Procure no JP

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Moleque Travesso joga bem e vence no seu retorno à Série A2


Para a alegria dos amantes do bom e velho estadual, no último dia 30 tiveram início duas das três divisões de acesso organizadas pela FPF. Infelizmente no sábado não rolou nenhuma partida nas redondezas, mas no domingo caí da cama cedo para fazer minha primeira cobertura no Campeonato Paulista da Série A2 direto do Estádio Conde Rodolfo Crespi. Em campo, o recém-promovido Juventus recebeu o recém-rebaixado Penapolense.

Com os dois estaduais começando também teve início a quinta e última edição do Projeto 40 (pelo menos com essa denominação). Se em 2012 não rolou de "completar a coleção", consegui o tri em 2013-2014-2015. Em 2016 espero chegar no mês de maio comemorando o tetra para fechar a saga com chave de ouro. Para quem não sabe, o projeto nada mais é do que assistir pelo menos uma vez ao vivo cada um dos 40 times participantes das séries A2 e A3.

Para começar com o pé direito, não podia perder a visita do CAP à capital, pois deixar de vê-lo agora tornaria a missão um pouco mais difícil. A Pantera ficou três anos na principal divisão do estado, e após fazer uma A1 bastante ruim na temporada passada, voltou para a A2 já com planos de não ficar muito tempo nessa divisão. No elenco do time, vale registrar a presença de Zelão, ex-Corinthians, e Rodrigo Souto, ex-Santos e ex-São Paulo.


CA Juventus - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


CA Penapolense - Penápolis/SP. Foto: Fernando Martinez.


O árbitro Demetrius Pinto Candançan, os assistentes Orlando Massola Junior e Helio Antonio Salvia de Sá e o quarto árbitro José Cláudio Ribeiro da Silva posam para a foto oficial junto com os capitães dos times. Do CAP, Rodrigo Souto. Do Juventus, Rafael Ferro. Foto: Fernando Martinez.

O Moleque Travesso tem a volta do atacante Gil - que não atuou na estreia - e também de Elder Granja, esse no banco de reservas, e quer pelo menos se manter na A2, divisão em que pouco atuou nesse século. Como de praxe nos últimos anos, um público de mais de 3 mil pessoas foi à Javari e viu uma peleja de grande qualidade, principalmente no tempo final. No primeiro tempo, os times fizeram um jogo disputado, mas com poucas chances de gol até os 35 minutos. Depois disso, o bicho pegou.

O CAP chegou perto de abrir o marcador por duas vezes. A primeira num tiro à queima-roupa de Rodrigo Souto e a segunda com o atacante Fio chutando milimetricamente no canto esquerdo. nas duas oportunidades o arqueiro André Dias foi magistral e com defesas brilhantes impediu que os visitantes saíssem na frente.

Na sequência o camisa 11 grená Adriano Paulista quase marcou numa bola que bateu na trave. No último lance do tempo inicial, Léo Souza foi derrubado dentro da área. Ele mesmo foi para a cobrança da penalidade máxima e tirou o primeiro zero do placar. Foi dessa forma que os primeiros 45 minutos chegaram ao fim.


Disputa de bola na esquerda do ataque juventino. Foto: Fernando Martinez.


Astorga (3) e Derli (8) sobem alto dentro da área do CAP. Foto: Fernando Martinez.


Léo Souza abriu o placar para o Moleque Travesso em cobrança de pênalti. Foto: Fernando Martinez.

O calor era absurdo, e depois de me abastecer com uns oito copos d´água, fui pegar meu lugar numa das únicas sombras dentro de campo, quase na entrada do vestiário dos árbitros. Dali vi um segundo tempo ótimo em que o Juventus foi senhor da partida. Na hora de criar, tudo bem. Na hora de finalizar, tudo mal. A equipe da casa mostrou um problema crônico nas finalizações.

Os grenás jogaram fora a chance de aplicar uma goleada logo no primeiro jogo da, pelo menos no papel, Série A2 mais difícil dos últimos tempos. Adriano Paulista foi o responsável por dois momentos surreais. O primeiro aos 28 minutos quando ele acertou a trave e o outro aos 39, quando ele teve a meta completamente aberta à sua disposição, porém o atleta conseguiu mandar pra fora. Além disso, o CAJ teve um gol anulado de forma bastante esquisita.


Adiel comemorando seu gol no tempo final... pena que o árbitro anulou. Foto: Fernando Martinez.


Samuel Pires subindo sozinho para fazer a defesa. Foto: Fernando Martinez.


Todo mundo de olho na pelota em mais um ataque grená no tempo final. Foto: Fernando Martinez.

O onze visitante ainda tentou alguns espasmos ofensivos mesmo com um a menos (a equipe teve dez em campo desde os 22 minutos depois da expulsão de Zelão), só que não teve forças para igualar o marcador. No fim, o Juventus 1-0 Penapolense decretou a ótima estreia do escrete paulistano na A2 de 2016. O Juve deixou o público presente bastante animado com o futuro na competição.

Para variar só um pouquinho, o pós-jogo teve aquele almoço esperto com o trio Mílton-Cosme-Pucci e também uma nova edição do meu Supermarket pessoal com os amigos, tudo para aproveitar os preços baixos de um supermercado decente, algo que não acontece aqui no Bom Retiro. O futebol voltou à pauta no meio da semana, com uma infernal rodada dupla no ABC.

Até lá!

Fernando

Nenhum comentário:

Postar um comentário