Procure no JP

terça-feira, 29 de setembro de 2015

No sufoco e na raça, Portuguesa chega às quartas da Série C


Foi sofrido, foi dramático, foi difícil, mas a Portuguesa, apesar dos altos e baixos que teve durante toda a primeira fase do Campeonato Brasileiro da Série C, manteve vivo o sonho do acesso para a Série B ao conquistar a vaga para as quartas de final da competição na bacia das almas.

O adversário do domingo era o Tombense, atual campeão da Série D e semi-finalista do campeonato mineiro desse ano. Tudo bem, o alvirrubro não tinha mais nada a fazer no certame, mas por conta de toda a dramaticidade da peleja, ninguém em sã consciência esperava 90 minutos tranquilos no Estádio Oswaldo Teixeira Duarte.

O estádio recebeu um bom público, e é óbvio que inúmeros torcedores que praticamente abandonaram o clube em 2014 e durante toda a temporada de 2015 resolveram aparecer para essa decisão. Com isso, quase cinco mil pessoas se espalharam pelas arquibancadas do estádio. Guardadas as devidas proporções, lembrou um pouquinho o que via ali durante os saudosos anos 80.



Como os dois times posaram exatamente ao mesmo tempo, tive que escolher um lado. Claro que fiz a foto do Tombense, até então inédito aqui no JP. Para a Portuguesa não ficar em desvantagem, segue a foto do time perfilado. Fotos: Fernando Martinez.


Capitães dos times e quarteto de arbitragem com os catarinenses Rodrigo D'Alonso Ferreira, José Roberto Larroyd e Eli Alves Sviderski e a paulista Katiucia da Mota Lima. Foto: Fernando Martinez.

Vale destacar que essa foi a primeira vez que vi o time profissional do Tombense, a segunda em todos os tempos. A primeira havia sido em 2001 na cidade de São Roque em jogo da Copinha. Depois de perder a chance de "tirar o J" - termo usado exclusivamente para quem tem Lista - no ano passado contra o Barueri pela D, minha presença ali era obrigatória.

Voltando ao presente, obviamente acompanhei o ataque local durante todo o tempo, e nos primeiros 45 minutos a Portuguesa atacou no gol "da esquerda". Como não podia ser diferente, a Portuguesa teve mais controle da pelota e ficou com ela nos pés durante a maior parte do tempo, mas chance clara de gol demorou demais para acontecer.

Os goleiros foram apenas espectadores de luxo e a primeira finalização aconteceu apenas aos 31 minutos e foi a favor do time visitante. Depois do susto, os rubro-verdes acordaram e obrigaram o goleiro Darley a trabalhar, principalmente aos 39, em cabeçada perigosa e meio sem querer de Hugo que o arqueiro colocou pra escanteio.

O próprio Hugo marcou aos 46 minutos, também de cabeça, mas o tento foi anulado pela arbitragem, indicando impedimento. O jogo foi para o intervalo com um péssimo 0x0, resultado que deixava os paulistanos fora da segunda fase, já que todos os adversários diretos pela vaga estavam vencendo seus compromissos. Resumindo: o segundo tempo seria ainda mais complicado.


Zagueiro do Tombense roubando a bola na lateral. Foto: Fernando Martinez.


Julinho atacando pela esquerda. Foto: Fernando Martinez.


Ataque lusitano pelo meio. Foto: Fernando Martinez.


Boa chute da entrada da área. Foto: Fernando Martinez.


A zaga do Tombense trabalhou direitinho no tempo inicial. Foto: Fernando Martinez.

A história do tempo final foi escrita com a Portuguesa ocupando o campo defensivo do Tombense e jogando na base do abafa. O time acertou o pé e passou e criar ataques perigosíssimos. A partir daí começou a brilhar a estrela de Darley, que fez nada menos do que quatro grandes intervenções evitando que os locais saíssem na frente do marcador.

A primeira foi aos quatro minutos em chute de Julinho. Aos 15 ele pegou um tiro de longe de Paulinho. Aos 22, duas defesas difíceis em sequência: primeiro na finalização de Julinho e depois na cabeçada de Renan. A cada gol perdido, parecia que os minutos passavam ainda mais rápido.

Aos 32 aconteceu finalmente o grande lance da tarde. A Portuguesa teve escanteio a seu favor pela direita. A bola foi alçada na área e Renan mandou na trave. O rebote sobrou na esquerda e a bola foi levantada novamente. Julinho subiu sozinho entre os zagueiros e, se antecipando perfeitamente do goleiro, usou a cabeça para colocar a bola dentro do gol. Festa total dentro e fora de campo.

Nos minutos finais o onze mineiro não conseguiu forças para esboçar um reação e por muito pouco a Portuguesa não ampliou ainda mais o placar com o artilheiro Guilherme Queiroz aos 39 e 41 minutos. O árbitro ainda deu quatro minutos de acréscimo, mas para a alegria total da animada torcida local, os visitantes nada fizeram.


No segundo tempo só deu Portuguesa, aqui atacando pela direita. Foto: Fernando Martinez.


Bom chute de Guilherme Queiroz. Foto: Fernando Martinez.


Os donos da casa chegaram várias vezes com perigo dentro da área mineira. Foto: Fernando Martinez.


Julinho subindo no quinto andar para fazer o sofrido gol da classificação da Portuguesa para as quartas da Série C. Foto: Fernando Martinez.



Dois detalhes da comemoração do camisa 6 rubro-verde. Fotos: Fernando Martinez.

O placar final ficou em Portuguesa 1-0 Tombense. Se o empate tiraria o time das quartas, o triunfo, além de garantir a vaga, colocou o time na segunda colocação da chave, atrás apenas do Londrina. Agora o escrete paulistano pega o Vila Nova, num duelo já tradicional nas divisões de acesso do nacional nos anos 2000.

Achava que seria presença certa no Canindé para a decisão contra os goianos, mas a CBF fez o favor de desmembrar a segunda fase em vários e vários dias. Por conta dessas mudanças infelizmente não irei ao Oswaldo Teixeira Duarte no dia 17 de outubro, mas é fato que estarei torcendo pelo acesso lusitano.

Até a próxima!

Fernando

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Tudo igual entre Nacional e Flamengo pelo sub-20 na capital


A tarde de sábado reservou várias opções futebolísticas pela Grande São Paulo, mas por conta da preguiça escolhi a mais próxima, um verdadeiro amistoso de luxo no Campeonato Paulista sub-20 da Primeira Divisão. O já eliminado Nacional recebeu o já classificado Flamengo de Guarulhos no Estádio Nicolau Alayon pela penúltima rodada da primeira fase do Grupo 3.

O onze ferroviário voltou para a principal divisão do antigo estadual júnior nessa temporada, depois de sua estadia na Segundona de 2010 até 2014. Essa volta acabou sendo o fator mais positivo relacionado ao time, já que a campanha em si não foi nada boa. Em 20 jogos disputados, o Naça venceu apenas quatro, sendo derrotado em treze oportunidades. Faltando duas rodadas, a meta é terminar de forma digna a competição.

O Corvo, em mais um ano atuando como uma espécie de "Corinthians B", faz bonito. Vice-líder da chave, atrás apenas do Red Bull e à frente de Corinthians e Palmeiras, a agremiação busca terminar bem a primeira fase em alto astral para entrar com tudo nas oitavas-de-final da competição. De qualquer forma, o Fla já igualou a campanha do ano passado chegando entre os dezesseis melhores do estado.



Nacional e Flamengo de Guarulhos posados antes do jogo pelo Paulista sub-20. Foi a décima vez que vi esse confronto em todos os tempos. Fotos: Fernando Martinez.


Quarteto de arbitragem - com a presença da bela Renata Ruel de Brito - e capitães dos times. Foto: Fernando Martinez.

Na companhia do trio Paulo "Shrek", Ricardo Espina e Bruno, vi um primeiro tempo aonde a diferença de 28 pontos conquistados pelos dois não entrou em campo. O Nacional, comandado pelo veteraníssimo técnico Túlio Tangioni, foi bem melhor do que o rubro-negro e dominou a peleja.

O goleiro Matheus Artuzo acabou se tornando o grande nome da tarde com três grandes defesas, a principal delas em chute de Alan aos 27 minutos. Só que aos 38 ele não teve como impedir o gol nacionalino. Rafael Borges recebeu bom passe de França e bateu cruzado para inaugurar o marcador.

Quatro minutos depois o camisa 1 fez mais duas grandes intervenções e evitou que o Flamengo fosse para o tempo final com um prejuízo ainda maior. O técnico Marcelo Marelli arrumou a casa rubro-negra nos vestiários e no segundo tempo o panorama foi bastante diferente.






Lances do primeiro tempo de Nacional x Flamengo, valendo pelo Paulista sub20. Fotos: Fernando Martinez.

O Fla voltou outro e deixou tudo igual aos sete minutos, cortesia de uma falha enorme da zaga do Nacional. A pelota foi alçada na área local e um zagueiro deixou para o goleiro e o goleiro deixou pro zagueiro... na indecisão dos dois, Marquinhos apareceu entre eles e tocou para a rede.

O empate deixou a partida equilibrada por cerca de 20 minutos, mais precisamente até a expulsão do zagueiro local Pedro Manoel. Com um a mais, o Corvo passou a dominar as ações e chances para a virada não faltaram. O goleiro Alison trabalhou bastante, e apesar da insistência rubro-negra, o marcador não foi mais alterado.


Grande chance perdida pelo Flamengo no começo do tempo final. Foto: Fernando Martinez.


Disputa de bola no meio-campo. Foto: Fernando Martinez.


Boa saída do goleiro rubro-negro. Foto: Fernando Martinez.


Por pouco o Corvo não virou o marcador depois de ficar com um a mais. Foto: Fernando Martinez.


Todo mundo dentro da área do Nacional - inclusive o goleiro Matheus Artuzo - no último lance da peleja. Foto: Fernando Martinez.

No fim, o jogou ficou em Nacional 1-1 Flamengo. Nada de efetivo realmente mudou com esse empate e agora falta apenas uma rodada para o final da primeira fase da competição. O onze paulistano visita o Corinthians enquanto o Corvo recebe o Atibaia. As duas partidas serão jogadas no próximo sábado.

Sem muito o que fazer na Comendador Souza depois do apito final, voltei logo para casa para um fim de sábado com um monte de filme na televisão e já com tudo preparado para a jornada de domingo. Teve rodada decisiva da Série C na pauta do Blog do Fernando Jogos Perdidos.

Até lá!

Fernando

São Bernardo perde pro Noroeste e se complica na busca pelo acesso


Depois de perder cinco pontos preciosos na luta por um lugar na A3 em 2016, o São Bernardo atuou mais uma vez no Baetão na última sexta-feira, em peleja que abriu o returno do Grupo 4 do Campeonato Paulista da Segunda Divisão. O jogo seria complicado por si só, mas levando em conta que do outro lado estava um dos times mais tradicionais do estado, o Esporte Clube Noroeste, a missão alvinegra certamente seria ainda mais difícil.

Atuando na última divisão pela primeira vez, o time bauruense fez uma primeira fase razoável, mas começou a decisiva etapa do certame muito mal. Ao final do turno, apenas uma vitória em cinco compromissos e a certeza que um triunfo diante do Bernô era obrigatório para que o sonho do acesso não morresse tão cedo.

Pelos lados do time da Grande São Paulo a palavra de ordem era recuperação. Os vacilos contra Fernandópolis e Manthiqueira precisavam ser esquecidos e o sonho era vencer a primeira como mandante nessa fase. As estatísticas mostravam 15 jogos de invencibilidade em casa antes desse jogo e nada melhor do que ampliar essa marca com um triunfo.

O Data Fernando informa também que esse esse foi o quarto confronto entre os dois na história, o primeiro no ABC. O Norusca venceu duas vezes - ambos os jogos realizados no Brinco de Ouro, na cidade de Campinas - no quadrangular final da segunda divisão de 1986 e o alvinegro venceu uma, há pouco mais de um mês na abertura do Grupo 4, em jogo realizado no interior.


EC São Bernardo - São Bernardo do Campo/SP. Foto: Fernando Martinez.


EC Noroeste - Bauru/SP. Foto: Fernando Martinez.


Quarteto de arbitragem de responsa designado para a peleja com o árbitro Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral e os assistentes Daniel Luis Marques e Alex Alexandrino. Junto com eles, os capitães dos times. Foto: Fernando Martinez.

Após dez dias infernais por aqui, na sexta pela manhã uma salvadora chuva chegou na capital e diminuiu um pouco o insuportável calor que me deixou sem dormir durante a semana. Por conta disso o trânsito ficou mais embaçado do que o normal. Fiz o caminho até o Baetão na carona do amigo Paulo "Shrek" e graças ao seu precioso GPS, levamos cerca de uma hora e meia entre o Mandaqui e o tradicional estádio, um recorde.

Dessa vez fui o único fotógrafo devidamente credenciado para fazer as imagens de dentro de campo. Os vários relâmpagos iluminavam o céu e a promessa era que chuva forte estava a caminho. Enquanto ela ainda era apenas uma ameaça, o Bernô criou a primeira grande chance de gol, isso antes mesmo do primeiro minuto chegar.

É, só que o Noroeste não se assustou com isso e no seu primeiro ataque Edson Negão acertou um chutaço de longe e colocou os bauruenses na frente do marcador com apenas dois minutos. O Bernô não se abateu e disposto a conquistar os três pontos, ocupou o campo defensivo do alvirrubro. O problema é que o toque final era falho e o empate não aconteceu. Pior, Alisson ampliou a vantagem noroestina aos 29 minutos depois de completar na pequena área um cruzamento de Manuelo.

Foi só o time visitante fazer o segundo que a chuva chegou com força no Baetão e o restante do tempo inicial foi disputado debaixo de um verdadeiro temporal. Por sorte contei com a colaboração do regra 3 da FPF e pude ficar na cobertura entre os bancos de reservas. Dali continuei a ver um São Bernardo afobado demais na luta pelo seu gol. Na base da insistência o time diminuiu aos 41 minutos. O artilheiro Washington se aproveitou de indecisão da zaga e fez seu 12º gol no certame completamento bola levantada da direita.


Zagueiro do Norusca marcando atacante do Bernô. Foto: Fernando Martinez.


Ataque local pela direita. Foto: Fernando Martinez.


Chute que passou perto gol do Noroeste. Foto: Fernando Martinez.


Bola passeando dentro da área bauruense. Foto: Fernando Martinez.


O Noroeste mostrou uma marcação implacável durante todo o jogo. Foto: Fernando Martinez.

A chuva permaneceu durante o intervalo - o que me fez não poder arredar o pé de onde estava - e durante os primeiros 15 minutos do tempo final. Tempo final que teve um Noroeste se preocupando basicamente em se defender e um São Bernardo ocupando completamente o campo defensivo bauruense.

Só que a noite não era mesmo do Bernô, e o alvinegro não conseguiu emplacar oportunidades efetivas para chegar ao segundo gol. A afobação do tempo inicial continuou firme e forte e os jogadores ganharam nota baixa no quesito "inspiração na finalização". A zaga do Noroeste trabalhou de forma segura e conseguiu neutralizar tranquilamente todas as chegadas locais.

Conforme a peleja chegava o seu final, o time da casa foi ficando mais nervoso e a longa invencibilidade no Baetão estava indo para o espaço, além, claro, que a chance do acesso ficava um pouco mais distante. Nos acréscimos a pressão se intensificou na base do bumba-meu-boi e o principal lance do tempo final aconteceu aos 48 minutos.

O onze local teve um escanteio a seu favor pela esquerda. A bola foi levantada na área, e depois de dois toques, o goleiro Wellington, ao tentar fazer uma fácil defesa, soltou o melão nos pés de um dos atacantes locais. Ele tocou para o fundo das redes, mas o assistente Alex Alexandrino anulou o tento sinalizando impedimento.

Óbvio que os jogadores locais ficaram possessos com tal marcação e reclamaram bastante, mas não havia nada a ser feito. Detalhe: todo o estádio imaginou que o gol foi anulado por falta no goleiro, mas como estava ao lado do lance pude ver o real motivo. Sem tempo para mais nada, o árbitro encerrou o jogo com o placar final de São Bernardo 1-2 Noroeste.


Troca de passes no ataque do time do ABC. Foto: Fernando Martinez.


Investida pela direita. Foto: Fernando Martinez.


Disputa de bola pelo alto. Foto: Fernando Martinez.


Falta para o São Bernardo no final do jogo. Foto: Fernando Martinez.


Bola alçada na área no último ataque local na partida. Segundos depois dessa foto, o São Bernardo teve um gol anulado pela arbitragem. Foto: Fernando Martinez.

O primeiro revés em casa desde 25 de maio de 2014 deixou o Bernô em situação de risco para as quatro rodadas restantes. Com apenas oito pontos ganhos, o time vai pegar Inter de Bebedouro e Fernandópolis fora de casa, além de receber Manthiqueira e Lemense. Agenda complicadíssima que começa logo no próximo final de semana contra o Lobo. Não dá pra pensar em nada além dos três pontos.

O Norusca chegou aos sete pontos, mas apesar de estar em quinto lugar na chave, o time pegou no breu e agora, com dois compromissos seguidos marcados para o Alfredo de Castilho, a esperança é de somar seis pontos para continuar com a esperança de voltar para a A3. De certo, uma coisa só: todos - tirando o Lemense - ainda tem chances de promoção.

Antes de ir embora rolou aquela confraternização com toda a rapaziada esperta que foi ao Baetão. Rumei para a capital e ainda deu tempo de bater uma xepa na chuvosa noite paulistana. Já com uma temperatura decente, voltei ao batente na tarde de sábado com uma peleja perdida pelo sub-20.

Até lá!

Fernando

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Brasileiro Feminino: ADECO vence o Kindermann e espanta o fantasma de 2014


No último dia 9 começou a terceira edição do Campeonato Brasileiro Feminino, mais uma vez contando com vinte participantes divididos em quatro chaves com cinco times cada. Não consegui acompanhar a rodada de estreia, mas no domingo fui até Osasco para a "reprise" de uma das semi-finais do ano passado: Centro Olímpico x Kindermann no Estádio José Liberatti.

Após ser eliminada pelas catarinenses em 2014 o ADECO desfez seu time adulto e manteve apenas as categorias de base. Todo o pessoal acabou indo para o Grêmio Osasco Audax para a disputa do estadual da categoria. A equipe chegou até a fase semi-final, mas como não tinha vaga no nacional, a saída foi emprestar todo mundo de volta para o onze paulistano, campeão do Brasileiro em 2013 e que já tinha vaga garantida.

Agraciado novamente com um cada vez mais raro dia nublado e frio, fui para Osasco na boa e sem nenhum percalço. O caminho da estação até o Rochdale foi feito de táxi numa caravana com todos os vários amigos que marcaram presença. Enquanto todos foram para as tribunas, eu fui para o campo de jogo.


AD Centro Olímpico (feminino) - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


SE Kindermann (feminino) - Caçador/SC. Foto: Fernando Martinez.


Capitães dos times junto com o quarteto formado por Marcelo Prieto Alfieri, Regildenia de Holanda Moura, Marcia Bezerra Caetano e Renata Ruel de Brito. Foto: Fernando Martinez.

Lá eu vi uma peleja mais fácil do que imaginava a favor do time paulista. Atual campeão da Copa do Brasil Feminina, o Kindermann não conseguiu em nenhum momento atuar de forma convincente e não foi páreo para as aplicadas meninas locais. O Centro Olímpico fez bem o dever de casa e abriu o marcador logo aos 12 minutos com o gol de Gabi Nunes. Ela chutou forte da entrada da área e colocou a pelota no canto direito de Maike.

As locais tiveram outras oportunidades para marcar durante o tempo inicial, mas a rede só voltar a balançar no segundo tempo. Ingrid fez o segundo aos seis minutos e Byanca marcou o terceiro aos treze. Daí até o final o ADECO perdeu a oportunidade de fazer uma goleada ainda maior, pois o número de chances desperdiçadas foi alto.


Chute de Gabi Nunes e primeiro do Centro Olímpico na competição. Foto: Fernando Martinez.


Cabeçada perigosa no ataque local. Foto: Fernando Martinez.


Marcação firme da zaga catarinense. Foto: Fernando Martinez.


Ataque do Kindermann pela esquerda no tempo final. Foto: Fernando Martinez.


Boa oportunidade pelo alto. Foto: Fernando Martinez.


Escanteio para o time visitante na tentativa em diminuir o placar. Foto: Fernando Martinez.

No final, o placar de Centro Olímpico 3-0 Kindermann deixou o time do Sudeste na segunda colocação da chave após duas rodadas realizadas. As garotas caçadorenses ocupam a lanterna do Grupo depois de duas derrotas consecutivas. Com mais um revés, ficou complicada a chance de classificação. O líder por enquanto é o Flamengo, com dois triunfos e 100% de aproveitamento.

Até a próxima!

Fernando

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Tarde gelada com jogo perdido no Canindé entre GRB e Ituano


A sessão de futebol do último sábado foi uma daquelas jornadas surreais com jogo perdidaço em campo neutro. No gramado do Estádio Osvaldo Teixeira Duarte, o Grêmio Barueri recebeu o Ituano em peleja da penúltima rodada da primeira fase da Copa Paulista. Em meio a mais um infernal inverno na capital paulista, o terceiro seguido, tivemos uma rara trégua e o compromisso foi disputado sob uma sensacional temperatura de 13 graus.

Poucas pessoas foram ao estádio - obviamente - para acompanhar essa peleja, praticamente um amistoso. O time de Itu já está classificado para a segunda fase há muito tempo, enquanto o time da Grande São Paulo já está eliminado também faz muito tempo. Aliás, o GRB capenga no futebol profissional desde que voltou para Barueri após da malfadada mudança para Presidente Prudente, a maior bobagem já feita por um clube do estado.


Grêmio R Barueri - Barueri/SP. Foto: Fernando Martinez.


Ituano FL - Itu/SP. Foto: Fernando Martinez.

Só que a diferença técnica não entrou em campo durante o tempo inicial, e o Ituano teve dificuldade para superar o Barueri. Entre atletas negociados e suspensos, o técnico Tarcísio Pugliese ficou sem meio time e ele teve trabalho para completar o time titular.

Os locais mostraram muita força de vontade e por muito pouco não abriram o placar logo no início em chance de Iago muito bem defendida por Diego. A rigor, na maior parte do tempo foi o onze barueriense quem atacou mais. O Ituano pouco fez, mas na primeira real oportunidade o gol saiu. Marcão completou cruzamento da direita aos 42 minutos e levou a peleja para o intervalo com vantagem para o rubro-negro.


Atletas em campo e placar do Canindé anunciando um dos jogos mais perdidos de 2015. Foto: Fernando Martinez.


Ataque do Ituano pela lateral. Foto: Fernando Martinez.


Saída corajosa de Borges em ataque do Galo. Foto: Fernando Martinez.


Marcador barueriense olhando o camisa 2 do rubro-negro cabecear para o gol. Foto: Fernando Martinez.


Matada estranha na bola em investida visitante pelo alto. Foto: Fernando Martinez.

No tempo final não houve surpresa e durante todo o tempo o onze de Itu ocupou o campo defensivo do GRB. O segundo gol era questão de tempo, e ele saiu aos 18 minutos em cabeçada de Jonatan Lima depois de escanteio da direita. Aos 37 aconteceu o terceiro em arrancada de Bassani que terminou com um belo tiro de fora da área.

Dois minutos mais tarde o Grêmio fez o de honra num golaço de Vinícius. Ele chutou da intermediária e colocou a pelota no fundo das redes do arqueiro Diego. Até o apito final o goleiro local Borges, ex-Palmeiras B, impediu que a vitória do Galo fosse ainda mais elástica com boas defesas.


Pega-pega dentro da área do GRB. Foto: Fernando Martinez.


Lance do segundo gol do Ituano, marcado por Jonatan Lima. Foto: Fernando Martinez.



Dois lances aéreos no ataque visitante. Foto: Fernando Martinez.


Vista de um Canindé vazio (a torcida ficou apenas no setor de visitantes) para GRB x Ituano. Foto: Fernando Martinez.

O placar final de Grêmio Barueri 1-3 Ituano confirmou a primeira colocação do Grupo 3 para o rubro-negro, que na segunda fase fará parte do Grupo 6 da Copa Paulista. Para o Barueri, esse foi o capítulo final na temporada 2015. O time sai da competição com apenas três pontos conquistados em 24 possíveis e um quase rebaixamento na A3. Um pálido coadjuvante no cenário estadual que não lembra em nada o time que se destacou dentro e fora de São Paulo, um período de glória infantilmente e prematuramente encerrado por culpa de seus próprios dirigentes.

Ainda com frio - e já com saudade dele - no domingo fechei as coberturas do final de semana com a nossa estreia no Campeonato Brasileiro Feminino na cidade de Osasco.

Até lá!

Fernando