Procure no JP

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

JP na Olimpíada (parte 5): Canadá vence o esforçado Zimbábue na Arena

Texto e fotos: Fernando Martinez


Depois de um dia de folga, meu cronograma olímpico teve continuidade no dia seis de agosto, um sábado, o primeiro com os Jogos oficialmente rolando. As vésperas de fazer minha primeira viagem ao Rio, fui mais uma vez até a Arena Corinthians para uma nova rodada dupla válida pelo torneio feminino de futebol em seu Grupo F. A sessão começou com o Canadá enfrentando o Zimbábue.


Seleções perfiladas para os respectivos hinos nacionais

O público foi substancialmente maior do que o público da rodada de estreia e mais de 30 mil pessoas - entre elas, a minha sobrinha Maria Rita fazendo sua estreia num estádio de futebol - foi até a casa corintiana para uma jornada que prometia bastante. Na peleja preliminar, dez entre dez torcedores contava com uma goleada canadense contra a apenas esforçada seleção africana.

No papel, tudo certo, mas na hora H a seleção norte-americana decepcionou absurdamente. As meninas do Canadá parece que mandaram uma feijoada monstro na hora do almoço e elas atuaram com uma preguiça absurda. Janine Beckie abriu o marcador aos sete minutos e Christine Sinclair aumentou aos 19, fazendo seu 164º gol com a camisa da seleção em todos os tempos.1


Jessie Fleming se livrando da marcação da capitã Felistas Muzongondi


Zaga do Zimbábue dominando a pelota no campo de defesa


Rutendo Makore, camisa 15 do selecionado africano, tentando dominar a pelota depois de cruzamento na área

Depois que Beckie fez o seu segundo gol, e o terceiro do Canadá, aos 35 minutos, a expectativa por uma goleada deu lugar a um marasmo absurdo. Só não dormi por conta da presença da minha sobrinha, caso contrário teria facilmente batido uma soneca. As canadenses nada mais fizeram digno de registro até o apito final. O público deu a resposta das arquibancadas e Zimbabue teve toda a torcida a seu favor.

As africanas até que tentaram jogar no ritmo da galera, só que a qualidade técnica das meninas realmente é muito abaixo da crítica. Ainda assim, Mavis Chirandu marcou o gol de honra aos 41 do segundo tempo e a Arena Corinthians comemorou, assim como aconteceu contra a Alemanha, como se fosse gol de título.


Bola levantada na área do Zimbábue na direção de Sinclair


Ataque canadense pela esquerda no fim do jogo


Placar final do encontro entre canadenses e zimbabuenses na Arena Corinthians

O placar final de Canadá 3-1 Zimbábue classificou a seleção da América do Norte para a segunda fase do torneio feminino de futebol dos Jogos, mas quem fez a festa foi o selecionado africano, com direito a uma belíssima volta olímpica e uma ovação interminável de 30 mil pessoas. Foi de arrepiar.

Depois de um jogo tão meia bomba, a esperança era que a partida principal fosse um pouco melhor. Por sorte ela não foi apenas um pouco melhor, e sim muito melhor. Uma senhora peleja de futebol que pode ser considerada uma das melhores do Rio-2016.

Até lá!

Nenhum comentário:

Postar um comentário