Procure no JP

quinta-feira, 30 de março de 2017

Nacional derrota a SEMA com gol relâmpago e volta ao G8

Texto e fotos: Fernando Martinez


Voltando com a programação normal depois da classificação brasileira pra Copa, na quarta-feira rolou uma rodada dupla pelas divisões de acesso do estado. Na parte da tarde, mantive meus 100% de aproveitamento nos compromissos do Nacional como mandante no Campeonato Paulista da Série A3. O adversário foi a sempre legal equipe da Matonense.

Esse duelo era essencial pro Nacional voltar a subir na tábua de classificação, já que depois dele, o time vai atuar três vezes longe de casa e apenas uma vez na capital. Tantos pontos perdidos na Comendador Souza podem fazer a diferença ao final das 19 rodadas. A Matonense também luta por uma vaga na segunda fase e era sexta colocada antes da rodada.


Nacional Atlético Clube - São Paulo/SP


Sociedade Esportiva Matonense - Matão/SP

Retrospecto não entra em campo, mas se dependesse somente da história o onze da Água Branca era ultra-favorito. Em sete jogos disputados entre os dois na Comendador Souza, o time paulistano nunca perdeu um ponto sequer e derrotou a SEMA em todas as partidas. Na história do blog, cobrimos dois deles: o massacre de 6x1 em 2005 e o 4x0 no ano passado.

Nem bem a partida tinha começado e o time da casa já abriu o marcador. Os visitantes deram o pontapé inicial porém perderam o domínio da bola logo em seguida. Ela então foi tocada em profundidade para o camisa 9 Luciano, que avançou pelo setor defensivo adversário e tocou na saída do goleiro Marcelo. Com cerca de 30 segundos disputados, provavelmente foi um dos tentos mais rápidos da história nacionalina.

Essa acabou sendo a única chance de gol local em todo o primeiro tempo. Aos poucos a Águia Azul foi se soltando e levou relativo perigo à meta defendida por Felipe Lacerda. O goleiro apareceu bem e fez duas ou três defesas importantes, levando o jogo pro intervalo ainda com o 1x0 no marcador.



Luciano chegando perto da área antes de chutar para abrir o marcador, depois a comemoração pelo gol marcado


Jobson, camisa 8 sob firme marcação da zaga da SEMA


Disputa de bola pela esquerda no fim do primeiro tempo

A segunda etapa começou bem parecida com a primeira e na primeira investida local quase a vantagem foi ampliada. Depois, a equipe recuou e com isso a SEMA voltou a dominar a peleja, dando muito trabalho para a zaga mandante. Agora, chance clara de gol que é bom, praticamente nenhuma.

O Nacional só voltou a se aventurar no ataque depois dos trinta minutos. Foram dois ataques mais ou menos lúcidos, um deles com a bola zanzando perdida na pequena área sem ninguém pra completar pra rede. A Matonense teve mais a bola no pé, só que sem finalizar não há como marcar.


Troca de passes na esquerda do ataque nacionalino


Saída de bola a favor o Nacional


A melhor oportunidade do tempo final a favor dos locais foi essa, só que a bola ficou zanzando na pequena área sem ninguém aparecer para completar

No fim, quem chegou no primeiro minuto perdeu tudo que aconteceu. O placar final de Nacional 1-0 Matonense, se não foi numa atuação brilhante dos locais, pelo menos fez o time voltar a vencer. O escrete paulistano agora é o sexto colocado com 25 pontos, enquanto a SEMA está em 11º com os mesmos 22.

Após o apito final fui rapidinho até a Estação Água Branca da CPTM seguir meu caminho para casa. Juro que a vontade de ficar de boa no meu sofá durante a noite era enorme, mas no fim me apeguei ao fio de ânimo que ainda existia e encarei uma sessão noturna de futebol com 17 graus na moleira no Canindé.

Até lá!

Nenhum comentário:

Postar um comentário