Procure no JP

quinta-feira, 24 de julho de 2014

JP na Copa (parte 5): Virada belga com (grande) ajuda dos reservas

Fala, pessoal!

Sem muito descanso, menos de 24 horas depois de encerrar a primeira parte das minhas viagens na Copa do Mundo já estava na estrada, ou melhor, no ar, para o início da segunda etapa. O destino final era novamente a cidade de Belo Horizonte, local da minha primeira partida no Mundial em que "mataria" duas equipes: Bélgica x Argélia.

O bom é que dessa vez tudo o que envolveu o jogo foi muito mais sossegado do que no sábado anterior, quando estive no Mineirão para Colômbia x Grécia. O voo de ida até a capital de Minas Gerais foi tranquilo e durou menos de uma hora. Antes das oito e meia da matina já me encontrava no aeroporto de Confins, tempo mais do que suficiente para não passar nenhum perrengue.


Detalhe de um bar no aeroporto de Confins repleto de belgas já enchendo o caneco antes mesmo das oito da manhã. Foto: Fernando Martinez.

Logo encontrei o amigo Luciano Claudino e sua esposa Camila, ambos animados com a chance de ver pela primeira vez um joguinho de Copa. Minutos depois foi a vez do seu Natal chegar lá, também para sua estreia. Detalhe que foi a primeira vez que o amigo taxista viajou de avião na vida. Claro que também não posso deixar de citar a presença da Van, companheira fiel em (quase) todas as partidas em que marquei presença a partir dessa.

Fizemos um café da manhã super natural - uma constante nos dias mais do que corridos da Copa - e dali seguimos para o jogo. A organização local criou uma linha especial de Confins até o Mineirão por apenas 10 reais a ida e mais 10 a volta. Uma grande alternativa em se tratando de locais tão distantes entre si. Melhor ainda, o busão nos deixava literalmente na porta do estádio.


Mais um jogo no Mineirão na Copa do Mundo e mais uma vez o JP esteve presente. Foto: Fernando Martinez.

O único problema de tudo acabou sendo o tamanho absurdo das filas. Ficamos uma hora e quarenta minutos fritando no emaranhado de grades debaixo do sol de 29 graus até finalmente conseguirmos entrar ali (menos mal que foi a última grande fila que peguei na Copa). Quando entramos, o relógio já marcava meio dia e meia, e sem muito tempo para fazer algo, fomos para nossos lugares.


Times perfilados para os hinos nacionais. Foto: Fernando Martinez.

Felizmente o lugar escolhido pela FIFA era na sombra e numa posição muito boa, mesmo sendo no anel superior. Dali pude ver a peleja na boa. Essa foi a primeira partida do Grupo H, que também reuniu Rússia e Coreia do Sul (o jogo entre essas duas seleções também teve cobertura do JP graças ao Estevan). Essa foi a terceira vez que belgas e argelinos se enfrentaram em todos os tempos, a primeira numa Copa do Mundo.

O maior atrativo para mim nesse jogo - além de colocá-las na Lista, claro - foi que ambas as seleções me trazem lembranças da Copa de 1986. A Bélgica fez um dos jogos mais espetaculares daquele Mundial, vitória de 4x3 na prorrogação contra a URSS nas oitavas, e terminou a competição na quarta posição. Já a Argélia deu trabalho para o Brasil, que venceu no sufoco com um gol de oportunismo do atacante Careca.


Grande presença de argelinos na capital mineira. Foto: Fernando Martinez.


Visão geral de um Mineirão com belo público para Bélgica x Argélia. Foto: Fernando Martinez.

Voltando para 2014, a "badalada geração belga" teve enorme trabalho para vencer os argelinos. A seleção africana mostrou grande qualidade defensiva e complicou as coisas para os europeus. O selecionado comandado pelo meia Hazard pouco fez para justificar o enorme favoritismo.


Cobrança de falta perigosa para a Bélgica. Foto: Fernando Martinez.


Ataque belga pela esquerda com o camisa 22 Chadli. Foto: Fernando Martinez.

Para piorar, o primeiro terminou com a vantagem parcial da Argélia. Feghouli marcou de pênalti aos 25 minutos, fazendo a festa da enorme torcida, sem dúvida uma das mais animadas do Mundial. No segundo tempo o técnico belga Wilmots mudou o seu time e a situação ficou um pouco mais favorável.


De pênalti, Feghouli abriu o marcador em BH. Foto: Fernando Martinez.


Vacilada do goleiro argelino no tempo final. Quase a Bélgica marcou. Foto: Fernando Martinez.


Raro ataque africano no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez.

Fellaini deixou tudo igual aos 25 com um belo gol de cabeça, apenas cinco minutos depois de sair do banco de reservas. Aos 35, Mertens, que também havia começado a peleja no banco, fez o segundo e virou o marcador. Mesmo não mostrando um futebol vistoso, os Diabos Vermelhos marcaram seus primeiros três pontos na Copa.


Jogadores belgas comemorando o segundo gol. Foto: Fernando Martinez.

No fim, o primeiro jogo do Grupo H ficou em Bélgica 2-1 Argélia. A classificação europeia estava encaminhada, enquanto os africanos ainda teriam que suar bastante a camisa para conseguiram a inédita classificação para as oitavas de final. Antes do término a primeira fase ainda vimos mais jogos dessas duas seleções.


Torcedor da Bélgica fazendo a festa nas arquibancadas. Foto: Fernando Martinez.


A Argélia se mandou para o ataque no fim da partida, mas não conseguiu empatar. Foto: Fernando Martinez.

Ficamos um bom tempo nas arquibancadas para todo aquele cerimonial pós-jogo da Copa. Na saída nos juntamos ao casal Luciano/Camila, ao Luiz, que estava em Curitiba no dia anterior, e ao companheiro de The Jenniffers Daniel Leal (o seu Natal saiu correndo para pegar seu voo às cinco horas). A meta agora era arranjar algum lugar para ver a peleja entre Brasil x México.

Todos os bares em torno do Mineirão estavam apinhados de gente, então a melhor opção foi sacrificar o primeiro tempo, pegar o ônibus para Confins e ver de algum telão qualquer no aeroporto o tempo final. Chegamos rapidinho e da Fun Zone - local criado pela Caixa em vários aeroportos das cidades-sede - vimos os 45 minutos finais. Pena que o jogo do time brasileiro nem foi tudo isso (como todos os outros).


Luciano Claudino e Luiz Fôlego mandando ver no futebol de botão. O amigo campineiro, derrotado no mini-torneio, agora joga contra o Nílton, campeão potiguar do esporte, fora de casa. Foto: Fernando Martinez.

Ainda passamos um tempo zanzando por ali antes de pegarmos outro voo, agora para Campinas. Lá nos hospedamos no confortável apartamento da família Claudino e na fria madrugada de terça para quarta-feira partimos para mais uma viagem, a primeira para o Sul do país.

Até lá!

Fernando

Nenhum comentário:

Postar um comentário