Procure no JP

terça-feira, 17 de novembro de 2015

JP no aniversário de 120 anos do Flamengo (com direito a time novo)


Nos tempos áureos do JP vira e mexe rolava por aqui o famoso "Especial do Mês", que nada mais era do que uma cobertura especial do blog feita em alguma viagem. Nesse esquema fomos para muitos lugares dentro e fora de São Paulo e vimos jogos absolutamente sensacionais em jornadas inesquecíveis. Infelizmente, como um leitor mais atento pôde perceber há muito, isso virou artigo de luxo.

Até setembro o panorama era esse, mas desde outubro a coisa mudou de figura. Primeiro, a minha viagem ao Chile foi praticamente um "Especial da Vida", e no começo desse mês emendei um post digno da antiga série com a primeira partida da decisão do Brasileiro Série D em Ribeirão Preto. Para não deixar o lance esfriar, nesse 15 de novembro resolvi fazer o segundo "Especial do Mês" seguido com um bate-volta monstro para o Rio de Janeiro.

Não visitava a cidade desde o genial e antológico Espanha 10x0 Taiti válido pela Copa das Confederações, em meio às famosas manifestações de junho de 2013. Aliás, tirando o duelo entre São Cristóvão x Condor pela Copa Rio de 2007, até o domingo só tinha assistido pelejas entre seleções na capital fluminense (nove no total).

O motivo da minha ida foi acompanhar de perto o amistoso internacional que comemorou os 120 anos do Clube de Regatas Flamengo. O adversário foi o Orlando City Soccer Club, time fundado há exatamente dois anos - 19 de novembro de 2013 - e que jogou sua primeira Major League Soccer nessa temporada. Essa foi a 612º equipe a entrar na minha Lista, a segunda (tirando a seleção) dos Estados Unidos.


Fachada do (novo) Maracanã, uma das raras lembranças do antigo estádio que foi completamente demolido para a Copa de 2014. Foto: Fernando Martinez.


Placar eletrônico e os 120 anos do Flamengo. Foto: Fernando Martinez.


Times perfilados para os respectivos hinos nacionais. Foto: Fernando Martinez.

Para a minha terceira visita no (novo) Maracanã cheguei por volta do almoço na cidade e sem muita demora rumei ao palco da final da Copa do Mundo de 2014. Confesso que por ser uma data comemorativa para a torcida rubro-negra imaginei que o estádio receberia um grande público. É, só que os valores altos afastaram a torcida e pouco mais de 10 mil pessoas pagaram ingresso para a festinha do Fla.

O legal foi ver um grande número de mulheres e crianças nas arquibancadas, dando ao jogo um clima bastante tranquilo. Antes do apito inicial teve minuto de silêncio para os atentados na França e hino do clube sendo cantado a plenos pulmões pelos presentes. Com a bola rolando, ficou claro desde os primeiros momentos que não teríamos uma grande tarde de futebol.

Parecia que os dois times tinham mandado brasa numa feijuca nervosa na hora do almoço, pois a peleja foi bem abaixo do esperado. Vários rubro-negros que estavam próximos do meu lugar ficaram indignados com tamanha indolência. Eu estava de boa, já que o lance mesmo era matar um time e finalmente ver o Fla no (novo) Maracanã, mas que o negócio foi feio, isso foi.

O Orlando City foi melhor do que o time local no primeiro tempo, só que os jogadores são bem fraquinhos, e então o gol não saiu. O time da terra do Tio Sam ainda teve um pênalti marcado a seu favor depois que Alan Patrick derrubou Adrian Winter dentro da área. Bryan Róchez bateu de forma bisonha e o goleiro Paulo Victor defendeu. Os primeiros 45 minutos passaram em branco.


Ataque flamenguista no começo do amistoso. Foto: Fernando Martinez.


Orlando City atacando pela direita. Foto: Fernando Martinez.


Bryan Róchez desperdiçou a chance do Orlando abrir o marcador nesse pênalti perdido. Foto: Fernando Martinez.


A multid... ops, as arquibancadas vazias acompanhando um escanteio a favor do rubro-negro. Foto: Fernando Martinez.


Algo que faz falta nos estádios paulistas: bandeiras nas torcidas. Foto: Fernando Martinez.

No tempo final o Fla trocou todo o time e finalmente passou a jogar relativamente bem - enfatizando o "relativamente", já que não foi assim uma Brastemp. Os locais ocuparam mais a área dos visitantes e aos 24 minutos Luiz Antônio salvou a tarde com um gol de falta, contando, vale destacar, com o desvio de um dos zagueiros do Orlando.

Ao término dos 90 minutos o placar eletrônico do (novo) Maracanã mostrava o placar final de Flamengo 1-0 Orlando City. Para muitos o jogo não significou absolutamente nada, mas para mim foi sensacional, já que está cada vez mais raro, pelo menos aqui em São Paulo, ver amistosos entre clubes.


No tempo final o Fla usou time reserva e melhorou um pouco... só um pouco. Foto: Fernando Martinez.


Bola estufando as redes do Orlando City no único gol da peleja. Foto: Fernando Martinez.


Visão geral de outra investida local. Foto: Fernando Martinez.


Disputa de bola pelo alto. Foto: Fernando Martinez.

Como dei sorte e peguei um dia nublado e sem tanto calor, saí do estádio e fui andar pela primeira vez no metrô na cidade com destino ao centro. Genial passear pela Cinelândia e adjacências prestando atenção na grande beleza do local. Dali voltei ao QG para fazer aquela boquinha, voltando para São Paulo nas primeiras horas da segunda-feira.

Até a próxima!

Fernando

Nenhum comentário:

Postar um comentário