Procure no JP

terça-feira, 29 de setembro de 2015

No sufoco e na raça, Portuguesa chega às quartas da Série C


Foi sofrido, foi dramático, foi difícil, mas a Portuguesa, apesar dos altos e baixos que teve durante toda a primeira fase do Campeonato Brasileiro da Série C, manteve vivo o sonho do acesso para a Série B ao conquistar a vaga para as quartas de final da competição na bacia das almas.

O adversário do domingo era o Tombense, atual campeão da Série D e semi-finalista do campeonato mineiro desse ano. Tudo bem, o alvirrubro não tinha mais nada a fazer no certame, mas por conta de toda a dramaticidade da peleja, ninguém em sã consciência esperava 90 minutos tranquilos no Estádio Oswaldo Teixeira Duarte.

O estádio recebeu um bom público, e é óbvio que inúmeros torcedores que praticamente abandonaram o clube em 2014 e durante toda a temporada de 2015 resolveram aparecer para essa decisão. Com isso, quase cinco mil pessoas se espalharam pelas arquibancadas do estádio. Guardadas as devidas proporções, lembrou um pouquinho o que via ali durante os saudosos anos 80.



Como os dois times posaram exatamente ao mesmo tempo, tive que escolher um lado. Claro que fiz a foto do Tombense, até então inédito aqui no JP. Para a Portuguesa não ficar em desvantagem, segue a foto do time perfilado. Fotos: Fernando Martinez.


Capitães dos times e quarteto de arbitragem com os catarinenses Rodrigo D'Alonso Ferreira, José Roberto Larroyd e Eli Alves Sviderski e a paulista Katiucia da Mota Lima. Foto: Fernando Martinez.

Vale destacar que essa foi a primeira vez que vi o time profissional do Tombense, a segunda em todos os tempos. A primeira havia sido em 2001 na cidade de São Roque em jogo da Copinha. Depois de perder a chance de "tirar o J" - termo usado exclusivamente para quem tem Lista - no ano passado contra o Barueri pela D, minha presença ali era obrigatória.

Voltando ao presente, obviamente acompanhei o ataque local durante todo o tempo, e nos primeiros 45 minutos a Portuguesa atacou no gol "da esquerda". Como não podia ser diferente, a Portuguesa teve mais controle da pelota e ficou com ela nos pés durante a maior parte do tempo, mas chance clara de gol demorou demais para acontecer.

Os goleiros foram apenas espectadores de luxo e a primeira finalização aconteceu apenas aos 31 minutos e foi a favor do time visitante. Depois do susto, os rubro-verdes acordaram e obrigaram o goleiro Darley a trabalhar, principalmente aos 39, em cabeçada perigosa e meio sem querer de Hugo que o arqueiro colocou pra escanteio.

O próprio Hugo marcou aos 46 minutos, também de cabeça, mas o tento foi anulado pela arbitragem, indicando impedimento. O jogo foi para o intervalo com um péssimo 0x0, resultado que deixava os paulistanos fora da segunda fase, já que todos os adversários diretos pela vaga estavam vencendo seus compromissos. Resumindo: o segundo tempo seria ainda mais complicado.


Zagueiro do Tombense roubando a bola na lateral. Foto: Fernando Martinez.


Julinho atacando pela esquerda. Foto: Fernando Martinez.


Ataque lusitano pelo meio. Foto: Fernando Martinez.


Boa chute da entrada da área. Foto: Fernando Martinez.


A zaga do Tombense trabalhou direitinho no tempo inicial. Foto: Fernando Martinez.

A história do tempo final foi escrita com a Portuguesa ocupando o campo defensivo do Tombense e jogando na base do abafa. O time acertou o pé e passou e criar ataques perigosíssimos. A partir daí começou a brilhar a estrela de Darley, que fez nada menos do que quatro grandes intervenções evitando que os locais saíssem na frente do marcador.

A primeira foi aos quatro minutos em chute de Julinho. Aos 15 ele pegou um tiro de longe de Paulinho. Aos 22, duas defesas difíceis em sequência: primeiro na finalização de Julinho e depois na cabeçada de Renan. A cada gol perdido, parecia que os minutos passavam ainda mais rápido.

Aos 32 aconteceu finalmente o grande lance da tarde. A Portuguesa teve escanteio a seu favor pela direita. A bola foi alçada na área e Renan mandou na trave. O rebote sobrou na esquerda e a bola foi levantada novamente. Julinho subiu sozinho entre os zagueiros e, se antecipando perfeitamente do goleiro, usou a cabeça para colocar a bola dentro do gol. Festa total dentro e fora de campo.

Nos minutos finais o onze mineiro não conseguiu forças para esboçar um reação e por muito pouco a Portuguesa não ampliou ainda mais o placar com o artilheiro Guilherme Queiroz aos 39 e 41 minutos. O árbitro ainda deu quatro minutos de acréscimo, mas para a alegria total da animada torcida local, os visitantes nada fizeram.


No segundo tempo só deu Portuguesa, aqui atacando pela direita. Foto: Fernando Martinez.


Bom chute de Guilherme Queiroz. Foto: Fernando Martinez.


Os donos da casa chegaram várias vezes com perigo dentro da área mineira. Foto: Fernando Martinez.


Julinho subindo no quinto andar para fazer o sofrido gol da classificação da Portuguesa para as quartas da Série C. Foto: Fernando Martinez.



Dois detalhes da comemoração do camisa 6 rubro-verde. Fotos: Fernando Martinez.

O placar final ficou em Portuguesa 1-0 Tombense. Se o empate tiraria o time das quartas, o triunfo, além de garantir a vaga, colocou o time na segunda colocação da chave, atrás apenas do Londrina. Agora o escrete paulistano pega o Vila Nova, num duelo já tradicional nas divisões de acesso do nacional nos anos 2000.

Achava que seria presença certa no Canindé para a decisão contra os goianos, mas a CBF fez o favor de desmembrar a segunda fase em vários e vários dias. Por conta dessas mudanças infelizmente não irei ao Oswaldo Teixeira Duarte no dia 17 de outubro, mas é fato que estarei torcendo pelo acesso lusitano.

Até a próxima!

Fernando

Nenhum comentário:

Postar um comentário