Procure no JP

quinta-feira, 6 de março de 2008

A esperança não morre jamais: Juventus 5 x 1 Coruripe

Olá!

Nesta última quarta-feira, nós tínhamos um jogo histórico para acompanhar aqui em São Paulo: Juventus x Coruripe, pela rodada de volta da primeira fase da Copa do Brasil. E eu digo histórico, não pelo resultado que a partida poderia ter, ou por uma possível classificação do time da Mooca. O jogo já era histórico por ser a primeira vez que o time grená participava da Copa do Brasil, e por consequência ser a primeira vez que a Rua Javari sediaria o torneio, além de ser a volta do Juventus a um grande torneio nacional.

Para acompanhar tal momento histórico, representando o JOGOS PERDIDOS: eu, o David, e o Seu Natal. Os outros integrantes, Estevan, Fernando, Jurandyr, Orlando e Victor não puderam comparecer, por outros compromissos profissionais e só mesmo por telefone souberam um pouco do que se passava por lá. E além da turma do JP, compareceu também a galera tradicional: Milton, Fernando Correa, JR, Sergio Manjuillo, o Tio do Canolli (já cotado para ser o novo técnico juventino, caso o Juventus não fosse bem na partida).

Bom, e para começar com chave de ouro, o JP debutou nos gramados da Copa do Brasil e traz as fotos oficiais e exclusivas da partida.


C.A. Juventus - São Paulo / SP. Foto: Emerson Ortunho.


A.A. Coruripe - Coruripe / AL. Foto: Emerson Ortunho.


Quarteto de arbitragem da partida. Foto: Emeson Ortunho.

Antes de falar propriamente da partida, vale lembrar que todos sabiam que a tarefa do Juventus seria praticamente impossível, já que o esquadrão da Mooca teria que reverter o trágico placar de 4 a 1 a favor do Coruripe, obtido na partida de ida no Estado de Alagoas. E dava para se notar que apesar da esperança ser a última que morre, muitos juventinos estavam lá para prestigiar a partida inédita, independente do resultado, e até mesmo por agradecimento a equipe pela brilhante conquista da Copa Federação Paulista, que deu a vaga ao Juventus para o torneio nacional. Mas aí que estava a chave da questão, quem esteve na final da Copa FPF, sabia que num jogo do Juventus tudo poderia acontecer.

O primeiro tempo começou como já era de se esperar, com o Juventus tentando tomar a iniciativa da partida e o Coruripe fechadinho na defesa, admistrando a sua folga conquistada no placar da primeira partida. Mas, mesmo a equipe da casa procurando o jogo, a preocupação já começava a se estampar na cara dos torcedores, pois com aquele futebol seria muito difícil chegar nos 3 a 0, ou nunha diferença maior que três gols, ainda mais que o Coruripe mostrava não ser uma equipe fraca e chegava com perigo por várias vezes nos contra-ataques.


O Juventus tenta levar a bola para o campo de ataque. Foto: Emerson Ortunho.


Grande chance perdida pelo Juventus no começo do jogo. Foto: The Watcher.

Mesmo não apresentando um bom futebol, chegando em alguns momentos até a ser dominado pelo visitante, o Juventus acabou conseguindo chegar ao primeiro gol, aos 22 minutos, através do capitão Dedimar, em cobrança de pênalti. Nesse momento a esperança se acendeu na Rua Javari, mas poucos minutos depois ela já começou a se apagar, já que o Coruripe não se abateu e partiu para o ataque. A equipe de Alagoas imprimiu um maior ritmo de jogo e aos 28 minutos chegou ao empate com Joelson, numa bola confusa que desviou e atrapalhou o goleiro Marcelo.


Dedimar marca de pênalti o primeiro gol do Juventus. Foto: The Watcher.

O time grená sentiu o banho de água fria e começou a entregar os pontos num abatimento geral. E ainda de cabeça quente o time sofreu outro baque: João Paulo parou com falta um rápido contra-ataque do Coruripe e recebeu o cartão vermelho por ser o último homem. Com o placar de 1 a 1, um homem a menos e um futebol apenas razoável, o jogo seguiu para o vestiário com praticamente tudo perdido.


O Juventus tenta impor o seu ritmo de jogo. Foto: Emerson Ortunho.

Na volta do intervalo o Juventus veio com uma novidade, o tetra-campeão mundial Vampeta entrou na equipe. E não é que o velho Vamp, mesmo com seus quilinhos a mais, mudaria o panorama da partida? Logo aos três minutos a esperança começava a renascer, Lima recebeu na área e acabou chutando mal em cima do goleiro, mas por sorte juventina, a bola bateu no defensor do Coruripe, que acabou marcando contra.

O gol logo no começo deu uma injeção de ânimos na equipe, e com o Vampeta articulando quase todas as jogadas do meio de campo, o Juventus foi acuando o Coruripe no campo de defesa sem que eles se dessem conta do que estava acontecendo. E não demorou muito para vir o terceiro gol, desta vez Lima recebeu na direita e bateu cruzado, sem chances para o goleiro do Coruripe.


A hora do chute que originou o terceiro gol juventino. O milagre ainda era possível. Foto: The Watcher.


O Coruripe tentava segurar o jogo com uma forte marcação. Foto: Emerson Ortunho.

O jogo seguiu em ritmo frenético e nessa hora, equipe e torcida já acreditavam que o milagre era possível. E a devolução do placar de 4 a 1 chegou, aos 22 mnutos, com o meia Kanu, que acertou um "pombo sem asas" no ângulo do goleiro.


Kanu que foi dos destaques da partida disputa a bola. Foto: Emerson Ortunho.

Nessa hora a torcida enlouqueceu, pois pelos a disputa por pênaltis já estava garantida. Mas os heróis grenás queriam mais, e aos 43 minutos, após um lançamento para a área do Coruripe, a bola sobrou para o ataque juventino que chutou para a defesa do goleiro, no rebote Kanu mandou para o fundo das redes. Eram os inacreditáveis 5 a 1 no placar e uma inédita classificação.

Na sequência, o Coruripe que não conseguia entender o que estava acontecendo, ainda foi para cima criando algumas chances. Mas ninguém na Javari acreditava que algo poderia mudar o jogo, até que veio o apito final, quando também os bravos jogadores puderam comemorar. Alguns simplesmente desmoronando no chão, outros chorando, outros se abraçando, outros agradecendo o apoio incondicional da torcida. Épico!


Goleiro do Coruripe se erforça para segura o ataque juventino. Foto: Emerson Ortunho.

Final de jogo: Juventus 5 x 1 Coruripe. A equipe paulista que debutou no torneio, vai para a segunda fase e agora vai pegar outra pedreira, o Náutico de Pernambuco. Quanto ao Coruripe, não se pode falar em salto alto, nem em síndrome do já ganhou, pois a equipe veio para jogar certinha. Tanto que fez um ótimo primeiro tempo com o regulamento em baixo do braço. Mas ninguém poderia esperar que o velho Vamp e seus moleques travessos lhes pregariam uma peça.

Bom, e o que dizer desse resultado? É mais uma página de ouro na história do Juventus e da encantadora Javari. Depois da estonteante final da Copa FPF, eu achava que nada mais poderia chegar tão perto em emoção. Porém, o Juventus é realmente um moleque que irrita sua torcida com a traquinagem de estar na zona de rebaixamento do paulistão, mas ao mesmo tempo encanta seus admiradores com suas travessuras ingênuas de um autêntico moleque travesso, e que hoje, fez mais uma das suas grandes molecagens.

Parabéns Juventus! Todos sabem que a equipe talvez nunca dará aos seus torcedores um título mundial, entretanto consegue trazer uma alegria talvez até maior, com uma simples partida de futebol jogada com amor a camisa, e não ao dinheiro e aos holofotes, hoje tão latentes.

Abraços emocionados!

Emerson

Nenhum comentário:

Postar um comentário