contas isso não aconteceu.

O Centro Olímpico hoje tem o elenco composto basicamente por meninas sub-20, porém muitas titulares não entraram em campo, algumas poupadas pela comissão técnica e outras por estarem com a seleção brasileira. Essa situação já quebrou um pouco o conjunto do onze da capital. Como se não bastasse, as atacantes que foram a campo não estavam nada inspiradas.

Como não poderia deixar de ser, o União colocou o time todo na defesa e durante os mais de 90 minutos passou do meio de campo apenas uma vez, (uma chance no tempo final em um bom lance pela direita). Tirando esse momento, só deu ADECO e sem exagero nenhum, a equipe deve ter criado umas 50 ou 60 chances para marcar. Quando os chutes não iam pra fora, a goleira local Ellen Cristina aparecia bem com ótimas intervenções.

As atacantes do Centro Olímpico estavam numa manhã tão ruim que a meta local só foi vazada em lances de bola parada ou pelo alto. O primeiro foi marcado de cabeça com Ottilia aproveitando bola alçada da direita aos 18 minutos do tempo inicial. Se tivesse apostado teria errado feio, já que não acreditava que no intervalo o ADECO estaria vencendo apenas pela contagem mínima.

No tempo final a peleja foi muito fraca até os 30 minutos e parecia que o marcador não seria mais alterado. O segundo só saiu pois Cristiane foi cortar uma bola cruzada da esquerda e marcou contra aos 32. As visitantes acordaram - só um pouco, mas foi melhor do que nada - depois desse lance e e marcaram o terceiro com Ottilia aos 39 e o quarto de pênalti com Juliana aos 43.


Beatriz, camisa do ADECO, dominando a bola no gramado do Nogueirão


Escanteio a favor do time paulistano


Lance do primeiro gol do Centro Olímpico, marcado por Ottilia


Lance dentro da área do União no final do jogo


De pênalti, Juliana fechou a goleada do ADECO

No fim, o placar ficou em União Mogi 0-4 Centro Olímpico. As paulistanas subiram para a segunda colocação do Grupo 2, dois pontos atrás do líder Santos e empatadas com o São José, que tem um jogo a menos. O União continua sua saga pelo menos em busca de um gol. Independente dos resultados, as meninas alvirrubras merecem os parabéns só por estarem em campo mesmo com tantas dificuldades.

Sem tempo de embaçar muito saí correndo do estádio pois tinha sessão de futebol na parte da tarde. Como o sistema da CPTM estava operando na famosa operação tartaruga não dava pra vacilar. Teve Segundona Paulista na parada mais uma vez.

Até lá!

Taboão da Serra faz 3x0 no Osasco FC e vence a primeira fora de casa

Texto e fotos: Fernando Martinez


Em meio ao feriadão, na sexta-feira à tarde teve sessão vespertina de futebol no Estádio Nicolau Alayon. Não foi uma apresentação do Nacional, e sim uma daquelas pelejas em campo neutro que sempre gostamos. Osasco FC e Taboão da Serra se enfrentaram pela última rodada do turno do Campeonato Paulista da Segunda Divisão.

Essa foi a quarta vez que marquei presença nesse confronto. Duas foram em 2013 - uma no profissional e a outra no sub-20 - e a primeira em 2006, no meu milésimo jogo visto in loco em todos os tempos. Mais de dez anos depois, o ritmo deu uma diminuída, mas o odômetro já está em 2.630 e continua contando.

As duas agremiações apareceram por aqui recentemente, ambas em compromissos contra o Barcelona na Rua Javari nesse mês de maio (o Osasco venceu por 2x0 e o CATS foi derrotado pela contagem mínima). Vale lembrar que o OFC é o atual vice-líder do Grupo 3 e o onze taboanense ocupa apenas a quinta colocação. Com certeza uma campanha até aqui bastante decepcionante levando conta a expectativa criada antes do início do certame.


Osasco Futebol Clube - Osasco/SP


Clube Atlético Taboão da Serra - Taboão da Serra/SP


O quarteto de arbitragem designado para a partida com Cesar Luiz de Oliveira, Alex Alexandrino, Claudenir Donizeti da Silva e Renan Carvalho de Faria junto com os capitães dos times

Por ser uma emenda de feriado, toda a rapaziada que conseguiu uma folga apareceu na Comendador Souza para acompanhar a peleja. Diferente do que vimos ali no dia anterior, o jogo foi bom e os dois times inverteram os papeis durante os 90 minutos. A melhor campanha do OFC não entrou em campo e o CATS tomou conta da partida na maior parte do tempo.

Não tinha gostado nada da equipe comandada por Axel, ídolo eterno de Mílton Haddad e Ricardo Espina, mas dessa vez a impressão foi melhor. Os visitantes fizeram uma apresentação relativamente segura na defesa e competente no ataque. No começo até que rolou um equilíbrio, quebrado pelo gol de Rafael, camisa 6 do CATS, aos 20 minutos.

O alvinegro buscou o empate e teve duas chances agudas para isso. A primeira num chute da pequena área que incrivelmente foi pra fora e a segunda numa cobrança de falta defendida de forma primorosa pelo goleiro Luís. Foi com o 0x1 que o primeiro tempo terminou.


A luta pela bola no ataque osasquense


Bom ataque do Osasco e boa defesa do goleiro Luís


Outra investida da Águia pela esquerda


Lance agudo dentro da área do CATS no tempo inicial

No tempo final o Osasco FC voltou tentando armar aquele abafa, porém sem conseguir acertar mais o último toque. Jogando na boa, o Taboão da Serra esperava um contra-ataque para tentar ampliar. Aos 20 ele aconteceu e o camisa 9 Caio chutou forte para fazer o segundo.

O gol desanimou os atletas osasquenses e a partir daí o CATS cozinhou o galo para garantir o triunfo. Aos 42 o árbitro marcou pênalti a favor dos visitantes. Diego bateu com classe para fechar o marcador na primeira vitória do Cão Pastor fora de casa nessa temporada.


Marcação firme da zaga local no segundo tempo


Artilharia aérea a favor do alvinegro


Disputa de bola no meio-campo


De pênalti, Diego fechou a boa vitória do Taboão da Serra

O placar final de Osasco FC 0-3 Taboão da Serra fez a Águia cair para a terceira colocação do Grupo 3, atrás do líder Diadema e do CA Lemense. O CATS continua em quinto, agora com dez pontos, apenas um atrás do quarto colocado, o Desportivo Brasil. Na próxima rodada o OFC recebe o time de Porto Feliz e os taboanenses receberão a visita do CAD.

Até a próxima!

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Jogo fraco e empate sem gols entre Nacional e GEO no sub-20

Texto e fotos: Fernando Martinez


O feriadão de Corpus Christi começou da melhor forma possível: com futebol perto de casa. Fui bater meu cartão no Estádio Nicolau Alayon na abertura da quarta rodada do Campeonato Paulista sub-20 da Primeira Divisão. Em campo, os dois primeiros colocados do Grupo 4 da competição: Nacional x Grêmio Osasco.

A edição 2016 do certame tem a participação de 46 equipes divididas em quatro chaves, duas com doze e duas com onze times cada. Na primeira fase, que só termina em 8 de outubro, todos jogam contra todos em turno e returno e os quatro primeiros de cada grupo se garantem nas oitavas.


Nacional Atlético Clube (sub-20) - São Paulo/SP


Grêmio Esportivo Osasco (sub-20) - Osasco/SP


Capitães dos times e quarteto de arbitragem designado para a partida no Alayon

Ainda não tinha visto nenhuma partida do sub-20 nesse ano, então imaginei que a estreia seria de alto nível. O GEO era o líder isolado depois de três rodadas. Os osasquenses venceram Juventus, São Bernardo FC e Grêmio Barueri marcando um total de sete gols e não sofrendo nenhum. O Nacional perdeu pro Tigre na estreia e depois derrotou o GRB e a Portuguesa, segurando a vice-liderança da chave.

No papel, a promessa era de bom jogo, mas na prática isso não aconteceu. Os dois times concentraram as ações no meio-campo e faltou inspiração aos jovens atletas. No primeiro tempo cada equipe criou uma boa chance de gol. Primeiro foi o GEO em lance agudo dentro da área, depois o onze ferroviário em chute pela esquerda e ótima intervenção do goleiro visitante.

Antes da etapa inicial acabar o Nacional teve Bruno Bahia expulso aos 37 minutos depois dele xingar o árbitro. No intervalo subi para as cabines de imprensa junto com o alto quórum de amigos presentes, todos torcendo para que os 45 minutos finais fossem um pouquinho mais animados.

E foi no tempo final que a coisa piorou de vez. Simplesmente nada aconteceu e os 45 minutos se transformaram em 240. Na base da emoção zero, a peleja se arrastou. O que salvou foi o papo sempre animado com a rapaziada nas tribunas. Se estivesse sozinho com certeza teria dormido.


GEO atacando pelo alto no começo do jogo


Disputa de bola dentro da área osasquense


Pelota viajando em lance no meio de campo


O segundo tempo foi fraco e sem chances de gol. Aqui, a zaga do Grêmio corta sem sustos cruzamento do Nacional


Arqueiro ferroviário saindo bem do gol no fim do jogo

O decepcionante placar final de Nacional 0-0 Grêmio Osasco, meu oitavo marcador em branco na atual temporada, manteve os osasquenses invictos e o Nacional numa boa colocação, porém a primeira impressão que tive dos dois não foi muito boa. Espero que os dois tenham muito mais a mostrar no decorrer da fase inicial.

Depois da sessão de futebol arranjei tempo para emendar mais uma edição do "Supermarket com o Jogos Perdidos" e também do sempre clássico Dia do Gordo com lanches gigantes no bairro das Perdizes, aqueles momentos sempre muito legais na companhia dos amigos.

Até a próxima!

terça-feira, 17 de maio de 2016

Barcelona quebra o tabu e volta a vencer em casa após nove anos

Texto e fotos: Fernando Martinez


17 de junho de 2007. Os Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro não haviam sido realizados, o Brasil não tinha sido escolhido como sede para a Copa do Mundo de 2014, as Olimpíadas de 2016 ainda eram um sonho distante e o Jogos Perdidos era campeão de audiência na televisão todas as semanas. Na manhã daquele domingo, o Barcelona jogou e venceu o Pão de Açúcar por 2x0 na cidade de Ibiúna.

Mais do que os três pontos, aquele triunfo foi especial pois foi o último do onze paulistano como mandante na última divisão do estado. Nos dezoito jogos seguintes - um em 2007, seis em 2009, nove em 2015 e dois em 2016 - o time da Zona Sul empatou três e saiu de campo derrotado quinze vezes.

Buscando encerrar esse incômodo tabu, o Barcelona foi a campo no último domingo pela quinta rodada da fase inicial do Campeonato Paulista da Segunda Divisão. Novamente no gramado histórico do Estádio Conde Rodolfo Crespi, o Elefante recebeu o Taboão da Serra, velho adversário dos primeiros anos de profissionalismo e o segundo time que mais enfrentou os paulistanos em todos os tempos, oito vezes, atrás apenas do Jabaquara com dez.


Barcelona Esportivo Capela Limitada - São Paulo/SP


Clube Atlético Taboão da Serra - Taboão da Serra/SP


Capitães dos times junto com o árbitro Anderson Faustino Cordeiro e os assistentes Mauro André de Freitas e Maurício Antunes Imazu

Diferente do que aconteceu nos dias anteriores, o domingo teve sol e calor. Fui para a Rua Javari com tempo suficiente para todos os trâmites porém infelizmente preciso registrar o momento mais triste da tarde. Apresentei minha identificação de imprensa para entrar pelo pelo portão lateral da Javari como sempre faço, mas um segurança juventino extremamente grosseiro me tratou de forma agressiva desde o primeiro momento e impediu a minha entrada. Ainda tentei argumentar, mas não teve como manter dois minutos de papo dessa forma, então deixei o local para evitar confusão e segui em direção ao portão principal. Foi o que bastou para o cara passar a me ameaçar, fisicamente inclusive. Lamentável ter que passar por algo assim num lugar que frequento há tanto tempo. Os responsáveis pela Javari precisam colocar pessoas mais qualificadas para esse tipo de trabalho.

Enfim, no portão principal não tive problema e logo fui para o gramado. Permaneci por ali durante todo o tempo inicial. Falando de bola rolando, é fato que o time atual do Barcelona é muito melhor do que o do ano passado, só que assim como aconteceu nos jogos contra Desportivo Brasil e Osasco FC, a equipe teve mais posse de bola mas pecou nas finalizações.

Treinado por Axel, um dos maiores ídolos de Mílton Haddad, o CATS apresentou um futebol fraco e sem inspiração. Por enquanto o único destaque do time é midiático por conta da presença dos veteranos Edílson e Tuta (que não atuaram na Javari). Futebolisticamente falando, ainda não há nada digno de registro. Ainda assim, a melhor oportunidade de gol do tempo inicial foi dos visitantes, num chute por cobertura que caprichosamente bateu na trave aos 45 minutos.


Lance no campo de defesa do CATS


Jogador do Barcelona dominando a bola no meio de campo


Ataque do Elefante pela esquerda no primeiro tempo


Bola levantada na área do Taboão da Serra

O jogo melhorou muito no tempo final e o Barcelona voltou a campo disposto a quebrar o longo tabu de qualquer jeito. O Taboão permaneceu com uma postura defensiva e chamou o onze local para seu campo. O destaque do Elefante foi o camisa 10 Matheus, atleta que procurou o gol a todo momento.

A primeira boa chance do segundo tempo aconteceu numa cobrança de falta a favor dos visitantes. A bola tirou tinta da trave. O Barça respondeu em sequência num magistral chute colocado de Matheus que obrigou o arqueiro taboanense a fazer um verdadeiro milagre.

A peleja seguida para seu fim com aquele cheirinho de 0x0, mas aos 35, 720 minutos depois do seu último gol na Segundona, o Barcelona desencantou. Matheus recebeu a bola na entrada da área, tirou do zagueiro e acertou um lindo chute colocado no canto direito de Luís Carlos. Um golaço cheio de categoria.

No lance seguinte o CATS teve a chance imediata de deixar tudo igual novamente, mas na base do milagre ninguém apareceu para chutar a bola que ficou pingando dentro da pequena área do onze paulistano. Depois de perder essa chance, realmente deu pra ver que não era o dia do escrete visitante.


Atleta do CATS iniciando jogada no setor ofensivo


Boa chance aérea a favor do Barcelona


Zaga paulistana afastando de qualquer jeito a pelota de dentro da área


Placar final na Rua Javari: Barcelona 1-0 Taboão da Serra


Aquele famoso agradecimento coletivo pela vitória conquistada, a primeira em casa em quase nove anos

No fim, o tabu de 3255 dias ou 465 semanas sem vitórias com o mando de campo na Segundona finalmente foi quebrado. O placar de Barcelona 1-0 Taboão da Serra gerou uma comemoração digna de Copa do Mundo por parte dos atletas e da comissão técnica do Elefante. Já estava na hora do time voltar a vencer. Quem sabe isso não traga melhores momentos e um futuro mais interessante ainda na disputa da última divisão de 2016. Estamos na torcida.

Até a próxima!