Procure no JP

terça-feira, 8 de abril de 2014

JP no histórico reencontro entre Batatais e Guarani

Opa!

A peleja que fechou a genial rodada tripla do sábado passado foi absolutamente especial, afinal, foi uma partida que demorou 65 anos para terminar. Desde a lendária final da segunda divisão de 1949, Batatais e Guarani não se cruzaram mais pelos gramados paulistas. Com o rebaixamento do Bugre e o acesso do Fantasma em 2013, finalmente os dois voltaram a se enfrentar.


Belíssimo instantâneo no trajeto entre Pirassununga e Batatais. Foto: Fernando Martinez.

Para contar essa história precisamos voltar ao quadrangular final da segundona de 1949. Guarani, Batatais, Linense e o sensacional Uchoa FC jogaram em turno e returno para definir qual seria o time promovido para o paulista de 1950. Na rodada final, o Guarani somava seis pontos e o Batatais oito. Os dois se enfrentariam em Campinas e o alvirrubro precisava apenas de um empate para conquistar o acesso.

Só que o Guarani aplicou uma sonora goleada por 5x0, forçando a realização de um jogo-desempate na capital paulista. No dia 12 de fevereiro de 1950 os dois voltaram a campo na Rua Javari (!) para definir qual seria o promovido. A arbitragem ficou por conta do lendário Mr. Sunderland. O estádio, lotado e que proporcionou a maior renda na casa juventina até então, estava prestes a presenciar a final de segunda divisão mais polêmica de todos os tempos.

Jogando melhor, o Batatais abriu o placar no primeiro tempo, mas sofreu o empate bugrino logo no início do segundo. Com o jogo em 1x1 começou a confusão. Primeiro o onze batataense teve um gol legítimo anulado pela arbitragem e depois sofreu a virada num lance muito contestado. Os atletas do Fantasma alegaram que um dos jogadores do Guarani tocou a mão na bola no lance do gol.

Como o árbitro não voltou atrás e confirmou o tento, o time alvirrubro simplesmente abandonou o gramado da Rua Javari aos 34 minutos do segundo tempo. No dia seguinte, ainda inconformado com a atuação de Mr. Sunderland, o presidente do Batatais declarou:

"Em represália ao sucedido no campo do Juventus na tarde de ontem, em que fomos esbulhados pelo famoso apitador britânico Godfrey Sunderland, devo adiantar que acabou o futebol no Batatais. Deixaremos de hoje em diante de disputar qualquer certame da FPF. Esta é uma medida que se impõe, pois é a única compatível com a nossa decência."


Detalhe da página de esportes da Folha da Manhã de 14 de fevereiro de 1950.

E foi isso que realmente aconteceu. Enquanto o Guarani passou a fazer parte da elite em 1950, o Batatais abandonou o futebol e só voltou às atividades em 1956. O Fantasma teve apenas mais duas chances reais de chegar na primeira divisão - em 1959 e 1960 - e virou apenas um figurante nas divisões de acesso de São Paulo.


Agora a matéria da peleja publicada no Estado de São Paulo, também na edição de 14 de fevereiro.

Já o Guarani... Bom, todo mundo sabe o que aconteceu com o Bugre. A equipe sagrou-se campeã brasileira em 1978, foi vice nacional em 1986 e 1987, vice paulista em 1988 e 2012, fora as várias campanhas de destaque em diversos certames e também revelou vários jogadores para o futebol brasileiro e mundial.

O encerramento precoce da partida nos deixou várias dúvidas: Se o jogo realizado em 1950 tivesse ido até o fim, o placar teria sido alterado? Se o Bugre não tivesse subido, será que o time se tornaria o que tornou? Se o Batatais tivesse sido promovido será que ele teria feito longa história na divisão mais importante do estado? Podemos apenas deduzir as respostas dessas perguntas...

Durante todos os anos que se seguiram, muitos torcedores do Batatais ainda guardaram muita mágoa por tudo o que aconteceu dentro e fora de campo naquela tarde de fevereiro de 1950. Acusações contra o Guarani, contra o árbitro e contra a FPF que nunca foram provadas. A história dos dois clubes seguiu através das décadas sem nenhuma relação... até a noite de 5 de abril de 2014.


Belas camisas retrô comercializadas pelo Batatais FC. Foto: Fernando Martinez.

Em jogo válido pela penúltima rodada da fase única do Campeonato Paulista da Série A2, o Estádio Doutor Osvaldo Scatena viu o primeiro confronto entre os dois em 65 anos. Pena que para muitos esse reencontro tenha passado batido, algo natural num país sem memória e que se preocupa somente com os times grandes.

Já estava com a ideia fixa de ver essa peleja, qualquer que fosse o mandante, desde o ano passado. Quando a tabela foi divulgada, vi que teria que armar uma daquelas viagens sensacionais que gosto tanto. Passei todo o campeonato ansioso para que tudo desse certo. Após dois meses e meio de espera e muitos telefonemas e conversas pela internet depois, finalmente chegou a hora da peleja.


Batatais FC - Batatais/SP. Foto: Fernando Martinez.


Guarani FC - Campinas/SP. Foto: Fernando Martinez.

Chegamos cedo na cidade, a tempo de conversar com o pessoal local sobre a expectativa para o duelo. Apesar de alguns saberem apenas de detalhes esparsos do que rolou em 1950, e outros menos avisados nem saberem do acontecido, a peleja era muito aguardada por grande parte dos presentes.


Faixa no alambrado do Osvaldo Scatena relembrando a polêmica final de 1949. Foto: Fernando Martinez.


Foto exclusiva do JP com o assistente Daniel Luís Marques, o capitão do Bugre, o árbitro Jorge Torres, o capitão do Batatais, o senhor Geraldo Bergamini, um diretor do alvirrubro, assistente Alexandre Basilio Vasconcellos e o quarto árbitro Alex Junior de Jesus. Foto: Fernando Martinez.

Uma faixa no alambrado e o pontapé inicial dado pelo senhor Geraldo Bergamini, pai de um dos diretores do clube e único batataense vivo que esteve presente na Rua Javari naquela pugna, deram um clima mais cerimonial à "revanche" e ajudaram que a lembrança permanecesse viva, mostrando que aquele sentimento de "injustiça" ainda está longe de acabar.


Pontapé inicial da partida dado pela único batataense vivo que esteve na Javari na final de 49, o senhor Geraldo Bergamini. Foto: Fernando Martinez.

O único lamento foi que o jogo era praticamente um amistoso, já que os dois não tinham chance de acesso nem de descenso. Mesmo com esse panorama não muito favorável, o Osvaldo Scatena recebeu um público superior a mil pessoas na quente noite de sábado.


Ataque batataense pela lateral. Foto: Fernando Martinez.

O primeiro tempo foi até razoável, com o Guarani tendo mais chances de abrir o placar durante a primeira meia hora. Só que os sete jogos sem vitória - o último trunfo foi em 1º de março contra o União Barbarense em jogo que teve a presença do JP - pesaram e nos 15 minutos finais o Batatais passou a gostar da partida.


Troca de passes do Batatais e visão da parte coberta do Osvaldo Scatena. Foto: Fernando Martinez.


Boa investida ofensiva do time da casa pela direita. Foto: Fernando Martinez.

O Fantasma da Mogiana criou duas boas oportunidades mas também não conseguiu marcar. No tempo final tudo piorou. Alguém deve ter falado que o empate salvava as duas equipes do rebaixamento e o que se viu nos 45 minutos finais foi uma modorrenta troca de passes dos dois lados.


Fantasma da Mogiana saindo para tentar jogada. Foto: Fernando Martinez.

A torcida não gostou nada do que viu e vaiou as duas agremiações por todo o segundo tempo. O tempo acabou servindo para um bom papo com o amigo Luciano Claudino na beira do gramado e também para apreciar talvez a melhor pipoca que já comi num estádio de futebol, com direito a pedaços gigantes de bacon. Aprovadíssima, ganhou fácil o Selo JP de qualidade.


Jogador do Guarani tentando se desvencilhar da marcação batataense. Foto: Fernando Martinez.


O segundo tempo teve poucas emoções. Foto: Fernando Martinez.

Quem ficou sem o Selo JP foi o próprio jogo, pois o Batatais 0-0 Guarani pode ter "salvado" oficialmente os dois do rebaixamento, mas deixou um gosto amargo na boca de todos. Para muitos, o Fantasma perdeu a chance de ouro de vencer a "revanche" da final de 1949. Como os dois irão jogar a A2 em 2015, ficou para o ano que vem.

Outro destaque a respeito dessa partida, esse bem particular, foi que ao ver o Batatais, completei a meta de ver in loco cada um dos 20 times da Série A2 em 2014. Não foi nada fácil, mas valeu demais ter trazido para todos os amigos do JP uma matéria de cada equipe que jogou essa competição, numa cobertura quase que exclusiva no estado.

Bom, depois de 12 horas de futebol, pegamos a estrada até a cidade de Campinas. Ali, eu e o casal Luiz e Juliana ficamos esperando três horas e meia até o primeiro ônibus para a capital sair. Resultado: cheguei em casa às sete da matina e sem condições de acompanhar a jornada matutina do domingo. Preferi dormir um pouco e acordar a tempo de ver a jornada vespertina, também pela A2. Teve acesso na pauta do JP.

Até lá!

Fernando

Nenhum comentário:

Postar um comentário