Procure no JP

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Tudo igual entre Oeste e Guarani pelo Paulistão

Texto e fotos: Fernando Martinez


Hoje o Campeonato Paulista não é nem sombra do que já foi e todo mundo sabe disso, até a FPF. Aqueles jogos históricos, os duelos memoráveis e os estádios apinhados de gente por todo o estado ficaram no passado. Apesar disso o certame ainda sobrevive e principalmente pela parte histórica, gosto de acompanhar. Dito isso, na última sexta-feira foi bem legal ver o encontro entre Oeste e Guarani pela quinta rodada do gramado da Arena Barueri.

Depois de ficar o ano de 2019 sem ver o Paulistão de perto, essa foi uma volta bastante bem-vinda. Aliás, foi a primeira vez que vi o Oeste como mandante no estadual e também foi minha estreia na Arena Barueri na A1. Na história tinha visto apenas um jogo na cidade numa época em que o falecido Grêmio atuava no Estádio da Vila Porto. Em fevereiro de 2007 assisti de perto o triunfo do GRB contra a Ponte Preta por 2x1 na cancha que hoje tem outro formato.

Cheguei no campo barueriense em cima da pinta e sem tempo a perder. Como o acesso ali é fácil, rapidinho estava beirando as quatro linhas. Poucos fotógrafos estavam credenciados para fazer as fotos oficiais, algo de praxe em compromissos assim. O legal é que, sem contar a disputa do troféu do Interior, tinha tirado as fotos posadas numa partida de A1 apenas três vezes: Juventus x Rio Branco em 2007, Paulista x Mirassol e São Caetano x Juventus, ambos em 2008. Assombrosos doze anos sem fazer isso.


Oeste Futebol Clube - Barueri/SP


Guarani Futebol Clube - Campinas/SP


O árbitro Ilbert Estevam da Silva, os assistentes Marcelo Carvalho Van Gasse e Herman Brumel Vani, o quarto árbitro Rodrigo Gomes Domingues posando para o JP junto com os dois capitães

Falando do presente, o Oeste não está nada bem na competição. Ganhou apenas uma vez e vinha de duas derrotas por goleada contra Palmeiras e Ferroviária, respectivamente por 4x0 e 5x1. A reabilitação era urgente, mas o Bugre vem fazendo um torneio digno e era líder do Grupo D junto com o Corinthians. Resumindo: a parada do onze local seria bem complicada.

Fui acompanhar o ataque do Oeste curtindo o fato de estar ali perto da ação. Melhor ainda foi o fato do primeiro tempo ter sido bem animado. O escrete rubro-negro começou tentando surpreender só que acabou sendo surpreendido aos 16 minutos. Bidu arrancou pela esquerda e chutou forte. Felipe Lacerda defendeu e no rebote Rafael Costa encheu o pé, colocando o Guarani em vantagem.

O Oeste sentiu o golpe e não conseguiu criar bons momentos. Sim, os atletas até tiveram a posse da pelota, porém chance mesmo não teve. O goleiro Jeferson Paulino, conhecido aqui quando atuou no EC São Bernardo no começo dos anos 2010, praticamente não trabalhou. O problema foi que, na primeira vez que foi acionado, ele falhou feio. O lateral Éder Sciola arriscou um tiro pela direita aos 39 e o camisa 1 aceitou e deixou a gorduchinha passar debaixo do seu corpo.


Guarani saindo para o ataque no começo do duelo contra o Oeste


Marcação firme de jogador do Bugre em cima de atacante local


Bola levantada dentro da área visitante e corte da zaga


Os defensores campineiros trabalharam direitinho na etapa inicial, neutralizando todos os ataques do Oeste


Éder Sciola armando o chute que originou o gol do Oeste em falha do goleiro do Guarani

Foi com o 1x1 que o intervalo chegou e eu resolvi fazer uma boquinha pois a barriga estava zerada. Subi ao quarto andar para pegar um pedaço de pizza que vendem ali, uma delícia por sinal. Como o atendimento nas cadeiras demorou, não deu tempo de retornar ao gramado e assisti a etapa final junto com o amigo-abelha Renato Rocha. Foi o melhor que poderia ter acontecido, pois a peleja caiu demais de produção.

O Oeste não criou e o Guarani não teve sucesso nas investidas, assim, foram 45 minutos de sono e preguiça. O papo na tribuna foi muito melhor do que rolava em campo. Não sendo injusto e para não dizer que tudo foi ruim, aos 48, já no apagar das luzes, os locais tiveram a única boa oportunidade. A cabeçada de Éder Sciola, sempre ele, que passou perto.


Aquele bate-boca maroto no gramado da Arena Barueri



O Oeste teve mais posse de bola no tempo final, mas não conseguiu virar o placar

O resultado de Oeste 1-1 Guarani ajudou pouco o escrete de Barueri, agora com quatro pontos e lanterna do Grupo A. É fato que o futebol precisa melhorar o quanto antes pensando na fuga do rebaixamento. Já o Bugre se tornou líder do Grupo D, à frente do modorrento time corintiano. Acho que, pelo menos por enquanto, o tetra mosqueteiro é apenas uma distante ilusão.

Fiquei o final de semana todo de molho sem assistir nenhuma partida. Aliás, nem sei quando voltarei aos gramados. Hora de descansar um pouquinho.

Até a próxima!

_________________________

Ficha Técnica: Oeste 1-1 Guarani

Local: Arena Barueri (Barueri); Árbitro: Ilbert Estevam da Silva; Público: 1.012 pagantes; Renda: R$ 9.735,00; Cartões amarelos: Alyson, Mantuan, Matheus Jussa, Roberto, Pablo, Bidu, Bruno Sávio; Gols: Rafael Costa 16 e Éder Sciola 33 do 1º.
Oeste: Felipe Lacerda; Éder Sciola, Lídio, Betinho e Alyson; Mantuan, Matheus Jussa e Fabrício Oya (Mazinho); Marlon (De Paula), João Paulo (Bruno Gonçalves) e Roberto. Técnico: Renan Freitas.
Guarani: Jefferson Paulino; Pablo, Romércio (Leandro Almeida), Bruno Silva e Bidu; Deivid, Igor Henrque, Lucas Abreu e Lucas Crispim; Junior Todinho (Bruno Sávio) e Rafael Costa (Alemão). Técnico: Thiago Carpini.
_____________

Nenhum comentário:

Postar um comentário