Procure no JP

quinta-feira, 30 de março de 2017

No apagar das luzes, Portuguesa derrota o Penapolense

Texto e fotos: Fernando Martinez


O fraco jogo entre Nacional e Matonense na tarde de quarta-feira somado a uma preguiça monstro quase me deixou de fora da sessão noturna de futebol. Quase. No fim, arranjei forças sobrenaturais e me mandei pro Estádio Oswaldo Teixeira Duarte para mais uma apresentação da Portuguesa no Campeonato Paulista da Série A2, dessa vez contra o Penapolense.

Antes dessa rodada, a 14ª da primeira fase, os rubro-verdes estavam na 11ª posição com 16 pontos, sete atrás da Pantera da Noroeste, quinta colocada na classificação geral e brigando ponto a ponto por uma vaga no G4 da competição. Por conta de todo o drama lusitano na A2, essa foi mais uma decisão num compromisso aonde só a vitória importava.


Associação Portuguesa de Desportos - São Paulo/SP


Clube Atlético Penapolense - Penápolis/SP


Capitães dos times, o árbitro Alessandro Darcie, os assistentes Fausto Augusto Moretti e Diogo Correia dos Santos e o quarto árbitro Luiz Carlos Júnior

Cheguei ao Canindé na companhia do amigo Mílton Haddad e do mestre do bom humor, Paulo Shrek. Enquanto eles foram para as arquibancadas, eu fui pro gramado e fiquei ali durante todo o tempo inicial. Detalhe: essa foi a primeira vez que o Penapolense se apresentou na casa lusitana.

Pena que os primeiros 45 minutos tenham sido, mais uma vez, de baixo nível técnico. A Portuguesa irritou sua torcida com mais um festival de passes errados, lançamentos sem direção e jogadas equivocadas. O melhor com a camisa rubro-verde foi Leandro Domingues, ele o responsável pela melhor chance local numa belíssima cobrança de falta com grande defesa de Samuel.

O Penapolense não foi assim uma Brastemp, mas chegou a assustar o setor defensivo local mais de uma vez. Ricardo Berna mostrou serviço e fez três boas defesas, duas em chutes de longe e uma quando o próprio zagueiro tentou cortar e mandou contra o seu gol. Além disso, a zaga salvou uma bola em cima da linha.


Ataque lusitano pela direita e a forte marcação do setor defensivo do CAP


Guilherme desperdiçando uma grande oportunidade do time visitante abrir o marcador


Disputa de bola na linha de fundo


O goleiro Samuel fez grande defesa em cobrança de falta de Leandro Domingues

No tempo final subi na área de imprensa, afinal, ficar sem blusa no vento gelado de 17 graus é gripe na certa. Me instalei confortavelmente numa das cabines e vi a equipe da casa voltar ao gramado mais ligada e disposta. O CAP finalmente começou a sofrer pressão, ainda que tímida.

Quando os visitantes tentavam começar a atacar, merecidamente a Lusa abriu o marcador aos 13 minutos. Leandro Domingues dominou na intermediária e tocou para Fernando na esquerda. O camisa 8 fez um cruzamento primoroso e Adílson apareceu entre os zagueiros, cabeceando firme para fazer o primeiro.

Após sofrer esse gol, o Penapolense retornou ao ataque e aos 23 minutos igualou o placar. Na primeira chance real de gol da segunda etapa a bola foi levantada na área e Gilvan subiu mais alto, colocando a pelota no canto esquerdo de Ricardo Berna, que falhou no lance.

Ele se redimiu da falha e segurou bem o ataque adversário nos minutos seguintes. Quando os acréscimos chegaram eu achava que o empate estava consolidado. É, só que a estrela de Leandro Domingues brilhou no último lance. Luizinho fez boa jogada pela esquerda e cruzou. Foram alguns segundos de um bate-rebate na pequena área antes da pelota sobrar pro camisa 10. Ele encheu o pé e marcou o segundo gol lusitano para o completo delírio da maior parte dos 436 pagantes.


Boa saída do arqueiro do Penapolense no começo do segundo tempo


Lance do gol de empate do CAP aos 23 minutos


Ataque da Portuguesa em busca da virada

O placar final de Portuguesa 2-1 Penapolense manteve os 100% de aproveitamento da Lusa no seu estádio. A equipe permanece na 11ª posição, agora cinco pontos acima da zona de rebaixamento faltando cinco partidas para o final da primeira fase. Já o CAP continua em quinto, dois pontos atrás do Batatais, atual quarto colocado.

Após assistir doze jogos nos últimos doze dias, nada mais justo do que um merecido descanso. Além disso, o lance foi descolar tempo suficiente para continuar com as pesquisas para uma nova publicação que contará as histórias das divisões de acesso paulistas através dos tempos. Um sonho antigo será realizado em breve. 😊

Até a próxima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário