Procure no JP

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Azulão estreia na Série D com goleada em cima do Lajeadense


No domingo passado finalmente começou o genial Campeonato Brasileiro da Série D, a quarta divisão do nacional e com certeza a mais legal até hoje. Para iniciar os trabalhos do Blog do Fernando do Jogos Perdidos com chave de ouro, fui até o Estádio Anacleto Campanella para o insólito encontro entre São Caetano e Lajeadense.

A queda livre do Azulão faz dessa uma Série D única até aqui: pela primeira vez um finalista de Libertadores vai jogar a quarta divisão do país, com certeza um marco na história da competição. A luta dos paulistas é voltar logo para a Série C, já que se isso não acontecer, o clube que marcou época no início dos anos 2000 vai melancolicamente desaparecer do cenário nacional após 18 anos de animadas aventuras.

A história nacional do time gaúcho é bem menor, mas a tradição é enorme. Um dos 25 clubes mais antigos do país, o Clube Esportivo Lajeadense foi fundado em 1911 e desde os primeiros anos já desfilava pelos gramados do interior do estado. O rol de grandes partidas e feitos do Alviazul é extenso e valiosíssimo.

Falando especificamente do Século XXI, em meados da década passada a equipe passou por uma grande crise que culminou no afastamento do profissionalismo na temporada de 2008. Antes disso consegui realizar o sonho de ver o clube atuando no genial Estádio Florestal. Primeiro vi um jogo contra o Rio Grande pela Segundona estadual de 2006, depois um confronto contra o Avenida pelo mesmo campeonato, só que em 2007.

O clube voltou aos gramados em 2009 e em 2010 conseguiu retornar à elite do Gauchão. Nos últimos anos o clube viveu seus melhores dias ganhando quatro títulos num curto espaço de tempo entre 2013 e 2014: Campeão da Copa Fernandão, da Copa Sul-Fronteira, da Super Copa Gaúcha e da Recopa Gaúcha. Além disso, o alviazul foi vice-campeão estadual há duas temporadas. Uma sequência de muito respeito.

No primeiro semestre o time ficou em sexto no Gauchão, sendo eliminado pelo Brasil de Pelotas nas quartas de final. Já o Azulão jogou a Série A2 - e você viu vários jogos do time aqui no JP - e por conta do número de vitórias não conquistou o acesso. Como as notícias que chegam a respeito dos participantes são raras, não sabia o que esperar dessa estreia de ambos no Grupo A8, que também conta com Metropolitano, Foz e Volta Redonda.



Associação Desportiva São Caetano, no seu primeiro jogo válido pela quarta divisão do Brasileiro, e Clube Esportivo Lajeadense posando para fotos exclusivas do JP. Fotos: Fernando Martinez.


Capitães dos times e quarteto de arbitragem liderado pelo árbitro paranaense Fabio Filipus e os paulistas Alex Ang Ribeiro, Leandro Matos Feitosa e Adriano de Assis Miranda. Foto: Fernando Martinez.

Certeza que nem o mais animado torcedor do onze paulista imaginava que o jogo seria tão fácil. O São Caetano simplesmente massacrou o time dirigido pelo ex-lateral Luís Carlos Winck - pensar que colecionei muita figurinha com a presença do jogador - e começou a disputa da última divisão com muito estilo.

Desde o apito inicial o time foi bem, e o destaque acabou sendo a precisa presença de área de Jô, camisa 9 dos donos da casa. Ele quase abriu o placar aos 12 em lance de cabeça. Aos 16, também de cabeça, ele completou um cruzamento de Róbson e fez o primeiro. Quatro minutos depois ele roubou a bola, driblou a zaga e chutou no canto esquerdo do arqueiro pra marcar 2x0.

Estava muito fácil, e com o Lajeadense totalmente grogue, o camisa 8 Neto marcou o terceiro em belíssima cobrança de falta aos 33 minutos. A primeira chance de perigo dos visitantes aconteceu na saída de bola, em ótima defesa de Saulo em chute de Paulo Josué. Sem mais nada digno de registro depois disso, a peleja chegou ao intervalo com a vitória parcial local por 3x0.


O São Caetano foi senhor da partida. Aqui o time troca passes pela direita. Foto: Fernando Martinez.


Jô subindo mais alto do que o zagueiro e cabeceando firme para abrir o marcador. Foto: Fernando Martinez.


Matheus subindo no terceiro andar para tocar de cabeça. Foto: Fernando Martinez.


Giovani pulou mas não conseguiu defender a cobrança de falta de Neto. Foto: Fernando Martinez.


Disputa de bola no meio-campo. Foto: Fernando Martinez.

No melhor esquema do "perdido por um, perdido por mil", o Lajeadense voltou para o segundo tempo tentando diminuir o prejuízo. Por duas vezes, uma delas numa bola na trave aos 11 minutos, o onze gaúcho quase diminuiu. O Azulão foi administrando a enorme vantagem e nas poucas vezes que chegou dentro da área do Alviazul o placar foi ampliado.

Róbson fez o quarto gol aos 24 minutos numa cabeçada fulminante. Aos 30, Daniel Costa correu pela direita e cruzou a pelota para o meio da área. Livre de marcação, o camisa 2 Ângelo apareceu para dar números finais à estreia do time do ABC Paulista na Série D. Os 498 torcedores que pagaram ingresso ficaram com uma impressão extremamente positiva e com a esperança que os dias de glória possam voltar ao Lauro Gomes.


Ana Paula de Oliveira, ex-assistente e hoje observadora da CBF, voltando para o campo no tempo final. Parte da torcida estava mais interessada nela do que na peleja em si. Foto: Fernando Martinez.


Róbson marcando o quarto gol do Azulão aos 24 do tempo final. Foto: Fernando Martinez.


Raro ataque do Lajeadense. Foto: Fernando Martinez.


Zaga gaúcha afastando a pelota na base do chutão. Foto: Fernando Martinez.


Cruzamento que originou o quinto gol do Azulão na ótima estreia na Série D. Foto: Fernando Martinez.

Fim de jogo: São Caetano 5-0 Lajeadense. A estreia foi a melhor possível para o vice-campeão brasileiro de 2000 e 2001. Com a goleada a equipe pulou para a liderança da chave nessa rodada de estreia, à frente do Volta Redonda - que venceu fora de casa o Foz do Iguaçu por geniais 5x4 - no saldo de gols. Na próxima rodada os paulistas visitam o Voltaço, enquanto os gaúchos recebem os catarinenses do Metropolitano.

No meu cronograma original, essa seria a única partida que acompanharia no domingo, isso porquê não tinha tempo hábil de seguir de condução do ABC até o Canindé, palco da sessão noturna de futebol. Mas como o $eu Natal, o glorioso "Caixa-preta do futebol", deu as caras, consegui uma carona até a muvucada casa lusitana.

Até lá!

Fernando

Nenhum comentário:

Postar um comentário