Procure no JP

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Olímpia sai na frente do Nacional na semi da Série A3

Texto e fotos: Fernando Martinez


Reta final de campeonato sempre significa momentos de gala, e posso dizer que o último sábado fiz uma rodada dupla de alto nível com confrontos decisivos na programação. Iniciei os trabalhos no Estádio Nicolau Alayon com o primeiro jogo da semi-final do Campeonato Paulista da Série A3 entre Nacional e Olímpia, velhos conhecidos em decisões. Foi a 11ª apresentação do clube ferroviário como mandante nessa A3 e a 11ª vez em que estive presente.

O Data Fernando informa que os dois se enfrentaram 16 vezes em todos os tempos com equilíbrio absoluto: seis triunfos para cada lado, quatro empates e dezenove gols marcados cada. A história mostra dois momentos cruciais entre ambos: no ano 2000 o Olímpia foi um dos promovidos para a A2 sendo derrotado em São Paulo pela contagem mínima e vencendo o Naça em casa por 3x0. Em 2014, o time da capital deu o troco e com um empate no Maria Tereza Breda, o acesso para a A3 foi consumado. De lambuja, o 1x1 eliminou o Galo.


Nacional Atlético Clube - São Paulo/SP


Olímpia Futebol Clube - Olímpia/SP


O árbitro José Cláudio Filho, os assistentes Rogerio Pablos Zanardo e Marco Antonio Motta Junior, o quarto árbitro Márcio Roberto Soares e os capitães dos times

Pro segundo confronto entre eles nessa A3 (no primeiro, realizado no interior, o Olímpia venceu por 2x1) o Nacional precisava fazer valer o fator campo e tentar conquistar algum tipo de vantagem pro duelo da semana que vem. O ótimo público de 880 pagantes viu um jogo aonde os donos da casa começaram assustando o setor defensivo adversário logo aos cinco minutos. Jeferson chutou meio sem querer e acertou a trave direita de Igor. Pena que esse acabou sendo o único ataque local em muito tempo.

Não demorou para o Olímpia dominar as ações e chegar por várias vezes perto da meta defendida por Felipe Lacerda. O arqueiro ferroviário fez boas intervenções e quando isso não aconteceu, as finalizações deixaram a desejar. Quando o primeiro tempo se aproximava do seu final, o Nacional voltou a se aventurar pelo campo de ataque e então saiu o gol. Emerson Mi recebeu um bom passe na intermediária e chutou forte, colocando a bola no canto direito do goleiro do Galo. Foi o terceiro gol do camisa 10 nacionalino na A3.


Falta a favor do Nacional nesse lance? O árbitro achou que não...


Bola levantada na área visitante durante o primeiro tempo


Alex Silva, 13 do Galo, vendo a bola passar em lançamento para Éder

Os quinze minutos de intervalo foram bastante concorridos com sorteios e aquele bate-papo maroto com os amigos presentes, sempre naquele quórum de respeito. O ponto em comum é que a maioria estava bastante animada com o triunfo parcial nacionalino, mesmo com a equipe não tendo uma atuação brilhante.

Na volta pro segundo tempo estava rolando até que um certo equilíbrio e vimos uma chance para cada lado nos primeiros dez minutos, porém o Olímpia achou o caminho do sucesso pelo alto. Aos 14 minutos o Galo atacou pela esquerda e a pelota foi cruzada na área. Veloso apareceu livre e fuzilou de cabeça, deixando tudo igual.

Apenas sete minutos depois o Nacional sentiu outro golpe em mais um ataque aéreo dos visitantes. A bola foi alçada da direita e Brumati tocou meio sem jeito no segundo pau. A pelota encobriu Felipe Lacerda e foi parar no fundo das redes. Para a festa dos torcedores visitantes, o Olímpia virou o marcador.

Os locais se mandaram ao ataque e apostaram na mesma estratégia que deu certo pro Galo, a jogada aérea. Só que embora vários cruzamentos tenham sido feitos dentro da área visitante, nenhuma cabeçada teve o destino desejado. Quando acionado, Igor fez defesas seguras que impediram o Nacional de chegar novamente ao empate.


O Nacional começou o segundo tempo tentando ampliar sua vantagem


Marcação firme da zaga visitante em lance pela direita



Dois momentos em que o ataque local tentou usar a mesma tática do Olímpia, porém sem sucesso


Placar final da peleja no Nicolau Alayon e que complica a vida do time ferroviário em busca do acesso

Quando o árbitro apitou pela última vez na tarde não teve choro nem vela: a partida terminou com o marcador mostrando o resultado de Nacional 1-2 Olímpia, o primeiro triunfo do time do interior contra os ferroviários na capital desde 2001. No duelo de volta o Olímpia joga por um empate para voltar à A2 depois de dez anos. O Naça precisa vencer por dois gols de diferença e se vencer por um, a decisão vai pros pênaltis.

Fim da sessão vespertina de futebol e hora de seguir até o ABC e conferir de perto a minha terceira final de A2 em todos os tempos e a sexta que contou com a presença do blog desde 2005. Foi uma decisão que resgatou muita coisa boa que há muito não se via.

Até lá!

Nenhum comentário:

Postar um comentário