Procure no JP

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

JP no confronto entre Ji-Paraná e Rio Branco do Acre na Copinha

Fala, pessoal!

Muitos dos amigos mais jovens que nos acompanham não tem a noção de como era difícil acompanhar o futebol nos anos 90. Em tempos de uma internet ainda engatinhando, encontrar informações plausíveis sobre pelejas e campeonatos era uma tarefa hercúlea, já que bastava uma informação errada para sepultarmos a oportunidade de vermos algo importante.

Voltando no distante ano de 1997, perdi a chance de ver um jogo do sensacional Ji-Paraná in loco justamente por uma lamentável "desinformação". Os rondonienses enfrentaram o Juventus na Rua Javari na Série C daquele ano, mas fui ao estádio - depois de uma informação incorreta passada por um funcionário do clube - no domingo, quando o jogo havia acontecido no sábado.


Ji-Paraná FC (sub20) - Ji-Paraná/RO. Foto: Fernando Martinez.

Passei dezessete anos com essa pedra no sapato, até que a FPF finalmente colocou o time de Rondônia numa chave "de perto" nessa Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2014. Aliás, o jogo mais legal do Grupo X era esse mesmo: Ji-Paraná x Rio Branco do Acre, os dois sem nenhum ponto conquistado e decidindo quem seria o lanterna do grupo disputado no Estádio Prefeito José Liberatti.


Rio Branco FC (sub20) - Rio Branco/AC. Foto: Fernando Martinez.


Trio de arbitragem para o clássico do norte do país junto com os capitães das equipes. Foto: Fernando Martinez.

Vale registrar que até hoje dez equipes de Rondônia já representaram o estado na Copinha. Por incrível que pareça, as melhores campanhas foram do falecido CFA em 2001 e 2004, quando terminou respectivamente no 27º e 24º lugares (ah, o Ji-Paraná somou em 2014 sua terceira participação). Do Acre, tivemos apenas quatro equipes até hoje, e a melhor performance foi do Independência em 2008, quando ficou na 41ª posição.


Detalhe das novas cabines de imprensa do José Liberatti. Finalmente o estádio osasquense tem um lugar de respeito para os profissionais que trabalham por ali. Foto: Fernando Martinez.

Apesar do clima ameno, um alívio depois de tantos dias seguidos com temperaturas insuportáveis, o primeiro tempo foi bastante fraco. Os times mostraram o motivo de estarem ainda sem pontuar na Copinha e a partida praticamente se arrastou. A emoção ficou para o segundo tempo.


Goleiro do Ji-Paraná se esticando todo em chute do Rio Branco do Acre. Foto: Fernando Martinez.


Disputa de bola na linha de fundo. Foto: Fernando Martinez.

No tempo final as equipes resolveram brindar a torcida que chegava para o jogo de fundo com um futebol bem melhor. O destaque acabou sendo o time do Ji-Paraná e seus rápidos ataques pelas laterais. Fernandinho aproveitou o bom momento e abriu o marcador para os rondonienses aos 20 minutos.


Cobrança de falta perigosa para o Galo no tempo final. Foto: Fernando Martinez.


Zaga acreana saindo para o ataque com a firma marcação rondoniense. Foto: Fernando Martinez.

Mesmo não jogando tão bem, o Rio Branco achou o empate aos 29 minutos com o gol do camisa 7 Lucas. Aos 34 minutos aconteceu o lance mais surreal do jogo, sem nenhuma relação com os 22 atletas em campo. O assistente número 2, Danilo Nogueira da Silva, se contundiu e precisou ser substituído, sendo literalmente carregado para fora do campo. Uma cena que chamou demais a atenção de todos.


O assistente Danilo Nogueira da Silva sendo carregado para fora do campo após se contundir. Foto: Fernando Martinez.

Quando a partida recomeçou, parecia que o empate estava definido, mas Jaílson desempatou a peleja aos 44 minutos para o Galo, gerando grande festa no banco de reservas da equipe.


O time azul e branco mostrou bom futebol e passou grande parte do segundo tempo dentro do campo do adversário. Foto: Fernando Martinez.


Chute que originou o segundo gol do Ji-Paraná. Foto: Fernando Martinez.

No fim, o placar de Ji-Paraná 2-1 Rio Branco/AC marcou a primeira vitória da equipe nas suas três participações na Copinha. Também evitou que o time terminasse com 0% de aproveitamento, caso do onze acreano. Independente de tudo isso, a grande vitória para as duas agremiações é o famoso "intercâmbio" com times dos maiores centros.

Após essa peleja chegou a hora do confronto entre os dois líderes da chave precisando apenas de um empate para ambos irem á segunda fase. Quem contará a história do que rolou no jogo de fundo será o amigo Estevan.

Até mais!

Fernando

Um comentário: