Procure no JP

segunda-feira, 30 de maio de 2016

ADECO não faz grande jogo mas goleia o União em Mogi

Texto e fotos: Fernando Martinez


No último domingo armei uma cansativa rodada dupla, começando com a primeira incursão do Blog do Fernando Jogos Perdidos na edição 2016 do Campeonato Paulista Feminino. Fui até o remodelado Estádio Francisco Ribeiro Nogueira em Mogi das Cruzes para o confronto de contrastes entre União e Centro Olímpico.

Não visitava o Nogueirão há mais de dois anos e foi legal ver que o lugar ficou muito melhor depois da reforma realizada em 2015. Agora o estádio conta com banheiros novos, instalações melhores para a imprensa, vestiários muito bons e arquibancadas, principalmente a parte coberta, mais aconchegantes. O único "senão" é o gramado, bastante judiado pelo alto número de jogos realizados ali.


Fachada do reformado Estádio Francisco Ribeiro Nogueira em Mogi das Cruzes

O jovem time feminino do União foi criado nessa temporada e faz sua estreia na categoria. O clube acabou indo parar no Grupo 2 da competição junto com Santos, São José, Portuguesa, Taubaté, Juventus e o ADECO. E foi o time paulistano o primeiro adversário das alvirrubras na história. O resultado? Incríveis 16x0 a favor das campeãs nacionais de 2013, uma das maiores goleadas do Paulista em todos os tempos.


União Futebol Clube (Feminino) - Mogi das Cruzes/SP


Associação Desportiva Centro Olímpico (Feminino) - São Paulo/SP


Capitãs dos times junto com a árbitra Regildenia de Holanda Moura, as assistentes Márcia Bezerra Caetano e Eduardo de Jesus Conceição e o quarto árbitro Luis Felipe Aguiar

No decorrer do primeiro turno as meninas mogianas foram goleadas em todos os compromissos e também não marcaram nenhum gol, ostentando um saldo negativo de 49 gols. Para o início do returno, atuando contra um dos maiores nomes da categoria, era esperada outro revés por larga margem. Só que no final das contas isso não aconteceu.

O Centro Olímpico hoje tem o elenco composto basicamente por meninas sub-20, porém muitas titulares não entraram em campo, algumas poupadas pela comissão técnica e outras por estarem com a seleção brasileira. Essa situação já quebrou um pouco o conjunto do onze da capital. Como se não bastasse, as atacantes que foram a campo não estavam nada inspiradas.

Como não poderia deixar de ser, o União colocou o time todo na defesa e durante os mais de 90 minutos passou do meio de campo apenas uma vez, (uma chance no tempo final em um bom lance pela direita). Tirando esse momento, só deu ADECO e sem exagero nenhum, a equipe deve ter criado umas 50 ou 60 chances para marcar. Quando os chutes não iam pra fora, a goleira local Ellen Cristina aparecia bem com ótimas intervenções.

As atacantes do Centro Olímpico estavam numa manhã tão ruim que a meta local só foi vazada em lances de bola parada ou pelo alto. O primeiro foi marcado de cabeça com Ottilia aproveitando bola alçada da direita aos 18 minutos do tempo inicial. Se tivesse apostado teria errado feio, já que não acreditava que no intervalo o ADECO estaria vencendo apenas pela contagem mínima.

No tempo final a peleja foi muito fraca até os 30 minutos e parecia que o marcador não seria mais alterado. O segundo só saiu pois Cristiane foi cortar uma bola cruzada da esquerda e marcou contra aos 32. As visitantes acordaram - só um pouco, mas foi melhor do que nada - depois desse lance e e marcaram o terceiro com Ottilia aos 39 e o quarto de pênalti com Juliana aos 43.


Beatriz, camisa do ADECO, dominando a bola no gramado do Nogueirão


Escanteio a favor do time paulistano


Lance do primeiro gol do Centro Olímpico, marcado por Ottilia


Lance dentro da área do União no final do jogo


De pênalti, Juliana fechou a goleada do ADECO

No fim, o placar ficou em União Mogi 0-4 Centro Olímpico. As paulistanas subiram para a segunda colocação do Grupo 2, dois pontos atrás do líder Santos e empatadas com o São José, que tem um jogo a menos. O União continua sua saga pelo menos em busca de um gol. Independente dos resultados, as meninas alvirrubras merecem os parabéns só por estarem em campo mesmo com tantas dificuldades.

Sem tempo de embaçar muito saí correndo do estádio pois tinha sessão de futebol na parte da tarde. Como o sistema da CPTM estava operando na famosa operação tartaruga não dava pra vacilar. Teve Segundona Paulista na parada mais uma vez.

Até lá!

Um comentário: